Especial Canadá: conheça as belas paisagens deste país apaixonante!

Denis Carvalho 12 · setembro · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A convite da Comissão Canadense de Turismo (CCT), o Melhores Destinos visitou alguns dos principais destinos turísticos do país entre os dias 19 a 30 de agosto. Visitamos as províncias canadenses de Québec (cidades de Montreal e Québec), Alberta (Banff), British Columbia (Vancouver) e terminamos nossa rota em Ontario (Toronto).

Iniciamos hoje o relato desta fantástica viagem, com a cidade de Montreal. Não perca ao longo desta semana a série especial de cinco posts elaborada pelo nosso enviado especial Rodrigo Cerantola e encante-se com as belezas deste país apaixonante, que cada vez mais desperta a atenção dos brasileiros!

Montreal

A cidade de Montreal, pertencente à província de Québec, localiza-se a 63 km da fronteira com os Estados Unidos. É uma cidade internacionalmente reconhecida pelos seus festivais artísticos, musicais e também por sua culinária. Durante o ano todo acontecem inúmeros festivais. Somente em Montreal existem 200 companhias de teatro, 67 museus (que recebem cerca de 5 milhões de pessoas por ano), mais de 150 salas de espetáculos, 44 bibliotecas públicas e 98 empresas do setor de filmes e televisão. Isso a torna uma cidade bastante envolvente e acolhedora.

Pedalando
No verão, a melhor maneira de se conhecer a vizinhança de Montreal e seus moradores é a pé ou utilizando bicicletas. Entre os meses de maio a outubro, inúmeros serviços de aluguéis de bicicletas estão disponíveis ao turista, como a Caroule Montreal On Wheels. Para quem viaja com crianças existe também a possibilidade de aluguel de pequenos trailers para transportá-las.

Por ser uma cidade relativamente plana e repleta de ciclovias espalhadas pela cidade toda (atualmente a cidade conta com mais de 500 km de ciclovias e até 2014 o plano é chegar ao redor de 800 km) a grande maioria dos montrealenses faz uso da bike. A cidade conta também com o pioneiro sistema de aluguel de bicicleta BIXI, com um total de 5 mil bicicletas disponíveis. A etimologia da palavra por si só explica a idéia do sistema – junção de bicicleta com taxi (bixi). Montreal possui 400 estações móveis desse sistema.


Uma das 400 estações BIXI disponíveis em Montreal

As estação localizam-se a 300 metros das demais e pelo fato de serem móveis, dependendo do tipo do evento (um show a céu aberto em um parque, por exemplo) a cidade pode deslocar mais unidades das estações para suprir a demanda que aumentará temporariamente na região.

Para utilização do sistema paga-se uma taxa de USD 5,00 (24hrs); USD 12,00 (72hrs) ou USD 78,00 (para uso anual). A idéia principal é fazer uso da bicicleta por um período de no máximo 30 minutos – levar a pessoa de um ponto a outro – para que haja sempre bicicletas disponíveis em qualquer uma das estações espalhadas pela cidade toda.

A província de Québec conta com 4.000 km de ciclovias, que recebem o título de “A Rota Verde” (La Route Verte). As vias são totalmente sinalizadas e com infraestrutura para uso, já que a grande maioria dos cidadãos as utilizam diariamente, seja para ir ao trabalho seja para viagens de lazer (cicloturismo).

A Rota Verde – traçado engloba 4.000 km de ciclovias pela provincial de Quebec

Mais verde
Montreal conta também com algumas ruas denominadas Ruelle Verte, que nada mais são que ruas ou faixas verdes localizadas na parte de trás das residências, por onde os carros entram. Tais passagens são áreas de cerca de 70 metros quadrados na parte anterior das residências, destinadas à plantação de árvores, arbustos e plantas nativas. O principal objetivo dessas faixas verdes é aumentar a cobertura vegetal da cidade, melhorar a qualidade do ar, reduzir as ilhas de calor urbanas e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida da população.

Placa indicativa do ínicio de uma das várias “ruas verdes” da cidade de Montreal

Visão de uma, das várias ruas verdes da cidade

Lanchas
Uma atração turística que vale bastante a pena na cidade é o Jet Boating Montreal. Lanchas rápidas fazem o percurso de mais ou menos 1 hora de duração no rio St. Lawrence. A lancha conta com 2 motores de 660 HP cada um, o que proporciona ao barco realizar giros de 360° sem maiores esforços.

Antes de entrar ao barco são fornecidos todos os equipamentos (capa de chuva, botas de mergulho, blusas, etc). A única dica é: leve roupa extra! De nada adianta a capa, pois todas as pessoas (TODAS) voltam 100% ensopadas! Tênis, nem pensar! Melhor fazer uso das botas de mergulho que são fornecidas por eles, já que os pés ficam 100% submersos.

As imagens falam por si, mas não é nem um pouco aconselhável levar neste emocionante passeio câmeras que não sejam à prova d’água!

Emoção no Jet Boating Montreal (foto do jetboatingmontreal.com)

As manobras são radicais (foto do jetboatingmontreal.com)

Cidade Subterrânea
Aos que não desejam conhecer a cidade de bicicleta, seja por motivos físicos ou pelo frio do inverno, Montreal conta também com a maior cidade subterrânea do mundo (Underground City), com 33 km de passagens embaixo das ruas da cidade. Tais passagens são interligadas umas às outras e quase todas com acesso ao transporte público (metrô, estações de ônibus).

Aproximadamente 500 mil pessoas circulam diariamente nas passagens onde há cerca de 1.700 lojas, 200 restaurantes, 7 grandes hotéis, museus, inúmeras salas de cinema e teatro e salas para concertos e espetáculos. Algumas universidades também compõem a cidade subterrânea, que pode ser acessada por mais de 200 diferentes entradas.

Réso – é uma palavra homófona da palavra francesa réseau ou, literalmente, rede de túneis

Foto interna da cidade subterrânea


Maior cidade subterrânea do mundo – 33km de extensão

Notre Dame

A Basílica de Notre Dame foi construída entre os anos de 1824 e 1829. Possui um interior magnífico, que atrai milhares de visitantes o ano todo. Pinturas, esculturas e vitrais inteiramente decorados ilustram passagens bíblicas assim como os 350 anos de história da paróquia. No começo das noites (geralmente após as 18h30) inicia-se um espetáculo de luzes e sons relacionados à fundação de Montreal e da Basílica – que vale a pena ser conferido.

Fachada Basílica de Notre Dame

Nomenclatura de rua

Marché Bonsecours
O Marché Bonsecours (ou Mercado Bonsecours) foi inaugurado em 1847. Por mais de um século foi o principal ponto de encontro entre os moradores da cidade e os produtores rurais. Também foi palco de concertos e funcionou como casa de shows. Recentes reformas o deixaram novamente um lugar bastante movimentado, que concentra cafés, lojas e centro de exibições. Bem em frente ao Marché Bonsecours, do outro lado da avenida, há um enorme jardim, que durante o inverno vira palco de patinação no gelo.

Fachada Marché Bonsecours

Lago destinado à patinação no gelo em época de inverno (Bassin Bonsecours)

Atwater Market
Neste mercado público, açougues, peixaria, padarias, lojas especializadas em queijos, além de uma vasta variedade de frutas, vegetais e até mesmo flores podem ser encontrados. O Atwater Market pode ser facilmente acessado através da ciclovia do canal Lachine. Existe também a possibilidade de almoçar por lá e saborear alguns deliciosos pratos típicos preparados na hora.

Mercado Atwater – imperdível!

Frutas de diversas variedades

Uma infinidade de flores


Padarias oferecem desde pães até diversos tipos de sobremesas

Mont Royal Park
Inaugurado em 1876 é um dos principais parques de Montreal. Foi desenhado por Frederick Law Olmsted, o mesmo arquiteto responsável pelo paisagismo do Central Parque de Nova York. É o lugar ideal para admirar uma grande variedade de plantas e pássaros e aproveitar o tempo para a realização de atividades esportivas ao ar livre.

Não perca amanhã a continuação desta viagem incrível, com as maravilhosas paisagens de Quebec! Já visitou Montreal? Deixe um comentário abaixo com sua dica!

 

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe