No ar o Guia de Israel. Veja as dicas para visitar este destino surpreendente!

Monique Renne 25 · maio · 2015

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Está no ar o Guia de Israel, com tudo o que você precisa saber para visitar este país surpreendente. Veja dicas de onde ficar, como se locomover, quando ir, o que fazer em Israel e muito mais! É hora de conhecer este turbilhão de cultura, história e fé que tem atraído cada vez mais os viajantes brasileiros.

O convite para conhecer Israel chegou três meses antes da viagem. A minha primeira reação foi dizer sim, eu quero ir! Logo na sequência surgiram várias dúvidas, questões e curiosidades sobre o país. Apesar do destino parecer tão familiar, conclui rápido que não conhecia quase nada sobre o turismo na região. Além disso, me parecia (e realmente é) muito confusa toda a história e cultura que envolve o país. Destinos que geram dúvida e curiosidade são interessantes não só para conhecê-los, mas também para entendê-los. Viajar para Israel exigia o mínimo de conhecimento e a viagem começou a ser estudada três meses antes da partida.

Ao chegar a Israel não pude evitar um susto ao ver a jovialidade e modernidade de Tel-Aviv, especialmente quando contraposta com a tradicionalista Jerusalém. Inacreditável que em um país de dimensões tão pequenas (é possível atravessá-lo de carro em 4 horas) possa existir uma variedade tão grande de culturas, paisagens, religiões e modo de vida. A cada cidade visitada a impressão era de estar em um novo destino.

A primeira sensação que tive ao ver a praia de Tel-Aviv foi de incredulidade. A orla é lindíssima e lotada de atletas bem em forma. Posso arriscar dizer que tem um certo ar de Copacabana. Gente bonita e bronzeada vivendo em um clima tão tranquilo que era difícil acreditar ser um dia comum de trabalho. No Mediterrâneo, praticantes de SUP disputavam as melhores ondas enquanto bicicletas voavam pelo calçadão. Eu poderia ficar ali por muitos dias. Mas este era só o começo de um mundo de descobertas que estavam por vir.

Eu não conseguia tirar da minha cabeça nomes como Monte das Oliveiras, Mar Morto, Mar da Galileia, Nazaré, Deserto da Judeia e tantos outros. Nomes tão familiares porém nada palpáveis. Nomes que pareciam estar apenas nos livros. Ao menos até chegar a Israel. Lá a história ganha contornos e cenários tão reais que é difícil não entrar em parafuso pensando em quantos acontecimentos teriam se passado por ali. E é neste ponto que entra a frase mais dita em Israel. “Segundo a tradição” é o bordão mais repetido por lá. Cabe a cada um aceitar ou não os fatos que ocorreram “segundo a tradição”.

Cesareia Marítima

Confesso que fiquei muito impressionada com a grandiosidade de Cesareia Marítima, os túneis incríveis da cidade de Acre e o espetacular cenário de Massada. Três sítios históricos tão bem preservados, capazes de contar o passado de Israel nas paredes e pilares que continuam de pé. Fiquei fascinada (pra não dizer enlouquecida) com o Mar Morto, onde boiar é apenas uma das maravilhas que ele proporciona; me senti no Mad Max andando de 4×4 no Deserto de Negev; não consegui parar de pensar em como os pergaminhos do Mar Morto podem ter ficado por tanto tempo escondidos nas montanhas de Qumran; abri vários sorrisos ao visitar o kibutz que transformou o deserto em Jardim Botânico e também ao ver os imponentes Jardins de Baha’i e finalmente entendi o conceito de “oásis” ao ver a água jorrando no Parque Nacional Gan Hashlosha. Tudo muito fascinante.

guia-israel (49 de 196)
Mar Morto

Apesar de Israel não se resumir a Jerusalém, é impossível negar que ela é a maior atração do país. A cidade, envolta em uma aura de mistério, já foi palco de muitos eventos históricos e religiosos e até hoje é sede de lugares sagrados para várias religiões. Uma mistura que torna a cidade tão rica quanto incompreensível. Difícil definir a energia que a região murada da Velha Jerusalém transmite, independente de questões religiosas. Ao visitar Jerusalém não perca a oportunidade de estar em contato com tantos locais sagrados. Suba o Monte das Oliveiras para ver o pôr do sol, deixe um pedido no muro das lamentações, visite o Santo Sepulcro e admire a linda cúpula da dourada na Esplanada das Mesquitas. Em Jerusalém não há porque ir contra o fluxo, nem mesmo ao se deparar com a multidão que segue os passos da Via Sacra.

Jerusalém vista a partir do Monte das Oliveiras
Jerusalém vista a partir do Monte das Oliveiras

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quer conhecer mais sobre Israel? Preparamos um guia completíssimo no nosso Guia de Destinos. Acesse o Guia de Israel e veja muitas dicas sobre os principais passeios, o que fazer, quando ir, como chegar, onde comer (e como são boas as comidas!) e muito mais! Fique de olho nas promoções do Melhores Destinos e boa viagem!

* A repórter viajou a convite do Ministério do Turismo de Israel.

Autor

Monique Renne - Editora de Destinos