Crise dos refugiados ameaça por fim à livre circulação na Europa: veja o que pode mudar para os turistas brasileiros

Gisela Cabral 16 · setembro · 2015

A fuga dos refugiados da Síria para a Europa tem chamado a atenção do mundo todo. Uma crise sem precedentes na qual crianças, adultos e idosos estão fugindo dos conflitos que assolam o país árabe há quatro anos, em busca de uma vida melhor em países europeus desenvolvidos como a Alemanha e a Áustria.

Muitas dessas pessoas enfrentam uma dura jornada no intuito de cruzar as fronteiras de países como a Turquia e a Hungria, até chegarem à Alemanha e a Áustria, em condições verdadeiramente precárias. Outras, infelizmente, não conseguem completar a travessia e morrem pelo caminho, como é o caso do garoto sírio Aylan Kurdi, cujo corpo foi encontrado numa praia do Mediterrâneo.

Muita gente ao redor do globo tem se mobilizado para ajudar os refugiados, no entanto, várias outras perguntas têm surgido ao longo de toda essa situação terrível e triste não só para os europeus – como pude ver de perto aqui – mas para o restante do mundo: será que a crise pode acabar com o acordo de livre fronteira, o chamado Tratado de Schengen, afetando a vida dos milhares de turistas que visitam o continente?

Manchetes do mundo todo, publicadas nesta quinta-feira (17), afirmam que quatro países europeus já estão fazendo o controle fronteiriço. São eles: Alemanha, Áustria, Eslováquia e Eslovênia. O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, admitiu hoje, no parlamento, a possibilidade de a França seguir a mesma linha.

Imigração no Aeroporto de Madri
Aeroporto de Madri

Seria o fim de Schengen?

Há pelo menos 20 anos o Acordo de Schengen permite que nós, turistas brasileiros, entremos na Europa sem a necessidade de visto. Por meio dele, passou a ser necessário apresentar o passaporte apenas uma única vez, ao chegar ao continente europeu, podendo circular por até 90 dias na Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia e mais 14 países. Apesar de estarem na Europa, Reino Unido, Irlanda e Croácia estão fora deste “espaço livre”.

O volume crescente de imigrantes chegando à Europa tem feito com que os países integrantes de Schengen repensem a livre fronteira. A Alemanha, um do países mais afetados, foi um dos primeiros a tomar uma atitude mais severa. Segundo o ministro do Interior alemão, Thomas de Maiziere, o país está introduzindo o controle de fronteiras internas por estar no “limite da capacidade” e o foco, inicialmente, é a divisa com a Áustria.

Já a Hungria surpreendeu vários imigrantes na última segunda-feira (14), ao bloquear a fronteira com a Sérvia, enquanto a Eslováquia e a Áustria seguem na mesma linha. Governantes de outros países têm demonstrado apoio à decisão da Alemanha e de outros membros de Schengen, mas ainda é prematuro afirmar que isso signifique o término do espaço livre na Europa.

Entretanto, para o líder do Ukip, Nigel Farage, ao adotar a medida, o governo alemão pode ter dado a largada ao fim do tratado. “Ao fechar a fronteira com a Áustria, está claro que o governo alemão já percebeu a dimensão de seus medos. Schengen, certamente, não poderá sobreviver neste momento”, afimou Farage em sua conta no twitter.

Se isso acontecer, poderemos voltar ao cenário que existia antes da criação da União Europeia, com o turista tendo que apresentar seu passaporte e documentação ao entrar em cada país durante sua viagem pela Europa. Vale destacar que cada nação tem exigências diferentes, incluindo quanto ao valor necessário para se manter durante a viagem. Também há a possibilidade, ainda que remota, que algum país volte a exigir visto de brasileiros.

Aeroporto de Zurich
Aeroporto de Zurich

Está de malas prontas para a Europa?

A principal dica para os que estão de passagens compradas para a Europa, no momento, é manter a calma.Apesar da situação dos imigrantes no continente, por enquanto nada (ou quase nada) mudou para os brasileiros que estiverem vindo a turismo. Ainda assim fique atento ao noticiário, já que podem ser criadas novas exigências para a entrada de estrangeiros em cada país.

Confira algumas dicas importantes:

– Não se esqueça que o seu passaporte deve estar dentro do prazo, ou seja, com pelo menos 6 meses de validade;

– Adquira um seguro saúde válido na Europa (confira aqui os 7 Melhores Seguros de Viagem) e reúna documentos como passagem de volta, comprovantes de hospedagem em hotéis ou apartamentos de temporada, aluguel de carro e etc. O ideal é colocar tudo isso numa pasta, devidamente acomodada na bagagem de mão. Caso você seja questionado ao passar pela fronteira, tem como comprovar tudo;

– Você ainda pode incluir, nesta pasta de documentos, comprovantes de renda ou extratos de cartão de crédito, caso precise mostrar que consegue se sustentar na Europa durante o período de férias;

– Ter algum dinheiro em espécie dentro da carteira, além de cartões de crédito, também são importantes para comprovar que você consegue se sustentar no continente durante a viagem;

– Segundo leitores do Melhores Destinos, alguns transtornos estão ocorrendo nas regiões mais afetadas, como engarrafamentos nas estradas e trens cancelados. Nessas horas o melhor é manter a calma e ter bastante paciência;

Doações para os refugiados

Moro na Holanda e, infelizmente, estou bem próxima desta crise que assola o continente. No intuito de ajudar, fiz algumas doações para algumas instituições e ONGs que estão fazendo a diferença nas áreas mais afetadas. Alguns amigos próximos preferiram montar cestas de boas-vindas para os refugiados que estão a caminho.

No geral, estas cestas contém itens básicos para crianças e adultos, como brinquedos, material de higiene, primeiros socorros, etc. Várias dessas caixas contém um item que, na minha opinião, é tão importante quanto o restante já citado: desenhos de crianças holandesas desejando boas-vindas e um futuro melhor para os que estão chegando aos Países Baixos.

Se você deseja ajudar os refugiados mas não sabe como, pode escolher instituições como a Migrant Offshore Aid Station, que realiza salvamentos no mar Mediterrâneo. Já a Rescue International é uma ONG que está trabalhando diretamente nas ilhas gregas, montando e distribuindo kits de sobrevivência, enquanto a Save the Children está arrecadando dinheiro com foco no amparo de crianças órfãs.

Interessado em saber mais sobre a questão do Tratado de Schengen? Clique nas matérias abaixo:

Económico

Veja

Le Monde Diplomatique Brasil

SBS

Financial Times

Autor

Gisela Cabral - Editora de Destinos Jornalista brasileira vivendo uma grande aventura na terra dos queijos, moinhos e tamancos!
  • Orem B. Hartuing

    Resumo da matéria: para o viajante brasileiro, por enquanto, não muda nada.

    • Armando Guerra

      hahaha exatamente… esse post não foi lá muito útil

    • Gisela Cabral

      Não muda nada! Mas é bom informar que a situação em determinadas fronteiras anda complicada e os que estão vindo no momento precisam ficar atentos, trazer a documentação completa

      • Ernesto Lippmann

        Eu acho que o post foi útil, sim pois sinaliza uma maior rigidez nas fronteiras.

        • Mateus

          Correta avaliação! Significa que, daqui em diante, qualquer não europeu pode ser considerado um refugiado…

        • Gilberto

          Concordo que o post foi muito util e ja afeta sim a todos e a tendencia eh que afetara mais. Eu me lembro que fiz viagens por trem entre Italia e Franca em1998 e havia controle para todos os passageiros no momento que cruzava a fronteira e ingressava em outro pais e o que foi ganho com a Schengen em termos de liberdade e dinamismo acabara e afetara todo e qualquer cidadao, independente de sua nacionalidade e ate se for cidadao europeu. Diversos trens internacionais ja se encontram com servicos interrompidos, devido a imigracao em massa dos refugiados.

      • Orem B. Hartuing

        Qualquer viajante, ao botar os pés para fora do país, precisa estar com a documentação completa (passaporte, vistos ou cartões migratórios, seguro-saúde, reservas de hotel, passagem de retorno e cartão de crédito) e reunir o máximo de informações sobre si para demonstrar que está em paz e de boa fé caso questionado.

      • Natalia

        Desconsidera a opinião inútil desse cidadão Amando

    • Carla Maragno

      só causou pânico em quem está com viagem marcada pra Viena e Budapeste, como eu, pra daqui a 15 dias.

      • catvampiro

        Dica: Aproveite pra curtir ao máximo as noites em ambas cidades… Afinal são lugares extraordinários… E nunca se sabe se vai poder voltar lá de novo!

      • Alan Vargas

        Fica tranquila que quem escreveu o post não tem a minima noção de política internacional. Pode levar seu visto brasileiro que eles vão bater palmas pra você entrar. É mais dinheiro pra UE.

      • Gisela Cabral

        Não é pra ficar em pânico, Carla, mas viajar ciente do que está acontecendo. Fique tranquila que Viena e Budapeste são cidades maravilhosas, além do mais, vc já viu o nosso guia de Viena aqui? Várias dicas legais! Boa viagem!

      • Orem B. Hartuing

        Vá tranquila, Carla, não há o que temer

      • Diogo Penha Soares

        Não se preocupe. Estou em Viena comendo um schnitzel nesse instante, ontem atravessei a fronteira de carro vindo de Budapeste, só engarrafou um pouco, sem estresse.

    • Alan Vargas

      Resumo da matéria: só blábláblá

  • Evandro

    Já viajei para Europa com seguro de saúde, mas depois de muitas idas e vindas; deixei de lado e, hoje não uso mais nas minhas incursões por lá; e até hoje (que eu saiba) nunca vi ninguém voltar do território Europeu por não ter seguro de saúde! Sei que estar amparado é sempre bom, pois numa viagem ao exterior tudo pode acontecer!

  • diego benfica

    logo se piorar a situação lá,eles vão dar uma parada no acordo de schengen,ai pode ser que precise de visto para entrar e assim a europa consegue na concepção dela controlar quanto entra de pessoas no continente isso vai sobrar pra todo mundo para nós latinos nem se fale,portugal está sofrendo com isso e logo a Europa inteira estará nessa situação

    • Jacqueline

      Não vão barrar o turismo, principalmente numa situação em que vão necessitar ainda mais entrada em dinheiro. Pode haver mais controle e as chatas das filas para apresentar passaporte.

  • Jonatas Elias

    Agora vem mais uma dessas, como se não bastasse nos lascarmos aqui dentro…

    • catvampiro

      Dirma já disse: Aqui não entra ninguém! hahaaha

  • Ernesto Lippmann

    No Brasil, a organização ADUS.ORG.BR da qual sou voluntário também ajuda os refugiados.

  • Bianca

    Gostei da dica sobre como ajudar!! Muito útil!

  • Johnny Matos

    Acredito que a validade do passaporte deve ser de 3 meses, com exceção do Reino Unido, onde sempre foram 6 meses, por favor verificar e se necessário, corrigir o texto

    • Gisela Cabral

      Você tem razão. Usei 6 meses pra tudo só pra simplificar.

      • Danilo Silveira

        Essa questão de validade de passaporte gera dúvidas; meu passaporte vencerá em abril 2016, e como estou indo ao México via USA, procurei informação a respeito e todos os sites e mesmo despachantes asseguravam que o passaporte deveria ter esses mesmos seis meses mínimos de validade. Entretanto, os consulados de ambos países me asseguraram que bastava estar válido na data e duração da viagem. Muita informação divergente por aí…

        • Rafael Fernandes de Carvalho

          No caso dos EUA eu acho que é o seguinte: pra tirar um novo visto, o passaporte tem que ter pelo menos 6 meses de validade. Se você já tem o passaporte e visto válidos para o período que engloba toda a viagem, é suficiente.

          Eu meio que já passei pelas duas situações.

          • catvampiro

            Quem é louco de tirar um visto com um passaporte que vai vencer dentro de 6 meses?

          • Jonatas Elias

            Alguém que precisa viajar no mês seguinte e não pode esperar o prazo de um novo passaporte e agendamento do visto.

          • Talita Leite

            Basta a pessoa viajar com os dois passaportes.

        • Alberto Pg

          Se alguém chegar nos Estados Unidos com a data do passaporte expirando em 15 dias, pode entrar no país, porém só pode ficar 15 dias.

      • ARYSON FRANCA

        Gisela, porque a validade do passaporte não é a transcrita nele e sim 6 meses antes?

      • Natalia

        Só agora vi que já postaram sobre a nova validade! Minha preocupação é se muda novamente por estes paises como Austria e Alemanha (onde irei) sairem do Acordo de Schengen e não aceitarem o meu, que estara exatamente com validade de 3 meses e 3 dias :'(

      • Jacqueline

        São seis meses. O Conexão Paris sempre alerta para isso.

  • Ítalo Alencar

    As sementes do radicalismo e do preconceito religioso estão sendo plantadas… Daqui a 20 anos teremos uma Europa muçulmana ou radicalizada em algum dos setores sociais. Acolher ou expulsar? O que esperar de um povo que não é capaz de construir a paz em seu próprio território? Pareço ser preconceituoso nesse meu comentário. Mas fico me perguntando quem cederá aos seus costumes, crenças e tradições em troca do amor? Espero que a história não traí “o gesto de acolhimento”.

    • marcelo butzke

      Infelizmente esta sua observação é uma realidade bem recorrente, não apenas na Europa, mas principalmente lá. Atualmente esta é uma das principais razões pela xenofobia nos países europeus, principalmente contra pessoas de origem islâmica. A alegação é de que, muito além da contribuição cultural que a imigração possa trazer ao país que as acolhe, estas etnias costumam se organizar em guetos, absorvendo muito pouco da cultura local. Espero que a questão da intolerância religiosa e do radicalismo não prevaleça. É um tema bastante controverso, muitas pessoas interpretam como preconceito, mas não deixa de ter um fundo de verdade.

    • Thiago Verastegui

      Entendo sua preocupação, mesmo soando xenofóbico (o que não parece o que você tenha escrito passar), mas na Primeira Guerra Mundial, acolhemos várias pessoas que fugiram do Império Otomano (Turquia, Síria, Líbano,…) e até hoje não vimos um ato de terrorismo por parte de seus descendentes. Que por sinal se reconstruíram e progrediram aqui. Sei que esse mundo não é flor que se cheire, mas é necessária parcimônia com todos os povos.

    • Ramón Nervioso

      Se eu fosse um alemao e morasse naquele país eu pensaria da forma como voce disse.. O problema nao sao os refugiados, mas o fanatismo e o ódio que vem embutido em muitos deles, mesmo que escondido uma hora irá florecer. Que sejam fanaticos la na região deles… Ainda bem que tem um oceano enorme que separa a gente da europa!.

      • fernando

        Quanta ignoracia, acham que todos sao fanaticos e por isso terroristas. O Brasil ta cheio de fanaticos e nem por isso tem ataques terroristas

      • Jacqueline

        Os terroristas são, muitas vezes, jovens aliciados dentro da Europa se juntando ao Islã. Saem do conforto para o inferno. Não creio que os atuais que estão vindo de lá queiram de forma alguma voltar ou se ligar ao terrorismo depois de tê-lo vivido ao vivo e a cores.

    • Guilherme

      “sementes do radicalismo”. Só devemos lembrar que os EUA estão por tras do plano para derrubar o Assad. Portanto os “radicais” estão fugindo de algo alimentado por “democratas”, “defensores da liberdade”, os maravilhosos estadunidenses.
      🙂

    • Luiz Alberto

      Penso que os refugiados são pessoas que não são fanáticas. Elas estão fugindo do fanatismo. E a Europa já abriga muitos muçulmanos. A sua preocupação é válida, mas acredito q isso aconteceria se alguns estiverem aproveitando a situação e se infiltrando entre os refugiados para entrarem no continente.

    • Jorge Pizarro Esteves da Costa

      A cruzada do século XXI não é mais lutada com espadas, mas com migração e reprodução desenfreada desses “imigrantes”. Curioso que o foco deliberado destes “refugiados” são nações ocidentais cristãs, ou pelo menos não islâmicas. Dessa forma eles tentam o domínio de Alá no mundo. E terão êxito se nada for feito nesse momento.

  • Bruno Becker

    Eu estarei de 18 a 25 de novembro na Alemanha, e pretendo dia 22/11 usar o bayern ticket e fazer bate-volta a Salzburg, será que terei problemas em atravessar a fronteira, estando com a entrada na Europa ok e com documentos auxiliares? digo, no meio do tumulto que pode estar no controle de fronteira eu ficar retido na Áustria? A mesma pergunta serva para um trajeto que no dia seguinte farei entre Garmisch-Partenkirsher e Fussen cruzando pela Áustria (via Ehrwald-Schanz) de carro alugado, será que terei maiores dificuldades em seguir meu roteiro? estou um pouco apreensivo sobre isso

    • Gisela Cabral

      Bruno, eu acho que se você estiver com tudo em dia não precisa se preocupar. A situação em algumas fronteiras está meio caótica sim, mas o controle foi estabelecido justamente para manter a ordem. Minha dica é que vc fique tranquilo e acompanhe o noticiário, pois todos os dias estão surgindo novos fatos sobre o assunto. Abraços!!!

    • Gilberto

      Bruno, moro no norte da Alemanha e endosso o que a Gisela disse. O que voce precisa ficar atento eh que ha servico de trem interrompido entre as fronteiras de ambos os paises. A crise toda comecou quando ha cerca de 3 semanas uma onda sem precedentes de refugiados embarcou de Budapeste para Wien ou München, obrigando ao fechamento da estacao hungara e a Hungria, depois a Austria e por ultimo a Alemanha tiveram que se mexer e fechar as fronteiras, ja que o destino deles era principalmente a Alemanha que nao pode receber todos de maneira indiscriminada de uma vez. No teu lugar, se ate la nao reestabelecer o transito da Deutsche Bahn e da OBB, eu consideraria alugar um carro para visitar Salzburg ou talvez onibus que, se houver disponibilidade, devera haver um maior controle que permita turistas e residentes de cruzar a fronteira, sem maiores problemas, apenas havendo um numero maior de controle por parte da policia alema e/ou austriaca.

    • catvampiro

      Pelo menos vc terá história pra contar! São muitas emoções que nem Froid saberia explicar!

    • Felipe

      Cara, estou na Alemanha neste momento. Não, você não corre risco nenhum. A entrada no país está do mesmo jeito que estava antes de todo esse auê. Acho que um pouco de cautela não faz mal a ninguém, mas concordo com os outros leitores que disseram que o MD, neste caso, adotou uma dose de “tempestade em copo d’água”. Se você não for imigrante sírio e estiver com a documentação em ordem não vai ter problema algum. Menos, né, pessoal…

      • Gisela Cabral

        Estamos reportando os últimos acontecimentos/especulações, assim como vários outros veículos de comunicação. Abs!

        • Felipe

          Aham. Então tá.

      • Felipe, não é tempestade alguma, apenas estamos reproduzindo o que a imprensa internacional está divulgando amplamente. Já são quatro países que suspenderam o acordo Schengen: Alemanha, Eslováquia, Eslovênia e Áustria. Hoje a França admitiu que está avaliando fechar suas fronteiras também. Não queremos criar alarde, mas é um assunto que todos os que têm viagem à Europa precisam acompanhar!

  • Rafael

    Alguns cartões de crédito já oferecem esse serviço gratuitamente. As vezes você tinha e não sabia.

    • Thais Araujo

      O fato é que ninguém pede

      • Caio Cabral

        Para mim já solicitaram (e leram) para entrar na França…

      • catvampiro

        Já vi um casal sendo convidado a irem pra uma “salinha” no aeroporto de Amsterdã porque não tinham o seguro. Isso em março/2015.

      • Já pediram pra mim tanto na Holanda como na Irlanda. Não tem essa de “ninguém pede”

    • Nilson Rio

      O Visa Platinum oferece se você comprar a passagem com ele mas você tem de se cadastrar e solicitar no site. Não tem como ter e não saber.

  • Patricia

    Que bom saber que o único potencial problema a ser enfrentado por turistas brasileiros seria ter de passar pela Imigração mais de uma vez ao passar de um país pra outro. Absolutamente nada diante das pessoas que estão perdendo a vida, né?

  • Vinícius

    Idosos, crianças, radicais islâmicos e terroristas infiltrados. Faltou mencionar estes dois últimos grupos.

  • Luis

    achei esse post bem sensacionalista e totalmente fora de nexo com o que o site propõe.

  • Gabriel Almeida

    Pra mim foi útil… estou indo pra Munique mês que vem e pretendia fazer um bate e volta em Viena… Agora com esse cenário já começo a repensar meus planos.

  • Patricia

    Bom saber que a única preocupação dos turistas brasileiros é com um eventual aumento da burocracia ao deslocar-se pela Europa. Nada em vista daqueles que estão perdendo suas vidas, né?

    • Jonatas Elias

      Patricia, veio dar lição de moral no lugar errado. Este é um site de viagens, portanto o assunto aqui é esse mesmo. Sem querer ser grosso, mas há locais específicos para discutir a situação dos refugiados.

    • Luiz Alberto

      Os turistas devem se preocupar somente com isso mesmo. Mas esses tb são cidadãos e podem contribuir de alguma forma, como sugerido no texto…

    • Patricia, por favor leia o texto completo antes de comentar. Obrigado!

      • Patricia

        Bom dia, Denis. Eu li o texto completo, mas procuro manter as coisas em perspectiva. Diante do que aqueles refugiados estão passando nossos potenciais problemas como turistas tornam-se muito menores, nao?

        • YuriBF

          Patrícia,
          você acessa um site direcionado a turismo e reclama que o texto trata de “potenciais problemas como turistas”?
          Muito boa sua lógica.
          Deixa eu adivinhar, você é leitora da Cata Capital?

        • Natalia

          E o que você pode fazer para solucionar os problemas dele? esse é um site de turismo só para lembrar.. acho que vc está perdida por aqui!

  • Gilberto

    Uma das exigencias para viajar e ingressar na EU eh o seguro de saude. Mesmo que ninguem peca, ja eh um risco enorme ficar doente nesta zona e custear qualquer tratamento, nunca se sabe, se pode ocorrer algo indesejavel. E outra: se o oficial da imigracao pedir para mostrar e nao tiver o seguro, nao adianta reclamar, se for negada a entrada. Eles estarao todos no direito deles e cobertos de razao. Tem sempre uma primeira vez para dar m…

    • catvampiro

      Exatamente… Falou e disse! A filha de meu ex chefe bateu o carro em San Diego-EUA… Como ela tava grávida, teve um aborto espontaneo, problema na coluna e tudo mais que se possa pensar num acidente de carro…. A “continha” do hospital foi quase meio milhão de reais… Isso porque o dólar ainda tava barato… Se fosse hoje seria 3 vezes isso. Viajar sem seguro é um PERIGO à vida, principalmente financeira.

    • Jacqueline

      Em Lisboa, em 2011, um funcionário ficou pedindo aos berros para ver o dinheiro e a papelada. Sempre levo tudo em pastinha. Em 2013 e 2015, a acolhida foi outra, muito amável. Vamos ver na próxima.

  • Fernando

    Nunca me pediram também.

  • Luiz Alberto

    Eu acredito q o post foi importante sim e a conclusão que tenho é: Vamos diminuir a quantidade de “bate e volta” pq o controle de fronteira de muitos países poderão estar lentos e rigorosos demais, mesmo que acabem permitindo a entrada dos brasileiros quase sempre, na minha opinião.

  • Alan Rodrigo de Almeida

    Melhores Destinos. Uma correção: Pelas regras atuais os países do tratado exigem que o passaporte do viajante tenha no mínimo 3 meses de validade a contar do último dia da viagem. O Reino Unido sim exige 6 meses na entrada.

    • catvampiro

      A regra de 6 meses é coisa nova… O texto está correto.

      • Alan Rodrigo de Almeida

        Informação confirmada com a Airfrance ontem.
        Segue a fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/02/1416819-europa-tem-novo-prazo-para-validade-de-passaporte.shtml

        Se tiver algo mais atualizado que esta por favor compartilhe para os demais leitores.

        • catvampiro

          ESPANHA: Vistos Consulares: Brasileiros estão isentos de visto à turismo/negócios para permanência de até 90 dias.
          Passageiros Brasileiros para entrar na Espanha devem apresentar: passaporte original com validade mínima de 06 meses, fundos suficientes para a estadia na Espanha ( dinheiro, travel check, cartão de crédito), bilhete aéreo ida e volta confirmados, voucher do hotel e serviços adquiridos durante a estadia na Espanha, comprovante de aquisição de seguro de viagem internacional (com cobertura de EUR 30.000,00 englobando assistência médica/hospitalar e repatriação sanitária). A ausência destes requisitos, poderá acarretar problemas no ato do desembarque na Espanha.

        • Natalia

          Está correta sim sua informação sobre os 3 meses! Confirmei mês passado até mesmo para saber se valia para Suiça tb por não fazer parte da Uniao Européia e vale tb! Liguei na Swiss Air, pois o próprio funcionario da embaixada nao sabia!

          • Alan Rodrigo de Almeida

            Pois é. Esse rapaz aí estava insistindo na informação errada que já confirmei com a Air France. Não vou ficar discutindo.

    • catvampiro

      A regra de 6 meses é coisa nova… O texto está correto.

  • Bruno Becker

    Não esquece que já vivemos o nosso caos social onde todo dia muita vidas são ceifadas, mas bala perdida e assassinato, se não for de pessoas “famosas”, nem notícia vira mais….

  • catvampiro

    O post foi útil sim pra fazer-mos lembrar que ainda existe nação séria que está fazendo sua parte, aceitando refugiados e acolhendo-os como cidadãos de seu próprio país… A Alemanha está de parabéns, mais uma vez mostrou que é um exemplo a ser seguido…. Não foi atoa que meteu 7 na “província” chamada Brasil.

  • Cassio R Eskelsen

    É, vai nessa que apenas burocracia.
    Minha mulher quebrou o pé durante nossa road trip pela Turquia e precisou fazer cirurgia e colocar pinos. Se não fosse o seguro estaríamos fu e meio.
    E o seguro saiu de graça já que é dado pela Mastercard para quem compra a passagem com esse cartão.

  • Fernando Albuquerque

    Discordo. Um americano, um japonês, um australiano, jamais será considerado um refugiado. Um brasileiro também não, embora nós possamos eventualmente ser afetados por um endurecimento dos controles de fronteira.

  • Fernando Albuquerque

    Budapeste e Viena têm uma indústria de turismo imensa. Imaginar que esses países iriam barrar os visitantes por causa da crise migratória que é bem específica não tem sentido.

  • Fernando Albuquerque

    Mas os brasileiros já podiam entrar sem visto em todos os países que fazem parte atualmente do Acordo de Schengen, então uma coisa não tem a ver diretamente com a outra.

    Além do mais, achei fantasiosa a conclusão da matéria de que o Acordo está em risco. O UKIP é um partido periférico na Inglaterra. Pra falar besteira tem um monte de gente, mas gente com poder real de mudá-lo não se pronunciou sobre isso.

    • Fernando, dá uma olhadinha no Google: https://www.google.com/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=schengen&newwindow=1&tbm=nws
      Algumas manchetes de hoje:

      França admite suspender Schengen

      Eslováquia e Áustria seguem Alemanha e suspendem Acordo

      Refugiados: Quatro países já suspenderam Acordo de Schengen

      Aqui no Brasil, o Globo News está anunciando um programa especial sobre como a crise dos refugiados coloca em risco o sonho de uma Europa unidficiada

      • Fernando Albuquerque

        O acordo não está suspenso em nenhum país. A limitação das fronteiras, de modo TEMPORÁRIO e com o objetivo de garantir a ordem pública, é EXPLICITAMENTE permitida pelo próprio Acordo. Se o acordo permite isso, pra que suspendê-lo?

        E daí que a Globo faça programas sensacionalistas sobre isso? A imprensa vive de crise. A Europa passa por uma série crise migratória, mas eu já disse e reafirmo que isso não irá afetar o Acordo de Schengen e muito menos a União Europeia. Daqui a um ano, quando o acordo estiver sólido como uma rocha como sempre esteve, eu vou lhe responder aqui nesse mesmo tópico para você relembrar quem estava certo.

        • Jorge Pizarro Esteves da Costa

          Ninguém quer uma horda de “bárbaros” invadindo seu quintal. Eles têm que fechar mesmo

          • Jacqueline

            Que preconceito, hein?! São pessoas desesperadas fugindo da guerra, como fugiram os judeus para os Estados Unidos e alavancaram a economia do país. Aqui Getúlio os barrou. Que bom, não é?

          • Jorge Pizarro Esteves da Costa

            Então por quê não fogem para a Arábia Saudita, Egito, Irã, ou outros países islâmicos? Por quê procuram nações europeias cristãs para aproveitar de benesses para as quais nunca contribuiram?

            E me explique melhor como os “judeus fugidos da IIGG alavancaram a economia dos EUA”. A Europa não dará conta desse contingente populacional, e num futuro próximo isso trará grandes conflitos econômicos, étnicos e religiosos.

          • Bruno Bastos

            E quando os italianos, espanhóis e alemães vieram pro Brasil no começo do século 20 pq não tinham emprego, eram bárbaros? Julgar os outros por sua origem étnica é racismo, meu filho.

          • Jorge Pizarro Esteves da Costa

            Existe uma grande diferença dessa migração em comparação com os italianos, espanhois e alemães que vieram para o Brasil nos séculos XIX e XX. Naquele período eles foram CONVIDADOS pelo governo brasileiro para viverem no Brasil, situação diferente dos refugiados que buscam asilo na europa ou no Brasil.

            E respondendo su outra resposta, deletada pela moderação:

            “Se fossem americanos de olhos azuis ou castanhos eu não apoiaria da mesma maneira, exceto no caso que o estrangeiro traga recursos que gerem trabalho e emprego em nosso país. Nesse caso tanto faz a origem do estrangeiro. Pode ser africano, asiático, sul americano, etc.
            Em segundo lugar condeno as pessoas que colocaram fogo no senegalês no sul. Inclusive estes devem responder por seus crimes como a lei brasileira prevê. Mas quem são estes criminosos? Pelas características do crime não foi a “direita golpista fascista” que vocês esquerdistas tanto gostam de citar, mas provavelmente outras pessoas na mesma condição de miséria que o senegalês, ou até mesmo outro estrangeiro.

            Em terceiro lugar, seu comentário sobre americanos e olhos azuis revela um extremo preconceito e desprezo de sua pessoa por ele. E preconceito é preconceito, independentemente de seu objeto ser branco, preto, amarelo ou vermelho.

            Em quarto lugar estamos num período de crise, retração nas despesas e ajuste fiscal. Imigrantes e refugiados em nada colaboram para a melhora da situação do Brasil neste momento. Já temos problemas demais em nossa nação para importar problemas que não são nossos.”

            Pelas suas palavras “Julgar os outros por sua origem étnica é racismo, meu filho”, o que o torna um racista já que julga pessoas por sua origem e cor dos olhos.

  • Fernando Albuquerque

    Achei péssimo. Totalmente especulativo e escrito por alguém que não tem noção nenhuma de política internacional. O fato da Alemanha ter feito barreiras na fronteira com a Áustria não significa um enfraquecimento do acordo. Não podemos esquecer que o Acordo de Schengen vale para quem entrou LEGALMENTE na Europa. Não é caso dos refugiados.

    • Gisela Cabral

      O MD é um site de viagens e o nosso objetivo é facilitar a vida do viajante. O objetivo da matéria foi cumprido, mostrar aos que estão vindo que a situação nas fronteiras europeias está ficando complicada e que pode piorar. É só acompanhar o noticiário! Abs!

    • Alan Vargas

      Só li besteiras no artigo. Não entendi porque o MD publicou isso também.

    • Bom, eu já te respondi, mas vamos repetir: o próprio Conselho Europeu está preocupado com o risco que o Tratado de Schengen corre neste momento. Já são quatro países que decidiram fechar suas fronteiras e o primeiro ministro francês disse que o país avalia fazer o mesmo. A questão é que nós aqui no Brasil estamos muito longe desse problema, envoltos com nosso cotidiano de volta da CPMF e assuntos locais, a Gisela que mora na Europa está acompanhando diariamente a imprensa local e o tamanho da crise.

  • Alan Vargas

    Pura verdade. Parei de ler o texto quando a ‘cientista política’ escreveu “Há pelo menos 20 anos o Acordo de Schengen permite que nós, turistas brasileiros, entremos na Europa sem a necessidade de visto”. União Européia pra que né? rsrsrs

  • Ev

    Para os brasileiros e qualquer outro turista muda sim e muito! Estamos em salzburgo na austriA e tinhamos passagens para munique hoje, porem ontem a noite os trens para a a alemanha fecharam sem previsao de volta. E essa pequena cidade ja esta com seus hoteis lotados por conta dos turistas que estao “presos”.. Estamos tentando obter uma solucao pois ja tinhamos hoteis pagos em munique e na cidade nao tem nais vaga em nenhum hotel! Nao esta nada facil!

    • Natalia

      Vão tentar ir de carro? Fiquei sabendo de um site Blablacar que organiza caronas em viagens de carro pela europa.. Estarei aí 28 de dezembro depois sigo para Viena, e na volta passo em Munique, mas de carro..Boa sorte!!

  • Diogo Penha Soares

    Vim de Budapeste para Viena ontem. O problema foi meia hora de engarrafamento na fronteira, mas os policiais só olhavam, não fizeram controle de passaporte. E se você não acompanha o noticiário mundial, mal percebe que há uma crise na Hungria. Budapeste está uma tranquilidade.

    • Gisela Cabral

      Que bom, Diogo! O seu depoimento tranquiliza muito os que estão viajando para a Hungria! Abs

  • Gisela Cabral

    Já soube de dois casos de brasileiros que foram cobrados pelo seguro, ao entrarem na Europa. Nunca se sabe, além do mais, é uma segurança em caso de problema de saúde.

  • Fabiola

    E vc Patricía? Está fazendo o que? Está por acaso doando algum dinheiro para alguma ONG que cuida dos refugiados?! Os sites brasileiros da ONG Médicos sem Fronteiras, Cruz Vermelha e Unicef aceitam doações em reais.

    • Patricia

      Estou ciente e fazendo minha parte, Fabíola, bom saber que você também está!

  • Gisela Cabral

    Nossa, Ev, tomara que vocês consigam resolver a situação sem prejudicar o restante da viagem. Abs!

  • Inutilidade é a pessoa perder tempo pra criticar um post. Com certeza serviu pra alguem, quem não gostou, passa pra próxima 😉

  • Fernando Albuquerque

    Quem estiver com a documentação toda em dia NÃO SERÁ AFETADO. Alertar para tomar o cuidado de cumprir rigorosamente as exigências para entrar na Europa é OK. Mas esse artigo ultrapassou isso. Ao dizer que o Acordo de Schengen, e especialmente a liberdade de visitar a Europa sem visto, estão em risco, virou uma coisa especulativa e sensacionalista.

    • Natalia

      Cara, você está mais atrapalhando do que ajudando! Deixe que cada um que ler tire suas próprias conclusões, você não é o dono da verdade.

    • Alan Vargas

      Disse tudo!

  • Patricia

    Tá mal de adivinhação, Yuri, não sou leitora da Carta Capital.

  • Bruno Becker

    Muito importante seu relato!! Por Favor, mantenha-nos informado da situação!

  • Deyvisson F. R. Almeida

    Caramba, que povo chato. A materia foi informativa sim, de tendenciosa ja basta a Globo. Por que o MD teria interesse em ser tendencioso? Ele só quis informar sobre uma possibilidade real disto acontecer. A crise lá só está começando, não custa nada medidas drásticas.

    • Gisela Cabral

      Ufa! Valeu, Deyvisson! hehehe

    • Heber Maldonado Sargaço

      Concordo!

    • Carolina

      Também concordo! E não dá pra negar que existe uma crise migratória. Se ela está no começo ou no auge, fato é que tudo pode mudar. E se alguns países estão “suspendendo” ou “limitando as fronteiras temporariamente” já é um indício de que as coisas tendem a ficar mais rigorosas. Depois turista acha ruim que no meio da viagem fronteiras foram fechadas…
      Temos que pensar que o público da internet (e, via de consequência, do MD) não é feito de diplomatas ou de phds em relações internacionais.
      Tem gente aqui que nem sabe que a Inglaterra não faz parte de Shengen. Tem gente aqui que nem sabe o que é o acordo.
      Humildade intelectual nunca é demais.
      Gisela, parabéns pelo post. Garanto que muita gente apreciou a informação mas ficou até com vergonha de elogiar e ser tratado como “analfabeto” em diplomacia internacional.

    • Bruno Bastos

      O problema é que o MD foi o inocente da história. Quis informar de bom coração, mas repercutir a mídia internacional, que não é independente e confiável (que nem a nossa), foi uma bola fora. A maior parte do jornalismo é lobby maquiado.

  • Heber Maldonado Sargaço

    Para mim também nunca pediram! Aliás, em nenhum dos 21 países que visitei, pediram… 🙂

  • Jorge

    Alguém sabe quantos Haitiano, Dominicanos e Venezuelanos estão no norte do nosso Brasil?
    Alguém sabe quantos destes refugiados já estão no sul e sudeste do Brasil?
    Alguém sabe as condições que enfrentam para sair do Haiti e chegar ao Brasil?
    Alguém sabe o que está acontecendo em nosso quintal?

    • Jorge Pizarro Esteves da Costa

      Gostaria de saber quanto de nossos impostos estão sendo gastos com eles. Já temos pobreza demais em nosso país para termos ainda que importar gente nessas condições, infelizmente.

      • Bruno Bastos

        Você é desprezível Jorge. Se fossem americanos de olhos azuis você não falaria isso. Deve ter até apoiado a ação dos psicopatas que tocaram fogo no senegalês no Sul.

  • Natalia

    Muito bom o Post Gisela, serve para ficarmos alertas, pois passarei por diversos países europeus entre dezembro e janeiro.. Só uma coisinha que mudou é a validade do passaporte que exige agora o prazo de validade de pelo menos 3 meses.. não mais 6 meses. abç

  • Jorge Pizarro Esteves da Costa

    Resumo da matéria: esses “refugiados” estão estragando a Europa, e tornarão o continente em uma nação islâmica dentre de 20 ou 30 anos. A guerra santa do século XXI não é mais lutada com espadas, com com migração e reprodução desenfreada. Nenhum país deveria ter a obrigação de aceitar imigrantes caso não queira. E aliás, se Alá é tão bom porque eles não procuram nações como Arábia Saudita ou Irã para se abrigar, ao invés da Europa, especialmente Europa Ocidental.

  • cris

    O post foi muito útil, sim!!! Principalmente pra saber de que forma podemos ajudar os refugiados, estando por aqui!!! Obrigada!!!

  • Nilson Rio

    O ponto mais importante talvez não tenha sido falado: seria o desconforto que os locais podem vir a ter com os “não locais” e o consequente aumento da xenofobia, do racismo e de todas essas coisas ruins.
    Por outro lado não devemos perder de vista que TODA população da Hungria é de apenas 9 milhões de habitantes e a entrada sem controle de 900 mil pessoas (imigrantes aceitos pela Alemanha por ano) equivaleria ao Brasil receber algo como 21 milhões de pessoas (10% da população), todas passando pelo Rio ou por São Paulo, sendo que boa parte delas não poderia seguir viagem e acabariam ficando por aqui sem documentos, residência e trabalho.

  • Jussara

    Eu estava na Alemanha há 7 dias, e lá na Europa, os noticiários só falam disso, acompanhei bastante. Aqui no Brasil a mídia parece não estar dando tanta atenção (já temos os nossos “próprios problemas”). Talvez pela distância também, pois é algo, que a priori não nos afeta diretamente. Mas enquanto estava lá acompanhei com atenção, e é uma situação delicada, tanto para os refugiados, quanto para os países que estão sendo procurados para dar refúgio. O primeiro ministro da Hungria deu várias entrevistas polêmicas falando que esse é um problema da Alemanha (o país mais procurado), e não da Hungria ou da Europa, e disse também que o país não quer mais islâmicos lá… O primeiro ministro britânico também deu uma declaração um pouco polêmica, e foi bastante duro em suas colocações, apesar de ter falado em ajudar.
    Para os turistas não-europeus como nós brasileiros, não sei como isso pode nos afetar, mas acho uma pena se o acordo de Schengen for mesmo dissolvido. Para mim seria andar para trás.
    Enquanto estive lá não tive problema ao chegar/sair da Alemanha e ir para outro país, mas viajei de avião, não sei se de carro ou trem é diferente. Mas espero que isso não afete a entrada de brasileiros na Europa, pois apesar de não ser difícil, sabemos que exigem mais documentos e papeladas da gente. De repente podem querer apertar mais o cerco, sei lá.
    Quanto aos refugiados, é um assunto complicado e polêmico, e pelo o que vi na TV enquanto estava lá, só posso sentir compaixão por eles, pela situação que estão atravessando. Esse assunto de abrir ou fechar fronteiras é bastante delicado.
    Gostei das matérias do Le Monde Diplomatique Brasil e do SBS; bom saber que alguns políticos estão demonstrando bom senso (o link para o FT leva à página principal, e não a um texto específico sobre a crise).

  • Claudio

    Ev, por favor nos mantenha informados sobre como serão os desdobramentos aí em Salzburg e como farão pra chegar em Munique.

  • Sharlyne Dias

    Estou em Viena e a cidade esta calma. Tem um movimento de imigrantes na estação de trem Südtirole Platz, onde tem acesso aos outros países. Ontem os trens p Budapeste estavam cancelados, mas hoje cedo tinga voltado a circular. Os trens para Munique que ainda não tinham normalizado. Tudo muito organizado na estação.

  • Claudio

    Gisela, parabéns pela matéria INFORMATIVA,estarei na Europa no próximo mês e tenho acompanhado não apenas claro o grande problema dos refugiados como também os problemas que possivelmente poderíamos passar nas fronteiras, quanto ao Tratado será sim um retrocesso se o cancelarem, agora quanto as informações para ajuda, ótimas dicas principalmente que estamos longe e vc de onde está pode nos fornecer melhores detalhes. Muito obrigado pela matéria…vamos acompanhar melhor a estas informações.

  • Tony
  • Marcia Moghetti Picorallo

    o que mudou é que agora você terá seu passaporte inspecionado nas fronteiras entre Alemanha, Áustria, Eslováquia e Hungria, apesar de serem países do Schengen.

  • Ligia

    Alguém aí viajou por esses dias de Portugal para a Alemanha? Queria saber se eles estão pedindo os documentos na chegada ou se passa direto como costuma(va) ser…

  • Wanderson alves

    Daqui a pouco vai ficar igual aos EUA, onde você tem que tirar visto e ter que provar que tem emprego,dinheiro,carro e casa no seu nome e o caralh* a quatro, quase pedem seu exame próstata também. terrotistas fazem merda e todo mundo paga a conta.

  • Alexandre Sousa

    Deviam resolver logo o problema dos terrorista do daesh na siria e no iraque que parece ser a origem dessa quantidade de refugiados e tambem imigrantes oportunistas que aproveitam essa bagunça. Intervenção nos regimes de governo no mundo que tambem criam refugiados. Doar dinheiro somente para a caridade é melhor que dar comida a islamico que vai joga-la fora dizendo que o alimento não está dentro das normas islamica. Deviam fazer igual ao japão que não aceita imigração islamica e acontecimentos atuais provam que o governo japones previu tudo isso.