Iberia anuncia fim dos voos saindo de Recife e Fortaleza

Denis Carvalho 9 · setembro · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A Iberia deve encerrar as atividades na rota Madri-Fortaleza-Recife a partir de 2 de novembro. Segundo informou a empresa, a alta no preço do combustível e a crise na Europa seriam as causas do fim das atividades na linha, que teve início em fevereiro e tinha três voos por semana.

“Lamentavelmente estamos desativando essa rota, por causa da alta do preço do petróleo e do agravamento da crise europeia”, afirmou o diretor comercial da Iberia no Brasil, Andrés Lorenzetti em entrevista ao jornal Valor Econômico. Segundo ele, a taxa média de ocupação dos voos ao Nordeste se situa entre 75% e 80%, mas o melhor aproveitamento está sendo registrado na classe econômica.

De acordo com a Iberia os custos com combustível aumentaram cerca de 40% desde o fim do ano passado. Em média, o querosene de aviação responde por cerca de 35% dos gastos de uma companhia aérea. Com o fim dos voos diretos ao Nordeste, a empresa espanhola vai reduzir sua operação semanal no Brasil das atuais 23 para 20 frequências por semana, mantendo os voos entre Madri, São Paulo e Rio de Janeiro.

A alta no preço do petróleo tem causado grande problemas na aviação em todo o mundo. No Brasil, além da Iberia, a LAN cancelou pelo mesmo motivo sua rota de Brasília a Lima e a israelense El Al anunciou o fim de sua operação no Brasil, que deve ocorrer no dia 10 de novembro, quando decolará o seu último voo entre São Paulo e Israel.

Outras empresas têm tomado medidas para conter os gastos diante da escalada no preço do querosene de aviação. É o caso da TAM, que no próximo mês trocará as aeronaves A340 que operam a rota São Paulo–Milão por A330. Como tem apenas dois motores, o modelo gasta em média 20% menos combustível por assento.

Com informações do Valor Econômico e os alertas dos leitores Aglailton e Igor.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe