Latam Fidelidade altera pontuação de voos e qualificação de categorias

Denis Carvalho 5 · dezembro · 2016

O Latam Fidelidade passará por novas e importantes mudanças em 2017! O Melhores Destinos teve acesso em primeira mão às alterações, que afetarão o acúmulo de pontos Multiplus por voos e a qualificação de categoria dos clientes no programa. Confira nesse post como fica o Latam Fidelidade a partir do primeiro semestre de 2017. Prepare-se!

Acúmulo de pontos Multiplus em voos nacionais Latam

A primeira mudança se refere ao acúmulo de pontos Multiplus nos voos domésticos da Latam. A partir do ano que vem, a pontuação será definida com base no nível do passageiro no programa, que definirá o índice multiplicador. Confira a tabela:

pontos-latam-voo-domestico

Para saber quantos pontos renderá um voo, basta multiplicar o valor pago pela passagem pelo índice correspondente segundo a tabela acima. Por exemplo: um cliente pertencente à categoria Platinum que compra um trecho de São Paulo para o Rio de Janeiro por R$ 300, por exemplo, deve multiplicar 300 por 6 totalizando 1.800 pontos Multiplus.

Em geral, nos voos domésticos vai melhor o acúmulo para os clientes, especialmente os que tiverem status no programa. Para quem compra hoje a tarifa Básica o acúmulo será maior com a mudança, em todos os casos. Por exemplo, um cliente sem status, o acúmulo passa de 2 pontos para cada R$ 1 gasto para 2,5, um aumento de 25%.  Quem comprava a tarifa Flex ou Top, vai passar a acumular menos se for cliente Latam (de 3 para 2,5 pontos por real gasto) ou mais a partir do Gold (de 3 para 2,5 pontos por real gasto), bem como o Black (de 6 pontos por real gasto para 7 pontos por real gasto) e Black Signature (de 6 pontos por real gasto para 8 pontos por real gasto). Para o Platinum com tarifa Flex ou TOP não muda (continua 6 pontos por real gasto).

A Latam ressaltou que os clientes Platinum, Black e Black Signature continuarão com o acúmulo mínimo de 500 pontos por voo.

Acúmulo de pontos Multiplus em voos internacionais Latam

Aqui que o bicho pega! Nos voos internacionais as mudanças serão mais profundas e bastante impactantes, especialmente aos clientes não possuem status elevados no programa.

O cálculo de acúmulo de pontos em voos Latam deixa de ser feito pela distância voada e passa a considerar apenas o valor pago na tarifa, só que em dólares!

Confira os índices multiplicadores de cada categoria:

pontos-multiplus-latam

O grande problema aqui é que, com a atual cotação do dólar, o valor de pontos acumulado com viagens internacionais tende a reduzir significativamente no novo modelo. Por exemplo, um cliente sem status que compre uma passagem por US$ 500 hoje acumula entre 8.144 e 12.146 pontos numa viagem de ida e volta para os Estados Unidos (Miami, por exemplo) ou Europa (Frankfurt, por exemplo). Com o novo modelo, vai passar a acumular apenas 2.500 pontos. Ou seja, quase 80% menos, no pior cenário. Para acumular o mesmo que antes, teria que adquirir um bilhete numa tarifa de, no mínimo, US$ 1.629 (ou R$ 5.603 no câmbio de hoje). Ou seja, ficou bem, bem pior.

Mesmo para os clientes das categorias mais altas, o acúmulo vai reduzir significativamente, já que eles recebiam o bônus de 100% sobre os pontos acumulados pela distância voada. Por exemplo: um cliente que está na categoria Black do programa e comprou um trecho de São Paulo a Miami por US$ 500 deve multiplicar 500 por 11, totalizando 5,5 mil pontos Multiplus.

A conversão do valor pago em reais para dólares será feita pela taxa IATA do fechamento do dia.

O pontos Multiplus acumulados a partir de viagens com parceiros da aliança Oneworld não sofreram alterações.

A grande incoerência, analisando as novas regras, é que uma viagem internacional com a American Airlines entre São Paulo e Los Angeles, com a tarifa de US$ 500, pode render, dependendo da tarifa adquirida, 12.312 pontos (referente às milhas dos voos de ida e volta saindo de São Paulo), bem mais do que um voo na própria Latam. Ou seja, a Latam reduziu drasticamente o incentivo em pontos para os clientes fazerem voos internacionais com a empresa.

Pontos Elite para upgrade de categoria no Latam Fidelidade

Outra novidade, a partir de janeiro, será a introdução dos pontos Elite, nome dado aos pontos que qualificam o cliente a transitar entre as cinco categorias do programa: Latam, Gold, Platinum, Black e o Black Signature. Esta pontuação é exclusivamente acumulada a partir das milhas voadas em trechos domésticos e internacionais multiplicadas pelo índice de cada tipo de tarifa utilizada:

pontos-elite-latam-fidelidade

Assim, um cliente que compra um bilhete na tarifa Flex para viajar entre duas cidades distantes 500 milhas, por exemplo, deve considerar o cálculo de 500 (milhas) vezes 150%, totalizando 750 pontos Elite no trecho voado.

Importante ressaltar que clientes de todas as categorias ainda terão o acúmulo mínimo de 500 pontos Elite.

Os associados do Latam Fidelidade se classificarão para as categorias do programa somando Pontos Elite. O upgrade ocorre durante o ano, assim que o cliente atingir o mínimo de pontos Elite ou trechos voados necessários para se qualificar para cada uma das categorias Elite. Já o processo de manutenção e downgrade de categoria continua acontecendo no mês de março, considerando o ano anterior, sem nenhuma alteração com relação ao processo atual.

O pontos Multiplus acumulados a partir de viagens com parceiros da aliança Oneworld continuam valendo para upgrade nas categorias do Latam Fidelidade. Para conversão dos pontos Multiplus em pontos Elite, no entanto, o cliente deve considerar 50% dos pontos Multiplus acumulados.

Ainda que isso seja uma tendência de mercado, na nossa avaliação, a mudança foi bem exagerada. Se serve de consolo, o Latam Pass, programa de fidelidade da Latam Chile, implementou mudanças ainda piores que estas, estabelecendo, inclusive metas em dinheiro gasto com passagens para qualificação de categorias. A diferença, para nosso bem, é que lá é um mercado quase sem competição, enquanto no Brasil a companhia enfrenta três fortes competidores.

As mudanças entram em vigor ao longo do primeiro semestre de 2017! Vamos torcer para demorar ao máximo! Importante: as passagens compradas antes do dia 1 de Janeiro de 2017 seguem as regras antigas.

Mais informações no site da Latam sobre as mudanças no acúmulo de pontos e qualificação de categoria.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe
  • Marcelo Melo

    Os caras acabaram com o programa! 🙁

  • Matheus

    RIP

  • Augusto César Pires

    Era o que faltava para, definitivamente, apontarmos a morte do programa após a fusão com a Lan…

  • Carlos Zahlouth Júnior

    Mais porrada na cabeça do consumidor. Tá tudo piorando.

  • Thiago Castro

    Para mim que sou um usuário não muito frequente (uma viagem internacional e três nacionais por ano, em média), os programas de fidelidade servem para pouca coisa. Não consigo o suficiente para upgrades. Tb não faço esforços para conseguir pontos em cartão e afins (já fiz no passado quando ainda valia a pena).

    Ou seja, o negócio é procurar promoções para viagens internacionais, se programando com antecedência. Os pontos que eu consigo acumular, utilizo em viagens domésticas (principalmente ponte aérea para ver a família) em promoções de milhas (pagando 5 ou 6 mil o trecho). E é isso!

    Programa de milhagem está se tornando cada vez mais um artigo de luxo (como era voar nos anos 80 e 90).

    • Fernando Costa

      Concordo com você: é muito mais negocio buscar nas diversas cias aéreas boas promoções do que permanecer “fiel” a essas empresas que “premiam” os clientes frequentes.

  • Manoel Osni Padilha Ribeiro

    Exemplo, fora de promoção, uma viagem ida e volta de FPLS -> Fortaleza, custa 32k pontos, para mim, 1.000 pontos igual a R$35,00 (preço que tu pode comprar pelo programa) ou seja, ida e volta seria 32 * 35 = R$1120,00, bem acima do praticado em dinheiro, e nas promoções fica 12.800 o trecho, 25.600 pontos = R$896,00.

    Em dinheiro temos bem mais liberdade de escolha e não ficamos na mão dos programas.

  • Mark Wilson

    Ainda vai ser possível o upgrade de acordo com o número de voos feitos no ano? Esse ano tive upgrade para Platinum com 40 voos (qualquer tarifa) no Fidelidade. Isso facilita o upgrade, embora não interfira nesse lance do acúmulo, que ficou péssimo.

    • Os trechos vão continuar oferecendo upgrade, pelo menos até agora

  • Thiago M

    entao quem vai viajar em 2017 e comprar passagem ainda esse mês receberá os pontos com a regra de 2016?

  • Bruno Pinho

    e pensar que nesse ano acumulei 5000 pontos ida e volta Rio – Santiago (chile). na pesquisa dos programas de fidelidade ja tinha comentado como a multiplus tinha piorado e a smiles melhorou um pouco…… com essa notícia não tenho duvida nenhuma…

  • Irene Schmidt

    Com essa, cancelo definitivamente meu cartão Itaucard/TAM. A anuidade de cerca de 200 reais não está compensando. Optando pelos cartões gratuitos que há no mercado, sem anuidade ou tarifas, sem programa de milhas. Milhas, só voando, e olhe lá, só em algumas companhias.

  • Só piora…

  • Sergio Rainor

    Nem ligo para esses programas fajutos. Toda vez que tentei usar meus pontos só me incomodei, além disso prefiro aproveitar as promoções de todas as companhias e não ficar pagando mais caro em voos apenas para tentar juntar milhas que logo expiram. Até os pontos do meu cartão de crédito eu prefiro usar para trocar meus eletrodomésticos.

  • Marcos Cavalheiro

    Vamos ao Tudo Azul?

  • Tom Ferreira

    Para os destinos que viajo (somente nacionais), já há bastante tempo ficou inviável viajar com pontos múltiplos e praticamente abandonei o programa. Quando viajo pela Latam, é muito mais negócio adquirir a passagem com dinheiro.

  • Thiago Castro

    No trecho Brasil-EUA, ainda acho a Latam melhor. Mas nos vôos domésticos eu vou pelo preço. Se puder escolher, vou de Avianca.

    • LuRodamilans

      Talvez vc ainda não tenha voado de Avianca para os EUA, os voos são maravilhosos, não se compara a nenhuma outra. Pena que a tarifa nem sempre ajuda, mas se tiver oportunidade experimente!

  • Cleber Gino

    Boa tarde, por favor corrijam o trecho referente ao AAdvantage. Desde o ano passado, já operam no sistema de pontuação por valor pago em Dólar, infelizmente!

  • Fernando Prado

    Pior coisa que aconteceu foi essa chgeada da lan, tudo piorou e muito

  • Fabricio Reis

    Na pesquisa dos programas de milhagem daqui, eu coloquei que acreditava que os programas iriam piorar um pouco no ano que vem. Triste engano. Basta ver uma notícia dessas para ter certeza que irão piorar muito… Mas na mesma pesquisa eu já havia dito que deixarei de acumular milhas nos programas nacionais. Essa certeza não mudará.

  • Sergio Ricardo Cruz

    Acho que tem algum erro no texto. Está postado ” … compra um bilhete na tarifa Flex para viajar entre duas cidades distantes 500 milhas, por exemplo, deve considerar o cálculo de 500 (milhas) vezes 150% …”, só que na tabela que está acima do texto, a tarifa Flex pontua 125%. O erro tá onde? no texto ou na tabela?

  • Marcelo Domingues

    Nessas condições, acho que ninguém mais vai voar para fora do Brasil pela LATAM se puder ir por uma companhia da Oneworld e quiser acumular milhas…
    Achei que foi um tiro no pé…

    • Sergio Ricardo Cruz

      Em milhas LATAM, eu prefiro viajar pros EUA pela American. Tem vezes que o trecho da Latam tá 80.000 pontos e o da American tá 35.000. Mas só ficamos sabendo disso se ligarmos para o SAC deles e perguntar quantas milhas são pra lá pela American. Toda vez que quero ir e vejo que na Multiplus tá muito alto em pontos, ligo pra lá e, na grande maioria das vezes, ir pela AA fica mais em conta. E bem mais!

  • Pedro, tu vai precisar fazer contas agora. Isso, sim!

  • Sergio Ricardo Cruz

    Desde a fusão que a sede já era lá. Aqui tinha se tornado apenas a filial administrativa.

  • Os programas de milhas, no mundo todo, têm piorado de forma sistemática e progressiva. O AA, que era um dos melhores, ficou ruim! O LATAL/Multiplus, que era apenas OK, ficou muito ruim agora…A Delta, apesar de contar com pontos que não vencem, está muito cara e difícil também de acumular pontos.

    Prevejo, em breve, uma certa valorização de compra/venda/troca de milhas. Ou, pior ainda, um festival de milhas terminais que nunca serão utilizadas por aqueles que nunca conseguirão atingir o mínimo necessário para viajar com milhas.

    Cada vez mais, não faz sentido ter cartões de créditos caros e dedicados. Vida longa do Nubank e ao Neon!

  • Entre pagar €800, €900 numa roundtrip AMS-GRU para ter milhas, pago €390 e gasto o resto em cerveja.

  • Evelyn Costa

    Mas que lástima… Fiz uns voos internacionais esse ano com a Latam e não tive nada a reclamar… mas agora vou procurar alguma que me bonifique melhor…

  • Dionísio Alencar

    Esses incompetentes fizeram uma grande mudança no programa no início do ano e já vão mudar tudo de novo. Estão perdidos.

  • Edival Junior

    Fernando também achei um absurdo o q estão fazendo… sou Black signature e quando logo a pontuação muitas vezes sobe!!!!! Parece piada…. quem não tem status no programa resgata com menos milhas q alguém q tem status maximo na Latam!!!!

  • Ellen Grzybowski

    Com toda certeza os pontos necessários para voar um trecho com milhas não irão reduzir na mesma proporção né?! Sacanagem…

  • Pedro

    Aqui colocaram uma marionete como presidente que gosta de falar besteiras e que cumpre tudo o que os chilenos mandam

  • Até o momento o upgrade por trechos voados continua valendo.

    • Marcos

      O que não está valendo para mim é ficar pagando pelo Multiplus Clube e não ver promo nenhuma deles. Então porque criaram o clube? A boa notícia é que o Km está com bonificação especial para resgates realizados entre 05/12 e 12/12: em vez de 4X são 5X pontos Multiplus mais o bônus em dobro no mes seguinte.

  • Se hoje na tarifa básica dão 2 pontos por real e vão passar a dar 2,5 pra categoria mais baixa, com certeza vai ficar mais “caro” trocar milhas por passagens…

  • Vitor Aragão de Carvalho

    Péssima ideia essa da latam no que diz respeito a passagens internacionais. Quanto as nacionais até melhorou! Mas nós que pensamos em ser clientes mais fieis em vista de ganhar mais pontos e ter upgrade de categoria foi um vacilo grande da parte deles. Eu agora só comprarei passagens internacionais das parceiras oneword.

    Denis: se eu comprar um vôo com a Lufthansa para Roma, conseguirei pontuar por milhas com a latam? Qual a porcentagem dos pontos elite nesse caso?

    • Consegue sim, mas depende da tarifa comprada. Em todos os casos não conta como pontos de qualificação, pois ela não é da aliança oneworld: Cabine Econômica – Classe de Reserva: B, Y, H, U, M / % de Pontos: 100%
      Cabine Econômica Promo – Classe de Reserva: Q, V, S, W / % de Pontos: 50%
      Tarifas que não pontuam: O, I, X, R, L, T, K, P, E* – 0%. A classe E é inválida para voos dentro da Europa
      A partir de 1 de janeiro de 2017, o acúmulo na parceira Lufthansa será exclusivo para as rotas América do Norte e África. Mais infos: https://www.latam.com/pt_br/latam-fidelidade/nosso-programa/companhias-aereas-parceiras/outras-companhias-aereas-parceiras/

      • Dalton

        Toda essa discussão ainda tem o agravante de não sabermos se haverá (e + q provável haverá) reajuste das passagens em pontos

  • Victor

    A melhor forma de acumular pontos deixou de ser mediante passagens aéreas e passou a ser com a realização de compras em parceiros do Multiplus…. Tem promoções nos parceiros onde 1 real gasto equivale a ate 10 a 15 pontos multiplus, ou seja, se a pessoa comprar um tênis de 300 reais, acumula de 3000 a 4500 pontos!! Vai entender a forma de pensar desses caras….

  • Matheus

    Ou seja, o Multiplus está se tornando um programa de fidelidade que pontua compras EXCETO de passagens aéreas.
    Pontuar 12 pontos por real num tênis, e bem menos num voo, não tem como dizer que o objetivo é fidelizar o viajante!
    Enfim, espero que a Azul se ligue e torne o programa deles mais competitivo que o Smiles, fazendo mais promoções e inovando (ou imitando) as facilidades que o Smiles implementou, como reserva de passagem até atingir as milhas necessárias, etc.
    Por que agora a Multiplus deixou a competição com aéreas.

  • Luiz Fernando A Garrafiel

    Esses “programas de milhagem” são iguais ao produtos oferecidos pelo gerente de banco, pode parecer bom para o cliente, mas na real é muito melhor pra empresa.

  • Rodrigo Araújo

    Neste mês atingirei 15000 pontos no meu cartão santander para transferir para algum programa de milhagem, tenho pontos no Smiles, Tudo Azul e Multiplus.
    Atualmente tenho mais no multiplus mas irei fazer uma viagem em fevereiro e conseguirei uma pontuação boa no SMILES via GOL, agora a dúvida surge, transfiro esses meus pontos para o Smiles ou Multiplus? Afinal tem algum programa de milhagem que esteja valendo a pena?

    • Marcos

      Depende muito do seu aeroporto de origem e destino. É só simular nesses programas e ver o melhor. Dá um pouquinho de trabalho mas vale a pena.

  • Kym Asscher

    O acúmulo em voos internacionais era o único motivo que ainda fazia valer a pena voar LATAM pra EUA e Europa. Acabaram de perder uma grande vantagem, além de ser uma tremenda incoerência, como a própria matéria coloca.

  • Fábio

    Me cobraram 60 reais por isso no mês passado. Será que posso exigir reembolso?

    • Albino

      Acho muito difícil, pois a partir do momento que você faz o pagamento você “aceita” a cobrança.

  • Dalton

    A vantagem de ter upgrade/manutenção de categoria com os trechos voados deixa de existir: única vantagem da LAtam perante os outros. Será por pouco que o Multiplus ganhará das demais na enquete dos MD. Uma pena. Pelo menos o Smiles melhorou. Os vôos com melhor rentabilidade são os internacionais e a LAtam desincentiva sua compra… O pessoal não sabe o que é externalidade? Vou procurar outras cias para comprar vôos LAtam

  • LuRodamilans

    A muito tempo…