Sem autorização da Receita, Fnac não vende iPhone sem impostos no Aeroporto de Guarulhos

Denis Carvalho 16 · maio · 2014

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A notícia de que a Fnac pretendia vender iPhones e outros aparelhos eletrônicos mais baratos que nos Estados Unidos em sua nova loja no Free Shop de Guarulhos causou grande expectativa na semana passada. Até agora, contudo, a loja da rede francesa não obteve autorização da Receita Federal para atuar vender produtos sem importos (duty free). Com isso, os produtos estao sendo oferecidos com preços normais por enquanto.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, que esteve ontem na loja, os iPhones etavam esgotados e outros produtos estavam sendo vendidos com preços das lojas normais – superiores aos do site da Fnac no Brasil.

Segundo o jornal, o iPad Air (16 GB, Wifi) estava sendo vendido a R$ 1.749, enquanto deveria custar R$ 1.108 (US$ 499) sem os impostos. O preço do iPad Mini (16GB, Wifi 4G) estava por R$ 1.499 em Guarulhos. Sem impostos, sairia por R$ 965. Já o MacBook Pro (Core I5 4GB, 500 GB, tela 13.3’’) custa R$ 4.299 na loja do aeroporto. O preço livre de impostos, contudo, deveria ser de R$ 2.700 (US$ 1.199).

Segundo a Folha, a solicitação da Fnac à Receita Federal teria sido feita há quatro meses, mas a autorização ainda não foi expedida. O jornal revelou ainda que a pouca quantidade de produtos disponíveis na loja seria decorrente de um atraso na liberação pela alfândega do lote de produtos importados que serão vendidos. Por enquanto, a Fnac estaria sendo abastecida com produtos da rede no Brasil.

A loja da Fnac fica na área de embarque do novo Terminal 3 do Aeroporto de Guarulhos e apenas passageiros que esteham iniciando voos internacionais têm acesso a ela. Vale lembrar que os produtos comprados por brasileiros ao embarcar, mesmo em free shops, entram na cota US$ 500 de compras no exterior.

Com informações da Folha de S. Paulo

Dica dos leitores Irina Yamashita, Danilo, Gustavo Campos, Luiz Felipe e Ludyni

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe