45 dicas para a sua primeira viagem a Israel!

Monique Renne 29 · abril · 2016

O alarme de super promoção soou forte aqui no Melhores Destinos e muitos leitores garantiram passagens baratinhas para Israel. E como o destino é novidade para muitos viajantes, preparamos um post especial com 45 dicas para a primeira viagem a Israel.

Neste mini guia vocês encontrarão várias sugestões do que fazer em Israel e as principais atrações de regiões como Tel Aviv, Jerusalém, Mar Morto, Cesareia Marítima, Haifa, Deserto da Judeia, Galileia, além de vários outros destinos deste país que, apesar das pequenas dimensões, guarda uma riqueza cultural, religiosa e histórica incomensurável. Se quiser ir um pouco mais a fundo, visite o nosso Guia de Israel. Vamos às dicas!

Atrações principais

1 – Vá além de Jerusalém e visite outras regiões de país – Israel é desses destinos onde podemos passar um mês vendo atrações sem repetir nenhuma delas. O país tem dimensões muito pequenas e em apenas 5 horas é possível atravessar todo o território de norte a sul e em uma hora de leste a oeste. Isso torna irresistível querer conhecer várias regiões e cidades em uma mesma viagem. E é exatamente isso que muita gente faz:  Viajar pelo país todo! E não há porque se limitar a Jerusalém. Israel oferece várias outras atrações imperdíveis em regiões como Tel Aviv, Cesarea Marítima, Galileia, Haifa, Nazaré, balneário de Eilat, o Deserto da Judeia, os arredores do Mar Morto e os territórios palestinos de Belém e Jericó, especialmente interessantes para quem faz turismo religioso. Prepare-se para organizar uma bela viagem ou, caso este não seja o seu forte, contratar uma empresa de tours especializado ou guia particular com roteiro prontinho!

Jerusalém vista no alto do Monte das Oliveiras
Jerusalém vista no alto do Monte das Oliveiras

 

2 – Enfrente a multidão na Via Sacra / Jerusalém – Esse é um dos principais motivos que leva tantos turistas a Israel. E mesmo quem viaja sem o foco no turismo religioso acaba passando por lá. A Via Sacra, segundo a tradição cristã, marca o caminho percorrido por Jesus nos momentos que antecederam a sua morte. O trajeto, dentro da área murada da Velha Jerusalém, tem cada milímetro do chão de pedra disputado pelos viajantes. É um local de oração e devoção, mas também um dos mais lotados pontos turísticos de Israel. No trajeto, igrejas e locais sagrados se misturam a vendedores ambulantes e feiras livres. Nem sempre é fácil encontrar as estações que marcam a Via Sacra. Mantenha os olhos abertos, siga os mapas ou cole em um grupo de peregrinos.

Contratar um guia, caso você deseje mais detalhes, também não é má idéia. Mesmo para os que conhecem profundamente os ensinamentos do Evangelho, a Via Sacra pode ser bastante confusa, apesar de especial e imperdível. Para percorrer todo o trajeto com calma será necessário um dia todo. Reserve tempo para não perder nenhuma estação.

3 – Não desista da fila para visitar o Santo Sepulcro / Jerusalém – Este é o ponto auge da Via Sacra e também o mais disputado. O Santo Sepulcro está localizado dentro de uma grande basílica, mas o espaço para visitá-lo é bastante reduzido, o que gera filas enormes! Caso queira escapar da espera, e não se importe em inverter a ordem da Via Sacra, visite o Santo Sepulcro ainda no começo do dia, quando as filas são bem menores. Depois siga o restante do trajeto.

4 – Experimente novos sabores nos mercados de rua / Jerusalém – Eles estão por toda parte. Os mercados de rua são repletos de deliciosos sabores e temperos. Entre os mais populares do país está o Mercado Árabe da Cidade Velha de Jerusalém. Dentro da região murada, este mercado por várias vezes se encontra em meio à Via Sacra. Faça uma paradinha na peregrinação para experimentar algumas das delícias locais. De quebra ainda vale comprar um souvenir de recordação.

5 – Veja o pôr do sol no alto do Monte das Oliveiras / Jerusalém – O nome Monte das Oliveiras é familiar até mesmo para quem não é católico. E é difícil não se emocionar ao ver tão de perto um local que há centenas de anos é descrito em livros sagrados. A paisagem no topo permite ver a região murada da Cidade Velha de Jerusalém, a cúpula dourada da Mesquita de Omar, um dos mais importantes cemitérios judaicos do mundo e a Igreja de Todas as Nações. O espetáculo do visual é ainda mais belo ao entardecer, quando a cidade ganha contornos em silhueta e o pôr do sol é sempre lindíssimo!

Pôr do sol no Monte das Oliveiras
Pôr do sol no Monte das Oliveiras

6 – Assista ao show de luzes na Torre de Davi / Jerusalém – Construída para ser uma fortaleza e proteger os muros da Cidade Velha de Jerusalém, a Torre de Davi atualmente guarda um museu onde é contada a história da cidade. A arquitetura é belíssima, mas o que mais atraia os turistas é o show de luzes que acontece ao anoitecer. O espetáculo, chamado de Night Spectacular, conta a história de Israel em projeções gigantescas nas paredes.

7 – Deixe a emoção bater ao visitar o Museu do Holocausto / Jerusalém – Museus destinados à memória das vítimas do Holocausto estão espalhados por todo o mundo. Porém a visita ao Yad Vashem – Museu do Holocausto  é, sem dúvida, uma das mais especiais. Além do emocionante acervo, você poderá fazer uma visita guiada com judeus que contarão detalhes da história e dos objetos em exposição. É possível até mesmo agendar uma visita em português (faça o contato prévio com o museu). O lugar é importante não só pela história, mas também para conscientizar os frequentadores de que essa história não deve se repetir.

guia-israel (5 de 196)
Yad Vashem – Museu do Holocausto

8 – Vale se perder entre os muros da Velha Jerusalém  / Jerusalém – A região intramuros da Cidade Velha de Jerusalém é um dos lugares mais interessantes de todo o país. Não apenas pelos templos e locais religiosas, mas também pela conjunção de culturas. A cidade data de 3000 anos a.C e hoje pode ser percorrida entre as ruas estreitas dos bairros judeu, árabe, armênio e cristão. Andar sem rumo é uma das melhores maneiras de entender um pouco mais a Velha Jerusalém.

9 -Visite os locais sagrados de todas as religiões / Jerusalém – O nome de Terra Santa não é uma mera convenção. Jerusalém é sede de locais sagrados para várias religiões. Em poucos metros de caminhada você poderá visitar o Santo Sepulcro (cristão), o Muro das Lamentações (judeu) e a Esplanada das Mesquitas (muçulmano). É um grande caldeirão repleto de fé e importância para muitos povos e religiões. Não podemos deixar de dizer que esse pequeno pedaço de terra é um dos motivos que mais geram desacordo no Estado de Israel, mas em dias normais é possível visitar todos eles tranquilamente (mulheres têm acesso limitado aos templos muçulmanos).

Muro das Lamentações
Muro das Lamentações

10 – Pratique SUP ou surfe nas praias de Tel Aviv / Tel Aviv – Um turista desavisado poderia até pensar que está em Copacabana. As praias de Tel Aviv são modernas, com calçamentos semelhantes aos do Rio de Janeiro, cheias de quiosques e muitos atletas! Faça parte do grupo, alugue uma prancha de SUP e corra para Mar Mediterrâneo. Vale dizer que a praia, assim como Copacabana, também tem áreas onde é mais frequentada por atletas, outras pelo público gay e há ainda um espaço destinado aos mais religiosos (até mesmo com dias da semana destinados a homens e mulheres separadamente). Praia democrática, como todas devem ser! Ao se afastar do centro de Tel Aviv outras praias também encantam, essas bem mais desertas e exclusivas. Alugue um carro e dê uma voltinha. O litoral é encantador.

guia-israel-136-de-196-min

11 – Aproveite a noite de Tel Aviv – Tel Aviv é uma cidade cosmopolita, moderna e muito jovem. E com essas características ela não poderia deixar de oferecer boas baladas. A música é pulsante, os clubes são ótimos e a noite segue animada por toda a madrugada. Prepare-se para viver não só as praias de Tel Aviv, mas também as boas surpresas noturnas.

12 – Experimente os restaurantes da HaTachana Old Train Station e da First Station / Tel Aviv e Jerusalém – A antiga linha de trem que ligava Jaffa a Jerusalém hoje é um grande pólo de entretenimento, tanto na estação de Tel Aviv – HaTachana quanto na de Jerusalém – First Station. O local é repleto de bons restaurantes, lojinhas descoladas e muita gente bonita. Ótimo para um jantar antes da balada!

israel2-2
HaTachana Old Train Station

13 – Aprecie as galerias de arte e um passeio tranquilo por Old Jaffa / Tel Aviv – A antiga cidade de Jaffa, fundada há 3000 anos, está entre os mais agradáveis passeios em Tel Aviv. Se perder entre as ruas de pedras, sem destino certo, é um delicioso passeio. No caminho, não deixe de visitar as galerias e exposições de arte, além das belas lojas de design. O topo permite uma visão maravilhosa para Tel Aviv. Ao final do passeio, curta o visual no antigo porto – que já foi o maior e mais importante de Israel – e escolha um dos restaurantes para recarregar as energias.

14 – Passeie ao entardecer pelo antigo Porto de Tel Aviv / Tel Aviv – O local está entre os complexos de entretenimento mais novos da cidade e atrai centenas de visitantes todos os dias em busca de um belo pôr do sol. É lugar para passear sem pressa e curtir a brisa do Mar Mediterrâneo. Os restaurantes são ótimos e bem pertinho tem um outlet para algumas compras. Com sorte você ainda poderá ver apresentações de shows ao ar livre.

15 – Coma um shawarma de um pé sujo / Todo o país – Os shawarmas estão para Israel como o churrasquinho está para o Brasil. É isso! Em algum momento você não vai resistir àquele maravilhoso espeto cheio de carne e vai se render a um sanduíche. E eles são realmente deliciosos!

16 – Faça uma foto divertida no Mar Morto / Deserto da Judeia – Um dos pontos prediletos dos turistas que visitam Israel é o Mar Morto. A água deste lago, um dos pontos mais baixos da terra (400m abaixo do nível do mar), tem um dos maiores índices de salinidade do mundo e permite que os turistas se divirtam um bocado com isso. Não se envergonhe e aproveite o momento para brincar com a flutuação. Sim! Você não será capaz de afundar naquelas águas. Se entregue ao Mar Morto e aproveite para ler um jornal boiando, mesmo que seja em hebraico. A água é terapêutica (com potencial de cicatrização) e você ainda poderá aproveitar para fazer um banho de lama negra. Muitos hotéis ao redor do Mar Morto oferecem piscinas com a água do local, onde também é possível boiar. Durante o passeio não deixe de registrar as elegantes cabras montanhesas que formam belo cenário com a paisagem.

guia-israel (49 de 196)

17 – Percorra as ruínas de Massada / Deserto da Judeia – O cenário de deserto parece não revelar nada além de grandes paredões rochosos em tons de bege e laranja. Mas é no topo de um deles que se esconde o maior segredo da região, a cidade de Massada. A subida em teleférico (ou a pé, para os mais resistentes) leva ao alto da antiga cidade construída em 30 a.C, onde estava um dos maiores palácios do Rei Herodes e onde viviam quase 1000 judeus. A cidade caiu após a invasão romana em 73 d.C e hoje as ruínas de Massada, um dos maiores sítios arqueológicos do país, são protegidas pela UNESCO.

18 – Visite o Jardim Botânico em meio ao deserto / Deserto da Judeia – Em meio ao cenário inóspito do Deserto da Judeia um pequeno kibutz se transformou em belo jardim botânico. O Kibutz de Ein-Gedi reserva aos visitantes um verde intenso, repleto de plantas que jamais nasceriam na região sem a ajuda dos moradores. É lugar para ver de perto como o verde pode resistir e nascer no cenário mais improvável, além de ser uma excelente oportunidade para conhecer de perto um kibutz.

Kibutz Ein Gedi
Kibutz Ein Gedi

19 – Aproveite o mar de Cesareia Marítima e não perca a visita às ruínas / Cesareia Marítima – Esta incrível cidade histórica de Israel é um dos lugares mais belos e impressionantes de todo o país. Cesareia Marítima foi construída há cerca de 2300 anos, como um presente de Augusto César para o Rei Herodes. Localizada à beira do Mar Mediterrâneo, Cesareia é muito mais do que um antigo porto. A zona arqueológica guarda ruínas da pequena cidade onde havia um hipódromo, casas de banho, templos, um grande anfiteatro e um aqueduto sensacional à beira-mar. Você poderá curtir um almoço com vista para o azul do Mediterrâneo, dar um mergulho na praia e, se der sorte, ainda ver um belo espetáculo no anfiteatro. É lugar imperdível em Israel!

Cesareia Marítma
Cesareia Marítma

20 – Conheça o deserto em um passeio de aventura / Deserto de Negev – Quem não abra mão de esportes de aventura e passeios mais radicais ficará feliz em Israel. O país é repleto de grandes desertos onde é possível fazer passeios de bike, jipe, em camelo e até praticar um pouco de escalada.

21 – Assista a uma cerimônia de batismo coletivo / Rio Jordão – Muitos viajantes que realizam a rota do turismo religioso em Israel passam pelos pontos de batismo no Rio Jordão, onde, segundo tradições cristãs, Jesus teria sido batizado. O local considerado ponto original do batismo de Jesus hoje está em território palestino e chama-se Qars AL-Yahud. Caso deseje ir ao ponto original, peça auxilio a um guia especializado. Para facilitar o acesso de turistas, Israel desenvolveu um novo ponto no Rio Jordão para o ritual. Em Yardenit os batismos são realizados em um espaço especialmente desenvolvido para isso. Independente da religião, a visita é interessante, especialmente pela emoção dos devotos que passam pelo ritual no Rio Jordão.

22 – Aprecie sem pressa os Jardins de Baha’í / Haifa – Entre os mais belos cartões postais de Israel, os Jardins de Baha’i encantam pela beleza e paz que transmitem. Escalonados em 19 degraus que sobem o Monte Carmelo, os jardins são repletos de tamareiras, flores e plantas bem desenhadas que somam 450 diferentes espécies. Protegidos pela UNESCO, os Jardins de Baha’í  tem como centro o Santuário de Báb, local de descanso do Profeta Herald, da Fé Baha’í. Do alto é possível ter uma linda vista para a cidade portuária de Haifa, onde bons restaurantes servem frutos do mar no antigo porto.

Jardins de Baha'i
Jardins de Baha’i

23 – Visite as ruínas de Cafarnaum / Galileia – As escavações da cidade bíblica de Cafarnaum foram, segundo o Novo Testamento, local de ministério de Jesus e presença constante de cristãos. Hoje sítio arqueológico, acredita-se que antiga cidade judaica-próxima a Tagba – tenha sediado uma das sinagogas onde Jesus ensinava seus seguidores e onde teria realizado alguns milagres. A cidade teria sido também casa dos apóstolos Tiago, João, André e Pedro, sendo que a casa deste está identificada como uma das ruínas abertas a visitação.

guia-israel (26 de 196)
Cafarnaum

24 – Tome um banho no Oásis de Gan hashlosha National Park / Galileia – Para quem acha que oásis são coisas de desenho animado, vale uma passadinha no Parque Nacional Gan hashlosha. Cercado pelo deserto, este parque é  quase inacreditável.  Além da nascente em meio ao deserto, a temperatura das três piscinas naturais se mantém constante em 28°C durante todo o ano. E você pode dar um mergulho por lá!

Gan Hashlosha
Gan Hashlosha

25 – Ande pelos túneis da cidade histórica de Acre / Galileia – Um dos mais impressionantes sítios arqueológicos de Israel está localizado na Cidade Antiga de Acre. Construída sob influência de vários povos e religiões que dominaram a região, a capital do antigo Reino de Jerusalém hoje é protegida pela UNESCO. O que pode ser visto atualmente no sítio arqueológico são os túneis subterrâneos e a cidade murada construídos pelos Cruzados e Otomanos, entre os séculos XII a XIII e XVIII a XIX. Caminhar entre as vielas, subterrâneos e fortalezas é sentir-se de volta ao passado.

26 – Veja onde foram encontrados os pergaminhos do Mar Morto / Cisjordânia – A inóspita região desértica conhecida como Qumran escondeu durante 2.000 anos os mais antigos escritos que fazem referência à Bíblia Hebraica já vistos. Os documentos foram encontrados, em 1947, por um beduíno que percorria a região. Hoje os pergaminhos estão expostos em três locais diferentes: Museu Arqueológico da Jordânia; no Santuário do Livro (Museu de Israel) e no Museu Rockefeller, em Jerusalém.

Qumran
Qumran

27 – Compre alguns produtos com óleo de argan e água do Mar Morto / Todo o paísCompras fazem parte do roteiro de quem visita Israel. Há bons e belos shoppings, o preço não é ruim e algumas mercadorias são clássicos locais. Não deixe de levar alguns produtos à base de óleo de argan. A marca Moroccanoil é israelense e os preços são bem mais camaradas do que no Brasil. Produtos à base de água do Mar Morto também estão entre os prediletos, especialmente pelo poder hidratante e cicatrizante. Se a grana estiver sobrando, veja os diamantes locais. Eles estão entre os melhores do mundo.

28 – Visite os locais marcados pela história e  milagres de Jesus que vão além da Via Sacra e de Jerusalém – Caminhar sobre as águas e multiplicar pães e peixes são apenas alguns dos milagres creditados a Jesus. Vários pontos que dizem respeito às tradições cristãs ligadas a Jesus podem ser vistos pessoalmente em Israel. É possível fazer um passeio de barco pelo Mar da Galileia, local onde Jesus caminhou sobre as águas;  visitar a Basílica da Anunciação, onde teria acontecido a anunciação a Maria; conhecer a igreja em Tabgha que marca o ponto do milagre da multiplicação dos pães e peixes; ir ao Monte das Beatitudes, onde teria sido pregado o Sermão da Montanha; visitar a cidade de Belém, marcada pelo nascimento de Jesus e muitos outros. A rota é tão intensa e profunda quanto o interesse religioso.

Mar da Galileia
Mar da Galileia

29 – No último dia, descanse em Eilat – Se depois de alguns dias de viagem você precisar descansar e recarregar as energias, o melhor lugar é Eilat! A região, localizada no extremo sul de Israel, é conhecida como a cidade de veraneio dos israelenses. O local é ótimo para praias, esportes aquáticos e até mergulho. Os hotéis são de excelente qualidade e certamente você voltará para o Brasil pronto para a próxima viagem!

Organização da viagem

30 – Quando ir – Israel pode ser visitado durante todo o ano. O clima é agradável na maior parte do tempo e o sol constantemente brilha no céu. No inverno o frio pode atingir regiões mais altas, como Jerusalém (onde até ocorre um pouco de neve), mas nada que um casaco mais grosso não resolva. Já o verão tem calor intenso, tempo seco e é uma época excelente para quem deseja curtir os destinos de praia. Em resumo, Israel é seco e quente no verão e úmido e com temperaturas amenas no inverno.

É importante salientar que Israel é um destino muito procurado pelo turismo religioso e qualquer data festiva ligada aos judeus e cristãos pode lotar as cidades. Como o calendário judaico é diferente do Gregoriano (utilizado no Brasil), todo o ano é necessário conferir quando cada feriado acontecerá. Veja mais sobre quando ir a Israel.

guia-israel (157 de 196)
Cesareia Marítima

31 – Dias sagrados – Os dias considerados de descanso diferem entre as religiões. Para os muçulmanos é a sexta-feira, para os judeus é o sábado e para os cristãos o domingo. Sendo assim, há o risco de encontrar estabelecimentos fechados em todas essas datas, a depender da religião do proprietário ou do bairro onde está localizado. A predominância é de judeus, por isso o mais comum é encontrar o comércio fechado aos sábados, quando quase nada funciona.

32 – Quanto tempo ficar – Tá aí uma pergunta difícil. E a melhor resposta é: Depende! Não, não fiquem bravos. É uma resposta sincera e honesta. Israel pode ser visitado em cinco dias, se o foco for apenas Tel Aviv e Jerusalém; em 7 se você quiser esticar para Massada e Mar Morto; em dez para ir até a Cesarea, Galileia, Nazaré e Haifa; ou em 15 para curtir o balneário de Eilat. E esses são roteiros bem corridos! Por isso, se quiser visitar Israel com calma, fique o máximo de tempo que puder.

Deserto de Negev
Deserto de Negev

33 – Como chegar – Não há vôo direto do Brasil para Israel. Serão necessárias longas horas de avião e ao menos uma escala para chegar ao país, localizado no Oriente Médio. O caminho mais comum para quem deseja ir a Israel é saindo do Brasil para a Europa ou EUA, de onde há fartura de voos para Israel. A principal porta de entrada para voos internacionais é o Aeroporto Internacional de Ben Gurion, localizado na cidade de Lida, a apenas 20 km de Tel Aviv. Algumas opções de escala são: Istambul (Turkish Airlines); Paris (Air France); Barcelona (Singapore); Roma (Alitalia); Madrid  (Ibéria); Munique (Lufthansa); Zurique (Swiss); Toronto (Air Canada); e vários destinos nos EUA. Vale lembrar que no caso de escala nos EUA o visto americano é obrigatório.

34 – Onde ficarOnde se hospedar em Israel vai depender dos seus planos de viagem. Você poderá optar por passar uma noite em cada cidade mais próxima às atrações ou escolher um ou dois pontos de apoio de onde partem passeios para vários regiões e de onde o deslocamento de carro é mais fácil. As regiões mais indicadas para hospedagem são Tel Aviv, com ampla oferta de bons hotéis e Jerusalém, um pouco mais cara e com hotéis menores, mas também recheada de opções. As duas cidade são os principais pontos de partida de tours. Caso deseje curtir outros locais, as regiões ao redor do Mar Morto e no balneário de Eilat oferecem várias opções de grandes hotéis e até resorts, Já as cidades de Tiberíades e Haifa são menores e têm deliciosas opções mais intimistas. Há ainda opções mais temáticas, como hospedagens em kibbutz. Excelente para quem quer curtir a experiência completa.

guia-israel (63 de 196)
Jerusalém

35 – Como se locomover – As atrações em Israel estão dispostas aos longo de todo o país e vários meios de locomoção serão necessários. A maneira mais prática de viajar em Israel, especialmente para quem vai visitar várias cidades, é alugar um carro. As estradas são seguras, o trânsito tranquilo (exceto Jerusalém, que é bem complicado) e o Waze é israelense! Ou seja, ele não vai falhar por lá.

Se você não se aventura em alugar carro, o transporte entre as cidades pode ser feito de ônibus ou trem. A malha ferroviária cobre quase todas as regiões e é uma ótima opção para o turista independente. Porém há destinos onde há apenas uma estação de trem e, obrigatoriamente, outro meio de transporte será necessário. Ônibus também é uma opção comum de locomoção principalmente entre os moradores. Os mais descolados poderão experimentar os Sheruts, vans compartilhadas super populares em Israel.

Muitas vezes não será fácil conseguir um transporte até uma atração específica, por isso o carro é uma excelente opção. Caso não queira se preocupar com deslocamento, avalie seriamente a possibilidade de contratar  um tour ou um guia particular, que vem com carro próprio.  Veja mais sobre como se locomover em Israel. Veja mais sobre como se locomover em Israel.

36 – Quero fazer um tour – Uma das maneiras mais comuns entre os turistas para visitarem as atrações são os tours oferecidos pelas agências de turismo. Os destinos não se limitam a roteiros religiosos e levam a zonas arqueológicas, cidades histórias, balneários e regiões que interessam especialmente pelas paisagens naturais. O custo dos tours varia entre US$ 40 dólares (para tour na mesma cidade) e US$ 70 quando há necessidade de deslocamentos para outras regiões. Os preços podem passar de US$ 1000 em pacotes de 7 dias e US$ 1550 para pacotes de 10 dias. Entretanto eles são muito práticos, especialmente para quem não deseja se preocupar com o transporte entre as cidades, o roteiro ou mesmo as hospedagens em cada região a ser visitada. Veja mais sobre tours em Israel.

guia-israel (99 de 196)
Tel Aviv

37 – Quero contratar um guia particular – Eles estão por todos os lados e oferecem desde serviços rápidos, como um tour por zonas arqueológicas, até mesmo pacotes completos que incluem transporte e acompanhamento por vários dias de viagem. A opção escolhida vai depender do seu bolso (guias particulares têm preços bem salgados) e disponibilidade para montar um roteiro. Os guias são muito experimentes e o controle feito pelo Ministério do Turismo de Israel em relação aos profissionais é bem rígido. Eles são boas opções para quem não tem habilidade na organização de viagem, o que em um país com tantas atrações como Israel pode mesmo ser bem complexo. O Ministério do Turismo de Israel mantém uma lista atualizada com nomes de guias indicados. Para solicitar os contatos envie um email para infobr@goisrael.org.il.

Dicas

38 – Comida – Talvez uma das maneiras mais claras de entender a mistura dos povos que há em Israel seja na hora da refeição. Você poderá experimentar a intensidade de sabores da culinária árabe, de países do norte africano, do Mediterrâneo e, claro, dos judeus e sua tradicional culinária kosher. Mas há um detalhe fundamental para entender como é diversa a culinária do país. Os judeus que hoje vivem em Israel vieram de todo o mundo e trouxeram com eles um pouco da herança de cada lugar.

Na prática, você não perceberá tão intensamente as “regras” que existem em cada cozinha, mas sim a riqueza de sabores. Vale dizer que o país recebe muitos estrangeiros, o que torna a culinária ainda mais rica. Especialmente em Tel Aviv é possível saborear pratos de todo o mundo e com requinte digno dos melhores destinos culinários. Os sabores, apesar de diversos, são familiares aos brasileiros. Não haverá dificuldades para uma boa refeição em Israel, muito pelo contrário! Até mesmo o shawarma (sanduíche de carneiro ou peru com pão pita, vegetais e pastas) do bar mais pé sujo será delicioso!

comida israel-2
Falafel

39 – Como se vestir – A mistura étnica e religiosa em Israel é visível especialmente no vestuário. Apesar de muitos árabes e judeus usarem trajes tradicionais, não há grandes restrições às roupas para os turistas. Em Tel Aviv, por exemplo, ao andar pela orla da praia você se sentirá em Copacabana, com direito a biquínis e muitos homens fazendo exercícios sem camisa. Apenas ao entrar em templos religiosos muçulmanos é exigido o uso de lenço para as mulheres e roupas que cubram o corpo. Nos templos judaicos e cristãos vale o bom senso em respeito às religiões. A cidade de Jerusalém é bem mais rígida e religiosa em relação aos costumes do que Tel Aviv. Vale ficar atento para não cometer grandes gafes.

40 – Internet – Israel é um país extremamente moderno. Pontos de internet, muitas vezes gratuitos, estão disponíveis em todas as cidades em lugares como praças, shoppings, museus e restaurantes. Estar conectado em Israel não será difícil.

41 – Língua – As línguas oficiais em Israel são o hebraico e o árabe. Apesar de não ser oficial, o inglês é comumente falado entre os moradores. As placas de sinalização no país são escritas nas três línguas. O mesmo acontece com a maioria dos cardápios, panfletos informativos e todos os lugares turísticos.

42 – Dinheiro – A moeda oficial em Israel é o Novo Shekel Israelense (NIS), ou apenas Shekel. Os centavos, em Shekel, são chamados de agorás. As notas existem em valores de 20, 50,100 e 200 e as moedas em 5, 10, 25 e 50 agorás. O câmbio é de USD 1 para NIS 4. Cartões de crédito são amplamente aceitos e bancos ou máquinas 24h são facilmente encontrados. As gorjetas em Israel são, oficialmente, de 10% do valor total de consumo, como no Brasil. Porém o valor é considerado baixo entre os israelenses, sendo  mais comum o pagamento de 15%.

43 – Documentação – Brasileiros não precisam tirar visto para entrar em Israel. No entanto, o passaporte deve ter validade mínima de seis meses a partir da data de entrada naquele país. Apesar de não haver necessidade de visto, todos os viajantes que chegam a Israel passam, obrigatoriamente, pelo processo de imigração. Ainda no avião, todos recebem um formulário (17L) que deve ser preenchido por completo e apresentado ao agente da imigração. O mesmo formulário deve ser apresentado na saída do país, por isso mantenha o documento em local seguro. É permitida a estada com visto de turista (concedido na imigração) por até três meses. O visto de Israel não é um carimbo, mas sim um documento impresso. Isso evita problemas para quem pretende visitar países que não mantêm relações diplomáticas com Israel. Quem visitou um desses países, como Síria e Irã, poderá entrar em Israel, mas certamente passará por um processo de entrevista bem mais rígido na imigração. O mais recomendado é tirar um novo passaporte para entrar. Quem visitou o Egito e a Jordânia não encontrará problemas.

44 – Imigração e segurança em aeroportos – Israel tem aeroportos com segurança bastante rígida. Bastante mesmo! Ao embarcar para o país você poderá passar por entrevistas prévias, ainda no aeroporto de embarque. Evite problemas e responda tudo sem questionar ou fazer gracinhas. No retorno, o sistema de segurança é ainda acirrado. Você passará por uma entrevista rápida antes mesmo de chegar aos guichês de check-in. Neste momento, você passará também por sistemas de segurança, como raio-x para bagagem e pessoal. Tudo para manter os aeroportos seguros antes mesmo da entrada dos passageiros no saguão.

45 – Segurança – Este é, sem dúvida, um dos pontos que mais preocupam os turistas que desejam viajar para Israel. Apesar de parecer estranho (já que Israel vive em constante zona de risco) o país é bastante seguro para o turismo. Incidentes como assaltos, furtos e outros delitos comuns não acontecem com frequência nas ruas de Israel. Até mesmo caminhadas noturnas não representam perigo. O risco de atentados é real, mas a chance de um deles acontecer próximo a onde você está é bem menor do que a chance de sofrer violência nas ruas do Brasil. Por isso, nada de pânico.

guia-israel (140 de 196)
Pôr do Sol em Tel Aviv

Ao botar os pés em Israel você terá idéia de como a sensação de segurança é presente e real. Vale dizer que em muitos locais públicos e de grande circulação o policiamento é ostensivo e há detectores de metal. Você verá pessoas armadas a todo o momento. Muitas delas, homens e mulheres, estão em serviço militar obrigatório e são responsáveis pelas próprias armas. Jovens armados na praia, nos shoppings, no cinema ou qualquer lugar é normal.

* Estas dicas de Israel não de destinam a peregrinos de nenhuma religião específica. As sugestões são focadas em destinos turísticos do país, independente de questões religiosas.

Tem dicas pra compartilhar com a gente? Escreva nos comentários a sua experiência e ajude outros viajantes!

Publicado por

Monique Renne

Editora de Destinos

  • Eduardo Paci Galvão

    Excelente!!!!!!

  • Fábio

    Ótimo artigo, no entanto achei meio crua a parte que trata da segurança. Como se sabe, Israel faz fronteira com a Síria na parte norte e, corriqueiramente, tem confrontos com o Hamas na região sudoeste. Além disso, o mar morto, por exemplo, esta em uma área ocupada por palestinos. Como esta a segurança em sair das “fronteiras” israelenses? É de extrema importância ter conhecimento disso antes de viajar.

    • Monique Renne

      Oi Fábio! As regiões de fronteira que você citou estão afastadas de áreas turísticas. Claro que o país está em zona de conflito, mas eles não atingem diretamente os turistas. Quanto ao Mar Morto, a costa ocidental (dentro das fronteiras de Israel) oferece grandes complexos hoteleiros que funcionam como resorts, especialmente em Ein Boked e Neve Zohar. É delicioso 🙂 Vale a experiência!

    • PureWhiteFlour

      Você pode entrar na Jordânia apartir de três pontos fronteiriços com Israel sem problema algum. Visitar o Egito também, mas desaconselho entrar no Sinai por estar infestado de terroristas, mesmo assim a passagem existe. Líbano e Síria não, mas visitar a fronteira dá uma sensação de paz enorme até você ver e ouvir bombas explodindo do lado Sírio, comum do lado de Israel se observar o que ocorre no vizinho a olho nu e com binóculos. Com passaporte brasileiro se pode visitar os principais pontos turísticos do West bank vetados a israelenses por segurança. A matéria estámuito bem escrita, mas existe muito mais o que ver!

      • Antonio Souza

        Estou indo para Israel em outubro. A dúvida é: como chegar de carro alugado ao Mar Morto já que pretendo me hospedar em algum resort por lá. Tenho que cruzar a fronteira ou dar a volta na mesma? Sempre leio que carros alugados em Israel não cruzam a fronteira. Você tem algum resort que possa recomendar e que não seja tão caro?
        Obrigado

    • PureWhiteFlour

      Em Israel vc nao terá medo de sair à rua 24h por dia. Aqui não existe violência urbana. Perigoso é o Brasil, acredite! Aqui a segurança, polícia, exército funcionam!

  • Petim

    Vou ler com calma, pois como já tinha dito no outro tópico estou achando meio FURADA comprei na “emoção” para o carnaval, e stop no Canadá, mas fevereiro neva muito lá com sensação de -20Cº e não tenho “cultura” suficiente para achar Israel, tãooo legal assim… Sinceramente acho que vou cancelar, vou pensar melhor até amanhã.

    • Monique Renne

      Petim, o frio atinge mais as regiões altas, como Jerusalém, mas não chega a fazer tanto frio assim como você disse. Não se preocupe 🙂 Quanto à questão cultural, Israel é um país repleto de belas paisagens, boa comida, sítios arqueológicos incríveis e cultura pulsante. Não é preciso “ter cultura”, como você disse, para visitar Israel. Certeza que as dicas vão te ajudar e você vai curtir muito! Não desista 🙂 Eu adorei o país!

      • Gustavo

        Olá Monique, você acha que dá pra curtir Israel, principalmente Tel Aviv nesse período de carnaval aqui (fevereiro/março)? Essa cidade é, certamente, melhor no período de verão, mas também estou na dúvida se realmente dá pra desfrutar bem. Me assustei um pouco no post aqui no MD em “Quando ir”, dizendo que no período de inverno somente há 5 horas de sol.

        • Monique Renne

          Gustavo, de todo modo você cai curtir. Há muitos museus, bons restaurantes, baladas excelentes e, claro, sítios históricos. Talvez só o banho de mar seja mais complicado. Mas nem em Jerusalém neva com frequência. Então você vai aproveitar sim! 🙂

        • PureWhiteFlour

          Tel Aviv é uma Rio de Janeiro 365 dias por ano!!! Muita festa, a cidade não pára!

      • Petim

        Oi querida, obrigado pela resposta… Não nevar eu sei que não!! Hehe eu disse que neva no Canadá, é que a minha comprei com parada de 4 dias na volta em Toronto… Já Israel o clima não é TOP nessa época, mas é aceitável. Vou pensar, obrigado mesmo 🙂

      • PureWhiteFlour

        O inverno em Israel é sensacional! Vc poderá esquiar no Monte Hermon, pegar praia em Eilat e aproveitar com menos sufoco as belezas do país. Frio? Faz frio sim, mas eu acho bem melhor do que no sufocante verão!

    • Janelise Wuaden Wastowski

      ive a oportunidade de visitar Israel em 2010. É fantástico o país como um todo! Não vejo a hora de voltar. Fiquei encantada com a diversidade. Eu não pensaria duas vezes.

  • davi holanda

    Massa. em Março de 2017 estarei junto com minha noiva, será muito bom!! e ainda vamos tirar nosso passaporte e o visto de turismo rsrs mas vai dar tudo certo!! obg MD

    • Monique Renne

      Comam um falafel por mim! 🙂

    • PureWhiteFlour

      Tire seu passaporte logo, Israel não exige visto, mas um passaporte com menos de seis meses é probemático para entrar no país.

  • Monique Renne

    Comam um falafel por mim. 🙂

  • Samila Silva Saiki

    Galera!!! Super indico o shopping Mamila Wall em Jerusalem onde tem uma farmácia repleta de perfumes e makes com preços mravilhosos….e o restaurante FOCACCIA também em Jerusalém!! A comida é fantástica, com pontos para a Focaccia quentinha, talharim com shitake ou algo assim… Hahahah
    Se quiserem mais dicas estou disposta a ajudá-los!!!
    No aeroporto Ben Gurion vão com pelo menos 4 horas de antecedência, porque os dutty free são fantásticos!! Em outubro os perfumes estavam com promoções bombásticas tipo… CH MEN 49,90 dólares 100ml e comprando 3 unidade de qualquer perfume ganhe o 4!!!!
    Fora o moracanoil por 25 dólares!!!!!

  • Marcus Quintana

    Comprei do dia 20 de fevereiro ao dia 2 de março. Mais alguém nessa data?

  • William Wurbrand

    Ótima dicas! Sugiro que alguém crie um grupo numa rede social para juntarmos pessoas que vão no mesmo período…quem topa?

  • Já fizemos isso, procure por Brasil – Israel MD no Facebook.

    • Mari Melo

      Massa gostei da ideia. Consegui comprar para março, sonhava correr a maratona de Jerusalém. Mas nem sonhava comprar tão barato. Super feliz com a conquista. Simbora curtir a terra santa.

  • Vanessa EspiSan

    Pessoal nao recebi meus bilhetes comprados na submarino mais alguem???

  • Robson Muniz

    Como disse anteriormente , já havia comprado em uma promoção aqui no MD em setembro. Paguei o dobro disso. Fazer o q. Se alguem estiver de 9 de maio a 20 maio e quiser rachar algumas despesas, estarei lá

    • Fellipe Da Thais

      Fala meu amigo, e ai vai quando para israel ? ta postando as coisas la no mochileiros ? Me passa os links para acompanhar, se quiser me add no face é esse ai do nome. Tambem estou pesquisando bastente, vou unir egito e jordania, provavelmente aquele acampamento beduino em wady rum. voce vai fazer outros paises tambem ? nao esquece de pedir pra nao carimbarem o passaporte de voces !

  • PureWhiteFlour

    Com carteira d emotorista brasileira se pode alugar carro em Israel sem problemas, vale a pena, é barato e as estradas estão entre as melhores do mundo! Sinalização perfeita, Waze funciona muito bem.

  • Marcio Silva

    Passaremos Natal e Ano Novo por lá (Casal e 2 crianças 6 e 8 anos). Alguma recomendação especifica?
    Aproveitem o Stop no Canadá para visitar a CN Tower e almoçar no Restaurante Mandarim, um dos melhores que ja fui.
    Abraços e boa viagem a todos!

  • yossi

    Bom dia a todos!
    Somos uma empresa de turismo receptivo de Brasileiros em Israel e estamos a disposicao para ajuda-los.
    Email: yossi@vrdtrvl.com

    Obrigado e shalom!!!

  • Numismata Jaime

    Os esfaqueamentos continuam, tinha viagem para lá em outubro, cancelei por conta disso pensando em remarcar, mas infelizmente vai ficar mais para frente.

    • PureWhiteFlour

      Os esfaqueamentos não acontecem mais e a pssibilidade de um brasileiro ser esfaqueado por um terrorista palestino é praticamente nula: eles sabem a quem dirigem o terror deles.

  • Carlos Godoy

    Olá Monique, ótimo post!!! Aproveitei a promoção da Air Canada e vou pra Israel no feriado de 7 de setembro. Vou ficar 11 dias. Estou pensando em ir até Petra e de lá para Luxor e Cairo; voltando por Eilat….será que é muito corrido?

    • Monique Renne

      Oi Carlos! Se você pretende conhecer bem israel será sim um pouco corrido. Talvez seja melhor deixar o Egito para outra oportunidade, mas eu iria para Petra 🙂

      • Carlos Godoy

        Olá Monique….valeu pelas dicas…..vou deixar o Egito para outra viagem e vou focar Israel nessa…..obrigado

  • PureWhiteFlour

    Evite. O Sinai está cheio de terroristas do ISIS, não vale a pena o risco. Pegue um vôo de TLV, aliás caríssimo, mais de 500USD -o turismo de israelenses para o Sinai que era enorme simplesmente acabou!

  • Paulo Henrique Vieira

    Oi Monique.
    Comprei minha passagem para o finalzinho de dezembro.
    Vi que faz frio nesta época, pergunto se os dias são bons para uma praia em Tel aviv e uma “boiada'” no mar morto.
    Poderia me dar algumas dicas do que fazer e aonde ir neste período?
    Estou pensando em alugar um carro para conhecer arredores como Jordãnia, pergunto se é uma boa ou é preferível o trasporte público?
    Quais são os riscos de se andar de carro em Israel?
    No caso de alugar carro, estacionamento é complicado como nas grandes cidades da Europa?

  • Jose Carrasco

    Olá Monique, estou planejando ir à Israel em Janeiro próximo, vi pelas dicas que 7 dias seriam suficientes para conhecer Tel-Aviv, Jerusalem, Belem, Carfanaum, Nazaré, Rio Jordão, Mar Morto, etc. Estamos planejando ir no inverno, como pode ver. Acha que teremos algum tipo de problema com o clima? Vamos em 6 pessoas, seria importante alugar um carro, ou apenas as excursões seriam suficientes? Como deveria organizar os hotéis, em dias e locais? Desculpe por tantas perguntas, e desde já muito Obrigado.

    • Monique Renne

      Jose, acho 7 dias muito pouco para conhecer com calma todas as atrações que você falou. No inverno a temperatura pode cair um pouco em regiões mais altas, como Jerusalém, que chega a ter neve no auge do frio. Mas não chegará a atrapalhar a viagem. Você só não poderá curtir as praias, que são realmente muito bonitas! Se vocês vão em 6 pessoas, alugar um carro pode ser uma ótima ideia. Vai ser mais barato que as excursões. Mas se não quiser se preocupar com roteiro, vale sim contratar o serviço de um guia ou excursões. Quanto às hospedagens, varia muito. Você poderá se hospedar em cada uma das cidades visitadas ou escolher duas bases, como Tel Aviv e Jerusalém.

  • Mauricio Laukenickas

    O melhor país do mundo para se visitar!!!!