Tudo o que você sempre quis saber sobre aviação no “voo guiado” da GOL com jornalistas!

Denis Carvalho 6 · novembro · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Faltam poucos minutos para as 7 da manhã e o funcionário da GOL convida para iniciar o embarque os passageiros do voo 1300, com destino ao aeroporto de Confins, em Belo Horizonte. Ao contrário do que ocorre nos demais portões de Congonhas, o clima ali é de tranquilidade: apenas um grupo de 45 jornalistas e alguns diretores da companhia aérea seguem pelo finger até o Boeing 737-800 NG para o início de um “voo guiado”, com o objetivo de tirar as dúvidas dos profissionais de Imprensa e, por extensão, dos passageiros. O Melhores Destinos esteve entre os veículos convidados para o voo e vamos relatar um pouco do que foi a experiência, a fim de esclarecer alguns mitos e curiosidades. Tomem seus assentos, pois vamos decolar!

DSC_0504

Assim que todos embarcam, uma visita ilustre: o presidente da GOL, Paulo Kakinoff, aparece para cumprimentar um a um todos os jornalistas. Em seguida, usando o sistema de som da aeronave, ele dá as boas-vindas e fala da importância da ação, que é parte do Workshop “Bastidores da Aviação”.

DSC_0499
Presidente da GOL dando bom dia aos jornalistas antes de descer do avião

A porta da aeronave é fechada em seguida, assim como  a da cabine. Ao invés dos avisos de praxe, contudo, ouvimos a voz do comandante Marcelo Dutra, diretor de Operações da GOL, que será o guia deste voo especial, explicando passo a passo cada fase do trajeto. Ele não é o comandante do voo, fará o trajeto apenas como nosso cicerone.

DSC_0515

Com a autorização da torre, é iniciado o “pushback”, ou seja, o avião é empurrado pelo trator de reboque para manobra- sim, o avião não tem marcha ré. “O piloto vai ligar o motor direito, em seguida o motor esquerdo e faz uma checagem antes de informar à torre que está tudo bem. Caso haja algum problema, ele retorna ao finger imediatamente”, explica Dutra.

Avião da TAM decolando
Avião da TAM decolando

Não é este o caso e o 737 começa a “taxiar” do terminal à pista de Congonhas, para entrar na fila de aeronaves que aguardam autorização para ganhar os céus rumos aos quatro cantos do País. Nesse percurso, o comandante explica que a torre de comando organiza somente o espaço aéreo do aeroporto. “Assim que o avião decola, passamos a ser orientados pelo centro de controle regional de São Paulo e em seguida pelo Cindacta I, de Brasília”.

Dutra explica que o tráfego aéreo nacional é gerenciado por quatro Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo, os Cindacta. O primeiro , com sede em Brasília, gerencia a maior parte de São Paulo e Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás e Mato Grosso. O Cindacta 2 Curitiba opera a Região Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná), Mato Grosso do Sul e parte sul e oeste de São Paulo. Já o Cindacta 3 tem sede em Recife e gerencia o tráfego aéreo na região Nordeste e área oceânica que separa o Brasil da África e da Europa. Por fim, o Cindacta 4 fica em Manaus e organiza os voos sobre a Região Amazônica.

Airbus da Avianca Brasil decolando
Airbus da Avianca Brasil decolando

Após observar a decolagem de outras aeronaves, finalmente alinhamos na pista e decolamos, a 230 km/h. Um detalhe interessante são os flaps das asas. No momento da decolagem eles são abaixados a 10 graus, para que o avião ganhe altitude com facilidade. No ar, eles são recolhidos e a asa fica lisa, aumentando a velocidade do jato.

Da mesma forma, o trem de pouso é recolhido assim que o avião inicia a subida. “No ar, o ideal é que o avião esteja o mais liso possível, por isso recolhemos os flaps e o trem de pouso, que causa bastante arrasto”. A decolagem é toda feita pelo piloto – não existe um sistema automatizado.

Asa "lisa" com flaps recolhidos sobrevoando as nuvens paulistas
Asa “lisa” com flaps recolhidos sobrevoando as nuvens paulistas

Por determinação da torre, subimos apenas 6 mil pés, já que alguma aeronave está passando sobre a nossa. Pelo sistema de som do 737 podemos ouvir um pouco da comunicação com os controladores de voo e demais aeronaves, em um inglês com tantos jargões que é difícil decifrar alguma coisa.

Mais alguns minutos e chegamos à altura de cruzeiro: 10 mil pés. “Apenas quando atingimos esta altitude é liberado o aviso de desatar os cintos de segurança e o trabalho dos comissários de bordo”, explica Dutra.

DSC_0522

A tripulação do 737-800 é formada pelo comandante, copiloto, a chefe de cabine e três comissários auxiliares. Muitos passageiros não sabem, mas a principal função dos comissários é garantir a segurança do voo. Para isso eles precisam passar por treinamentos periódicos sobre como agir em diversos tipos de emergência em uma simulação de cabine (mock-up).

O mesmo ocorre com os pilotos. Mesmo os mais experientes precisam passar por treinamentos semestrais em simuladores, onde treinam o controle do avião e o pouso em casos de emergência – que graças a Deus! – são muito raros na vida real.

Comandante Dutra exibe os relatórios do voo
Comandante Dutra exibe os relatórios do voo

Já estamos a 37 mil pés e velocidade de cruzeiro de 850 km/hora quando nosso guia deixa a cabine para conversar com os jornalistas e traz consigo algo interessante: os documentos do voo. “Nós temos todos os dados, desde a rota, peso do avião com passageiros e cargas e dados da decolagem à quantidade de combustível, que neste voo é de 7.200 quilos. Assim como na Fórmula 1, ele é medido por peso, pois é o mais importante”. 

Dutra explica que a velocidade exata da decolagem e do voo é calculada de forma automática com base em fatores como peso da aeronave, temperatura, vento e potência dos motores. “Isso tudo fica registrado a cada voo”.

Aproveito para perguntar sobre um dos maiores temores de boa parte dos passageiros: as turbulências. “O avião é projetado para suportar as turbulências e elas não colocam o voo em risco. Além disso, hoje temos radares que nos informam com muita antecedência sobre turbulências mais severas e conseguimos contorná-las, para que os passageiros tenham um voo mais confortável”.

O comandante destaca que a maior parte das turbulências sentidas são as “de dia claro”, causadas pelo vento. “Essas o radar não consegue prever, mas são mais brandas. É como se fossem as marolinhas que balançam o navio no mar”.

Outras curiosidades: a rota do avião é definida pelo leme, que dica na cauda. Nas asas existem dois ailerons que controlam o movimento lateral. Há ainda o winglet – aquela peça bonita na ponta da asa, que serve para melhorar a aerodinâmica, aumentar a velocidade e reduzir consumo.

Asa preparada para a descida
Asa preparada para a descida

Cerca de vinte minutos antes do pouso o processo de descida é iniciado, com a redução de velocidade. Um som de sirene indica que o piloto automático foi desligado e vai começar o pouso. A cinco quilômetros da cabeceira, o trem de pouso é abaixado e o piloto aumenta a angulação dos flaps ao máximo: 40 graus, ajudando o avião a planar.

O avião, enfim, toca o chão em Confins com suavidade, graças ao pouco peso. Na asa, os spoilers (speedbrakes) são abertos ao máximo para reduzir a velocidade. É uma manhã ensolarada em Belo Horizonte e o avião taxia com tranquilidade para o terminal. “Após o pouso é importante que os passageiros permaneçam sentados, pois pode haver algum solavanco e uma queda”.

DSC_0532

Chegando ao terminal, o avião é calçado para não se mover. Assim que o motor é desligado, são iniciados os processos de retirada das bagagens e manutenção para o próximo voo. O piloto aguarda a equipe da Infraero acoplar o finger e só então as portas ficam em “manual”, permitindo sua abertura e desembarque dos passageiros.

O 737-800 PR-GUY novinho
O 737-800 PR-GUY novinho

Nosso voo terminou, mas não a jornada. É hora de conhecer o centro de manutenção da GOL, montado em uma área de 140 mil metros quadrados em Confins. Ali os jornalistas conheceram um pouco do processo de manutenção e pintura das aeronaves, além das oficinas de rodas e freios. Sem dúvida, uma aula para quem é apaixonado por esse fascinante mundo chamado aviação!

Centro de Manutenção da GOL
Centro de Manutenção da GOL

DSC_0546 (3)

Agradecemos a GOL pela iniciativa e ao comandante Marcelo Dutra pelas informações. Mas sabemos que esse post é só uma pincelada básica sobre um assunto tão cheio de detalhes e informações. Conhece mais curiosidades e detalhes interessantes? Conte nos comentários! Se tiver alguma dúvida pode perguntar também, pois temos muitos especialistas na comunidade de leitores que poderão ajudar!

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe