Governo planeja privatizar ou extinguir Infraero e conceder 54 aeroportos para a iniciativa privada!

Leonardo Cassol 9 · junho · 2017

O Governo Federal estuda transferir 54 aeroportos que estão sob sua administração para a iniciativa privada. Uma alternativa considerada é a concessão dos aeroportos. A outra é a privatização da estatal Infraero.

É uma tentativa de atrair investimentos significativos para o setor (em torno de R$ 17 bilhões), resolver os gargalos de infraestrutura existentes, melhorar o nível de serviço e gerar caixa. A expectativa dos técnicos é arrecadar até 43 bilhões de reais, e ao mesmo tempo resolver o problema dos contínuos e crescentes prejuízos acumulados pela Infraero nos últimos anos.

Caso a concessão dos aeroportos seja a alternativa escolhida, os terminais mais rentáveis, como, por exemplo, Congonhas e o Santos Dumont, deverão ser leiloados juntamente com outros menores e menos atrativos. Serão criados seis lotes, considerando a distribuição territorial.

Se a privatização da Infraero for a opção definida, a área das torres de controle e de navegação aérea deverá ser transferida para uma nova estatal, que se chamaria Nav Brasil, e teria o apoio dos militares, segundo o ministro dos Transportes, Maurício Quintella.

De acordo com o ministro, a área econômica do governo hoje prefere a solução da privatização, pois geraria recursos mais rapidamente. Mas a decisão ainda não foi tomada. O governo deve apresentar os dois projetos aos investidores para testar o apetite e avaliar as percepções do mercado.

Seja qual for a decisão, ainda há um longo caminho a ser percorrido. Afinal, não é a primeira tentativa. Como economista, trabalhei por mais de dois anos gerenciando projetos de modelagem de parcerias público-privadas e posso testemunhar o quão complexo e difícil é colocar um projeto em leilão. Claramente alguns desafios importantes terão ser superados.

Um desafio é viabilizar o interesse de investidores privados, num momento que há enorme incerteza do ambiente político e econômico do Brasil, incluindo o risco de mudança do atual governo antes do ciclo eleitoral. De um lado, boa parte dos grupos empresariais nacionais que investiram nos aeroportos até então concedidos estão combalidos ou juridicamente comprometidos pelos adventos da Operação Lava Jato. Do outro, as empresas estrangeiras terão que trabalhar duro para convencer seus controladores de que a oportunidade é boa o suficiente para compensar a insegurança jurídica, econômica e institucional do país, nesse momento tão complicado. Imagine explicar para um gringo o que acontece no Brasil…

Provar a viabilidade econômico-financeira dos terminais existentes ou da Infraero como um todo é outro grande desafio. Conceder Guarulhos, Galeão, Viracopos, Brasília e Confins, ou mesmo, Fortaleza, Salvador, Porto Alegre e Florianópolis é bem mais fácil do que aeroportos menores, como Altamira, Boa Vista, Campina Grande, Corumbá, Tabatinga, etc. Ou seja, os aeroportos com maior potencial e receita já foram concedidos. Do que sobrou, a grande maioria é deficitária. Alguns sequer recebem voos comerciais regulares, e não por problemas de infraestrutura, mas por falta de interesse das companhias aéreas, como o aeroporto de São José dos Campos, por exemplo.

Outro desafio será vencer a resistência e o corporativismo estatal, já que a Infraero tem hoje mais de dez mil funcionários. Nas concessões vigentes, os administradores privados não aceitaram ficar com os funcionários originários da Infraero. Eles foram transferidos para outros aeroportos ou aderiram a programas de demissão voluntária. Vender ou acabar com a estatal vai ser um desafio muito maior, e o governo vai receber muita pressão.

Em qualquer cenário, o governo vai precisar de tempo e de muita força política para levar esse objetivo adiante. E esses dois elementos andam bem escassos! Mas se for para melhorar a infraestrutura, aumentar a eficiência do setor aéreo e beneficiar o passageiro, vamos aguardar e acompanhar, torcendo para que dê certo!

E você, o que achou da notícia? É uma boa medida para os passageiros? Comente e participe!

Autor

Leonardo Cassol - Editor Editor e especialista em programas de fidelização do Melhores Destinos.
  • Despetizador

    Mais de 10.000 funcionários na Infraero?? Não admira que o país esteja quebrado. Tem que privatizar já essa bagunça!

    • Renato Matos

      E que venha junto a liberação de 100% de capital estrangeiro para empresas aéreas regionais.

  • Feliz sem Jesus…!

    Espero mesmo que a Infraero desapareça para sempre. O Estado tem de ser minimo, enxuto e eficiente. Nao precisamos de mil estatais por toda parte.

  • LuRodamilans

    Já estava mais do quena hora de cortar esse cabide de dinheiro… Essa empresa não faz nada… Tem que privatizar mesmo, deixar quem quer trabalhar de forma seria… Em todos os lugares que a iniciativa privada cuida, os serviços são melhores! Totalmente a favor!

    • Despetizador

      Como não faz nada? Claro que faz. Ela atrapalha!

  • LuRodamilans

    Faltou mencionar: Quando a Lava Jato vai investigar a ANAC?

  • Eduardo Costa

    Ótimo, quanto menos o Estado interferir no mercado melhor, tudo que o estado se envolve, inclusive com particulares, ou tem um serviço porco ou tem desvio de verba, ou o mais normal, ambos.

    • Welton

      Telefonia e energia funcionavam muuuito melhor quando eram estatais, exceto em sampa, onde sempre foi uma zona. O estadndso tem muitas empresas que vão muito bem obrigado, e geram dividendos para nós, e não lucros indecentes para fundos de pensão americanos.

      • Alessandro

        telefonia em minas sempre foi ruim, seja estatal ou agora.

      • Rodrigo Valdez

        Quais estatais vão bem?

      • Guilherme

        Amigo você só pode estar brincando. Telefonia funcionava bem ? Quantos anos você tem ? 15 ? Você sabe o que é pagar para alugar um telefone fixo ? Sabe o que era pagar mais de R$ 2.000,00 e esperar dois anos pra instalar uma linha na sua casa ? É sério mesmo ou ironia ? Não pode ser sério isso. 4G com Telefonia pública a gente ia ver quando o mundo tivesse no 10G e olha lá. Só falta você me falar também que a Infraero era TOP quando era Estatal e produzia EMB-120 Bandeirantes e hoje que produz jatos grandes que voam no mundo todo que tá ruim. Bom mesmo deve ser tudo na mão do estado, como a gente vê como funciona na Petrobrás por exemplo. Assim que é bom, ter zilhões de chupins sugando a estatal.

        • Guilherme

          A infraero é um poço de roubalheira, como segue o padrão de tudo. Total roubalheira e com serviço péssimo ainda.

        • Pablo Pessoa

          É a embraer q fabrica avioes, nao?

          • Guilherme

            Isso, escrevi errado, Embraer.

      • Você foi irônico certo?

        • Welton

          NAO.

      • Eduardo Costa

        Amigo vc tem quantos 16 anos?! Telefonia funcionava muito bem? Vc é louco?! O serviço de telefonia era uma porcaria, praticamente vc não tinha nem a quem reclamar, uma manutenção levava mais de semana as vezes e o preço, a melhor parte, tinha gente que vendia carro, meu pai mesmo financiou a nossa linha telefonica, não tem nocao mesmo. Energia, eu lembro bem como funcionava uma maravilha, blackout atrás de blackout, que duravam as vezes mais de um dia, e tudo que vc ouvia ao reclamar era, estamos em manutenção. A ligação de atendimento já começava com uma gravação dizendo todos os bairros em manutenção. Velas eram itens obrigatórios em todo mercantil! Opa colega, pois me informa aí as estatais que vão “muito bem obrigado” gerando lucro para o Brasil e prestando um ótimo atendimento? Se tu conseguir me citar pelo menos umas 3, começo a pensar a respeito. Estado não produz dividendos, colega, ele tira do bolso direito e bota no esquerdo. Prefiro alimentar fundos de pensões americanos e milhares detrabalhadores *brasileiros* que dependem delas do que contas na suíça de políticos corruptos dessa máquina pública inchada, caríssima e ineficiente.

        • Welton

          Tenho 60 anos bem vividos. E sei o que está errado: vcs moram em estados em que a administração pública sempre foi e continua sendo péssima, com reflexos na segurança, educação, etc. Morei em tres estados nordestinos, PE, BA e CE e neles o pessoal não reclamava do serviço. Mas essa situação de linhas caras, que davam problema quando chovia, demora na instalação…, isso acontecia mesmo, mas numa OUTRA época, até uns 10 anos antes da privatização.

          • Eduardo Costa

            Coincidência pq sou nordestino, morei toda minha vida no nordeste, e vivi as décadas de 80 e 90 no CE, e, sim, reclamávamos muito sim de todos os serviços públicos. Detalhe, não morávamos numa região nobre, mas também não era na periferia ou em qualquer área menos favorecida, então o serviço ruim atingia sim a todos, pobres, classe média e ricos da mesma forma e não tinha dinheiro que pagasse por um serviço melhor porque a estrutura em si era podre, como tudo que o governo mete a mão, superfaturado e jogado as traças! A Oi até hoje, que todo mundo sabe que tem um pé dentro do governo desde a época que era telemar, está aí, indo a falência, com uma divida de mais de 100 bilhões. Segurança?! Vc realmente quer falar da segurança de Fortaleza?! A cidade mais violenta do Brasil e a 7ª do mundo?

      • Carlos Alves

        Tá de brincadeira né, tínhamos que alugar telefone fixo devido a ineficiência. Hoje todos temos celular, se continuasse estatal estaríamos comprando fichas e usando orelhão até hoje.

      • Fabio

        Cara que isso? No tempo da telefonia estatal precisava ficar anos na fila de espera para conseguir uma linha

      • Eduardo A.

        A telefonia no rio de janeiro era gerida por duas empresas, cetel e telerj. Pra ter um telefone, voce primeiro se inscrevia num plano de expansão de linhas ou comprava de alguem que ja tivesse. Então era só esperar por meses e pagar mensalmente as parcelas para ter o luxo de uma linha telefonica em sua casa. E era caro, bem caro, saia o preço de uma motocicleta. Muita gente abastada vivia de aluguel de linhas telefonicas, porque rendia melhor que imoveis.
        A qualidade era sofrivel, linha cruzada, interferencia, ruido e queda eram comuns. A tarifa era cara tambem, e quando a internet surgiu, muita gente só usava de madrugada porque pagava somente um pulso por ligação.
        Portanto, telefonia funcionava MUUUUUUITO pior quando era estatal.

  • Rayssa Pinho

    Excelente texto!

  • rkimwb

    Agora compara a estrutura (não só física, como também de todo o aparato de segurança)…

    Não tem como manter aeroporto cobrando 5 reais de taxa de embarque.

    O que acontece em muitos aeroportos (geralmente de cidades pequenas ou aeroportos alternativos em cidades maiores) é que há um subsídio do governo local porque a vinda de vôos comerciais estimula a economia local.

    Isso sem falar que no Sudeste Asiático os custos em geral já são bem mais baixos do que no Brasil.

    • Welton

      Com mão de obra escrava tudo fica mais barato.

  • Welton

    Esqueça taxas mais baratas! Aposto que dentro de cinco anos teremos taxas padrão argentina de falta de qualidade, ou seja, três vezes mais caras e oferecendo um serviço… que serviço mesmo? Ah! Lembrei! Utilização do imóvel do aeroporto. Que aluguelzinho caro, hem?

  • Thiago Barbosa

    Cara, é um absurdo praticamente não ter voos no aeroporto de são josé , olha quantas cidades ao redor que poderiam usar o aeroporto, mas tem que se deslocar até guarulhos ou sao paulo.

    • Ricardo

      Nesse caso vou discordar, pois de São José dos Campos até Guarulhos é menos de uma hora de viagem. Dependendo do horário é mais rápido do que sair do Morumbi para Guarulhos. Acho que não faz muito sentido ter um quarto aeroporto de importância na Grande São Paulo, e esse deve ser o pensamento das empresas aéreas.

      • Gilberto

        Corrigindo, Londres tem 6 (Heathrow LHR, Gatwick LGW, City LCY, Stansted STN , Luton LTN e Southend SEN).

        • Ricardo

          Valeu Gilberto, tinha esquecido de Southend!
          Como tem aeroporto lá!

          • Gilberto

            Verdade, ate porque o Southend eh bem obscuro, ne? E parece que cada vez menos utilizado, pelo que andei me informando.

  • Alessandro

    Comparar taxa de rodoviária com aeroporto é uma grande piada.
    O nível de infraestrutura, segurança, tamanho e todos os aparatos por tras são totalmente diferentes.

  • Wellington Santos

    O aeroporto de São José dos Campos tem demanda sim. Todos os voos saíam lotados, O problema é a eterna briga da Infraero e o comando da Aeronáutica sobre os slots de pouso e decolagem. O dia que for tomada uma decisão que favoreça a população com horários decentes e mais opções de voos (como nos tempos da Azul que chegou a ter 4 vôos por dia em SJCampos) tenho certeza que o aeroporto vai prosperar e para isto acontecer somente nas mãos da iniciativa privada.

  • Capitão Kirby
    • Pedro Silva

      Pensei nisso quando li a notícia! Eles privatizam só os lucros, na hora que dá prejuízo quem paga é o governo. Será que vale tanto a pena assim a magia da privatização?

    • Yuri Franzoni

      E olha que quem dá a notícia é a insuspeita Globo.
      Mas vai explicar para alguns indivíduos…

    • ph

      Tira o encosto Infraero que vai.

  • Emerson Guidine

    Faz logo e libera a Pampulha já

    • Miguel Toledo

      A Pampulha já foi liberada pela ANAC, mas o Ministro dos Transportes mandou cancelar para não concorrer com a privatizada Confins…

  • Marcos

    “Esteira de 50m de distância”, me fez lembrar de Confins, foi a única esteira que vi lá indo para o embarque na Gol. Um aeroporto enorme e apenas uma esteirinha … Será que agora até isso vão resolver?

    • ph

      Amigo, ctz que faz algum tempo que não vai a CNF. Tá um brinco.

      A parte que atrasou foi a Infraero que não entregou para a Copa, mas a parte que a BH Airport fez tá excelente. A concessionária tá agora corrigindo as besteiras da infraerro.

      Privatiza tudo, Chessus!

  • Miguel Toledo

    Alguém precisa pagar a conta dos aeroportos pequenos e regionais que prefeituras e estados não tem interesse/condições para cuidar.

    • ph

      Alguém?

      Tomara que não seja eu.

      • Marcelo Ribas

        Por isso que é preciso privatizar assim quem assume um lucrativo também vai assumir o aeroporto deficitário

  • Jose Geraldo De Miranda

    Praticamente tudo está ruim mesmo, se privatizar os chefões vão comprar, com propina, Leis, Medidas Provisórias e outras facilidades que irão beneficiá-los e povo é quem paga. Se não privatizar torna-se um cabide de emprego e alguns, pouquíssimos, com altos salários e compras propinadas. E depois vem o maldito do governo corrúpto, desonesto, ladrão ou ladra impondo novos impostos para pagar o rombo feito pela administração feita nas coxas. O povo precisa conscientizar, seja ele o que for, e mostrar nas urnas quem manda neste País.

  • Bruno Souza

    Privatiza Já! Se puder coloca no bolo os correios também que faz 2 anos que dao um preju de 2bi pago pelo contribuinte

  • ARYSON FRANCA

    É impressionante como alguns leitores não entendem que esse site é de assuntos aeronáuticos e turísticos, e não político. Está parecendo jogo de futebol, todo mundo é um técnico.

  • Patricia Azoline Correa

    Depois quero ver o povo reclamando das taxas terem subido! Acha que só porque privatiza vai baixar e melhorar o serviço?! Já viu pedágios baixarem de preço!?? Absurdo e privatizar! Vender por bilhões a empresa e embolsar o dinheiro para bancar eleição (no caso do PMDB), deixar várias famílias sem emprego, onerar o consumidor final com serviços que nunca serão oferecidos como no exterior, pagando mal os funcionários e ainda por cima não trazendo melhorias!

    • Marcelo Ribas

      Desde quando privatização retirou emprego das empresas vide a telefonia que facilitou a aquisição de linhas que antes custavam mais de R $10.000 e hoje com uma taxa de pouco mais de R $ 100 você tem o aparelho instalado em casa. Privatizações são feitas para o governo gastar o dinheiro em áreas sociais e não onde não tem conhecimento.

      • Trabalhei no sistema Telebrás durante o período de privatização. Antes a “linha” era cara pois você adquiria ações da empresa. A possibilidade de venda somente do acesso à rede já existia. Mas por decisão do Governo (FHC), houve proibição de adoção da medida para que fosse viável a privatização. Refletindo bem, o modelo de telefonia que temos é um péssimo exemplo de privatização. Tudo bem que você tem seu celular, mas paga mais caro e sua operadora até hoje usa a infraestrutura da antiga Telebrás.

        • Marcelo Ribas

          Kako antes uma linha de telefone custava mais de C$ 2500,00 , você esperava pelo menos 2 anos para ter uma linha e se comprasse fora da Telefonia pagava como eu paguei C$ 10.000,00 para ter a linha entregue em 1 mês. Quanto ao celular Você pagava um aluguel de R$ 5.000,00 pelo aparelho mais C$ 4.000/R$ 5.000 por ligações tanto as recebidas como as realizadas. Não estou dizendo que estamos no melhor dos mundos, mas que estamos bem melhor que a 20 anos atrás isso estamos. Outra coisa antigamente a linha era cara pois estava nas mãos do governo, já que menos de 6 meses depois da privatização uma linha custava R$ 80,00 e era instalada em até 7 dias. Hoje pago R$ 135,00 de celular e navego na internet, falo ilimitado para qualquer operadora em qualquer lugar do BRASIL seja celular ou linha fixa, e ainda tenho mensagens SMS, musica, jornais e revistas no celular sem acréscimo na conta. Quanto mais as empresas estiverem nas mãos da iniciativa privada melhor para o País e seu povo, tudo que fica nas mãos do Governo tem inchaço de pessoal acima do necessário e custa pelo menos o dobro, veja o caso de nossa gasolina que custa no Brasil R$ 3,50 e vendemos a mesma gasolina sem adição de alcoól por menos de R$ 1,30.

          • Welton

            Mentira. No final já não havia nada disso, vc comprava e instalava imediatamente. Na Bahia. Já em sampa…

          • Marcelo Ribas

            Um ano antes da privatização aqui em São Paulo a telesp abriu inscrições para quem quisesse um aparelho telefônico e teve fila durante uma semana para se pegar o formulário de inscrição e devoluc5. Outra coisa como você diz que eu sou mentiroso, você me conhece para falar assim. Respeito é bom e eu gosto. Se não sabe brincar não desce para o play cara. Não me meça pela sua régua

          • Oi Ribas. O que tentei dizer é que àquela época a própria empresa pública já tinha condições de fazer. E não fez por decisão de governo, para beneficiar os futuros compradores. O plano de expansão já previa a venda somente dos acessos (sem ações). Também grande parte do que hoje você vê como vantagem estava implícito, pois decorrida da substituição do sistema analógico pelo digital. Mas aqui o assunto é passagem barata. Se quiser se aprofundar, tem bastante material disponível na internet.
            Quanto à privatização da infraero, resta saber a que preço. Seria algo como privatizar um corpo de bombeiros. A parte lucrativa já foi cedida. Mas a preço de banana, acho que eu compraria um aeroporto em Nova Mutum, por exemplo.
            Boas viagens!

          • Gondim

            O “melhoramento” da telefonia tão defendido, não foi sucesso da privatização. Antes, com o sistema analógico, todo sistema de telefonia dependia de cabos e equipamentos, havia um grande investimento em infraestrutura, onde justificava, em algumas capitais, a demora e o alto preço cobrado por uma linha de telefone. Hoje, com o avanço tecnológico que o sistema de telefonia passou nas últimas décadas, o custo de uma linha ficou muito baixo. Hoje, podem ter certeza, pagamos um preço caríssimo por uma ligação ou por uma linha.
            Quanto aos aeroportos, acredito que devemos, onde for possível, incentivar o investimento privado e deixar o capital estatal para as áreas que realmente essenciais. Porém, vejo um problema com o sistema, vários aeroportos existem por necessidade de ligação de municípios, que pela falta de investimento na nossa malha ferroviária, tem o aeroporto como único elo de ligação com outras partes do Brasil. O que vão fazer com esses aeroportos? O capital privado visa exclusivamente lucro, como vão fazer com esses aeroportos altamente deficitários? Acredito que temos que evoluir, mas a questão dos aeroportos tem que ser melhor analisada, haja vista que até para fazer uma parceria público-privada, nesses casos, pode ser bastante complicada e danosa para o setor público. Se eu pudesse propor um modelo, sugeria a criação de uma autarquia, ou empresa, sem fins lucrativos, que seria mantida com algum fundo dos aeroportos privados, com a finalidade de manter e ampliar os aeroportos que são essenciais e não tem condições de se manterem.

      • Patricia Azoline Correa

        Desde sempre! Nunca ouviu falar em downsizing não?! Sem contar que telefone fixo hoje ninguem mais tem!!

  • Luiz Pereira

    A Infraero sempre foi um exemplo do que existe de mais incompetente, e isso só piorou com a chegada do PT ao poder. Mais de 10.000 funcionários, com salários estratosféricos e benefícios, para fazer coisa alguma. Que acabe o quantos antes!

  • Hellen Vaz

    Acho bastante complexa a questão das privatizações, se formos pegar as que já aconteceram a desconfiança é mais que justificada. Tivemos a Vale vendida a preço de banana e agora matando não só várias pessoas como um rio inteiro, no caso da telefonia foi um pouco melhor, pois realmente facilitou pras pessoas terem telefone e aparelhos celulares, mas o serviço ainda é caro e muito mal prestado, podem falar o que quiser mas tenho certeza que 90% das pessoas aqui já tiveram problema com sua operadora. E sinceramente eu não sei, mas gostaria de saber quanto tempo de concessão essas empresas tem, pq passou da hora de ter mais operadoras, pois a concorrência sempre melhora o serviço e abaixa o preço. Acho que o problema no caso dos aeroportos realmente são os regionais e pequenos que não chamam a atenção dos compradores, acho que a privatização pode resolver o problema desde que feita da maneira correta, com transparecia e com eficiente fiscalização do serviço prestado e com legislações que favoreçam os clientes e não as corporações como é feito hj.

  • Guilherme

    Ah certo. Capitão. Na sua galáxia então as empresas são estatais e super eficientes. Qual galácia ? Cuba, Coreia do Norte ?
    Comece lendo a Constituição que diz onde o Estado deve operar.
    Quer dar seus chiliques com palavrões tenha a dignidade de mostrar a cara e nome.