Dicas da Ilha de Páscoa: saiba tudo sobre esse destino único!

Redação 18 · fevereiro · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Como você viu em primeira mão aqui no Melhores Destinos, a TAM e a LAN estão com promoções arrasadoras para diversos destinos da América do Sul. Entre eles, é possível encontrar passagens para a lendária Ilha de Páscoa com preços a partir de R$ 588. Como muitos leitores estão aproveitando a promoção e querem mais informações sobre o destino, trazemos hoje um post especial que nossa leitora Thaísa Magalhães, autora do blog Janela ou Corredor, fez com dicas sobre lá após aproveitar uma promo aqui no MD. Certamente vai servir de ajuda para quem está se planejando ou mesmo de incentivo para os que estão indecisos sobre o destino. Acompanhe:

Chegar à Ilha de Páscoa é fácil, mas é demorado. Enquanto o grupo LATAM não define se haverá ou não voos diretos de Guarulhos, resta ao povo Rapanui espalhar este boato pela ilha, e a nós, brasileiros, escolhermos entre Lima ou Santiago para chegarmos lá.

Fui por Lima. Fui de LAN. Comprei a passagem na super promoção da TAM, publicada no site do Melhores Destinos. Paguei uma pechincha se comparado aos preços normais para lá.

Tive muita dificuldade de achar dicas atualizadas na internet e por isso deixo aqui informações que serão úteis para quem planeja conhecer este remoto paraíso na Terra.

Chegando ao aeroporto

Aeroporto Mataveri (IPC): um galpão com uma esteira de 20 metros, um caixa do Santander, três agentes de imigração e uma pista de pouso gigante, do tamanho da ilha de Leste a Oeste. Não tem sala VIP nem duty free, mas tem um café que aceita cartão de crédito e algumas lojinhas de souvenir. Os voos chegam e saem para Santiago, Lima e Papeete. Há rumores de que em 2014 haverá voos diretos de Guarulhos para a Ilha de Páscoa, pela LAN.

A companhia chilena é a única que opera na Ilha de Páscoa e seu escritório fica na rua principal. Recomendo que verifique o status do voo de retorno na véspera, no próprio escritório ou pelo site. Como a Ilha de Páscoa é a mais próxima de muitas ilhas do Pacífico, qualquer abalo sísmico por lá gera uma rota de emergência que atrasa a todos os voos, porque só permitem que saia um voo da ilha quando há certeza que haverá um voo escape para o continente.

O episódio do tremor nas Ilhas Salomão, em especial, gerou um atraso de 7 horas no meu voo e atrasos de até 30 horas para os voos de Santiago. O aeroporto está localizado a 2 km do centro da cidade, e próximo a todas as pousadas e hotéis da ilha e tem wi-fi grátis e sem senha!

Hospedagem

É muito provável que o transfer ao hotel já esteja incluso no valor da diária, assim como café da manhã. Os preços variam de 25 mil pesos nas pousadas mais simples (sempre identificadas como Chez, Residencial ou Cabaña), a 300 mil pesos nos mais luxuosos hotéis.

Eis alguns: Puku Vai, Hangaroa Hotel e Iorana Hotel

Transporte

Táxis dentro de Hanga Roa custam 2 mil pesos chilenos e devem ser pagos somente em dinheiro. Muitos circulam pela ruas e todos os lugares têm o contato do rádio táxi para chamá-los a qualquer momento.

Conhecendo a cidade

A Ilha de Páscoa é uma ilha de 160 km² localizada a muitas milhas daqui. É o lugar mais remoto do mundo, e um pontinho de terra no meio do Oceano Pacífico. A ilha é formada por três vulcões inativos (Rano Raraku, Rano Kau e Po Ike), mais de 900 moais em diversas fases de construção, duas únicas praias de areia (Anakena e Ovahe) e restaurantes muito bons.

Para conhecer a região recomendo o passeio de um dia inteiro na empresa Kia Koe, que disponibiliza guia rapanui fluente em espanhol, inglês e francês. O passeio custa 20 mil pesos incluindo transporte, mais 12 mil pesos caso queira almoçar com o pessoal, além das visitas a Rano Raraku, Ahu Te Pito Kura (o umbigo do mundo), Ahu Tongariki, e outros Ahus importantes.

O almoço é opcional, e logo após visita-se a praia de Anakena, que tem duas barracas que também oferecem almoço. Recomendo segurar a fome para comer na praia.

A mesma empresa oferece passeios de meio dia que completam a visita à ilha. Acho válido, mas prefiro conhecer à minha maneira. No caso, alugando um carro. Basicamente só há duas estradas na ilha, então você nunca vai se perder. E com raríssimas exceções de alguns trechos elas são bem pavimentadas e sinalizadas, e você pode parar a hora que quiser, aonde quiser.

Aluguei na Oceanic Rent a Car um Jimny da Suzuki por dois dias (70 mil pesos para dois dias e aceita todos os cartões). O carro é entregue com 1/4 de tanque e deve ser devolvido desta maneira, logo, em dois dias com o carro andando por toda a ilha gasta-se 17 mil pesos de combustível. Só há um posto de gasolina na cidade, e que não aceita cartão.

Mas se você não quiser alugar um carro, há outras maneiras de chegar a alguns dos lugares distantes, como Anakena, que está localizada a 18 km de Hanga Roa. Taxis custam 15 mil pesos ida e volta e ônibus, 5 mil pesos, também pagos somente em dinheiro.

Passeios imperdíveis (além dos básicos)

Museu Antropológico Padre Sebastián Englert: reúne peças arqueológicas e elementos de diversas fases da existência da ilha, incluindo uma estátua de moai mulher. Fecha às 17h30 e às segundas. Custa 1000 pesos chilenos.

Mergulho: Mergulhei com o pessoal do Mike Rapu. O centro abre todos os dias e oferece cursos de iniciação, avançados e batismo. Valores a partir de 20 mil pesos, dependendo do número de mergulhos. Há um moai submerso a 18 metros e as saídas de mergulho são próximas à cidade, a 3 minutos de barco.

Caverna: próxima ao Ahu Tahai, a pequena caverna é formada de lava vulcânica e tem uma linda vista para o mar.

Cemitério: Sério, ele é bonito.

Por do sol no Aku Tahai: Vá caminhando do centro de Hanga Roa até lá, às 21 horas.

Nascer do sol do Ahu Tongariki: Vá de carro alugado ou de táxi, agendado na noite anterior.

Estação da Nasa: por muito tempo a Nasa manteve uma estação na Ilha de Páscoa para controle espacial. A enorme pista de pouso do aeroporto é feita para pousos emergenciais de naves espaciais. Hoje a estação está desativada, e se parece com uma das estações do Projeto Dharma de Lost.

Observar o céu: O número de estrelas é impressionante. Mesmo que você tenha o costume de visitar o interior de cidades do Brasil e se fascina com o céu estrelado, adianto: nada é igual à Ilha de Páscoa.

Restaurantes

Estes são os meus favoritos:

Kaloa: no hotel Hanga Roa, tem um imperdível por do sol! O hotel é o melhor da cidade e o restaurante não deixa a desejar. Ótimo atendimento e ambiente. Comi o risoto de camarão, polvo e vieiras inesquecível. O primeiro pisco sour é cortesia da casa.

Makona: neste comi o melhor peixe da cidade, chamado Mata Huira, no prato Pescado de Salsa Exótica: Mata Huira com molho de leite de coco, manga e abacaxi. A atração à parte é a cantoria do Roberto Pakomio, um rapanui figura bastante talentoso, no estilo Jack Johnson local. Esta música, cantada ao vivo, me fez comprar o CD.

La Kaleta: minha relação com este restaurante é sentimental. Gosto porque o ceviche é honesto e o cardápio é escrito em quadro de giz, e já me ganha por isso. Atendimento e vista pro mar sensacionais.

Mana Gallery: o melhor ceviche é deste restaurante, localizado atrás do cemitério. É servido com abacaxi e camotes, que são batatas do Chile, roxas e amarelas.

Haka Honu: localizado ao lado do Banco Santander, este tem uma excelente torta de caranguejo, conhecida como Pastel de Jaiba.

Os abacaxis-picolé, vendidos nas ruas, são maravilhosos!

Informações gerais

A voltagem da cidade é 220V.

O melhor supermercado da cidade fica na rua principal e se chama Supermercado. Aceita todos os cartões e tem uma ótima loja de bebidas, com cervejas artesanais do Chile, piscos e vinhos. Logo ao lado há uma farmácia Cruz Verde, que também aceita cartão e vende água e algumas comidinhas tipo barra de cereal. A água da Ilha de Páscoa é potável em 90% dos locais, mas recomendo ingerir apenas água mineral que já digo logo: tem preço de ouro.

Tickets para o Parque Nacional Rapa Nui custam 30 mil pesos ou 60 dólares e podem ser adquiridos somente em dinheiro em Orongo ou Rano Raraku. A entrada vale para os dois parques por cinco dias, mas apenas uma vez por lugar. É possível comprar os tickets com 15% de desconto no aeroporto, antes da imigração, mas o quiosque só abre depois das 9 da manhã. Quem chega no voo de Lima não consegue comprá-lo, a não ser que o voo atrase.

Além do caixa automático do aeroporto, há outros dois: no Banco do Estado e no Banco Santander, ambos no centro da cidade.

O melhor lugar para comprar souvenirs é na cidade e não nos pontos turísticos. Há uma feirinha no centro e algumas boas lojinhas também.

Orongo era o ponto de partida da competição do Homem-Pássaro e está localizado ao lado do vulcão mais próximo da cidade, o Rano Kau, e há trilha para subi-lo. Leva-se 1 hora de muito sol na cabeça. Chapéu e protetor solar FPS 80 são essenciais. Só na hora que embarquei de volta para Lima que vi a placa no aeroporto dizendo que em uma escala de 1 a 10 em radiação solar, a Ilha tem 11! Passei protetor FPS 50 todos os dias e descasquei 2 vezes.

O Supermercado e a vendinha do posto de gasolina vendem a cerveja Hinanu, do Tahiti. Custa uns 1000 pesos. O Supermercado fecha tarde e a loja do posto fecha no horário do almoço até às 15h00.

Minha ênfase em apontar quem aceita ou não cartão de crédito foi porque deixei para comprar os pesos chilenos no último dia e muitas casas de câmbio não dispõem de estoque da moeda como em dólar e euro. Me surpreendi com a quantidade de lugares que aceitam cartão e mesmo com o IOF alto, ainda prefiro usá-los. Se você também é assim, fica a dica que não precisa limpar o estoque da casa de câmbio antes de viajar. Dá para comprar só o básico e contar com o seu dinheiro de plástico.

E você, já foi à Ilha de Páscoa? Deixe suas dicas nos comentários e ajude outros leitores!

O Michel do blog Rodando Pelo Mundo tem um post bem legal sobre a Ilha de Páscoa.

Autor

Redação - redacao