GOL não garante queda nos preços das passagens após fim da franquia de bagagem

Denis Carvalho 1 · março · 2017

Em duas semanas, a partir do dia 14 de março, entrarão em vigor mudanças importantes com a revisão das Condições Gerais de Transporte (CGT), entre as quais o fim da franquia de bagagem. Na prática, a companhia aérea poderá cobrar por qualquer mala despachada. Em contrapartida, cada passageiro poderá levar até 10 kg de bagagem consigo na cabine e há expectativa de que os preços caiam para quem optar por não despachar a bagagem. Para a GOL, porém, não há garantias que as passagens ficarão mais baratas com a medida:

“(O consumidor) não vai comparar meu preço antes e depois da regra. Vai comparar o meu preço com o do meu competidor (no dia em que quiser viajar)”, afirmou o presidente da companhia, Paulo Kakinoff, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, repercutida em vários veículos de imprensa.

O executivo justificou que o preço das passagens é dinâmico e varia conforme a procura, data da viagem e o câmbio, visto que 50% dos custos são atrelados ao dólar. “A possibilidade de poder cobrar a mala não traz outra coisa senão a intensificação da competição. Cada companhia vai precificar o que cobrar da mala e se vai ou não cobrar.”

Diante da repercussão negativa das declarações, a GOL divulgou um release destacando que a concorrência será benéfica para os passageiros. Mesmo não garantindo que haverá queda de preços no comunicado, Kakinoff não descarta a possibilidade: “O cliente que não quer ou não precisa despachar suas malas, não pagará mais por esse serviço, como acontece hoje”.

O presidente da GOL comparou a nova norma com a liberdade tarifária, aplicada em 2001, que fez o custo das viagens aéreas cair consideravelmente: “Quando a medida que permite a franquia de bagagens entrar em vigor, ela intensificará a concorrência entre as companhias aéreas brasileiras, beneficiando os consumidores”.

Latam garante redução

A postura defensiva da GOL contrasta com a da Latam, onde a presidente Claudia Sender tem sido enfática ao afirmar que as tarifas serão reduzidas: ” “Hoje todos os passageiros pagam como se estivessem viajando com uma bagagem despachada, quando 40% dos passageiros viajam só com uma mala de mão. Para os passageiros que optarem por comprar uma passagem sem a bagagem despachada, esses sim verão uma redução efetiva de preço da passagem”, disse Claudia, em entrevista ao portal G1.

A Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), que representa a GOL e a Latam, além da Avianca Brasil e Azul, também tem afirmado que as tarifas serão reduzidas: “Você pode garantir que vai ter passagens aéreas mais baratas. Eu afirmo isso com todas as letras. A bagagem não é gratuita. Hoje, a bagagem é paga sem transparência para o consumidor e de forma injusta, declarou o presidente Eduardo Sanovicz em entrevista a O Globo.

Sabemos que a GOL e a Azul têm estratégias de preços muito mais agressivas que Latam e Avianca – basta ver que elas sempre respondem às promoções da Latam. Com tudo isso, pode ser que as declarações de Kakinoff sejam apenas para evitar uma cobrança futura, caso um contratempo inesperado, como uma alta no preço dos combustíveis impeça uma queda abrupta.

O certo, contudo, é que haverá uma imensa insatisfação por parte dos passageiros caso as companhias aéreas não repassem ao valor da passagem a economia que terão com o fim da franquia de bagagem. Vale lembrar que a mudança só vale para passagens compradas após 14 de março, caso não haja nenhuma medida judicial ou legislativa em contrário até lá.

Não deixe de ler nosso post especial sobre as mudanças na aviação, pois além da questão da bagagem haverá outras alterações importantes. Conheça seus direitos!

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe
  • Marcos

    Basta o preço do barril do petróleo ou câmbio subir quase nada e já terá aparecido o vilão da história.

  • Diego Vargas

    Já pode falar ‘Eu avisei’?

  • José Eduardo

    Só de lembrar que tinha uma turma de “entendidos” por aqui garantindo a queda do preço das passagens, coisa que nem o presidente da empresa com a maior fatia do mercado ta fazendo, dá uma vergonha alheia…
    O Brasil nao é para amadores e nós, consumidores, novamente nos demos mal.

  • Karina Cronemberger

    Como sempre, só sobra para o consumidor.
    Que vergonha de ser Brasileiro!

  • Sergio Viana

    O que adianta “uma enorme instisfação dos passageiros” se estamos na mão de um duopólio em um mercado ultra-regulado e fechado? Andar de busão de Porto Alegre a Manaus em represália?

  • Fabio

    O gato subiu no telhado

  • Finjam surpresa.

  • Marco Ávila

    Mas alguém tinha alguma dúvida sobre isso??????

  • Alexandre Martins

    Depende do consumidor, que tem uma força que ele próprio não mensura. É só os voos apresentarem queda de passageiros(não queda do avião!!), quero ver se o preço da Gol não baixa! No Brasil é assim, só na bordoada.

    • Jorge Soirefmann

      Seria viável se tivéssemos concorrência de fato. Como o número de vôos diminui e não muitas opções é muito difícil a situação do passageiro.

  • Marcos Antonio

    Essa alteração de franquia também tá valendo nos internacionais??

    • Mauro Oliveira

      Oi Marcos. Só vale para viagens domésticas.

    • lindomarjf

      Se olhar o “Post especial do MD” que está no link ao final da matéria vai ver que internacional também está na jogada.

  • Juscelino K

    É só questão de tempo do mercado abrir. Gol vai deixar de existir.

    • Danielsson

      Nesse caso seria uma questão de Era Geológica pra abrirem esse mercado e acabar com essa panelinha de 4 empresas urinando na nossa cabeça. rs

  • Tarcísio Medeiros

    Pra mim o essencial não é se as cias tradicionais abaixarão o preço, mas sim se haverá incentivo pra novas empresas low cost existirem, como já há no México, Colombia e começando na Argentina. Mala é um dos componentes mais caros de uma low cost, logo isso com o tempo abrirá o mercado para novas empresas surgirem e diminuindo o preço pra aqueles que não levam o guarda-roupa inteiro pra um final de semana. Pois no modelo atual nós pagamos a bagagem deles…

    • 10 euros? Tem por 5! http://www.melhoresdestinos.com.br/promocao/volotea-europa-low-cost =)
      Falando sério, eu concordo com você. Se tivermos companhias low cost de verdade, as companhias tradicionais serão obrigadas a rever suas políticas. Basta lembrar do estrago que a Webjet fazia com suas passagens a R$ 9,90 (saudades!)

      • Tarcísio Medeiros

        Disse 10 Euros pq é mais ou menos o preço-base delas, mas sei que pode chegar a menos. As passagens em janeiro dentro da Polônia mesmo tavam a 10 Zloty (uns R$ 9), e não era promoção pq passei semanas vendo. Não sei exatamente quanto de taxas de embarque tem nisso, mas a julgar pelo preço, a passagem era praticamente de graça de qualquer forma.

    • José Eduardo

      Vale o ditado: “o pior cego é o que não quer ver”.

      • Tarcísio Medeiros

        Ou então em terra de cego, quem tem um olho é rei 😉

  • Mas essa nhaca não tinha sido suspensa? Ou tá ainda aguardando votação lá no congresso? Até onde sei a última notícia era q estava suspensa essa normativa da ANAC….

  • Andre Moreira

    Eu acredito em coelhinho da pascoa e papai noel. É óbvio que não iriam reduzir as tarifas. A meta é aumentar os lucros.

  • Juliana Arthuso

    Se a Gol não garantir, é só a gente garantir que não voa mais de Gol. ¬¬

  • Bya Amorim

    Esta pior que la fora que ao menos é possivel levar 23 Kg de bagagem que ja esta incluido no preco. Quem fara viagem internacional so com bagagem de mao????

    • Lara Monteiro

      Eu tb ainda nao entendi se teremos direito ou nao aos 23kg???

  • luis

    Aí está a prova que era uma enganação essa de franquia!

  • Dionísio Alencar

    kkkkkkkkkk

  • Ronaldo Ferreira

    Está querendo dizer que o atual é um péssimo governo? O antigo do PT era melhor? Pare de dar pitaco no que vc não entende!

    • Felipe Souza

      Ronaldo tá com o cu doendo de ódio ao PT.

  • Erik Costa Bittencourt

    O limite de bagagem de mão vai subir para 10 kg, mas vão continuar as dimensões da mala ou será permitida uma mala maior?

  • no name

    Imagino o caos dentro da aeronave.. Se sem a franquia o povo adorava levar excesso de bagagem e quem entrava por último não tinha nem onde colocar (eu já vi uma mulher dando chilique dizendo que não ia levar a dela na poltrona, pois só tinha uma, e que quem tivesse mais de uma tirasse para liberar o lugar dela)….Bom, agora vai ter um monte de mala na cabine, briga para guardar, atraso no embarque e desembarque…. terão até que dar preferência no embarque e desembarque para quem não tiver mala.

  • Fernando Campelo

    Já deixei de voar gol faz um bom tempo… e olha que eu era ouro no smiles

  • Amanda

    Uma dúvida: posso comprar duas passagens no mesmo voo pra mesma pessoa, na intenção de ter uma mala extra (de acordo com as regras de hj)? Preciso de uma mala extra, mas hoje não vale a pena pagar o excesso de peso… não sei se compro uma passagem extra logo com milhagens, ou espero pra ver se com essas novas regras o preço da mala extra será aceitável.

    Obs.: hoje o voo vix-rio tá saindo por 5 mil dotz (que tenho sobrando) vs 29 reais por cada kg extra, ou seja, valeria mais a pena eu pegar outra passagem pra ter 23kg a mais.

  • Lara Monteiro

    Amigos, essas novas medidas só dão certo em paises onde as leis são para todos cumprirem. Aki as leis são só para atender interesses de alguns. A falta de fiscalização e a impunidade são notórias e repugnante. Quem é q acredita mesmo Q AS PASSAGEM IRIAM BAIXAR NO BRASIL, PELO AMOR DE DEUS, CLARO Q É SÓ MAIS UMA OPORTUNIDADE PARA AS CIAS AÉREAS LUCRAREM. Já não basta os programas de milhagem só piorarem a cada dia. Nada q já tá ruim que não possa piorar, né!

    • Janaina Verissimo

      Aff o pior e q isso mesmo q vai acontecer. Sem falar nos transtornos pra acomodar essa santa malinha q terá que pidevera ter 10kg no mqximo… imagina a agonia pra acomodar essa bendita no nGageiro. So jesus na ca7saor q e isso m3smoes

  • joegdaf

    Claro! Não há razão para desconfiarmos. Grassa a lisura no País: “o preço das passagens é dinâmico e varia conforme a procura, data da
    viagem e o câmbio, visto que 50% dos custos são atrelados ao dólar”! Bem, o real é a moeda que mais valorizou em relação ao dólar nos últimos meses. Por que o preço das passagens não caiu?

  • Tarcísio Medeiros

    “Agora tem empresa marcando até pra cobrar assento comum”
    Cara, basta ver desde 2010 a situação das empresas aéreas que certamente esse não é um setor pra falar de lucros abusivos. O problema é justamente esse excesso de regulamentação. Ano passado já estava melhor, mas a Gol mesmo passou anos no prejuízo, e as passagens estavam caras. Algo está errado, não é mesmo?

    • Jorge Soirefmann

      Tem é que se perguntar o motivo dos prejuízos, certamente passa por má administração. Não tem nada a ver com excesso de regulamentação, tem a ver é com incompetência mesmo.

      • Tarcísio Medeiros

        Péssima administração nas duas maiores cias do Brasil? Pois a TAM também esteve em prejuízo faz tempo. E curiosamente falando em administração, ao menos aqui no nordeste a GOL voltou a ter lucratividade com ações bizarras, como colocando 2 voos internacionais no Recife e tirando todos os voos pra Salvador. Não creio que essa reviravolta tenha partido daqui, pois não vejo sentido algum ter vôo pra Montevideo direto e não ter pra Salvador. E isso se trata do pós período de prejuízos.

  • Danielsson

    Eu lembro desse picareta. hahahaha

  • Leandro Zanol

    Mais fácil cair o avião que o preço.

  • Jorge Soirefmann

    Bem, hoje não é nem uma coisa nem outra. Barato? Uma passagem de Brasília a Porto Alegre, ou desta a qualquer cidade do Nordeste, custa muitas vezes mais caro do que uma viagem internacional. As últimas, eventualmente, são mais baratas do que na época de Varig, etc., mas é porque nas linhas internacionais, como existem muitas empresas concorrendo, funciona um pouco melhor o mercado.

  • Alex Silva

    Não estou surpreso.