Febre amarela: Tudo o que você precisa saber antes de viajar para o exterior!

Thayana Alvarenga 16 · fevereiro · 2017

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

(Atualizado em 31/01/2018)

A febre amarela é um assunto que preocupa muitos turistas brasileiros. Os números da atual situação aqui no Brasil podem justificar este receio: Foram registrados 213 casos com 81 mortes no período de 1 de julho de 2017 a 30 de janeiro deste ano, segundo o Ministério da Saúde. Os três estados mais afetados são São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Dos 254 países signatários, 152 exigem o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) como comprovação de vacina da febre amarela. Por outro lado, 102 países não exigem. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que Aruba e Paraguai entraram oficialmente na lista de países que solicitam a vacina de brasileiros. É possível que mais países tomem a medida até que o surto seja controlado. Confira se o país para onde você vai viajar exige a vacina selecionando seu destino no site.

O que é a febre amarela?

Antes de falarmos mais no assunto, é importante entender o básico. A febre amarela é uma doença transmitida por mosquitos em áreas de mata a pessoas não vacinadas. A vacinação está disponível nos postos de saúde de todo o país e é recomendada para pessoas que habitam ou visitam áreas com risco.

Sintomas da febre amarela

Claro que qualquer doença requer um diagnóstico médico, porém casos moderados provocam, entre os sintomas: febre, dor de cabeça, náusea e vômitos. Casos mais graves podem apresentar problemas cardíacos, renais e hepáticos fatais. As pessoas podem ter dor local no abdômen, costas ou músculos, além de calafrios, fadiga, febre, mal-estar ou perda de apetite. Náuseas ou vômitos também podem acontecer, assim como confusões mentais e hemorragia.

Vacinação da febre amarela

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina contra febre amarela para a população. Desde abril do ano passado, o Brasil adota o esquema vacinal de apenas uma dose durante toda a vida, medida que está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Anteriormente eram necessárias duas doses, sendo a segunda recomendada dez anos após a primeira. Todos que vivem em áreas de risco ou que vão viajar para estas áreas devem se imunizar.

Importante! Nas campanhas municipais de vacinação geralmente são aplicadas doses fracionadas que não dão direito ao Certificado Internacional de Vacinação. Para emitir o documento para viajar, é necessário tomar a dose integral – isso porque a fracionada imuniza apenas por tempo determinado. Na dose fracionada é utilizado um quinto (1/5) de uma dose padrão (0,5 mL) da vacina febre amarela, ou seja, 0,1mL.

A vacina é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem, o médico vai avaliar o benefício e o risco da vacinação para estes grupos.

Para turistas que forem se dirigir a uma área que exija a vacina, a recomendação é que ela seja aplicada ao menos dez dias antes da viagem, que é o tempo necessário para a criação de anticorpos, assim devidamente protegendo.

Transmissão da febre amarela

A febre amarela é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. A manifestação é igual nos dois casos, o que muda é o transmissor. Por exemplo, em áreas florestais o vetor é principalmente o mosquito Haemagogus. No meio urbano, a transmissão se dá pelo mosquito Aedes Aegypti (sim, o mesmo da Dengue). A infecção acontece quando alguém é picado por um mosquito infectado. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Tratamento da febre amarela

A febre amarela pode ser tratada por meio de transfusões de sangue ou apenas plaquetas, caso necessário. Analgésicos normalmente são usados para a dor e antitérmico para a febre. Por outro lado, antivirais não costumam ser eficientes. A hemodiálise pode ser necessária caso haja insuficiência renal.

Prevenção da febre amarela

A recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) contra a febre amarela é a aplicação de repelente nas áreas expostas da pele, além de hospedagem em locais com tela de proteção em portas e janelas. Em passeios ecoturísticos, utilize roupas que protejam o corpo contra picadas de insetos, como camisas de mangas compridas, calças, meias e sapatos fechados.

Certificado Internacional de Vacinação

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é um documento que comprova a vacinação contra doenças, conforme definido no Regulamento Sanitário Internacional. A lista com os países que exigem o Certificado está disponível no site da Organização Mundial de Saúde.

Para obter o certificado, é necessário primeiramente tomar a vacina exigida e depois fazer um pré-cadastro no site da Anvisa. Na sequência, faça o agendamento (em alguns lugares não é necessário agendar) e compareça ao estabelecimento que emitirá o CIVP com sua carteirinha de vacinação e documento com foto. Confira aqui todos os Centros de Orientação disponíveis.

Autor

Thayana Alvarenga - Repórter