Low cost argentina FlyBondi avalia voos para o Brasil já no ano que vem

Denis Carvalho 10 · outubro · 2018

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A FlyBondi, primeira companhia aérea de baixo custo da Argentina, está estudando iniciar voos para o Brasil já em 2019. A declaração foi dada pelo presidente da companhia, Julian Cook, durante a audiência pública para concessão de novas rotas. Segundo o empresário, além do Brasil a companhia avalia voar para Chile, Bolívia e Peru a partir da Argentina, também no ano que vem.

“No momento começamos (a operação internacional) com Punta del Este e Asunción, que serão durante as férias de verão e estamos analisando começar rotas a outros países em 2019. Estamos fazendo estudos para o Brasil e também Bolívia, Peru ou Chile”, destacou Cook em entrevista ao site Hosteltur.

Julian Cook, presidente da FlyBondi, e Nelson, mascote da companhia

A Flybondi sempre deixou claro seus planos de voar ao Brasil oferecendo passagens de baixo custo. No entanto, é a primeira vez que a companhia fala sobre prazo para iniciar os voos. A companhia tem várias rotas aprovadas junto ao governo argentino e nesta semana solicitou mais alguns voos. Para iniciar a operação, porém, ela terá que solicitar as mesmas autorizações por parte do governo brasileiro.

Avião da Flybondi, companhia low cost a Argentina
Avião da Flybondi, companhia low cost argentina

Em oito meses de operação, a FlyBondi já transportou mais de 500 mil passageiros em voos domésticos na Argentina onde tem oferecido preços bem mais acessíveis que os da Aerolíneas Argentina. A low cost voa para 13 destinos com cinco Boeing 737 NG e em Buenos Aires usa o aeroporto El Palomarconfira nossa avaliação de como é voar com a FlyBondi.

As chances de que tenhamos os primeiros voos de baixo custo entre o Brasil e a Argentina são grandes, mas vale lembrar que mesmo que a companhia consiga oferecer tarifas bem baixas os valores finais continuarão a ser impactados pelas altas taxas de embarque da Argentina.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe