Sem autorização da Receita, Fnac não vende iPhone sem impostos no Aeroporto de Guarulhos

Denis Carvalho 16 · maio · 2014

A notícia de que a Fnac pretendia vender iPhones e outros aparelhos eletrônicos mais baratos que nos Estados Unidos em sua nova loja no Free Shop de Guarulhos causou grande expectativa na semana passada. Até agora, contudo, a loja da rede francesa não obteve autorização da Receita Federal para atuar vender produtos sem importos (duty free). Com isso, os produtos estao sendo oferecidos com preços normais por enquanto.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, que esteve ontem na loja, os iPhones etavam esgotados e outros produtos estavam sendo vendidos com preços das lojas normais – superiores aos do site da Fnac no Brasil.

Segundo o jornal, o iPad Air (16 GB, Wifi) estava sendo vendido a R$ 1.749, enquanto deveria custar R$ 1.108 (US$ 499) sem os impostos. O preço do iPad Mini (16GB, Wifi 4G) estava por R$ 1.499 em Guarulhos. Sem impostos, sairia por R$ 965. Já o MacBook Pro (Core I5 4GB, 500 GB, tela 13.3’’) custa R$ 4.299 na loja do aeroporto. O preço livre de impostos, contudo, deveria ser de R$ 2.700 (US$ 1.199).

Segundo a Folha, a solicitação da Fnac à Receita Federal teria sido feita há quatro meses, mas a autorização ainda não foi expedida. O jornal revelou ainda que a pouca quantidade de produtos disponíveis na loja seria decorrente de um atraso na liberação pela alfândega do lote de produtos importados que serão vendidos. Por enquanto, a Fnac estaria sendo abastecida com produtos da rede no Brasil.

A loja da Fnac fica na área de embarque do novo Terminal 3 do Aeroporto de Guarulhos e apenas passageiros que esteham iniciando voos internacionais têm acesso a ela. Vale lembrar que os produtos comprados por brasileiros ao embarcar, mesmo em free shops, entram na cota US$ 500 de compras no exterior.

Com informações da Folha de S. Paulo

Dica dos leitores Irina Yamashita, Danilo, Gustavo Campos, Luiz Felipe e Ludyni

Publicado por

Denis Carvalho

Editor chefe

  • Irina Yamashita

    Esse era o link da Folha que tentei deixar no outro post e sempre foi cortado! kkkkk

  • Jorge

    Que farsa…

  • Matheus de Castro

    Vai começar a discussão hehe!

  • Aaaafffffff esse país é mesmo uma porcaria… E todo mundo ainda estava com aquela ponta de esperança de conseguir um dia pagar um preço justo em produtos aqui dentro do Brasil…. eu duvido q eles consigam essa autorização!

    • André Pessoa

      Mas já existem lojas com a autorização. A Dufry e a Amsterdam Sauer já estão vendendo produtos livres de impostos, conforme está na matéria da Folha. A Fnac tem simplesmente que ser mais séria. Anunciar a venda de produtos sem impostos sem ter ainda a autorização é molecagem.

      • André, se eu não me engano as duas já tinham autorização para operar lojas no aeroporto, pois elas operam no Free Shop antigo. Claro que isso não significa que a Fnac não tenha errado, mas só teríamos certeza se a Receita se pronunciasse e ela prefere não comentar.

      • José Horta

        Só para entender seu argumento, André: se a Dufry e Amsterdam Sauer conseguiram licença, qualquer empresa poderia fazê-lo? E se alguma empresa (no caso a FNAC) não conseguiu, só pode ser culpa dela?
        Não sei em qual país (ou planeta) você mora. Não pode ser no Brasil. Se observar o ranking do Banco Mundial (estudo "Doing Business"), vai ver que ocupamos o 126 lugar dentre 183 países no que diz respeito a burocracia (quanto maior o número, maior a burocracia).

        • André Pessoa

          Eu não disse que a culpa pela falta de autorização da Fnac é dela. Mas se já existem lojas que têm a autorização, então isso é um indício de que os processos estão andando normalmente.

          O que eu falei que era molecagem (e é mesmo) é anunciar a venda sem impostos sem ainda ter a autorização pra isso.

        • André Pessoa

          Que sentido tem dar Ctrl+C e Ctrl+V no seu próprio comentário?

          • José Horta

            Tipo você fez? Você repetiu mais de uma vez o argumento: "A Dufry e a Amsterdam Sauer já tem lojas no mesmo terminal vendendo sem impostos. A Fnac é que foi incompetente de não conseguir planejar corretamente a regularização da sua loja." Claro que depois você disse que "Eu não disse que a culpa pela falta de autorização da Fnac é dela." Incoerência é mato.

        • André Pessoa

          Pôxa, mas você está desesperado mesmo para ter uma resposta minha, não é?

          • renato

            kkkkkkkkk boa André!

          • José Luiz Horta

            É que sou professor e me preocupo muito com meus alunos mais fracos.

          • Virou caso pessoal. Fui a NY para o 5s e o playstation no final de outubro e cheguei lá o Mc Book air estava esgotado e o Playstation só em novembro. País de terceiro mundo!? Estado Unidos. Acontece…Afinal minha vida está muito diferente hoje em dia.rsrs

    • Robson

      Esse é o problema de vivermos é um país de terceiro mundo, onde a carga tributária é uma das mais altas. A Fnac quis entrar num mercado monoplizado pela Dufry, a qual deve ter participação de um politico, ou pagar propina pra alguém… Independente se traria benefício para a população, com certeza mexeu com o interesse de alguém… Talvez com os interesses do governo…

      • Cuidado com os comentários amigo. Tudo o que não se possa provar é passível de processo. Eu sei que é revoltante. Mas se eu fosse você apagava este comentário.

        • Victor Reis

          Ué?? por acaso o amigo acima especificou alguém? falou nomes? descreveu detalhes que caracterizariam alguma empresa ou pessoa física? Acho que não. Que o governo é corrupto isso é de conhecimento geral, não é passível de calúnia ou difamação.

  • Diego

    Mais uma vez o estado atrapalha o progresso da nação! Rs

    • Marco

      Como se o progresso da nação dependesse de um iphone kkkk , sem nexo
      tem é q brigar pela baixa dos impostos no BR… e pior q ainda tem otário que paga 3000 em iphone, 4000 em PS4… conheço um cara mora de aluguel em uma quebrada mas tem iphone, camisa da lacoste, td comprado pelos olhos da cara em 10x … povo brasileiro vive de aparência e com isso alimentam esse comércio absurdo

  • Paulo Almeida

    Encheção de saco por causa de um telefone.

    • Antes fosse "somente um telefone"… isto se reflete em tudo mais nas nossas vidas e liberdades.

    • Mariana

      Não é "por causa de um telefone" Paulo.
      O problema aqui nesse país, é mexam no que quiserem, mas não mexam nos impostos!
      Nem todos querem comprar um iphone, mas todos querem pagar preços justos no que quer que seja,
      é sempre que vemos uma pontinha de esperança vem essa porcaria desse governo e joga um balde de agua fria!

    • Também acho. Futilidade pura.

  • marcelo

    Era bom de mais pra ser verdade….

  • Galvão

    éééééé do Brasil sil sil sil!!!!!

  • Kennedy Aguiar

    Não me surpreende.

    A Receita Federal quer dinheiro e não vai autorizar tão facilmente uma loja se instalar sem “comer” um pouco dos lucros com tal instalação.

    #POLITICOS

    • André Pessoa

      A Dufry e a Amsterdam Sauer já tem lojas no mesmo terminal vendendo sem impostos. A Fnac é que foi incompetente de não conseguir planejar corretamente a regularização da sua loja.

      • Marcelo

        praticamente preço de varejo convencional no Brasil os preços da Dufry em eletronicos

  • Salgueirense

    O enredo desse samba é : “O conto do I-phone barato no Brasil”. (lol…)

  • José

    Droga, vou ter que cancelar meu rolezinho em GRU!

  • Edu

    Êêê Brasil…

  • Brasil, meu Brasil roubalheiro…

  • kako_df

    Fnac é que se deu bem. Causa estardalhaço antes de ter autorização e o povo joga a culpa na receita. Nhém! Propaganda grátis!

    • Bandeira

      Exato! Difícil acreditar que a empresa errou sem querer ao se precipitar à autorização.

      • Jean

        Em qualquer pais sério a autorização provavelmente já teria saido, ou pelo menos o indeferimento dela, aqui provavelmente os JENIOS brasileiros estão segurando para ver se alguem da Fnac oferece aquele plus a mais para a liberação, ou entao devido a um lobby muito grande dos revendedores e da propria apple do BR estão segurando a referida autorização…..

        • André Pessoa

          Então porque a Dufry e a Amsterdam Sauer já conseguiram licenças para vender sem impostos? Por favor, maneire na teoria conspiratória.

          • monique kovatch

            porque elas já tinham autorização, pois operam nos outros terminas.

    • Marcelo

      e nao vai vender barato, nesse preço, nem quando tiver autorização

      • André Pessoa

        Também acredito nisso. A concorrência é pouca. Ela não precisa vender barato para ter lucro.

  • Carlos

    Tdo bem , assim vamos até Miami com as promoções do MD e compramos lá !!!

  • Luis

    Fnac deve ficar feliz por causa de propaganda grátis!

  • Thiago Campos

    Isso é propaganda velada, deveria ter uma punição bem alta para essa empresa, totalmente irresponsável.

  • Não entendo, autorização pra que? Não é uma zona franca?

  • Alexandre

    Até parece que a FNAC não sabe que sem molhar certas mãos e engraxar algumas engrenagens nada sai nesse país…

    Eu sinto pelos humoristas, porque fazer piada num país como esse, com tanta concorrência dos órgãos públicos, deve ser difícil

  • Carlos

    Pior que se tu compra um iPhone no embarque vai pra teu destino internacional e usa ele…já era!! eh de uso pessoal

    • André Pessoa

      "Pior"? Não entendi a sua mensagem. Pior pra quem?

  • Bruno

    E tem gente que ainda culpa a Fnac. Estão certos eles deixarem à mostra a vergonha que é o modus operandi da receita federal do brasil. Na hora de cobrar eles são mais que eficientes. Na hora de atender aos direitos do cidadão, do empresário ou do contribuinte, senta e espera até onde eles quiserem. Na hora de cobrar é “retido na fonte”, cobrança antecipada de impostos, etc. Na hora de devolver, é precatória.

    Nos Estados Unidos você monta uma empresa em 4 dias. No Brasil leva-se em média 4 meses.

    Um produto chega no Japão às 11 da manhã e antes do almoço já está liberado. No Brasil ultrapassa um mês.

    Uma carga chega no Brasil para a inauguração da FNAC e até hoje não está liberada. Sem falar nos 4 meses p/ (não) obter uma autorização, e são obrigados a inaugurar, pagando custos absurdos de aluguel no aeroporto e outras despesas e encargos que compõe o “custo Brasil”.

    Sinceramente apoio que mais empresários façam isso e digam: não temos, não recebemos, não abrimos pois o órgão tal não cumpriu com seu dever.

    Não é favor nenhum que estão fazendo, estão sendo pagos e muito bem pagos para isso.

    • Joao

      Chega a ser irresponsavel da sua parte acusar a RFB de retardar a liberacao da autorização sem qualquer conhecimento do respectivo processo. Trabalho na PFN e, pelo pouco que conheço desses processos alfandegários, muitas vezes a demora ocorre por culpa do interessado (por ex: quando não instrui corretamente o pedido ou demora para apresentar documentação suplementar ou informações adicionais).
      Nao vou nem falar na esdrúxula comparação entre imposto retido na fonte (que, por sinal, não tem a nada a ver com cobranca antecipada) com pagamento de precatórios. So por ai ja vi que vc não sabe de absolutamente nada.

      • Carlos

        Joao, ja que vc é uma pessoa iluminada recomendo entao explicar a diferença, essa ignorancia que o senhor acusa reflete uma vez mais o complicado que sao as coisas no brasil, ao ponto que tem q vir um funcionario da PFN a explicar a meias o processo.
        Simplesmente todos nos inclusive o senhor, somos roubados dia a dia de nossos impostos que nao tem retorno algum no nosso pais. E um brasileiro que quer comprar um 5S/PS4 etc etc que seja nao vai dar um rombo nas arrecadaçoes.

        • Julio

          Concordo com vc Carlos : pior cego é aquele que NÃo quer ver !

        • André Pessoa

          Mas o que é que a sua mensagem tem a ver com a constatação do João? Nada. A Dufry e a Amsterdam Sauer já conseguiram licenças para vender sem impostos no Terminal 3. Se a Fnac não conseguiu, parece óbvio que há algum problema de documentação.

      • Julio

        João a sua explicação foi tão interessante e útil qto explicar o sexo das drosophila melanogaster no ciclo de vida em Marte …

      • Cyro

        De qualquer maneira, a demora na resposta é um problema da RFB. Se realmente está faltando documentação ou explicações, a RFB deve responder. Lógico que isto pode ter acontecido e não ter sido divulgado, mas, conhecendo a velocidade das coisas aqui no Brasil, apostaria na demora da receita. Além disso, a Dufry monopoliza a área duty free, cobrando o quanto quer. Não me admiraria se ela estivesse impondo alguma dificuldade para abertura de novas lojas.

    • Bruno

      Quero deixar bem claro que não me referi aos funcionários da rfb. Também penso que a maioria dos funcionários são honestos e muito solícitos, e apenas cumprem sua obrigação, pois não trabalham para si mesmos. Os próprios servidores pagam impostos e também sofrem com o sistema quando fazem a vez de contribuintes. O que me refiro é ao sistema, o modo que o governo age em relação ao contribuinte, em como as coisas funcionam no Brasil, onde só investem na eficácia total dos órgãos que vão encher os cofres públicos, em detrimento dos procedimentos que beneficiam a população, que são sempre burocráticos, demorados e ineficientes.

  • LUCIANO FREITAS

    Palhaçada!
    Tava super animado em comprar o meu iphone 5S, na viagem que farei em junho pra Buenos Aires, passando por GRU.
    Esse país é uma m…. mesmo!

  • Alexandre

    sabe de nada inocente!!!

  • Marina

    Ai..ai…
    Só reforça o que penso: Ô PAÍS DE MERDA!!!
    Nada nesta parcaria é sério e funciona…

    • Douglas

      O que me envergonha é ter brasileiro que pensa como você! Vejo que temos que crescer ainda muito como nação…

      • Marina

        Douglas, seu discursinho alienado, demagógico e de pobre-coitado só reforça o que eu disse.
        Inocente…

        • André Pessoa

          E o seu discurso é discurso de vira-lata.

  • Jorge

    Estava animado e ia fazer algumas compras na FNAC em GRU. Agora vou comprar na Argentina. Quem perde é o Brasil. Porque tanta dificuldade? Não é melhor que esse dinheiro seja faturado por lojas brasileiras?

    • João de Deus

      Loja brasileira? Sabe nada…

  • Quando essa notícia foi divulgada, já imaginei que não duraria muito tempo por pensar que a FNAC estaria fazendo um estardalhaço e que seriam ofertas de inauguração. Mas o sistema público burocrático prevalece. Como pode uma autorização demorar até agora 4 meses para ser expedida? Somente a Dufry e outra loja (que não me lembro o nome) estão autorizadas a venderem sem impostos. Os empresários estão certos em denunciar, pois afinal de contas investem para estarem lá. Brasil, um país lixo!

  • kako_df

    Talvez se os insatisfeitos e negativistas de plantão usarem as promos daqui do MD para irem embora do país… quem sabe melhora, né? (perdão, não resisti!)

    Fiquei com pena da Fnac.

    (João, relaxa. Também sou servidor público e constantemente tenho que tentar explicar como se faz um “o” com um copo).

    • Douglas

      Tem um pessoal simplista que acha só tem idiota e corrupto trabalhando no funcionalismo público… Muito pelo contrário. Na Receita deve trabalhar gente mais qualificado que 90% das pessoas que postam comentários aqui.

      • Luana_d

        E modestos como você também. Me cansa a arrogância de pessoas como você. Sempre se acham certos e melhores que os outros…se for da PFN…nossa!! tratam todos como se bandidos fossem. Na minha experiência pessoal a única pessoa educada e humilde que tinha na PFN, que eu tiver o desprazer de ir, foi o procurador-chefe.

    • Marcelo

      tudo fica claro quando lemos no seu post "servidor público"

  • Wilton

    Creio que isto foi uma jogada da Fnac. Como ela anuncia algo que não pode cumprir. Ela deveria agora vender pelo preço que anunciou.
    Não adianta ficar jogando a culpa na receita.

  • cezar

    Dia 12 de maio embarquei num voo para os EUA. Como tinha tempo de sobra resolvi dar uma pernada e conhecer o terminal 3 que havia sido inaugurado no dia 11 de maio. Estive na FNAC por sinal uma loja bastante comum e pequena, sem nada de especial comparado com as outras que conheço. Em conversa com o gerente da loja este se demonstrou irritado com a tal promoção anunciada pela mídia, disse que jamais conseguiria vender um iphone lançamento por preço inferior aos praticados nos EUA. Por fim, disse que tudo foi um grande engano de "alguém" e que os iphone que comercializa são homologados pela Anatel.
    *Detalhe na loja não tinha nenhum iphone à venda.

    • Carolina

      Oi Cezar, foi a primeira coisa que me ocorreu! Como poderiam vender um produto – que, por padrão, é tabelado no seu país de origem – ABAIXO de tal tabela? Sem levar em considerações todos os custos operacionais de importação, que – claro! – ninguém aqui considera… ou seja, o pessoal da FNAC seria "bonzinho" e abdicaria desses custos para "dar" esse benefício para a compra de um equipamento tão indispensável ao povo brasileiro. Aham, claro… tá faltando é discernimento ao povo na hora de ler e absorver as informações que circulam por aí, isso sim! 😉

  • Camargo

    Mas e porque no caso do Dufry duty free, que tem autorização as coisas são tão caras ou melhor, muito mais caras do que nos EUA ou ouros países, pouca coisa mais baratas do que em lojas normais no BRasil?

    • André Pessoa

      É o "custo ganância Brasil". Como a Dufry salvo engano não tem concorrência no setor de desembarque, ela cobra o preço que quer. Preços absurdos, diga-se de passagem.

      • Patricia

        Mais do que a Dufry cobrar o preço que quer, encontra quem pague! Vão diminuir os preços por que se estão vendendo?

  • Alan

    Cara quando comecei a ler todo o bafafá da internet sobre o assunto comecei a desconfiar. Em primeiro lugar eles até poderiam vender com o preço oficial americano, mas aposto que seria mais uma promoçãozinha de inauguração “enquanto durar o estoque”, não creio que ousariam praticar tal preço definitivamente. Quanto aos problemas com a RFB sabemos que os processos burocráticos do Brasil são além de demorados muito subjetivos e aleatórios do tipo: para analisar o processo é necessário entregar um check list de documentos, mas a qualquer momento a RFB pode exigir outros documentos que julgar necessário (como comparecer acompanhado dos bisavós paternos caso o solicitante tenha mais de 80 anos de idade).

    Em resumo, o que penso é que, tivesse a FNAC autorizada a vender sem impostos, isso não passaria de uma promoção pra atrair curiosos à loja sempre que estivessem na zona franca de GRU.

  • monique kovatch

    Quem tem costume de comprar em sites internacionais, assim como eu. Sabe muito bem a MERDA que o sistema da receita federal. Desde as taxas cobradas, que não sei porque as vezes eles inventam de calcular a taxa em cima do preço que o produto é vendido no Brasil e não no valor que você pagou, até a demora na liberação, já tive produto que demorou 3 dias da China até o Brasil e ficou esperando liberação aqui quase 3 meses pra sair pra entrega. Muitas lojas internacionais não entregam no Brasil ou obrigam a compra de um seguro para entregar de tão falho que esse nosso sistema de receita federal + correios. Acredito que sim, a Fnac errou ao deixar vazar essa noticia de iphone barato, mas com certeza essa liberação está enrolada por conta da receita, ninguém investe em abrir uma loja nova sabendo que não vai ter mercadoria pra vender. A MAC mesmo já ficou quase sem produtos porque tinham caixas e caixas esperando a liberação da receita para poderem ser vendidos.

  • Acho interessante como sempre inventam uma hipótese onde alguém tem certeza de a culpa é de um funcionário corrupto…não que esses não existam, mas, acredito, são minoria. Isso é uma sacanagem com o funcionário honesto e mostra bem a mentalidade do povo brasileiro, temos muito a evoluir como nação.

    • Marcelo

      sao a maioria….. a ENORME maioria !!!!

      • André Pessoa

        Isso não é verdade. Nos órgãos que têm um histórico amplo de concursos, especialmente concursos difíceis como os da Receita, a grande maioria dos funcionários é muito honesta.

        • Felipe

          Tá certo, a questão não é tanto a corrupção, mas a INEFICIÊNCIA. Inadmissível na área privada ocorrer demoras deste vulto. E na área pública não deveria ser diferente!

  • Flavia

    Comprei uma passagem mais cara para embarcar por Sp e me f….. Além de ter sido mais cara, ainda vou ter que pagar passagens de ida e volta o Sp kkkkkk

    • André Pessoa

      Isso é piada, não é? Não acredito que alguém fosse fazer uma loucura dessas.

  • Marco

    rsrsrsrs já tinha brasileiro procurando passagem de promoção para américa do sul ou comprando passagem por SP, mesmo sem precisar, só para comprar I-phone, na esperança que ainda valeria mais a pena q comprar nos EUA… só rindo mesmo

    chegaram a falar q o 5s custaria pouco mais que 450 dolares, e tem gente que ainda acredita

    como disse o amigo lá em cima, é muita onda por causa de um telefone , brasileiro é bicho besta demais por isso só se dá mal… e da-lhe propaganda de graça para a FNAC , que no popular sempre chamei de FacadaNAsCostas

    • André Pessoa

      Não vi ninguém falar que o iPhone 5S custaria 450 dólares. A notícia que saiu é que ele seria vendido pelo mesmo preço dos Estados Unidos, que é 649 dólares para aparelhos sem contrato.

    • renato

      Concordo plenamente, da até ânsia de ouvir e ver o jeito dos brasileiros ao se referir a grifes, itens da moda, tudo para ostentar o que não são. Pior ainda os que vão aos EUA, mais consumista e exibicionista não há. Realmente, temos muito a evoluir.

      • EDUARDOPGALVAO

        Renato, não é assim. Sempre que posso, compro nos EUA. E não estou falando de grife, coisa cara não, estou falando de, por exemplo, tênis e roupas normais. Ora, por que vou comprar aqui, se lá é muito mais barato e de qualidade superior? Convenhamos…

  • Raimundo

    A FNAC está equivocada, assim como a maioria dos que aqui escreve. Explicarei…
    Para funcionar como loja duty free há todo um trâmite junto à RF.
    A homolgação para a concessão do alfandegamento, segue inumeras exigências, incluindo um armazem em area alfandegada de acesso não publico e restrito, com carga lacrada em containers até vistoria da RF e posterior liberação para a comercialização.
    Não é o caso da FNAC pois não está em area prescrita como para tal.
    Uma loja que tenha como intuito à venda de artigos importados ou nacionais livres de impostos, a sua finalidade de operação será unicamente esta, portanto não poderá comercializar artigos que não sejam os pleiteados junto à RF.
    Concluindo, a FNAC se pretende realmente operar como loja tax free ou duty free, terá de zerar a operação iniciada, requerer e aguardar por todo o processo até a homologação final de seu alfandegamento e aí sim, poderá divulgar a venda do que quer que seja a prêço mais baixo que no mercado nacional.

  • Italo

    Sabia que era bom demais pra ser verdade ! Comprar nos EUA mesmo …

  • Andre

    É muito triste ver o povo brasileiro inconformado com a notícia de que não poderá comprar uma porcaria de um celular sem impostos. Nunca vejo esse povinho reclamar das altíssimas tarifas cobradas pelas operadoras. Isso é sim exorbitante.

    • Arthur

      O que se discute aqui são impostos e não serviços das empresas telefônicas

  • Marecelo

    e nao vai vender barato, nesse preço, nem quando tiver autorização

  • PortelaElias

    heuheauehuea, se lasque aí classe média falida

    • Marco

      é bem por ai mesmo rsrsrs, o povo se mata por causa de um celular

  • Koji

    Como li em outro post, não acredito que a FNAC vá cobrar o preço oficial do iPhone ou qualquer outra mercadoria. A Dufry já tem preços mais altos para os produtos, veja os valores de perfumes e roupas. Deve estar rolando um “acordo” para que os preços entre as lojas não gere uma “concorrência desleal”.

    • André Pessoa

      Esse acordo, se houve, é crime. Eu também não acredito que a Fnac, em momento algum, venha a vender produtos estrangeiros pelo mesmo preço do exterior, mas alguma concorrência (considerando que os preços da Dufry são ABSURDOS), eu acho possível sim.

  • Espero que consigam essa autorização até meu embarque, dia 12 de junho rsrsr

    • Marco

      vc vai embarcar no dia da estreia do Brasil na copa kkkkkk, boa sorte

  • André Nagot

    Para que tanto bafafá por um telefone??

    • renato

      André, vc nao entende que o povo brasileiro é ostentador e exibicionista, poxa vida, em que país voce vive? kkk

  • Será que alguém acreditou que Iphones seriam vendidos no Brasil mais barato que nos EUA? HEHEHE.

  • Marina

    E a FNAC que nessa confusão toda não teve a dignidade nem inteligência de vir aqui no MD e emitir algum comentário oficial?

    Pais de merda mesmo…

  • Marina

    Enquanto isso no país DOS bananas, nenhum representante da FNAC teve a dignidade e a inteligência de vir aqui no MD e emitir algum posicionamento oficial…

    Pais amador mesmo…

  • Carolina

    OBSERVAÇÃO 01

    "Segundo o jornal, o iPad Air (16 GB, Wifi) estava sendo vendido a R$ 1.749, enquanto deveria custar R$ 1.108 (US$ 499) sem os impostos."

    a) iPad Air 16GB está sendo vendido a R$1.749 / $499 = R$3,50 seria a cotação do dólar na conversão

    b) "deveria custar" R$1.108 / $ 499 = R$2,22 seria a cotação do dólar na conversão

    OBSERVAÇÃO 02

    "O preço do iPad Mini (16GB, Wifi 4G) estava por R$ 1.499 em Guarulhos. Sem impostos, sairia por R$ 965." (custa US$299)

    a) iPad Mini (16GB, Wifi 4G) vendido por R$ 1.499 / $299 = R$3,00 seria a cotação do dólar na conversão

    b) "sem impostos, sairia por" R$965 / $299 = R$3,23 seria a cotação do dólar na conversão

    OBSERVAÇÃO 03

    "Já o MacBook Pro (Core I5 4GB, 500 GB, tela 13.3’’) custa R$ 4.299 na loja do aeroporto. O preço livre de impostos, contudo, deveria ser de R$ 2.700 (US$ 1.199)."

    a) MacBook Pro (Core I5 4GB, 500 GB, tela 13.3’’) custa R$ 4.299 / $1.199 = R$3,59 seria a cotação do dólar na conversão

    b) "livre de impostos, contudo, deveria ser" R$ 2.700 / $1.199 = R$2,25 seria a cotação do dólar da conversão

    Fui só eu que notei isso?! Afinal, qual é a base de cálculo utilizada pelo jornalista do jornal Folha de São Paulo?! Em NENHUMA das comparações foi utilizada a mesma referência para o câmbio, basta observar que, em cada um dos casos, o valor muda, tem a R$3,50, a R$3,00 e a R$3,59, depois a R$2,22, a R$ 3,23 e a R$2,25.

    É muito fácil dizer que o valor "deveria ser" x ou y com base em cotações irreais… anda faltando um pouco de critério e atenção ao ler qualquer coisa que se publica por aí.

    • Camila

      O "deveria custar" da reportagem não é um preço calculado pelo jornalista, e sim diz respeito aos preços divulgados pela própria Fnac ANTES da abertura da loja. É só ler a reportagem anterior.
      http://www.melhoresdestinos.com.br/novo-free-shop

      • Carolina

        Oi Camila, no primeiro parágrafo do link que enviastes diz: “O jornal Folha de S. Paulo traz na edição de hoje (…)”. Se observares o meu comentário e comparares com a matéria do mesmo link, verás que peguei as informações exatamente iguais como constam no 3º parágrafo dessa mesma matéria, do mesmo link. O ponto em questão é que em NENHUMA das comparações foi utilizada a mesma referência para o câmbio, basta observar que, em cada um dos exemplos citados, o valor muda, tem a R$3,50, a R$3,00 e a R$3,59, depois a R$2,22, a R$ 3,23 e a R$2,25.

  • Ricardo Avancini

    Bem, se isso que a Fnac anunciou realmente acontecer, vai valer muito a pena comprar o iPhone nas mãos deles, pois, o aparelho que compramos nos EUA não possibilita a utilização do 4G no Brasil.

    Torço para que a Receita libere logo.

  • a cada dia, tenho mais nojooo desta porcaria de país comunista!!!

  • Eduardo

    Melhor publicar aqui notícias confirmadas e sérias! Essa da FNAC foi de amargar! Usou isso para fazer publicidade sem custos!! Merece repúdio!!! E também o que precisamos e aqui no Brasil trabalhar mais, ter mais produtividade, para melhorar o país! Aqui todo mundo quer consumir muito e trabalhar pouco!!

  • Eduardo

    Viagem de traz bagagem e conhecimento mas comprar Iphone e compras não leva a nada!!
    Veja, que nós Brasileiros, todos, desde os miséráveis, estamos comendo mais, comprando mais e vivendo pior!!
    Fácil explicar porque tamanha insatisfação!!
    O ambiente que ele vivia piorou muito, seus filhos estão sem rumo, sem segurança, sem educação e sem exemplos. Ou seja não adianta ganhar mais e trabalhar em um ambiente horroroso com estamos! O que sempre procuramos é que nossos filhos vivam em um ambiente melhor e mais civilizado e justo que nós vivemos! e está ocorrendo o contrário disso! O maior patrimônio todo pai deseja, é a educação melhor de nossos filhos. Simples assim!!

  • Andrey

    Verdadeiro freeshop é em Miami, Califórnia ou Paraguai!

  • Osvaldo

    Por ser um espaço para discussões, realmente observei que teve muitos comentários, muitos inúteis, discussões idiotas, mas somente um único comentário correto do amigo Raimundo "PARABÉNS", mas de tudo que foi postado, o que mais me impressionou, o colega de post Andre de Paula ter a coragem ou melhor dizendo 'besteira" de dizer que funcionário público, sua minoria é corrupta. Agora, com todos estes meios de informações disponíveis, TV, radio, internet, mostrando quase que diariamente se não for todos os dias, corrupção atrás de corrupção, roubo, prevaricação a rodo. Claro que existe exceções, mas não é a minoria. Pena alguém perder o tempo e ainda para escrever uma mentira e uma besteira de comentário. Todos os países tem seus problemas, mas o nosso e em especial os tempos em que estamos vivendo, é o retrato da vergonha destes nossos representantes fdp e repartições públicas que em sua maioria não tem o mínimo de respeito e consideração à aqueles que necessitam de serviço(s) em que já pagamos caríssimos com nossa carga tributária.
    País da vergonha e de pessoas que falam besterias.

  • Eu acho que cheguei a comentar no post anterior que falava do mesmo tempo e repito aqui, isso tudo foi uma questão de Marketing para divulgar o nome da loja, vários sites falando e fazendo propaganda gratuita da marcar, era isso que eles queriam.
    Nunca no Brasil que algo aqui seja mais barato que nos EUA.

  • Erica

    Governo absurdamente burro. Ao invés de incentivar o consumo interno, as pessoas vão aproveitar que já estão viajando, e vão comprar fora.

    • MarceloB

      Querida, deixa te explicar uma coisa: comprar no exterior ou no freeshop é basicamente a mesma coisa par ao governo, já que não arrecada os impostos neste tipo de loja. Daí a falta de interese.

      • Bruno

        O freeshop usa mão de obra nacional, usa insumos nacionais, usa energia elétrica nacional, paga aluguel a órgão nacional ou empresa atuante aqui. Tudo isso gera impostos, direta e/ou indiretamente. Entre comprarem no freeshop do Brasil e comprar no exterior, melhor comprarem aqui.

  • André Pessoa

    Vou fazer um relato das 3 vezes em que passei com compras pela inspeção alfandegária do Aeroporto de Guarulhos, para vocês entenderem de uma vez por todas que o objetivo da Receita não é taxar o viajante que chega do exterior com compras moderadas, e sim aquele que compra para revender no Brasil ou então que exagera e compra a casa inteira e depois fica se fazendo de espertinho para não pagar imposto.

    A primeira delas foi em 2012. Eu planejei essa viagem a Ciudad del Este por mais de 1 ano, porque eu queria comprar o melhor sistema de home theater possível que estivesse na faixa de 500 dólares (eu viajei de avião e tinha direito a essa cota). Comprei na loja Tentaciones um sistema da Yamaha que me custou 570 dólares, e cuja caixa era gigantesca e pesava exatamente os 23 Kg da franquia de bagagem (eu fui sem mala exatamente por isso). Quando cheguei, entrei na fila dos que têm compras a declarar e o funcionário passou a caixa e a minha mochila no raio-X. Já o auditor perguntou quanto eu paguei por ele, e eu informei o valor correto e disse que a nota fiscal estava em guaranis porque a loja optou por isso. Eu já estava preparado para pagar os 35 dólares de imposto, mas ele disse que eu podia passar sem pagar nada.

    Na minha viagem seguinte ao exterior, em maio de 2014, eu fui ao Paraguai e comprei na Casa Nissei uma câmera DSLR da Canon por 540 dólares e uma lente fixa por 100 dólares. Essas eu sabia que não iriam entrar na cota, porque a portaria da Receita fala explicitamente em uma câmera como objeto de uso pessoal. Como eu comprei também um celular Samsung Galaxy S5 por 700 dólares e uma placa de vídeo para o computador de 135 dólares, eu achei melhor entrar na fila destinada aos que precisam declarar as compras e perguntar ao auditor se o meu entendimento estava correto. O detalhe é que eu estava cheio de equipamentos meus que eu tinha comprado no Brasil (ultrabook, tablet e e-reader), e estava sem a nota fiscal deles. Eu expliquei a situação e ela (era uma auditora) disse que eu poderia passar sem pagar nada, e nem colocou minha bagagem no raio-X ou fez qualquer tipo de busca nela.

    No mês seguinte (domingo passado, para ser mais exato), eu voltei de uma viagem da Europa, onde eu aproveitei para comprar 3 lentes da Canon para a minha câmera e também um excelente tripé da Benro. As lentes custaram (1) o equivalente em coroas tchecas a 300 dólares, (2) 299 euros e (3) 390 euros, ou seja, só as lentes passaram muito de 1.000 dólares. Já o tripé custou 219 euros. Eu tinha dúvidas sobre se as lentes poderiam ser incluídas no pacote da câmera, e serem consideradas de uso pessoal, por isso novamente entrei na fila dos que têm compras a declarar e disse ao auditor que eu não era um fotógrafo, mas apenas um hobbysta, e que eu ainda estava aprendendo a usar a câmera, mas aproveitei minha viagem para comprar novas lentes porque essas lentes, embora sejam maravilhosas, têm um alcance muito mais curto do que as lentes por exemplo de uma câmera superzoom compacta. Ele perguntou quanto eu paguei pelas lentes e eu informei o valor correto. Eu esqueci de falar que tinha comprado o tripé, mas foi esquecimento mesmo, e não má fé; o tripé estava ali em cima da minha bagagem, e se ele quisesse fazer a inspeção eu iria primeiro preencher a declaração de bagagem e obviamente iria incluir tudo, pois eu tinha nota fiscal de cada coisa comprada. Pois bem, ele disse que eu poderia passar sem pagar nenhum imposto e sequer passou minha bagagem no raio-X ou fez qualquer inspeção manual nela.

    Então minha dica para os colegas do site é essa: se as suas compras passarem 1 dólar que seja da cota, entrem na fila dos que têm a declarar e expliquem a situação ao auditor. Se você for sincero em tudo que disser e seu volume de compras for razoável, tenho quase certeza que não haverá nenhum problema.

  • Igor Moura

    Como é que tá isso MD? A FNAC do terminal novo tá operando como loja franca?