Hotéis no Vale dos Vinhedos: dicas de onde se hospedar em Bento Gonçalves e região

Bruna Scirea 2 · julho · 2018

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A região do Vale dos Vinhedos é daqueles lugares que oferecem hotéis e pousadas para todos os gostos e bolsos – desde que, claro, você se lembre de fazer as reservas com alguma antecedência. Além de encontrar preços melhores, será possível escolher o que mais tem a ver com você: hotel na cidade, pousada dentro uma vinícola, spa com tratamentos a base de vinho ou opções super econômicas?

Vai para a região de Bento Gonçalves? Confira nossos posts sobre o passeio de Maria Fumaça, dicas para montar o seu roteiro pelo Vale dos Vinhedos e também pelo Caminho de Pedras.

Experiência própria. Moro há 10 anos em Porto Alegre e, como gosto muito do interior e, sobretudo, de vinho, já fui algumas vezes para a Bento Gonçalves e cidades vizinhas. Boa parte delas sem qualquer planejamento: pegando o carro no fim da sexta-feira e, no caminho, tentando achar um lugar para dormir. Nem sempre deu certo, especialmente na alta temporada (inverno) e época da vindima, quando as opções costumam estar lotadas – e/ou com preços bem elevados. Já paguei bem caro e também já dormi em um porão, escuro e úmido como um bunker. Acho que ficou claro: se puder, não deixe para ver a hospedagem na última hora!

Dito isso, vamos ao que interessa! No início de fevereiro deste ano, no alto da vindima (época de colheita das uvas), estive por três dias em Bento Gonçalves e região. E testei três hotéis com propostas e preços diferentes. Confira abaixo como foi a experiência em cada um deles – e ainda outras opções semelhantes. As diárias foram pagas pelo Melhores Destinos e o texto reflete a minha opinião.

Conforto, custo-benefício, no centro de Bento Gonçalves

Para conhecer bem todos os possíveis caminhos do Vale dos Vinhedos e região, é bom que você esteja de carro. E estando de carro, não importa tanto assim o lugar onde você vai se hospedar – até porque tudo é relativamente perto. Se sua vontade for estar perto de bares e restaurantes, lugares para curtir a vida noturna e com boa oferta de farmácias e lojas nas redondezas, nada melhor do que escolher a região central de Bento. Dentre algumas opções de hotéis com essa localização, nos hospedamos no Lagheto Viverone.

Com preço mediano em relação às opções do Vale dos Vinhedos (no início de fevereiro, o valor para o quarto de casal era de R$ 275), o hotel fica bem localizado, oferece o conforto básico (boa cama, TV a cabo, café da manhã modesto), além de duas jacuzzis, sauna e academia no último andar. O check-in foi super rápido, o serviço de quarto oferecia opções simples de alimentação e o café da manhã contava com algumas opções de salgados, bolos, pães, frios e frutas. É daqueles hotéis que misturam turistas e também gente que viaja a trabalho. O estacionamento teve um custo a parte, de R$ 25.

Uma opção semelhante, com diárias normalmente um pouco mais baratas, é o hotel Vinocap, no centro de Bento Gonçalves.

Super econômico, à beira da estrada, café da manhã simples

Atualização: recentemente o Super 8 teve o nome alterado para Hotel OTEO.

A rede Super 8 chegou não faz muito à Serra Gaúcha. Em Bento Gonçalves, o novíssimo hotel está localizado à beira da ERS-470, bem próximo a uma das entradas para o Vale dos Vinhedos – mas não se ouve nada de barulho do trânsito. É uma localização bem boa para quem deseja circular pelas várias rotas que a região de Bento oferece, além de ser um excelente custo-benefício para quem desejar passar o dia fora e, ao chegar cansado à noite, ter algum lugar confortável e sem frescuras para repousar. O valor pago para um quarto duplo no início de fevereiro foi de R$ 175.

O check-in foi demorado por conta de uma fila relativamente grande – havia somente uma funcionária na recepção quando cheguei. Mas o quarto estava limpíssimo, com mobília nova e bem equipado (frigobar, camas confortáveis, TV a cabo e internet wi-fi). O estacionamento é na área à frente do hotel e não há custo adicional. Não há piscina, sauna ou qualquer área de lazer. O café da manhã é bem simples: algumas opções de frutas, iogurtes e cereais, pães, frios, bolo, omelete e salsicha. Nada que você queira se fartar comendo – mas, convenhamos, é até bom não queimar a largada logo cedo, pois fome é o que você não vai passar nesta região de massas e galetos.

Requinte, vista para os vinhedos, spa, piscina ao ar-livre e restaurante

Agora, se a sua ideia é gastar mais e curtir com calma cada serviço oferecido pelo hotel, uma boa opção pode ser o Hotel Spa do Vinho, localizado em uma das principais estradas do Vale dos Vinhedos (a ERS-444), bem à frente da famosa vinícola Miolo. Rodeado por vinhedos, o hotel é um dos hotéis exclusivos Authograph Collection da rede Marriott e conta com spa, quadras de tênis e piscina aquecida ao ar-livre.

Ao ingressar pelo portão principal, a vista já é bonita: o hotel está no topo de uma subida, o caminho é cercado por ciprestes e vinhedo. A recepção é uma grande área, com ambientes que incluem lareira, sofás, poltronas – tudo em um clima muito aconchegante. Você será recebido com uma taça de espumante e um tratamento diferenciado – assim como o valor pago da estadia: no início de fevereiro, o quarto duplo mais simples saiu por R$ 368. Era uma quinta-feira, na sexta e no sábado do mesmo fim de semana, as diárias mais baratas ficavam acima de R$ 900.

O quarto com a menor tarifa, no entanto, é bem simples. Uma cama enorme e confortável, TV a cabo, wifi e um banheiro também grande. Havia ainda um sofá, uma mesa onde estavam uvas frescas e, no armários, estavam disponíveis roupões de banho. Um catálogo sobre a mesinha ao lado da cama mostrava todos os inúmeros serviços oferecidos pelo spa: massagens, banhos com sementes de uva, tratamentos estéticos, funcionais e o que mais se possa imaginar – os custos seguem a linha das diárias, digamos assim.

O café da manhã é super farto. Tem opções de sucos, frutas, cereais, iogurtes, queijos coloniais, copa e salames, pães artesanais, bolos variados, omelete e outras delícias servidas à mesa. O salão onde se faz o desjejum é amplo e muito bem decorado. É uma delícia ficar ali, admirando a vista dos janelões – e um perigo também, já que a gula provavelmente será bem maior do que a fome.

Hospedagem em vinícola, com o conforto de um ambiente familiar

E é claro que tem opções para se dormir bem pertinho das parreiras, curtindo a calmaria da vida no interior e todos os benefícios de se hospedar do ladinho das pipas de vinho. Entre as vinícolas que oferecem hospedagem está a Don Giovanni, no interior do município de Pinto Bandeira – região conhecida pelos espumantes. Fica próxima do Caminho das Pedras e a cerca de 24 km do Vale dos Vinhedos.

A casa é antiga e espaçosa, localizada ao lado do local onde os vinhos são produzidos. Aliás, uma geladeira com opções de vinhos e espumantes está posicionada próxima da recepção – e os hóspedes podem ir até ela e escolher o que desejam beber, anotando o que consumiu um caderninho para pagar no fim da hospedagem. Com isso se pode ter ideia de quão familiar é o ambiente. A pousada possui seis quartos e conta com uma imensa área ao ar livre, com possibilidade de um passeio despretensioso junto ao vinhedo e um banho de piscina ao ar-livre. Em alguns sábados, o restaurante é aberto e há um “tour” para ver o por-do-sol e beber os rótulos da casa.

Fiquei sabendo da pousada enquanto visitava a vinícola. Portanto, não me hospedei ali. Mas visitei os quartos e suspeitei que o café da manhã seja uma delícia – o cheirinho de bolo de cenoura no forno atiçou todas as lombrigas.

Outras opções de hospedagem em vinícola é a pousada da Casa Valduga, no Vale dos Vinhedos. Ali próximo, também é possível dormir na Villa Michelon, que não é uma vinícola, mas uma área verde com pomar e atividades ao ar livre. No Caminho de Pedras, a 6 km de Bento Gonçalves, em direção a Pinto Bandeira, também há a opção de dormir na Pousada Cantelli ou na Pousada Casa Barp – em casas feitas de pedra, bastante aconchegantes e em região rural e silenciosa.

_________________

Obviamente não esgotamos todas as opções de hospedagem com este post. Mas pretendemos ampliá-lo a medida em que visitarmos novamente o Vale dos Vinhedos. Se você ficou nestes hotéis ou tem outras sugestões de onde se hospedar nesta região da Serra Gaúcha, deixe a sua dica nos comentários!

Autor

Bruna Scirea - Editora