Manual do bom viajante: dicas de etiqueta e como evitar as piores gafes em viagens de avião

Monique Renne 14 · janeiro · 2015

Há muitas horas eu já esperava para embarcar. Entrei no avião cansada e abri aquele sorriso quando vi, à minha frente, a telinha touch screen do entretenimento de bordo. Empolgada, corri a escolher um filme entre tantos na lista. Cliquei em todas as opções e continuei clicando até o passageiro da frente levantar-se, enfurecido. Em alguma língua que eu até hoje não sei qual, levei uma bela bronca. E sem entender uma só palavra eu entendi tudo! Coitado! Aquele senhor tinha sentido cada clique meu. Morri de vergonha e, imediatamente, aprendi a lição. Use o controle remoto!

Essa não foi a única vergonha que passei em avião. Já errei a companhia aérea, troquei o número do meu assento, ocupei boa parte do compartimento de bagagem com sacolas, acordei com o meu próprio ronco (vergonha grau master), bati a minha mochila nos passageiros do corredor e derrubei um copo de água na pessoa ao lado. Ao mesmo tempo, já vi muita gente passar vergonha e já senti muita vergonha alheia.

Por já ter sido alvo de pessoas deselegantes, já ter incomodado muita gente e ter visto algumas barbaridades dentro de avião, aprendi que o melhor é ter bom senso. Nem sempre é fácil, mas todos os passageiros precisam tentar. Vale seguir regras básicas de boa convivência social, ser educado, gentil e muito, muuuuuuuito tolerante com o próximo. Pensando nos leitores do Melhores Destinos, que tanto amam embarcar em uma aventura, preparamos este guia com algumas regrinhas que podem facilitar a vida dentro do avião. E se você já foi alvo, ou ator, de um evento escabroso dentro do avião, conte pra gente! Adoramos boas histórias!

ANTES DE DECOLAR

Verifique atentamente o horário, data e companhia aérea do seu voo. Pode parecer estranho, mas não é incomum que as pessoas troquem as bolas. Lembre-se de chegar com uma hora de antecedência em voos nacionais e ao menos duas horas em voos internacionais (três quando é recomendado pelo companhia). Para não correr o risco de um imprevisto (ninguém está livre de furar um pneu, por exemplo), calcule o tempo com sobra.

Escolha roupas confortáveis. Especialmente se o voo for longo, opte por um visual que preze pelo conforto e não só pela beleza. Depois de muitas horas de viagem você irá agradecer não ter viajado com aquela calça colada ou um sapato desconfortável.

Lembre-se dos cuidados com a higiene pessoal. Você estará coladinho a outras dezenas de pessoas, preso em um avião. Por isso, lembre-se de usar um bom desodorante, verificar o chulé e escovar os dentes. Afinal, são regras básicas para a boa convivência em um espaço tão limitado. Se o voo for longo, leve todos os produtos necessários para refazer o processo durante a viagem. É importante também lembrar que muitas pessoas são alérgicas a perfumes, por isso tenha cuidado na escolha do seu. Odores fortes, para o bem ou para o mal, não são bem-vindos em um avião.

Usufrua das facilidades do check-in online e evite filas no aeroporto. Se você pode facilitar, por que dificultar? Caso possua um smartphone, computador ou tablet, faça o procedimento ainda em casa, especialmente se não tiver malas para despachar. Assim você terá um trabalho a menos quando chegar ao aeroporto.

aeroporto_de_brasilia-4

Escolha um assento de acordo com a sua preferência. Se você costuma dormir durante todo o voo, escolha a janela. Caso não resista a ir ao banheiro muitas vezes, opte pelo corredor. Evite transtornos durante o voo.

Lembre-se dos limites de bagagem. A regra é clara, por isso não adianta reclamar caso o funcionário da companhia aérea pese a sua bagagem de mão ou cobre excesso de peso pela mala despachada. Lembre-se também que a bagagem de mão se refere a apenas um volume. Evite, portanto, aquele monte de sacolas com tudo o que não coube na mala. Fique atento aos diferentes limites para voos nacionais e internacionais. Sem esquecer que se o seu voo é no exterior, e não foi comprado vinculado à passagem do Brasil, as regras serão diferentes. Veja mais detalhes sobre limites de bagagem.

Não esqueça a identidade. Ela é obrigatória para o embarque de todos os passageiros. Caso tenha perdido durante a viagem, você poderá registrar um boletim de ocorrência. Ele irá substituir o documento perdido. Esta medida vale apenas para voos nacionais. No caso da perda do passaporte, a retirada de um novo é obrigatória.

Fique atento ao horário de embarque. As lojinhas, lanchonetes ou a conversa com os amigos são excelentes para distrair o viajante. É preciso lembrar que o trâmite não acaba no check-in. Você precisará passar por detectores de metais, Polícia Federal e ainda encontrar o portão do seu voo. Ou seja, nada de enrolação. Evite a correria e a vergonha de ter o nome gritado no alto falante do aeroporto.

Na hora de passar pelos detectores de metal e raio-x, cumpra todos os procedimentos pedidos. Eles são obrigatórios para todos os passageiros. Se você já sabe que o seu cinto apita; o computador deve estar fora da mala; celulares no bolso devem ser retirados e materiais cortantes são proibidos, previna-se antes de passar pelo procedimento. Isso acelera o processo e faz a fila andar mais rápido. Não espere ser chamada a atenção para tirar as moedinhas esquecidas do bolso.

Confira o número do portão de embarque. É prática constante a mudança dos portões. Antes de dirigir-se ao seu, olhe o painel eletrônico e tenha certeza de estar indo para o lugar correto. Alguns aeroportos são enormes e talvez você não tenha tempo de encontrar o local certo depois.

aeroporto_de_guarulhos-5

Vá ao banheiro antes de entrar na aeronave. O momento é chato para todos. Quem está na janela precisa atrapalhar os outros passageiros. Já os que estão no corredor precisam dar licença aos colegas de fila. Para evitar o transtorno durante o voo, não custa nada dar uma passadinha rápida no toilet.

Não brigue por tomadas. A espera na sala de embarque às vezes é longa e a bateria do celular pode não resistir. Se você passa constantemente por isso, é hora de adquirir um carregador portátil. Afinal, é muito chato ficar rodando as cadeiras em busca de uma fonte de energia.

Respeite as prioridades e regras de embarque. O seu assento está marcado e ninguém irá tomá-lo de você. Por isso, nada de correria e desespero na hora de entrar no avião. Alguns passageiros – como os acompanhados por crianças de colo, idosos, clientes preferenciais dos programas de fidelidade e cartões de crédito – têm prioridade na hora do embarque. Aguarde a sua vez. Nada de furar fila! Todos embarcarão no mesmo avião e chegarão igualmente ao destino. Ah! Não esqueça que o documento de identidade é obrigatório!

aeroporto_de_brasilia-2

DURANTE O VOO

 Seja gentil com a tripulação e os passageiros. Esta é a regra básica para a boa convivência dentro do avião. Gentileza gera gentileza. Medidas básicas como dizer “bom dia”, ajudar um passageiro com dificuldade para colocar a mala do bagageiro e não atropelar no corredor quem ainda está se ajeitando no lugar são, além de educação, questões de bom senso.

Saiba o número do seu assento. Nada de ficar procurando o seu cartão de embarque enquanto anda pelos corredores. Vá direto à sua poltrona. Ficar andando pra lá e pra cá durante o embarque causa um grande transtorno. Caso tenha alguém sentado no seu lugar, evite discutir. Apenas peça que o passageiro confira o número do assento. Se o impasse persistir, chame o comissário de bordo.

Caso queria sentar-se em um assento diferente, consulte o comissário de bordo. Muitas vezes é mais fácil explicar a situação e pedir um novo assento do que ficar pulando de cadeira em cadeira torcendo para que o passageiro daquela poltrona não embarque. Caso não queira passar por transtornos, aguarde o fechamento das portas para ter certeza que ninguém irá se sentar no lugar.

Utilize apenas o seu espaço no compartimento de bagagem. Sabemos que este momento é difícil, e que muitas vezes ao entrar no avião tudo já está ocupado. Porém, na medida do possível, evite utilizar outro bagageiro que não seja o referente à sua poltrona. Se todos cumprirem as regras de bagagem de mão não faltará espaço para ninguém. Caso não haja lugar disponível, prefira chamar o comissário de bordo para auxiliá-lo. Ninguém gosta de ter os seus objetos pessoais remexidos e esmagados por outros. É melhor evitar a confusão e pedir o auxílio dos profissionais presentes no voo.

voo_turkish_airlines-1

O espaço da sua poltrona é seu, mas o do vizinho é dele. O lugar é apertado para todos igualmente. Evite invadir a área dos passageiros ao seu redor. Nada de colocar seus objetos pessoais na cadeira do colega, o seu pé no encosto da frente, ou dormir caindo do ombro do viajante ao lado. A briga fica por conta do apoio para o braço, área comum entre os passageiros. Neste caso vale o bom senso. Não ocupe o descanso a viagem inteira e dê prioridade para o viajante sentado na poltrona do meio. Ele não tem como se esticar nem para o corredor e muito menos para a janela.

Nem todos gostam de conversar durante o voo. Se você é do tipo que não resiste a puxar papo, tenha muito cuidado. Ao iniciar uma conversa, repare bem na reação do passageiro ao lado. Se ele não te der atenção, responder apenas com um sorriso, não aprofundar a resposta, abrir uma revista, pegar um fone de ouvido ou qualquer outro sinal de que não está afim de papo, pare por aí. Nada mais chato que alguém insistindo em uma conversa quando você quer apenas descansar, dormir ou simplesmente ficar quieto.

Evite conversar muito alto. Encontrou um passageiro que gosta de papo tanto quanto você? Está viajando com amigos ou ainda não terminou a conversa no celular antes de decolar? É educado reduzir o volume da voz. O espaço do avião é pequeno e os outros passageiros não precisam acompanhar o seu papo intimamente. Seja discreto e evite constrangimentos.

Sua cadeira não reclina? Chame o comissário! É triste, mas é fato: muitos passageiros têm usado métodos deselegantes para impedir que o a poltrona da frente recline. Se você está desconfiando de algo, não discuta. Apenas chame o comissário e relate o problema com o seu assento sem entrar em detalhes. Certamente o passageiro de trás irá se envergonhar ou você será convidado a trocar de lugar.

Os comissários de bordo não estão no voo para realizar todos os seus desejos. Alguns passageiros acreditam que os funcionários da companhia aérea estão a bordo para fazer todas as suas vontades. Não é bem assim. Eles têm atribuições específicas e estão no local para garantir o conforto e segurança de todos, não para fazer todas as vontades. Seja educado e peça apenas o necessário.

voo_turkish_airlines-2

Respeite os passageiros da sua fileira. A regra é clara: quem está no corredor deve dar passagem sempre que for solicitado. Seja para ir ao banheiro ou para pegar qualquer coisa no bagageiro. O ônus de levantar sempre é de quem está no corredor. Ao mesmo tempo, quem está na janela deve ter o bom senso de sair da cadeira apenas quando for necessário. Pense bem antes de escolher o seu assento.

– Tem um passageiro sentado à sua frente. Você pode até estar vendo apenas uma poltrona, mas nela está sentando um passageiro. E ele, certamente e assim como você, está sentindo todo o aperto e desconforto do avião. Por isso, tenham cuidado e seja gentil. Nada de apertar com força os botões da tela de entretenimento, dar joelhadas na poltrona, apoiar os pés pela fresta da janela ou, ao se levantar, apoiar no assento a ponto de quase recliná-lo como o da primeiro classe.

Não faça no avião o que você não faria em público. Parece estanho dizer isso, mas depois de algumas horas de voo os passageiros começam a sentir-se mais à vontade. Eles tornam-se capazes de fazer coisas bem pessoais e que deveriam acontecer apenas em ambientes privados. A imaginação é o limite. Lembre-se que você está em um ambiente cercado de desconhecidos e eles não são obrigados a presenciar hábitos muitos particulares.

Caso esteja viajando com crianças, procure entretê-las. A situação é complicada para todos os pais. Afinal, nem sempre é fácil prever o comportamento das crianças durante o voo. Se você estiver com um bebê, procure mantê-lo o mais confortável possível e solicite à comissária um assento livre de vizinhos. Assim você terá mais liberdade para cuidar dele. Se as crianças já são maiores, leve tudo o que puder para mantê-los ocupados. Isso evita a bagunça e possíveis confusões com outros passageiros.

Uma medida simpática tem se tornado comum, especialmente em voos nos Estados Unidos. Pais com crianças pequenas levam um “kit conforto” de brinde para os passageiros da mesma fila. A atitude serve para quebrar o gelo. O kit vem com doces, protetor de ouvido e um recadinho do bebê pedindo desculpas pelo incômodo. Quem seria capaz de reclamar depois de um gesto deste? Claro que você não é obrigado a fazer nada disso, afinal as crianças têm o mesmo direito de viajar que os adultos.

Se você não suporta barulho, previna-se! Se você faz a linha do passageiro que não consegue ouvir nenhum barulhinho durante o voo, é hora de tomar uma providência. Que tal levar o seu próprio protetor de ouvido? Assim você não fica chateado e terá uma viagem bem mais tranquila.

Na hora da refeição, volte o seu assento para a posição vertical. A medida não é obrigatória, porém é uma gentileza com o passageiro sentado atrás de você. Se o espaço já é apertado, imagine com uma bandeja aberta! Não custa nada facilitar as coisas.

voo_turkish_airlines-4

Tem alguma restrição alimentar? Comunique à companhia aérea. Massa ou carne? A pergunta é básica, especialmente em voos internacionais. Se quando chegar a sua vez restar apenas uma das opções, não faça um escarcéu. Quem tem restrições alimentares deve comunicar à companhia aérea, no momento da compra da passagem, qual pedido especial gostaria.

Caso leve o seu próprio lanche, escolha com bom senso. Comidinhas de casa são muito bem-vindas nos voos, especialmente diante da limitação do serviço de bordo. É preciso, no entanto, escolher com cuidado a marmita que será levada. Evite alimentos com cheiro forte, que façam muito barulho ou que possam entornar em uma turbulência. Procure comer dentro do horário do serviço de bordo, assim ninguém vai ficar de olho no seu lanche.

Evite consumir bebidas alcoólicas em excesso. Especialmente no serviço de bordo dos voos internacionais é comum a presença de bebidas alcoólicas. Vinho, cerveja, whisky e até tequila fazem parte do cardápio. Se você acha que pode perder o controle e tomar algumas doses a mais, evite começar. Mas se você quer apenas relaxar para dormir, uma taça de vinho tinto na refeição pode cair muito bem.

Fumar nem pensar. Todos sabem que é terminantemente proibido fumar durante o voo, mas não custa alertar.

Se um passageiro passar mal, ajude. Pode acontecer em qualquer voo. Se próximo a você um passageiro não se sentir bem, apresentar sinais de pânico ou com qualquer outro sintoma, não hesite em chamar a equipe de voo. Se não foi ao seu lado, permaneça sentado para não atrapalhar.

Recolha todo o seu lixo. Durante o voo, junte todos os papeis, sacolas, copos e embalagens usados. Jogar lixo no chão nunca é uma boa, muito menos no avião. Por isso, guarde tudo e entregue ao comissário assim que possível. Ah, não custa lembrar que chicletes também são lixo e não devem ser colados em lugar nenhum, muito menos na poltrona.

Cuidado com a higiene durante o voo. A medida começa antes de sair de casa, mas vale ser reforçada durante os voos longos. Desodorante, lenços umedecidos, escovas de dente e balinhas são ótimos aliados na hora de manter tudo ok. Quanto ao chulé, se ele não tiver solução, evite ficar sem os sapatos. Já em relação aos gases, bem… É melhor ir ao banheiro para não causar um constrangimento coletivo.

Deixe o banheiro limpo. O espaço é divido por dezenas de passageiros, por isso cada um precisa fazer a sua parte. Ao sair do banheiro, lembre-se de dar a descarga, jogar todos os papeis no lixo e deixar a pia seca. Seja legal com o próximo usuário.

Durante o pouso, cumpra as orientações da tripulação. Poltronas na vertical, eletrônicos desligados, bandejas guardadas, cintos afiveladas são algumas das medidas obrigatórias durante o pouso. Não há porque encrencar com elas.

DEPOIS DA ATERRISSAGEM

 Permaneça sentado. Talvez esta seja a dica mais difícil de ver cumprida. Basta o avião chegar ao solo que os passageiros se levantam para retirar as malas. Começa o corre corre pelos corredores e vence a maratona quem conseguir pular três fileiras à frente. A atitude, no entanto, é de extrema má educação e só justificada no caso de alguém que vai perder uma conexão ou está passando mal. Por isso, espere a aeronave parar totalmente para retirar a bagagem de mão e aguarde a saída de todos os passageiros à sua frente. Lembre-se de levar todos os seus pertences.aeroporto_de_brasilia-3

Evite confusão na hora de retirar a bagagem na esteira. Todas as malas sairão pelo mesmo lugar e percorrerão um longo e lento trajeto. Não é necessário permanecer à frente da saída, aglomerado com uma multidão de passageiros enfurecidos. Siga adiante e aguarde em um espaço mais vazio. Assim o seu carrinho não irá atrapalhar ninguém e você conseguirá tirar a mala com facilidade.

A mala chegou estragada ou nem chegou? É seu direto reclamar com a companhia aérea. Às vezes a má notícia está guardada para o final. E quando você acha que irá pra casa tranquilamente, ou começará a curtir as suas férias, percebe que algo deu errado. A rodinha quebrou, a alça arrebentou ou a mala, com tudo o que você comprou, nem chegou. Que raiva! É hora de botar a boca no trombone e reclamar. É seu direito. No entanto, ninguém tem o direito de ofender os funcionários da companhia aérea. Mantenha a calma e tente resolver tudo da melhor maneira possível. E caso não seja viável, lembre-se que os aeroportos têm juizados especiais. Corra para um deles e cobre os seus direitos.

Faltou alguma dica importante? Passou por algum caso de grande constrangimento durante um voo? Deixe o seu comentário abaxo e participe!

Publicado por

Monique Renne

Editora de Destinos

  • Daniel

    Faltam algumas dicas que, curiosamente, vários brasileiros não observam em voos, principalmente os internacionais:

    (a) o assento é seu mas apenas sua parte posterior. Já assisti a vários passageiros colocando o braço para trás e tampando parte do monitor do passageiro anterior;

    (b) fone de ouvido existe para ser usado. Infelizmente, alguns passageiros acham que por agora terem smartphones todos ao seu redor têm de ouvir o áudio de seus vídeos;

    (c) janela fechada pelos comissários em voos internacionais diurnos é visando ao bem estar comum, contribuindo para que todos durmam. Devemos nos lembrar que estamos em um ambiente coletivo… Assim, sigamos as regras e pedidos solicitados para o bem estar comum.

    Infelizmente, várias pessoas entendem que ao deixar seus lares, seu país, devem deixar também sua educação para trás.

    Parabéns por esta EXCELENTE E MUITO PERINENTE POSTAGEM!!!!

  • Ricardo Rocha

    ótimas dicas. seguem algumas adicionais:
    – quando for acomodar as bagagens de mão, tenha com a bagagem dos outros o mesmo cuidado que gostaria que tivessem com a sua. como podem existir objetos frágeis nas outras bagagens, então é melhor ter cuidado.
    – ao procurar o seu assento ou acomodar a bagagem, faça sempre o exercício de olhar para trás para saber se não está bloqueando uma fila de pessoas. muitas vezes chegar um pouco para o lado ou para temporariamente em um assento vazio tem pouco efeito no seu tempo de acomodação, mas ajuda bastante as várias pessoas que podem estar esperando por você. e elas irão se espelhar na sua atitude.
    – se um passageiro faz um pedido em que demonstra algum tipo de insegurança com o vôo, mesmo que não faça sentido procure atendê-lo se não te prejudicar. uma vez, uma passageira ficou incomodada pois eu havia tirado os bom tenis, e disse que era bom mantê-los no pé, por questão de segurança. eu a atendi nem preocupação. várias situações assim ocorrem no vôo, e ajudar a manter o outro passageiro menos ansioso é sempre um sinal de gentileza.
    – ao sair de uma escada rolante (isso não vale só no aeroporto), e sobretudo se estiver em grupo/família, saia imediatamente da frente da escada. as outras pessoas não poderão parar para esperar qualquer decisão que você esteja tomando. no Galeão, já vi pessoas caindo umas sobre as outras por causa disso.

  • Lairton

    o Chulé é o pior dos vizinhos!

    • Jayme Pires

      O pior dos vizinhos é um passageiro roncando mais alto do que eu (e o avião inteiro)…

      • Ana Balderramas

        Ai já passei por isso num voo EUA – Rio. A mulher roncou a viagem INTEIRA!

        • Simone

          Será que fui eu??? Hahahhahahahhahahahhaa.

      • Salvatore Carrozzo

        Em relação ao ronco, nao eh mt culpa da pessoa. Mas algumas dicas: evitar tomar bebida alcoólica e usar aqueles dilatadores nasais vendidos em farmácias.

      • Ediane Caroline Drehmer Fritze

        Acho que nada supera um desodorante vencido. Fiz um vôo de 12h com a máscara de dormir no nariz. Foi deselegante, eu sei, mas o vôo lotado, sem ter pra onde correr, o que me restou foi acatar a esta sugestão dos comissários Ninguém na fileira aguentava o cheiro, e o fedorento que era meu vizinho ( ele estava no corredor), viajou com braços erguidos, cruzados atrás da cabeça. A tripulação foi excelente e fez de tudo pra amenizar a situação… ” uma taça de vinho pra relaxar”, ” Beyleis no meio do vôo pra dormir” rsrsrs. Sem contar que aquilo tudo virou piada. Fantástico o atendimento da Lufthansa, tiraram de letra a saia justa em que fomos todos enfiados. Mas eu não preciso de mais uma experiências dessas em vôo.

        • Fabio Izoton

          Eu acho que já tive uma experiência pior :). Voltando de Bogotá, com o vôo cheio, veio do meu lado um cara de paletó, que tinha um misto de odores: mofo, coisa guardada a séculos e desodorante vencido. Eu, que tenho rinite alérgica, vim fungando e espirrando, e a crise alérgica acabou resultando em uma garganta inflamada nos dias seguintes. Tenso…

  • Izabella Gois

    Adorei!! =D

  • Guto Netto

    Ah se todo mundo respeitasse essas regras básicas de boa convivência!!! Recentemente estava em meu vôo de volta EWR-ATL-GIG. Meu voo em EWR saiu com atraso e fui o último a entrar no trecho ATL-GIG. Ao chegar na aeronave, não havia mais espaço no compartimento superior para bagagem de mão e um cidadão estava em meu assento e o pior, reclamou quando requeri o meu espaço! Fora isso, o tal falar no celular antes da hora e levantar antes da liberação me irritam profundamente. Comissários poderiam chamar mais a atenção sobre os fatos para envergonhar as pessoas “espertinhas”!!!!!

    • Marcus Martins

      Verdade… essa questão do celular é incrível mesmo!!! Principalmente pelo fato de não ser apenas boa prática… é proibido e as pessoas não respeitam…

    • Fabiana

      Ja cansei de ver gente usando o celular de dentro do aviao pra dizer que chegou e combinando de alguem ir busca-la(o) no aeroporto, segundos apos o pouso. Alem de irritante, essa atitude atenta contra a seguranca das demais aeronovaes decolando/pousando no mesmo patio.

  • Pedro Mello

    nada pior que a pessoa de tras enfiar o joelho no banco da frente, dormir apoiado a cabeça no banco da frente, dar pancada na mesinha, achar q a tela funciona melhor se apertar com força…
    ultimamente prefiro o ultimo assento, que mesmo não reclinando nao tem um chato me bicando

    • Marcos

      Essa do joelho é realmente a pior… fico muuuito puto.

    • Você pode escolher o assento à frente da saída de emergência também… Vim num desses num voo BEL-GRU no dia 06/01/2015 e também não reclina, o que pra mim que tenho 1,80m é bem desgastante, em compensação vc se livre desses imbecis que não respeitam o espaço alheio. Engraçado que nesse voo em específico os 3 lugares atrás de mim, Janela, Centro e Corredor, estavam vazios, eu fiquei com receio de falar com o Comissário para mudar pq sei que esses assentos da saída de emergência tem valores diferenciados, então… 🙁

      • Rogerio Vasconcelos

        Cara, não custa nada tentar. Eu tenho 1,93m e pra mim fica complicadíssimo o espaço entre poltronas porque meu joelho fica roçando na poltrona da frente. Já teve casos em uns dois vôos em que os comissários me chamaram e perguntaram se eu não queria ir pra poltronas com mais conforto que estavam vagas.

        • Problema que eu esqueci de citar também Rogerio, é q eu tenho problema no braço esquerdo, uma paralisia, decorrente de um acidente de moto, daí eu utilizo Tipoia pra fixar melhor o membro ao corpo. Daí não sei se eles permitiriam que uma pessoa com monoplegia viajasse nesses lugares né. Isso também tirou minhas forças, de tentar um ‘upgrade’ de assento. Rs…

          • Aline Utsch

            Ei Alex, nao é permitido msm!! Pessoas com qlq restriçao fisica e crianças nao podem ocupar esses assentos.. Em caso de emergencia, qm está o sentado nessas fileiras, sao solicitados para auxiliar na evacuação da aeronave.. 🙁

          • A não ser que eu viajasse sem a Tipóia e com um moletom e daí colocasse o braço com a paralisia no bolso do moletom. Ninguém percebe… rsrs! Daí acho que daria… =)

          • AndreaP

            Eu não sei se esse plano ia dar certo. Ia parecer que vc quis burlar a lei…

  • Guilherme Bauer

    sobre o checkin on-line, na europa cidadãos não europeus tem que carimbar o cupom de embarque no balcão de checkin. Quase perdi um vôo certa vez por causa disso.

    http://www.ryanair.com/pt/questoes/passageiros-de-paises-nao-pertencentes-a-ue-eee-requisitos-de-verificacao-de-documentos-para-check-in-on-line/

  • Rodrigo

    Duas coisas que eu gostaria muito que mudassem: 1) O desespero para se levantar quando o avião toca o chão. 2) A falta de educação de algumas crianças e também de seus pais durante vôos longos.

  • Vania/DF

    Chato mesmo são as crianças fazendo embaixadinhas na traseira da sua poltrona. Isso me irrita profundamente.

  • Emilio

    Só uma observação, 80% dos conselhos aí só valem para a classe econômica, pq na Executiva e Primeira é outra história…rsrs.

    • Luzia

      Discordo! Viajei na executiva em 2014, Lisboa/Paris, foi um upgrade da companhia.
      Sentei no banco do meio entre 2 passageiros brasileiros. Todas as vezes que o comissário
      servia alguma coisa, o cavalheiro avançava na bandeja passando o braço á minha frente.
      Após o café da manhã e o almoço ele recostava,as vezes na janela, as vezes quase caia
      no meu ombro e roncava o tempo todo. Fora o fato que viajei separada do meu marido,
      cuja passagem havia sido adquirida com milhas. Um verdadeiro pesadelo, só pelo fato
      de não ter feito check-in antecipado confirmando nossos lugares!

  • Faltou! Tem também passageiros atrás de vocês, logo, quando acabar a refeição, cuidado ao reclinar novamente seu assento. Já levei vários banhos de água, refrigerante ou vinho por causa de passageiro que já reclina “com tudo”.

  • Mari

    O pior é aquele tipo de pessoa que leva uma mala GIGANTE para dentro do avião. Parece até que isso virou moda. Sem noção.

  • LuBsb

    Já vi pais trocarem a fralda do bebe na própria poltrona, imaginem o cheirinho que se espalhou…

    • Marcos

      Nem me fale…há uns 2 anos atrás eu estava viajando com a minha esposa e meu filho, na época com 2 anos, num voo de NY para Atlanta. Era um avião pequeno da AA. Eu sentei numa fileira da frente e minha esposa ficou lá atras sentada com meu filho. No meio do voo ouço a flight attendant brigando com uma mulher, falando que não poderia trocar as fraldas no assento e que ela deveria usar o espaço próprio no banheiro. Pensei comigo mesmo, tomara que não seja e minha esposa, mas adivinhem, era ela mesma kkkkkkk…
      Na verdade, minha esposa estava apenas checando se seria necessário trocar a fralda (tirou a parte de baixo da roupinha e viu que a fralda não estava suja), mas se fosse necessário faria a troca no banheiro.
      Como ela não fala inglês, não entendia o que a attendant estava dizendo, e a mulher estava furiosa, repetindo “lady, i’m talking to you”. Passei a maior vergonha e tive que ir lá esclarecer o ocorrido e o avião todo ficou olhando pra nós kkkkkkk…

      Depois disso, mesmo se fosse apenas para verificar a fralda, minha esposa ia ao banheiro…

    • Roberta

      Meu amigo vc gostaria que trocasse onde? uma vez que é uma tarefa dificil, Pessoas que não tem filhos jamais respeitaram as que tem,

      • Salvatore Carrozzo

        No banheiro há trocador, fica a dica

    • Carol

      Fala sério!

    • Lucas

      Presenciei isso na fileira do meu lado na ultima viagem…

    • Andre

      Concordo, mas trocar um bebe se remexendo e um avião balançando em um banheiro que mal cabe vc eh complicado demais..

    • Vanessa

      Não sou mãe, realmente é uma dúvida… num caso desses, o que fazer?

    • Marco

      Nunca fiz não, mas aonde vc queria que ele fizesse??? No banheiro da classe econômica não cabe…

      • Salvatore Carrozzo

        Cabe

    • bru

      mas vai trocar aonde naquele aperto do banheiro?? vc não deve ter filhos, mas um dia terá … aguarde!!

      • Amigo(a) não é questão de ter ou não filho. É tudo questão de RESPEITO À COLETIVIDADE! Porra cai na real cara, vc não tá no seu quarto, na sua casa não! Vc tá num lugar com PESSOAS e estas, não tem o PORQUE passar por esse tipo de constrangimento. Pq pessoas que fazem isso não tem 1 pingo de vergonha na cara, não tão nem aí… Eu espero nunca está numa cabine com alguém que fizer isso, pois vou dizer exatamente isto que estou escrevendo aqui e algumas ‘cositas más’.

    • LuBsb

      É complicado se equilibrar no avião em um banheiro pequeno. OK
      Mas os outros 70, ou mais, passageiros são obrigados a sentir cheiro de b*** pq vc acha díficil?

    • Rafael

      Não levem bebês no avião! Procurem um meio de transporte particular ou fiquem em casa.

  • Antonio

    Em vários voos já senti mau cheiro.

    Já fui de Natal a Lisboa com um senhor soltando pum.
    6 horas de gases podres!!!

  • Tassio

    Em relação ao uso dos banheiros. Seria também interessante instruir á respeito do uso do sanitário. Após algumas horas de utilização, eles podem ficar sujos de urina e/ou outros dejetos na superfície. Sendo praticamente inviável uma nova utilização. Então, seria conveniente as pessoas que, por mais incrível que pareça, não saibam utilizar um sanitário, tivessem mais cuidado. Se um homem por exemplo, não tiver a capacidade de urinar corretamente, que o faça sentado. Ele não deixará de ser homem por isso. E irá possibilitar que uma mulher possa utilizá-lo futuramente.

  • Marta

    O que mais me incomoda são os tagarelas em voo. As pessoas não se tocam!
    No último vôo a mulher de trás colocou a bolsa naquele compartimento que fica atrás do banco e eu sentia um super incômodo nas costas. Não aguentei e solicitei educadamente que ela retirasse. Ainda bem que era alguém igualmente educada pois seria terrível fazer a viagem toda com essa sensação.

  • Debora

    Uma vez voltando de Buenos Aires um passageiro se recusou a sentar porque a poltrona dele era na última fila e não reclinava. Falou que ia viajar em pé. A comissária falou que chamaria a polícia e uma outra pessoa trocou de lugar com ele.

    Outra que passei foi voltando de Orlando, marquei antecipadamente meu assento e do meu marido. A configuração era 2-3-2 e eu tinha marcado no canto justamente para irmos sozinhos. Quando cheguei um senhor estava sentado na minha poltrona, falei que era meu lugar e ele questionou, pediu para ver meu bilhete, mostrei o bilhete e ele me mostrou o dele, era na fileira do meio. Aí ele (ainda sentado e não levantava), ficou perguntando pra alguém da família quem tinha marcado no meio, porque ele não queria viajar ali no meio. Falei educadamente pra ele procurar a comissária pois eu tinha marcado o meu com antecedência justamente porque eu também não queria ir no meio. No fim ele sentou lá e ficou quieto.

    Agora a pior situação que já testemunhei foi em um voo interno nos Estados Unidos, um senhor estava na ultima poltrona e não queria sentar ali. Ele simplesmente “escolheu aleatoriamente” uma pessoa que “teria” que trocar de lugar com ele “porque era negro”, nas palavras dele. Nesse último caso não eram brasileiros. A comissária ameaçou chamar a polícia caso o senhor não parasse com aquilo. No final ele teve que ir no lugar dele mesmo.

    • Diego

      Não entendi: o negro era o senhor abusado ou o passageiro que “deveria” trocar de lugar?

    • Sabrina

      Sempre tem um q nao confere o seu assento e ainda fica resistente em sair.. aff.. preguiça.. Mas Débora, esse último caso é quase inacreditável, se não soubessemos que ainda somos tão preconceituosos. Mtoooo constrangedor

    • Augusto

      Pra quê ser cortês, se voce pode ser incoveniente e racista…

  • Felipe Pavlak

    – Permaneça sentado: o correto aqui é aguardar que sinal de afivelar o cinto seja apagado; e não “aguarde a parada da aeronave ”

    • Debora

      Nesse caso já reparei, quando um escuta o “clic” do cinto de alguém, todos começam a corrida maluca pra ver quem sai primeiro da aeronave. É o que mais me irrita, a pessoa está sentada lá atrás e quer sair primeiro. Para isso deveria marcar o assento com antecedência.

      • Cidadão

        As pessoas costumam agir em bando. Quando o primeiro destrava o cinto, todo mundo também faz. Quando o primeiro se levanta, todo mudo também se levanta. Já vi algumas vezes pessoas se levantando e andando no corredor quando o avião tinha acabado de pousar e estava taxiando.

        • leoh

          Se eu fosse o piloto eu dava uma bela freiada para derrubar os espertinhos

        • Monique Renne

          Já aconteceu no Aeroporto de Brasília de um avião bater na torre de iluminação enquanto ainda taxiava. Vários passageiros que estavam de pé ficaram feridos com o impacto.

          • Asmf

            Uma vez no GIG, enquanto a aeronave estava taxiando após o pouso, o piloto precisou frear repentinamente e a galera que já estava sem cinto e de pé foi para o chão. A chefe dos comissários pegou o microfone e avisou ironicamente : ” todos permaneçam sentados com os cintos afivelados até que sinal….. “foi hilário.

          • Mabusato

            E esta é uma coisa que eu realmente não entendo… afinal, demora “horas”, mesmo depois de o avião já estar parado, para abrir a porta e “desovar” os apressadinhos… ficar sentado durante todo este procedimento é muito mais confortável, e não atrasa nem 5 minutos a tua saída… Nao é falta de educação… é burrice mesmo!!

          • Augusto

            Não queria dizer mas….bem feito! Tomara que eles e os observadores tenham aprendido.

          • Camila Bartz

            hahahahahahahahaha, uma vez o avião deu um solavanco enquanto taxiava e um espertalhão que já estava em pé tirando a mala caiu. Eu ri 🙂

          • Eu gargalharia alto sabe Camila? E se alguém questionasse eu responderia somente a verdade.

      • wille

        Não entendo o motivo das pessoas ficarem um tempão na fila no aeroporto na hora de embarcar. Eu sempre espero a fila acabar, pra embarcar!

        • Gabriel Q.

          Tem gente que justifica que é por causa do pouco espaço para bagagem de mão… Enfim, também não entendo.

    • Claudia

      Aí o povo desespera, levanta antes da parada total da aeronave(que coincide com o aviso de afivelar cintos apagar), fica no corredor em pé por horas esperando que as portas se abram e a tripulação libere a saída dos passageiros. E vão para a esteira de bagagem e esperam outras horas pelas malas.. Pra que tanta correria?? Levantar porque se está com as pernas cansadas do voo longo eu entendo. Mas levantar antes do que deveria, só pra querer sair na frente, além de perigoso é irritante e burro. Perigoso porque a aeronave ainda pode sofrer uma freada brusca, uma colisão na rampa com qq coisa.. e depois se vc se estabacar no chão.. a culpa é da tripulação. Irritante porque ficam te empurrando no corredor, Parece gado. Burro porque além de costumar demorar muito entre chegar no gate e a porta abrir, na esteira dependendo do aeroporto tuas malas vão chegar depois de muito tempo.

    • Maria do Carmo

      É irritante quando você quer fazer a coisa certa, aguardar, mas está sentado na poltrona do meio ou do corredor e quem está na janela já vai levantando, meio que te forçando a levantar também.

    • Tito Bosco
  • Mônica

    Já estive em um vôo noturno de 7 horas de duração (ou seja, gostaria muito de poder dormir). Mas a passageira na poltrona imediatamente atrás de mim reclamava quando eu reclinava minha poltrona, porque ela não conseguia utilizar o laptop apoiado na bandejinha.

    Fiquei sem saber até hoje quem tinha razão ou não nessa história, sei que a aeromoça solicitou que eu dormisse com o assento na posição vertical, ou seja, não dormi. Passei péssimas 7 horas.

    • Debora

      Pode até ser falta de educação minha, mas eu não ficaria na vertical. O direito de um acaba quando começa o do próximo, e ela poderia usar o note nas pernas. É um direito meu reclinar a poltrona. Se fosse um caso que fosse realmente incomodar o vizinho de trás poderia pensar, mas para usar note durante o voo a noite, não mesmo.

      • Mônica

        Levantei porque a aeromoça pediu. Ainda argumentei de leve que era um vôo noturno. Mas ela disse que eu poderia facilmente dormir na posição vertical e a moça usar o laptop e todas ficarmos satisfeitas. Mas não foi assim. Cheguei ao meu destino com dores absurdas no pescoço e muito cansada.

        • Stelios Kokkinakis

          eu não tenho problema caso a pessoa da frente reclina seu assento, mas o que me aconteceu na semana passada indo pra Montevideo foi ridiculo. A comissária tinha acabado de passar da minha fileira passando bebidas e o micro-sanduba da GOL e o zé mané da minha frente reclinou com tudo seu assento, foi com força! derrubou tudo e me molhei! Se esperasse pelo menos 5minutos para eu tomar a bebida beleza, eu sequer tinha tocado nela já que a comissária ainda estava atendendo a fileira logo atrás da minha! E vamos ser sincero, a diferença entre dormir no voo com o assento reclinado ou não na econômica é igual a nada. Quer dormir, vah na executiva e primeira.

        • Pedro Mello

          Ja passei por isso de Istanbul para Paris
          Reclinei e o cara de tras mandou voltar.
          eu disse q não. tava cansado e ia deixar assim. o cara chamou o comissário que me mandou voltar, eu disse que não. que se a cia da a opção de inclinar, eu ia usar essa opção. quem nao quer passar por isso reserve a primeira fileira.
          finalmente mandei ele trocar de assento comigo. ele ia para frente e eu para tras.
          ai ele se irritou e mandou deixar para la

          • Fabio Izoton

            Esta questão de poder reclinar ou não a poltrona é uma dúvida que tenho há muito tempo, principalmente em relação a vôos internacionais. Aqui, reclinar é o padrão comumente aceito. Mas viajando fora (acho que na Europa), mais de uma vez percebi o passageiro de trás reclamando no momento em que reclinei, e via que a maior parte dos passageiros estava na vertical (fora do horário de serviço de bordo). Como não gosto de incomodar os outros, fica a dúvida: será que a forma correta de agir, nesse caso, não é regra e depende da cultura do país? Realmente gostaria de ter uma resposta para essa questão…

          • Pedro Mello

            para mim é simples.
            Se a cia da a opção, você pode usar.
            Existem cias que tem espaço curto que não permitem, como easyjet, ryanair etc..

            se reclamar comigo a minha resposta vai ser sempre a mesma.
            Troque de lugar comigo. Você estando na minha frente não vai ter problema de eu reclinar.

          • Andressa

            Meu namorado tem 1,94 m e compramos sempre o espaço extra pras pernas. Eu não troco de lugar de jeito nenhum! É meu direito reclinar e o avião já vai ter decolado mesmo…A comissária pode falar o que quiser que eu não mudo de idéia! E ninguém pode me obrigar. O cara de trás que se resolva sozinho…

          • Alexandre

            Também gostaria de saber se há alguma “política de boa vizinhança” em outros países quanto a reclinar o encosto da poltrona.

          • FabioPalmeiras

            Não sei tbém, mas em voos curtos (até 3 horas e diurnos) eu não reclino ou reclino o mínimo possível. Especialmente nos EUA, tem muita gente trabalhando enquanto voa.

          • Fabio, na duvida, de uma viradinha pra tras, pergunte se a pessoa fala ingles e se sim, pergunte entao se existe algum problema se voce reclinar sua poltrona. As vezes, so com essa atitude a pessoa nao ira reclamar e ira aceitar numa boa 🙂

          • Fabio Izoton

            O problema dessa “solução” é que deixa completamente na mão do outro (o de trás) a decisão da questão. Acaba sendo o extremo oposto daquelas respostas no estilo “se reclina é meu direito, e não me interessa o resto”.
            Mas, pelo que vi da discussão até agora, acho que não existe um padrão único a seguir, vale mais o bom senso e a observação do contexto (como na resposta do FabioPalmeiras).
            Claro que não estou me referindo a situações como o caso relatado pela Mônica, aí realmente acho que não deveria haver dúvidas (principalmente para a aeromoça).

          • Denis Papacosta

            Boa saída…

        • Paulo

          Como se já não bastasse as poltronas da econômica não reclinarem o mínimo suficiente, ser impedido de recliná-la para que o passageiro de trás brincasse no laptop é demais… Se for assim, eu, com 1,93m, sempre vou pedir para ninguém reclinar para que minhas pernas não fiquem espremidas (o que nunca fiz, é bom que se diga)…
          Acho que o bom senso deve imperar nesses casos: se o passageiro da frente quer reclinar a poltrona, cabe a mim respeitar e me virar.

        • Henry

          Monica,
          Você agiu corretamente.. mas a aeromoça agiu errado.. ela deveria ter orientado a pessoa da cadeira de trás, que num voo de longa duração e noturno, as pessoas têm o direito de dormir.. isto até para diminuir as demandas a bordo (menos pessoas indo ao toilette, menos pessoas andando no corredor, etc)… no final, vc ficou com dores no corpo…
          É complicado realmente um passageiro não cumprir a determinação do comissário… mas, na próxima vez, formalize uma queixa formal, e , inclusive, exponha o problema na mídia, citando a Cia. aérea..
          Se os passageiros não cumprirem determinação dos comissários, isto pode realmente trazer perigo ao voo, em função de brigas, etc… mas a comissária errou…
          Vc agiu correto, mas fica a sugestão de vc reclamar e denunciar…
          Parabéns pela sua postura..

        • Augusto

          Caracas!

    • Marcio K.

      Também acho que é direito seu, a aeromoça deveria perguntar se teria problema pra vc ficar na posição inicial, e como vc gostaria de reclinar, deveria procurar outro assento para você, se não tivesse, ela deveria pedir desculpa para o outro passageiro, pois você não estava fazendo nada de errado.

    • Marcos

      Você estava certa. É um absurdo supor que a utilização de uma tecnologia moderna como notebooks deveria vir antes do conforto do outro passageiro. Mas em voos internacionais na prática infelizmente não temos direito algum, as cias aéreas têm poder absoluto, amparadas por supostas legislações que você não conhece.

    • Helio

      Você comprou um assento que reclina, você tinha o direito de usa-lo reclinado. Se a pessoa atrás queria / precisava usar o notebook, que usasse apoiado no colo ou tivesse comprado um assento com mais espaço.

      A comissária agiu errada – ela queria era simplificar a vida dela.

    • Carlos

      Mônica, use o seguinte critério: se a poltrona reclina é porque você tem o direito de recliná-la, e se a pessoa de trás reclamar faça de ouvido morto, já fiz isso várias vezes.

    • Rafael

      Se você comprou bilhete para a classe econômica com assento reclinável, você pode recliná-lo a hora que você quiser. Se o carinha quer espaço para usar o laptop, ele que compre primeira classe.

      • Jacqueline

        Além de que a luzinha do laptop incomoda a todos em volta.

    • Mas nem que o PAPA ou o OBAMA me mandassem voltar a poltrona para a vertical eu voltaria, pelos seguintes motivos:

      1 – A Aeronave já estava voando… O máximo que a comissária poderia fazer contra mim seria me olhar de cara feia, diferentemente se a aronave estivesse em solo, onde ela poderia chamar a polícia e alegar que euestava tumultuando.

      2 – Se a pessoa quer usar um notebook À NOITE (oq é mais estarrecedor ainda, pois muitos passageiros que desejam descansar se incomodam com a luminosidade da tela) e numa viagem de 7Hrs de duração, que use no colo, na cabeça, segurando com a outra mão, enfim onde fosse, agora um acessório que foi criado para os momentos de refeição dentro da aeronave não pode servir aos caprichos de passageiros mimados.

      3 – Como já citado o direito de um começa onde termina o de outro.

      Agora quanto à reclinação de poltronas em voos na Europa por exemplo… Eu não vou agir como homem da caverna e seguir o que o outros estão fazendo (não reclinar a poltrona) pra agradar à gregos e troianos. Se o lugar onde eu estiver disponibilizar reclínio e eu estiver dentro do período de tempo onde eu puder utiliza-lo eu irei utiliza-lo sim.

    • aharon michaan

      Processar a empresa aérea é atualmente a melhor opçao.
      Ou ameaça-la de tal.
      Não deixa mole, exija seu direito de consumidor.

  • Daniel Lammel

    Muito importante durante o vôo:
    Ao levantar-se para ir e vir, não ficar se apoiando as poltronas enquanto caminha.
    Na maioria das aeronaves existe uma base para apoio antes do compartimento de bagagem superior, use-a.

    • FabioPalmeiras

      Igualmente, não use o assento da frente como alavanca (apoio) pra vc se levantar… isso vai mexer com a pessoa da frente.

    • Everton Basílio

      Assim como para caminhar no corredor, se apoie nos compartimentos de bagagem, evitar toques nas outras pessoas, é tão simples.

  • Bruno

    Odeio o fato de não ter espaço para bagagem de mão. Voltando de Buenos Aires trouxa minha sacola no colo porque todos resolveram colocar a bagagem no espaço que estava sentado.

    • Isa

      Bruno, com certeza. MIA X GIG é campeão disso, ninguém respeita,da ultima vez em Novembro na Tam tinha gente com 2, 3 malas como bagagem de mão, e eu ão tinha lugar para colocar minha mochila que estava completamente dentro das medidas e peso padrão , e a comiss´ria queria que eu, que estava com tudo certinho, despachasse a minha! falei na hora que não, que ela tinha que despachar a de quem estava com mil sacolas no compartimento. rapidinho deram um jeito, mas é sempre um stress pq as pessoas não pensam no coletivo.
      Outra coisa que me irrita é opessoal levantando p/ sair antes da hora, aí começa um salseiro e na hora que abre a porta, parece um estouro da boiada…

  • Marcio K.

    E a salva de palmas após a aterrisagem? rs… Acho que o piloto nem escuta…

    • Me considero sortudo por nunca ter presenciado isso! hehehehe

      • Somos dois João. Nessa minha vida de Classe Baixa brasileira viajei umas 7 vezes já de avião e nunca vi essa macaquisse. HAHAHA! Se visse não bateria palma e faria questão de levantar e olhar pra todo mundo que estivesse batendo só pra sentir a reação kkkkk

        • Sergio

          Em alguns paises europeus os passageiros batem palmas para “boas” aterrissagens. Já vi isso em um voo da TAP.

        • Everton Basílio

          Já presenciei duas vezes, uma chegando em São Paulo vindo de Madrid e outra vez chegando em Paris, de Valência. Eu acho que isso é uma questão de cultura de antigamente. E não acho que seja macaquisse.

          • Digo “macaquice” não no sentido de preconceito, de cor até pq sou filho de preto. Mas sim no sentido de primatas imitando o outro quando começa a a fazer uma “macaquice”.

          • É… Vamos ver. Estou com passagem marcada pra Madri esses dias agora. Pode ser q seja uma questão cultural mesmo, pois esses voos q fiz foram todos domésticos, e olha que sou de um lugar de gente bemmmm estranha (e feia) viu.

          • Carla

            Concordo Everton. Voltando de Buenos Aires, pegamos uma tempestade tão forte que o desvio dela fez o voo demorar 1h a mais. Todos estavam tensos. Os aplausos foram uma terapia de relaxamento.
            Outra vez, chegando ao Brasil (não lembro de onde) o piloto fez um discurso maravilhoso falando coisas tipo: “Chegamos ao Brasil, país abençoado por Deus e bonito por natureza… e olhem pela janela, a cidade maravilhosa se apresenta em todo esplendor… etc etc…” O cara foi poético. Só aplaudiram os brasileiros, é claro… rs

          • Bibi

            Exatamente, Everton!
            É uma questão cultural. É um gesto muito comum na Europa. Sinceramente, nao vejo nada demais. Dependendo do pouso, até aplaudo também.

      • Marcos

        Já vi várias vezes, inclusive em voos internacionais. Geralmente acontece em voo turbulento, é o alívio da galera ao ver que o piloto conseguiu pousar, rsss.

        • Daniela Demetrio

          Já vi várias vezes o povo bater palmas, principalmente, como já disseram em vôos turbulentos, com pousos difíceis…é como um sinal de alívio “cheguei vivo!”…Até eu já bati palmas na aterrisagem de um Voo de Goiania a Sao Paulo que achei que ficaria pelo meio do caminho..kkkk

    • Henrique

      Rsrs…já presenciei isso Marcio K. em um vôo da Avianca para BSB. Lembro que o piloto tinha ” deixado” o co-piloto iniciante fazer o pouso e o piloto solicitou uma salva de palmas. Agora estou pensando, se falam para batermos palma por terem aterrissado bem (que é dever do piloto e co-piloto) será que não poderíamos vaiar quando pousam quicando, parecendo que tem uma mola no lugar das rodas?

    • Bárbara

      Concordo mas, esta é uma forma do povo dissipar a tensão.

    • Henry

      Num voo de MCO=>MIA, agora em julho/14, eu quase fiz isto…
      Putz.. o voo saiu com 1 hora de atraso por um problema na aeronave.. e todos à bordo tinham conexão em MIA.. alguns para EZE, outros para GRU, GIG… etc..
      O piloto não foi em velocidade de cruzeiro.. simplesmente acelerou tudo.. o voo só teve subida e descida, não teve nivelamento..
      Na descida.. ele estava com tanta velocidade, que teve que usar a aerodinâmica do avião, descendo com o avião embicado para funcionar como freio aerodinâmico..
      Quando tocou o solo, eu percebi que ele estava com muito mais velocidade do que normalmente se pousa… avisei minha família para se preparar porque ele ia dar uma pancada…
      Que nada.. o cara tocou suave… encostou a roda dianteiro no chão.. abriu os flap´s no máximo e acionou o reverso da turbina por quase 30 segundos…
      Fiquei emocionado.. achei o máximo.. confesso que tive que me conter para não levantar, bater palmas e gritar bravo!!!!rsrs
      Em tempo: durante o voo ele foi informando os gate´s de cada conexão..
      Fez MCO=>MIA em menos de 30 minutos.. nunca tinha visto isso..

      • Thomas

        É assim que ocorrem acidentes….

    • Rodrigo Ultramari

      ia postar essa, vc foi mais rápido.

      pensa em algo jacu ao extremo, hahahah é isso!

      • Karen

        Só presenciei (e fiz parte) uma vez, e não foi nada jacu; ao contrário, merecidíssimo, porque as condições de aterrissagem no aeroporto Hercilio Luz em Floripa estavam para acidente áereo, e o comandante fez um quase-milagre…

      • Letícia

        Tb achava isso até vir em um vôo Tap LIS-BHZ lotado de brasileiros que moravam na Europa. Você via que era gente simples, alguns trazendo os filhos europeus pro Brasil pela 1a vez, anos sem pisar por aqui. Assim que o avião tocou o solo e parou de frear, todo mundo bateu palmas. Eu, que sou crítica ao extremo e nem um pouco patriota, fiquei bastante emocionada. A partir de então, nem ligo. As palmas não incomodam, deixa o povo ser livre! 😉

    • Lucas

      Isso não é exclusividade do Brasil. Em um voo domestico na Italia, após o pouso todos começaram a aplaudir. Mas o pouso foi muito bem feito, nem deu pra sentir, creio que por isso.
      Outra questão que herdamos dos italianos é a questão de fazer fila antes… Os brasileiros são igualzinhos aos italianos do sul em muitas atitudes ruins.

    • Carlos

      Imaginava que a salva de palmas após a aterrissagem ocorria só no Brasil, mas me surpreendi quando as ouvi na primeira vez que que viajei num trajeto doméstico nos Estados Unidos. Hoje eu rio, rs

    • Rafael

      Eu já ouvi bêbados aplaudindo quando o comissário disse o nome do aeroporto de Salvador (Luis Eduardo Magalhães). Essa eu acho que é imbatível.
      Por outro lado, a salva de palmas pode até ser uma coisa boa, já que uma vez ouvi gritos em uma aterrissagem em Paris.

    • Sabrina

      kkkkkkkkkkkkkk fico com vergonha alheia… já presenciei em voos que foram terríveis e foi uma felicidade qdo conseguiu pousar….mas juro q eu nao bati palmas!! rs em um dos casos acho q o piloto ouviu pois era um avião pequeno, mais precisamente um teco teco caindo aos pedaços (aliás, pq raios eu peguei esse teco teco? rsrs)

    • Bruna

      Em um voo para Santiago durante a madrugada, enfrentamos a maior tempestade e turbulência sobre a cordilheira dos andes. Várias pessoas chorando, alí pensamos que todos morreriam!
      Ao fim do voo todos aplaudiram, na saída o piloto agradeceu a calma das pessoas, e a confiança nele! O coitado estava branco feito papel hahahahahahahahah acho que estava mais feliz que nós por ter sobrevivido!

    • César Novaes

      Ja aconteceu comigo em 2 ocasiões, a primeira vindo de Santiago para São Paulo num 777 da Tam, passamos por uma turbulência muito forte, durante a aproximaçao, era um estrondo enorme das bagagens pulando dentro compartimento, achei que o aviao fosse se desintegrar, dava p ver o panico na cara dos comissarios, depois ficou um silencio absoluto assim que pousou muita gente aplaudiu, e outra vez num voo Gol p Londrina, tbm com turbulencia moderada.. achei que tinham aplaudido de alivo rsrs

  • Stive

    Numa viagem ao EUA, na volta um americano sentou na business ao meu lado, só que por azar dele, as portas não tinham trancado e acabou entrando uma passageira para sentar justamente no assento dele. Nesse momento chegou a aeromoça e pediu o bilhete dele, pronto, começou a confusão, pois o cidadão quis ser autoritário e falou para aeromoça qual era o nome dela e ela respondeu bem alto que o nome dela é que o menos importava naquele momento e sim o que ele tentou fazer. O avião estava na fila de decolagem quado foi solicitado para o comandante vir até o assento dele, o americano foi avisado que ele teria 1 minuto para se dirigir ao assento que ele tinha marcado na econômica, caso contrário ele seria convidado a se retirar da aeronave e com isso o comandante avisou a todos passageiros pelo radio que voltaria para o finger, tipo, todos ficaram com a maior raiva do americano.

  • Danilo

    O que eu achei muito interessante na Rússia é que os passageiros não se aglomeram ao redor da esteira para retirar as bagagens… Todos ficam a uma distância de uns 2m aproximadamente. Quando a mala de um chega, ele avança até a esteira e tem amplo espaço pra poder tirar a mala confortavelmente, colocar no carrinho e se mandar. Aqui a galera se amontoa em cima da esteira e às vezes, pra tirar uma mala maior, você acaba tendo que bater nuns dois ou três que insistem em não abrir o espaço…

  • Thiago

    A exatos 9 meses voltando de Lisboa, me deparei com uma linda mulher a frente de algumas pessoas na mesma fila que eu estava no salão de embarque. A olhei como se estivesse disposto a corteja-la mas a mesma não demonstrou o mesmo interesse. Ao entrar no avião e procurar a minha poltrona, eis que me deparo com a tal pessoa sentada na mesma fileira que eu mas, a 4 cadeiras de distância. A olhei novamente e desta vez fui retribuido com um lindo sorriso. Após o vôo decolar, a pessoa foi ao banheiro e eu como bom brasileiro, não poderia perder a oportunidade. Resumo da história: Passamos a metade do vôo flertando cada um em sua cadeira, atrapalhando ou não nossos companheiros de poltrona visto que eram assentos tipo 2 3 2 e cada um estava em um lado do 2 3 2, finalmente trocamos de lugares com nossos vizinhos e por fim resultamos em 2 casais. Fica a dica: paquerar em avião também pode ser bom ou seria uma falta de educação com os outros passageiros?Rs

    • Mauro

      quanto caô numa estória só

  • Agora em dezembro, na volta de uma viagem pra San Andres, no trecho entre ADZ e BOG, uma brasileira (que novidade!) soltou os cachorros pra cima de mim e da minha namorada porque, supostamente, estávamos sentados no lugar dela. Ela chegou a fileira, olhou e disse “Vocês estão nos lugares errados né?”. Atrás dela, outra mulher, acredito que a mãe mandou um “J é janela!”, sendo que no voo era corredor.
    Ela falou com tanta firmeza que levantamos e fomos olhar a numeração abaixo do lugar das bagagens e vimos que estávamos no lugar certo.
    Minha namorada mandou um “estamos no lugar certo”.
    A pessoa se virou, claramente irritada, SEM PEDIR DESCULPAS e se sentou na fileira de trás, junto com as pessoas que estavam com ela e mandou seu pai sentar na nossa fileira, onde J era corredor.
    Depois ainda ficou cochichando “Eu tenho certeza que reservei esses assentos!!!”, sendo que os reservei 6 meses antes no momento da compra e claramente não seria possível se ela já tivesse os reservado.
    Então, mas feio do que sentar em um lugar errado é cobrar outra pessoa de forma ESTUPIDA, sendo que essa pessoa está no lugar certo.

    • Diego

      “J é janela!”, hahahahahahahahhahahahaha!!!!!! Sensacional!!!!
      #HueBR

    • Eu não seria tão seco quanto a sua namorada foi. Sua namorada ainda foi educada demais. Eu usaria de uma ironia bem massa, e falaria BEM ALTO MESMO só pra constrager essa analfabeta e a sua analfabeta genitôra que avião não é ônibus inter-estadual não, onde J é Janela!

      • HERINA

        RSRS BOA!

    • Cadu Pereira

      Certa vez uma garota chegou pra mim, que estava na janela, com a maior grosseria: VOCÊ ESTÁ NO MEU LUGAR! (fazendo cara de abuso) C é JANELA!

      Meu sangue ferveu na hora, mas consegui responder dentro de um limite mínimo de boa educação que C era corredor e D era janela.

      A pessoa vem querer discutir logo comigo, macaco velho de viagem! ahahaha

  • junior

    Apenas um erro, o boletim de ocorrência nunca substitui um documento de identidade. Não serve para nada. É lenda esta história. Qualquer um pode mentir em um BO e a polícia nunca vai saber. SEMPRE POSSUA UM DOCUMENTO DE IDENTIDADE, ou vc não vai embarcar (CNH, CTPS, carteira profissional, passaporte).

  • Tiago

    Minha viagem de final de ano teve tudo isso aí ao contrário e mais um pouco.
    Voo de ida GRU-JFK a cidadã na minha frente começou causando porque não tinha fones de ouvido para todos. Não sossegou até conseguir um. Como não falava inglês, chamava os comissários igual bêbado chama garçom no boteco, e eles visivelmente irritados. Decolamos, ela fez amizade com a fila inteira, contou a vida toda, e resolveu que ia conectar ao wifi para adicionar os novos amigos no facebook. Claro que ela não conseguiu e já colocou o dedinho pra cima. O jantar foi servido e ela estava com a poltrona totalmente reclinada, solicitei educadamente que ela colocasse na posição vertical, e fui prontamente atendido. Passaram-se 3 minutos e ela reclamou que estava se babando toda porque ficou muito perto da mesinha (?!?!). Poltrona reclinada novamente.
    Felizmente após as luzes se apagarem todos dormiram e foi possível descansar.

    Voo de volta, MIA-GIG. Chego na minha poltrona tem um cara sentado. Era o típico caçador de fileiras vazias, saiu e foi para outra fileira mais a frente. Logo percebi que ele estava com a familia, esposa e dois filhos, e os 4 ocupavam OITO assentos. Hora do jantar, os comissários trouxeram primeiro a refeição deles. Era algo especial solicitado durante a compra, e nenhum deles nem tocou na comida. jogaram no lixo e a matriarca abriu uma bolsa térmica de onde tirou o jantar deles. ok, cada louco com sua mania.
    Luzes de apagam, 767 da AA não tem nada de entretenimento, só resta dormir certo? Pra eles não, começou uma rodada de canastra, luzes acesas, torcidas, expressões, tudo que tem direito. pra piorar só se fosse truco!!
    E assim fomos até umas 4 da manhã. ninguém dormia em um raio de 5 poltronas, as vezes as pessoas até se olhavam indignadas. Quando eles resolveram dormir, a mãe levantou e começou a preparar uma cabaninha com as cobertas para os dois marmanjos, em torno de 15 anos.
    Nunca passei tanta raiva em um voo.

    Tomara que eles leiam MD e se reconheçam em 90% desta lista acima!!!

  • Rodrigo Vaz

    Ultimamente algo que tem me incomodado bastante é o fato dos passageiros usarem a poltrona da frente como “trampolim” pra se levantarem. Na verdade,acredito que a maior parte faz por desatenção mesmo. Seria uma boa os comissários darem um aviso geral nesse sentido.
    Ah,e tem o tal de desligar os eletrônicos nos poucos e decolagens. Pessoal nem disfarça mais. E não é só no Brasil não.

  • Rodrigo

    Três comentários:
    1- O que fazer quando você reserva ANTECIPADAMENTE E PAGA MAIS para ter um lugar com maior espaço (já que você mede quase 2 metros) e, na última hora, acontece mudança de aeronave e os lugares não são marcados? Falar com a aeromoça? Éramos um grupo e tinha pago a mais por todos os lugares, aí virou uma bagunça…
    2- Não me venha com essa de “O LUGAR É APERTADO PRA TODOS IGUALMENTE”, porque é muito mais apertado para uns do que para outros, seja por obesidade ou por ser uma pessoa mais alta mesmo. Concordo que não é justificativa para ser folgado, mas tem algumas companhias que abusam dos clientes com seus lugares muito mais apertados (espaço entre poltronas) e passando com seus carrinhos quando o passageiros está com as pernas no corredor (já que não cabem no local adequado).
    3- Apesar de nunca ter usado, não acho de todo condenável a utilização dos dispositivos que impedem a poltrona da frente de reclinar. Já tive SIM uma lesão no joelho em razão de um declínio repentino e brusco da poltrona da frente pelo passageiro, o ideal é que se reclinasse com suavidade e preferencialmente informasse o passageiro de trás da manobra… mas quem fez ou já viu alguém fazer isso? Aí, pra evitar me machucar, tenho que deixar espaço de sobra pra “manobra” do passageiro da frente, deixando ainda MAIS APERTADO o já pequeno espaço…
    A viagem de avião para quem é alto é uma aventura e um desafio…

  • Paulo

    Em meu ultimo voo voltando de Miami, um voo que estava bem vazio, varias cadeiras vazias a poucos minutos da decolagem. Uma senhora, um tanto quanto perua (e brasileira), saiu de sua poltrona e foi para uma unica configuração de 3 assentos que estava completamente vazia, colocou seu travesseiro, tapa olhos e cobertor e deitou nas tres poltronas. Assim que a aeronave foi fechar as portas chegaram os donos dos assentos. Como queriam permanecer juntos solicitaram que a senhora levantasse. Virou um barraco sem explicação e com muita baixaria por parte da senhora. Que tentou humilhar a comissária que a solicitou que levantasse, chegou a ir a cabine do piloto, e diversas vezes durante o voo soltava frases ao vento para que a comissária escutasse sua insatisfação ao ter que mudar de poltrona. Senti vergonha alheia por ela, pela familia e por ser um barraco brasileiro comentado por todo o avião.

  • natalia

    Uma vez peguei um voo duas fileiras de 2 x 2. Eu estava na janela e meu marido no corredor da outra fileira. Quando percebi quem estava entre nós, eram também um casal, um do lado dele na janela e outro no corredor do meu lado. Detalhe pedi com educação pra trocar os lugares pois, daria no mesmo. Resposta não. E ai ficaram o voo todo conversando entre meu marido. Ve se pode isso sim é falta de educação. ainda bem que o voo tinha apenas 1h45.

  • MTorres

    Tenso:

    1 – touch é confundido com “Press com toda a força”
    2 – Crianças chutando a poltrona da frente do lado dos pais e os pais sem tomar nenhuma ação.
    3 – Pessoa que não levanta a poltrona da frente na hora da refeição
    4 – Pessoas que ficam levantando em meio a severa turbulencia.

  • Freud

    Algo importante que não foi mencionado é que o ambiente interno do avião é muito seco e quanto mais se recicla o ar internamente (mais tempo de vôo) mais seco fica. Então é realmente importante se manter hidratado e evitar ao máximo beber qualquer bebida alcoólica pois isso vai te desidratar e fazer recorrer ao banheiro mais vezes.
    A bebida alcoólica mais atrapalha do que ajuda neste tipo de ambiente e só fará sua experiência de vôo ser ainda mais sofrível, ao contrário do que você possa achar, e ainda te fará chegar mais cansado no destino pois o álcool inibe o organismo de entrar em sono REM e seu sono (mesmo que “apague” depois de beber) será superficial e não reparador.
    Portanto NÃO beba álcool durante o vôo e consuma bastante água e sucos. Assim você tera um vôo fisiologicamente melhor para chegar bem ao seu destino….que é o objetivo da viagem! Isso vale se você estiver em qualquer classe. Se você puder vale consumir isotônico também. Dica de quem voa todos os meses praticamente Brasil-Africa.

  • Ricardo Machado

    Pode parecer cômico, aliás, ri muito depois, mas ao viajar de Santa Cruz de La Sierra para São Paulo ano retrasado briguei dentro do avião com um passageiro que simplesmente encasquetou que eu e meus dois amigos estávamos olhando para ele. O bate boca foi geral, ao ponto da comissária dizer que ia chamar o comandante e eu que ia acionar a polícia federal tão logo pousasse em GRU…

  • sigma7777777

    Seria bom um post sobre “manual do bom brasileiro nos EUA”. Acho que falta mais cordialidade. Algumas situações:
    _Brasileira que não chegou no aeroporto com antecedência empurrando outra que estava caminhando a sua frente simplesmente porque estava com pressa. Certamente empurrou porque sabia que era brasileira. Aposto que se fosse uma americana não teria feito isso.
    _No voo, pedi uma caneta emprestada a um brasileiro que disse que não tinha. Quando o voo chegou, me levantei e fui indo embora, ele sacou a caneta da bolsa e começou a usá-la. Nesse caso ele não é obrigado a emprestar coisa alguma, mas não faltou cordialidade?
    _Numa loja em Orlando uma brasileira pediu informação a outra brasileira sobre o que seria um determinado produto (cosmético) na língua inglesa e a brasileira, com certo ar de ignorância, disse para ela perguntar ao funcionário. Nesse caso também ela não é obrigada a prestar nenhuma informação, mas não faltou cordialidade? Fiquei me perguntando depois se essa brasileira quebrasse o pé e me pedisse uma informação se ela acharia legal receber uma resposta de “pergunte a um médico”…

    • Cristiano

      Pq apenas nos EUA? Cordialidade tem que haver em todo o lugar do mundo, e não apenas nos EUA!

    • Everton Basílio

      Sempre levo duas canetas, para usar e sair emprestando….

  • maycon

    Muito boa as dicas,gostaria de acrescentar mais uma,no caso de gases ou número dois se puderem esperar uns minutinhos a mais antes de retornar a sua poltrona,o nariz de quem se senta no corredor agradecerá,aquela velha história de que não adianta soltar e sair correndo que ele acompanha é a mais pura verdade,eu que prefiro somente poltronas do corredor ja sofri muito com isso em voos longos,a pessoa sai do banheiro passa pela gente e vem o bafo atrás,aquele vudu,kkk,chega pinicar o nariz…

  • Matheus

    Aconteceu algo parecido comigo. Estava eu no vôo YYZ-PTY quando após recolherem os lixos que sobram das refeições eu estava com o fone de ouvido e esqueci da vida, a mesa ainda estava aberta sem me dar conta comecei a batucar no ritmo da música que ouvia até que a passageira da frente virou e com um tom áspero e voz forme disse: “Can you stop knocking?” Aí que fui perceber o que que eu estava fazendo e me desculpei. Mas já fizerem parecido comigo tb.

  • Bianca

    Gente, essa cartilha é do tipo leitura obrigatória pra quem viaja de avião! Deveria estar a disposição em todos os voos junto com as revistas de bordo!!!
    MD está de parabéns!!!

  • Cidadão

    Ótimas dicas! Sugiro complementar mais a parte “Respeite as prioridades e regras de embarque”. Acontece muito de os passageiros começarem a fazer fila antes da chamada para o embarque, daí parece que as outras pessoas se sentem pressionadas a entrarem na fila também e esta fica enorme sem ao menos o embarque ser anunciado. Só que quando o embarque é feito por zonas, quem já estava em pé há um bom tempo na fila não quer sair mesmo que o seu assento não esteja entre os que foram chamados.

    • Gleidson

      Ótimo ponto, e quando o embarque é feito por zona e o espertalhão cheio de sacolas tenta entrar antes do que está marcado no bilhete dele para aproveitar o bagageiro vazio, raramente o pessoal do embarque manda ele voltar para a fila, essa semana presenciei uma funcionária da GOL que fez dois caras voltarem, mais é raro.

    • Maco Abi

      Mas as pessoas são livres para fazer fila, não? Se elas gostam de esperar em pé, é do direito delas. Se elas se “sentem pressionadas”, isso é problema psicológico delas.

    • mariostefa

      Acho essas filas a coisa mais ridicula. Por isso, sou um dos ultimos a embarcar. Exceto quando é chamado tipo de fileira 30 a 40 , etc..Tem gente que adora fila kkk

      • Everton Basílio

        Independente dos grupos para embarque, sempre entro por último.

        • Também gosto de somente entrar quando não há mais fila (ser um dos últimos) o problema com isso é que quando estou com bagagem de mão geralmente tenho de colocá-la àbaixo da poltrona da frente uma vez que quase sempre não sobra mais espaço no compartimento de bagagem… E isso faz com quê vc não fique sentado muito confortávelmente…

          • Everton Basílio

            Realmente o ruim de entrar por último é o problema da bagagem de mão…

      • Ed

        Invariavelmente também entro por último. Mas quando estou no final do avião, corro o risco de não ter lugar para minha mala no compartimento superior. Ou seja, fico entre a cruz e a espada.

      • Daisy

        Sempre espero minha vez, mas o problema é que quando se é o último e o voo está cheio é difícil encontrar lugar para a mala de bordo.

  • Hilana

    Num voo de Buenos Aires para Bariloche uma menininha argentina muito serelepe no colo do pai derramou da bandeja um copo de suco de manzana na minha bota e minha calça que eu ia usar a viagem toda praticamente. rsrs Num outro voo que não lembro qual um senhor já de idade que estava ao lado do meu esposo, do nada, sacou de sua necessaire um perfume com um cheiro horrível e deu várias borrifadas no pescoço… O pior de tudo é que eu tenho enxaqueca e perfume forte desencadeia crise. rsrs

  • jers

    Entendo que é importante se imaginar no lugar dos outros indivíduos, ou seja, não faça aquilo que não gostaria que fizessem, porém, esse negócio de rigor em relação à etiqueta é muito chato. Excesso de polidez não é bom. Já vi muita gente se incomodando com bobagem. Acho que temos que levar na esportiva algumas situações e também temos que trabalhar nossa tolerância. Qualquer um já deixou escapar um “pum” uma vez ou outra nessa vida…

  • Vinícius Lima

    Sempre lembro do meu vôo de Buenos Aires pro Rio. Ao iniciar as medidas para o pouso o comissário anunciou claramente: Favor, permanecerem todos sentados para o pouso.

    Foi a mesma coisa que dizer: TODOS DE PÉ! AGORA!

    Imediatamente várias pessoas levantaram para pegar mala, ir ao banheiro, pegar bebida… Achei surreal.

    Outra vez foi num vôo de Orlando pra SP em que uma mulher simplesmente apagou de sono durante o vôo todo e dormiu sobre meus ombros. Eu não conseguia acordar ela de maneira alguma, acho que estava sob efeito de remédios.

    • Mana eu queria pegar um desses que apaga assim no ombro dos outros, faço passar vergonha na hora!

      • Rafael

        Dependendo de quem for eu deixo e ainda encosto minha cabeça juntinho

        • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…… gostei da ideia! kkkkkk

        • Marcelo

          HAHAHAHA ESPETACULAR !!!

        • O problema fera, é q 95% é velho, feio e ronca. Agora se for uma Cléo Pires da vida eu deito ela na Rest Area, que é mais confortável ainda q o ombro.

        • Vinícius Lima

          Ahahahahaha boa. A mulher até que era bonita, mas aquela cabeça pesada não estava nem um pouco confortável.

          Sorte dela que não faço questão de dormir em vôos diurnos

  • Carol

    Pra mim, crianças menores de 2 anos nem deveriam poder embarcar em vôos internacionais. Crianças maiores já tem um pouco de discernimento do que é certo e o que é errado. Mas ninguém (a meu ver), além dos próprios pais, merece ficar ouvindo berreiro de criança em vôos longos.

    Na questão dos brinquedos também deveria haver bom senso dos pais.
    Em uma viagem para João Pessoa, a criança da poltrona na minha frente passou as mais de 3 horas brincando com um peão que além das luzes multicoloridas tocava incessantemente a mesma música em volume suficiente para ser ouvido umas 10 fileiras atrás.
    >:(

    • Fernando

      Mas aí tbm não neh… Apelou perdeu.. rsrs

    • alexandra

      Crianças pequenas incomodam mesmo… em um voo para Porto Alegre tinha um grupo com umas 8 crianças, e elas estavam fazendo uma bagunça danada… batendo nas mesinhas, gritando, correndo pelo corredor do avião, e os pais… nem ai… é criança então “pode tudo”…

    • Brenda Furstenau

      Eu também pensava assim…até ser mãe. A diferença é que passo a viagem toda cuidando da minha filha, deixando a confortável e a entretendo para que ela não se aborreça e assim não incomode outros passageiros. Costumamos viajar para o exterior com ela e sempre foi muito tranquilo. Tem adulto que incomoda muito mais.

    • Gustavo

      Nossa, que pensamento pequeno hein? Bebês não podem viajar? duvido que tenha filhos, quando tiver, creio que mudará de opinião. Claro que ouvir choro de criança é muito ruim, principalmente para os pais, porém acho que o bom senso deve partir também dos passageiros, que tenham um pouco de compreensão.

    • Pedro

      Imagino uma amiga minha que se mudou de londres com o bebê de 3 meses para o Brasil, tendo que atravessar o atlantico de barco, porque crianças menores de 2 anos seriam proibidas de viajar… Cada uma que a gente tem que ler…

    • Carlos

      Carol, pode ter certeza que pior que você estão os pais com essa situação descrita por você. Não tem o que fazer, criança pequena chora, esperneia mesmo, o que temos que fazer e aceitar e ponto final.

    • andre

      “Pra mim, crianças menores de 2 anos nem deveriam poder embarcar em vôos internacionais.” Deveria ser norma de aviação, só viajam em caso de necessidades urgentes e devidamente comprovadas.

      Como diria meu avô; “menino e peido só o dono aguenta, então cada um prenda o seu”

      • Bruno.

        Existem companhias que não permitem crianças na primeira classe ou business, voe nelas. Outras tem um setor de assentos mais caros “kids free”, voe neles. Tem a opção ainda do jatinho particular ou táxi aéreo. Se não pode ou não quer gastar com isso sente e fique quietinho na econômica pois todos tem o direito de voar.

    • Ed

      Já peguei um vôo GIG-MIA (em plenas férias de julho), onde eu era o ÚNICO não adolescente. No exato momento em que as rodas do avião deixaram o solo, foi uma guerra de travesseiros que durou bem uns 10 minutos. Depois veio a cantoria, gritaria, gente andando para um lado e para o outro, jogando bolinhas de papel, cartões de embarque ameaçado, etc. Na hora do jantar, finalmente sossegaram (afinal, bater um rango ainda tem importância). Depois, como ninguém é de ferro, apagaram e dormiram quase até a chegada.

    • Ju

      Concordo contigo, acho que a não ser em casos de extrema necessidade, os pais poderiam esperar a criança crescer um pouquinho mais para fazer uma viagem internacional, é desgastante para a criança e para os passageiros quando esta começa a chorar e gritar por longo período, chega a dar agonia. Algumas pessoas ficam extremamente irritadas e perturbadas com gritaria e choro de criança por períodos longos, e isso é coisa séria, alguém pode surtar dentro do avião e ter algum tipo de crise.
      Uma criança chorar um pouquinho e parar, dá para aguentar, mas quando começa e isso se prolonga, e ainda grita, tenha dó dos ouvidos e dos nervos
      dos outros passageiros.
      Querem viajar, pensem em algum lugar perto que é melhor para todos INCLUSIVE para a criança, é questão de bom senso e cuidado com os pequenos. Afinal, qual criança com 2 anos ou menos vai lembrar depois de uma viagem para o exterior? Bom senso.

  • André Luis

    Bom, algumas situações complicadas:
    – é comum nos momentos da aterrissagem aqueles objetos soltos (carteiras, celulares, revistas, etc) saírem rolando por baixo das poltronas, até aí tudo bem, o problema é que algumas pessoas encontram esses objetos e não devolvem (pura sacanagem);
    – o desodorante em dia é essencial: uma vez, sentou uma criatura que não usava desodorante (acho que nunca usou), pense no “perfume” fragrância cêcê durante algumas horas de voo (uhhh.. crêdo!!);
    – outra coisa complicada são os “benditos gases indomáveis”: gente, quanta falta de bom senso! O pior, é quando a própria comissária solta uma bomba dessa no seu rosto, “nossa”…;
    – essa história de usar celular durante a decolagem e aterrissagem – um rapaz ao meu lado nunca desligava o tal do celular, enquanto o comissário solicitava que celulares ou outros equipamentos eletrônicos ficassem desligados, o tal do rapaz nada… Perguntei se ele havia entendido o recado, e ele me respondeu: “… não tem problema nenhum, posso usar o tanto que eu quiser….” , faz o quê com uma criatura dessa???;
    – outra situação comum: vc chega primeiro e guarda suas coisas no compartimento de cima, aí, outro cidadão chega pega suas coisas e joga (literalmente joga) em outros compartimentos para dar espaço aos deles…. Veja a educação!!!;
    – pessoal, em longos voos, principalmente à noite evitem ficar em pé o tempo todo conversando. Lembre-se: seus vizinhos não querem participar das conversas;
    – o que mais irrita é quando no desembarque as pessoas saem te atropelando no corredor (calma gente!!!).

  • Ouvir e falar

    o terceiro mundo começa no aeroporto de Miami na volta ao Brasil. A fila dos americanos é um atrás do outro, dos brasileiros, é um em cima do outro, sem respeito na fila.

    Dentro do avião, o pior é na chegada, gente que corre pra frente sem esperar os que estão sentados antes, falta de educação total das pessoas, parecem uns animais.

  • Mauricio

    Acho que todo mundo tem uma historinha para contar… hehehehe

    • Cara, esse negócio de puxar a cadeira é complicado mesmo. Uma vez dei uma bronca no meu pai, porque era só a segunda vez que ele andava de avião e toda vez que ele ia olhar algo na janela (ele estava na poltrona do meio), puxava a poltrona da frente. Imagino como o cara da frente devia estar bravo. Só depois de umas cinco ou seis puxadas, meu pai entendeu que não podia fazer aquilo! hehehe

    • Carlos

      Mauricio, na maioria das vezes isso ocorre porquê o espaço entre as poltronas é exíguo, você não consegue se equilibrar entre elas e nem apoiar suas nádegas nas poltronas da mesma fila, pois em sua maioria estão ocupadas com a bugigangas fornecidas pelas companhias, sem dizer que geralmente as poltronas estão reclinadas dificultando ainda mais a tentativa.

    • Rafael

      Eu já puxei, mas foi porque eu estava viajando na janela e os dois indivíduos que estavam sentados no caminho nem se mexeram quando eu pedi licença para ir ao banheiro. O jeito foi passar com o corpo inclinado me apoiando nos encostos da frente.

      • Li

        Aconteceu algo semelhante comigo. A moça ao meu lado estava com um tremendo mau humor e não quis dar espaço para que eu pudesse ir ao banheiro. Eu já sou meio atrapalhada por natureza e, na hora de apoiar no encosto, acabei dando um belo tapa na menina que estava na frente. Pedi mil desculpas e a moça ao meu lado acabou levantando.

  • RMaia

    Pior que crianças irriquietas são seus pais/responsáveis que não tomam nenhuma atitude pearante ao desrespeito. Sei que é difícil controlar crianças entre 2 e 5 anos num voo de mais de duas horas, mas tem gente que abusa demais e deixam elas como se estivessem num corredor de shopping. Depois de pagar muitos pecados, hoje em voos longos eu economizo muitos cafezinhos e chopps e ainda acumulo milhas em programas de fidelidade pra poder viajar em voos non-stop e na classe business pra ter sossego.

  • Mariana Azevedo

    Percebe-se que você não tem filho… E muito menos consciência de que, como diz o post ,”todos têm direito a viajar”.
    Não é agradável para ninguém ficar escutando uma criança chorar, muito menos para os pais.
    E pode ter certeza que eles fazem de tudo para evitar aborrecimentos para os demais passageiros. Os bebês simplesmente não sabem lidar com a pressão no ouvido e é por isso que choram.
    Não custa nada ser um pouco compreensivo/a nesse momento.

    • Carol

      Sou compreensva sim tanto que em vôos domésticos acho perfeitamente suportável. Mas em vôos internacionais, até para o conforto do bebê que sofre com a pressão, não é de bom senso.

      • Flávio Machado

        Isso mesmo, assim você leva seu filho de 2 anos para um hotel de cachorros e deixa ele lá “feliz” da vida, aguardando a mãe voltar 15 dias depois para buscá-lo.

        É cada uma …
        Se a mãe viaja, a criança viaja. Ponto. Se a mãe tiver um filho de 1 ano e um de 5, ninguém viaja, é isso? Ou o que vale é a solução do primeiro parágrafo?

        Tenho filhos e tento controlá-los o melhor possível, mas claro que já fiquei cansado de ouvir outras crianças, em especial bebês, chorarem a viagem inteira na cadeira atrás da minha.Fazer o quê, ninguém controla uma criança, não é um robô de brinquedo que dá para desligar.
        Os pais ficam com uma vergonha danada, posso dizer pois fico controlando os meus filhos e só deles falarem um pouco mais alto eu já chamo a atenção, mas sempre tento distraí-los o máximo possível para não ter que atrapalhar ninguém. Mas tem horas que o menor (6 anos) resolve implicar com o maior (10) só para ter o que fazer ou porquê acha interessante ou para perturbar os pais, sei lá. Se você conseguir controlá-los, me ensina. E não, não vou dopar uma criança de 6 anos (ou de 10) e muito menos doparia uma criança de 1 ano, arriscando a vida dela, só para ela não chorar. Definitivamente você não tem filhos, jamais uma mãe em sã consciência sequer sugeriria isso.

        Acho muito mais incômodo uma pessoa gripada tossindo feito louca num avião que um bebê chorando. Um é só incômodo, outro é problema de saúde pública.
        Pelo seu parâmetro, roncar, conversar, ficar andando no corredor, devia ser tudo proibido, visto que não deixarão você dormir. Vai sobrar alguém para viajar?
        Minha sugestão: alugue um jatinho ou frete um vôo exclusivo para você, ninguém vai te incomodar.

      • Priscila E Vantuil Fernandes

        Eu tenho dois filhos 4 e 8 anos, moro fora do Brasil a 10 anos. O que você disse me parece tão ridículo que não sei como você é capaz de dizer uma coisa destas. Mais como é sua opinião eu respeito.
        Segundo a sua concepção meus filhos nunca poderiam viajar para conhecer os familiares no Brasil.
        Mais eu perdoo, pois pelo visto, você não deve ter filhos.
        Sinto muito, por você, mais infelizmente não vou parar de viajar com meus filhos para que pessoas como você se sintam bem.
        Me aparece tão absurdo isto, que é como comparar uma criança com um cachorro por exemplo, que quando você viaja, pode deixá-los em um hotel para cães para evitar maiores aborrecimentos.
        Sempre viajei com meus filhos desde que nasceram. E sinceramente tenho que dizer, que os incomodados e os intolerantes que se retirem. Nunca tive problemas com eles com respeito a pressão. Viajei com minha filha quando tinha apenas 3 meses, com liberação do pediatra dela na Espanha e durante toda a viajem ela dormiu somente com alguns episódios de choro controláveis mas totalmente compreensivo pelo sua pequena idade.

      • Luiz

        Carol e Mariana. Não generalizem. Tem pais que realmente não tem o mínimo bom senso e deixam as crianças deitarem e rolarem durante o voo. Tem outros que não. Eu já viajei com minha filha quando ela tinha 1 ano e 3 meses para Orlando. Ela não incomodou ninguém na ida. E também não sofreu com a pressão. Existem truques para eles não sofrerem com isso, mas óbvio que isso vc não sabe. Na volta ela não estava bem, teve febre um dia antes da viagem e continuou no dia, e a gente controlando com medicamentos. Mas ela não estava bem e não conseguia dormir direito durante a volta dando umas choradas (voo noturno). Eu levei ela para a área das comissárias, entrava com ela no banheiro, tentava acalmar, enfim fiquei de pé com ela por umas 2 horas tentando acalmá-la (o que eu conseguia em vários momentos) até que consegui fazer ela dormir.
        Agora, falta muito bom senso também quando se diz que crianças de menos de 2 anos deveriam ser proibidas de viajar. Crianças com 3 ou 4 anos também não tem muito discernimento. Aliás, é muito pior um adulto que ronca, que tem chulé, que chuta a polrtona da frente, que fala alto. Esse sim, deveria ter discernimento, e não tem. Vamos sugerir que proibam então quem ronca, quem tem chulé, que fala alto, quem tá resfriado, quem fica levantando duzentas vezes para ir ao banheiro de viajar. Assim vcs voiajam tranquilas sem ninguém incomodando, que tal? Eu quero ver quando vcs tiverem seus filhos. Quero ver ficarem 2 anos sem viajar ou deixar com parentes enquanto viajam por sei lá quanto tempo. Não é bom falar daquilo que não conhecem, daquilo que não tem experiência. Aí se fala uma besteira sem tamanho como essa. Tá loco, cada um…

    • Renata

      Todos tem direito a viajar contanto que não importunem ninguem. Se a criança não consegue ficar quieta durante o voo, não deveria voar, ou deveria tomar algum sedativo antes. Me desculpe mas os pais nunca fazem nada. Jamais durante um voo vi um pai carregar o filho para o fundo do aviao até que a criança se acalmasse, ou sequer pedir desculpas pelo incomodo.

      • Carol

        Concordo em gênero, número e grau.
        Mas ressalto que bebês, não importa se você levar pro fundo do avião ou não. Eles não têm discernimento ainda e algumas vezes os pais também não sabem o que fazer pro bebê parar de chorar, estão ‘aprendendo’ ainda. Por isso a meu ver, em vôos internacionais (ou seja, mais longos) deveria haver restrição quanto a isso.

        • Jardson

          Carol, por mais que incomode um bebê chorando num voo a ponto de você defender que eles não poderiam ter o direito de viajar, posso te afirmar categoricamente: você só fala isso porque não tem filhos, no dia que tiver, irá mudar de opinião.

        • FabioPalmeiras

          Típico pensamento: não me agrada, elimina. Assim começam outras atitudes e preconceitos um pouco mais graves da sociedade.
          O que é preciso é aprender a viver em sociedade e não eliminar aquele comportamento ou aquela pessoa que vc não gosta do seu lado. Isso se chama tolerância.
          Existem pais relaxados, mas existem outros que cuidam muito bem e buscam adequar o comprotamento dos filhos, sempre que é possível.

          • Fabio Izoton

            Acho que você resumiu bem a questão. É claro que, como em qualquer outra situação, sempre há aquelas pessoas que não se preocupam com os demais, e nesses casos os abusos devem ser criticados. Mas generalizar é um erro.
            Será que, quando chegar a vez delas terem os seus próprios filhos, vão continuar pensando da mesma forma radical?

        • Rafael

          E se porventura os pais tiverem que se mudar para outro país, se tiverem que comparecer a um evento e simplesmente não tiverem com quem deixarem o bebê, enfim, se for absolutamente necessário que o bebê embarque? Como fica? Por óbvio, esta proposta de evitar bebês em voos é não somente absurda, como também revestida de egoísmo e desprovida de qualquer senso de coletividade.

          Não importa qual o motivo dos pais levarem seus filhos, é um direito que lhes assiste. Quanto ao comportamento, cabe ao pais, assim como a qualquer pessoa, tentar ter o bom senso o suficiente para amenizar qualquer aborrecimento a outros passageiros.

          Além disto, cabe ressaltar que a proposta de diferenciar voos nacionais e internacionais, de forma a “amenizar o inferno provocado por bebês” não observa qualquer critério lógico. Se um sujeito viajar de Porto Alegre até Manaus, certamente fará uma viagem muito mais longa do que Porto Alegre a Montevideu. Se outro camarada fizer um voo de Londres a Paris gastará bem menos tempo do que se fizer do Rio de Janeiro até Belém.

          Até entendo que talvez você quisesse se referir apenas ao critério de tempo de voo para afastar esses “abomináveis bebês”, mas me pergunto se você também defenderia a adoção a qualquer critério como este para quem viaja de ônibus.

          Aliás, acho que uma das maiores gafes de quem viaja de avião é achar que, por pagar mais (e nem sempre), se torna quase que um ser superior, que não pode estar sujeito a qualquer infortúnio, e que qualquer incômodo seja algo infernal.

        • Bruno

          Parabéns, você pensa igualzinho a Hitler!

      • Sugiro que Mariana e Renata voem de primeira classe, com protetor de ouvidos. Ou, como a Renata sugeriu, tome o sedativo, e não a criança. Difícil não é passar um voo de 7 horas de duração com uma criança ao lado chorando. Mais complicado é as crianças terem que conviver com tamanha intolerância.

      • Bruno

        Drogue seu filho se for voar. Genial sua idea. Parabéns.

      • Leo

        você deveria dar um sedativo para seu cerebro, para não falar tanta merda. No dia que vc tiver um filho, se é que Deus vai te dar essa benção, você verá a merda que acabou de falar.
        São por essas e outras que o mundo se encontra da forma que está..
        tudo começa nessas pequenas intolerências

      • Everton Basílio

        Presenciei isso agora, dia 31/12, indo pra Santiago, uma mãe pegou seu filho e foi para o fundo do avião tentar acalmá-lo. Tem bons pais que fazem o dever de casa e pesquisam o que fazer durante essas situações. Os pais tem que andar sempre com um arsenal de brinquedos direfentes, mamadeiras ou chupetas para que a criança fique mechando a mandíbula e consequentemente aliviar a pressão nos ouvidos, e por aí via.

    • Marco Abi

      Custa sim. Pode custar uma noite de sono num longo voo noturno de um continente a outro.

    • Karen

      Mariana, consciência limpa é que dói. Você provavelmente tem filhos e os educa adequadamente. Essa, infelizmente, não é a situação da maioria dos pais brasileiros viajando com crianças. A falta de bom senso ao escolher a ‘distração’ da criança (brinquedos barulhentos, com luzes piscantes e coisas do tipo) é comum não só em vôos, mas em outros lugares como salas de espera de consultórios, velórios e até em serviços religiosos!
      Eu já levo protetor auricular em todas as viagens para fazer a minha parte, mas já vivi a experiência da Carol várias vezes, e a frustração de não poder descansar, ou até aproveitar o filme, é enorme. Muito mais com a falta de educação dos pais do que da criança…

    • Celia Tavares

      Boa tarde.

      Eu já viajei algumas vezes com criança pequena e sempre fiquei apreensiva com o desconforto para a criança e para os demais passageiros, infelizmente nos sentimos impotentes face ao choro. Normalmente tem início quando o avião começa a subir, por conta da descompensação do ouvido. Por sorte uma mãe solidária deu-me uma dica que funcionou. Quando o avião começar a taxiar prepare uma mamadeira e assim que começar a subir ofereça à criança, se ela ainda mamar no peito, ofereça-o, se necessário, adeque o período da alimentação para meia hora depois da previsão de saída do avião e faça o mesmo quando perceber que o avião começou a descer. Se a criança for maior, uma bala bem grudenta, tipo goma, que a force a abrir as mandíbulas amplamente ou treine a Manobra de Valsava: http://conversasobremedicina.blogspot.com.br/2010/10/manobra-de-valsalva.html , eu a utilizo para compensar quando mergulho. Espero ter ajudado e bons voos.

    • Claudia Baum Boeira

      Tive que ouvir isto de uma “mãe”. Voo Copa LAX-POA. Nos primeiros 5 min de voo uma criança começa a chutar a poltrona que estou, olho para trás e vejo que ela está com o pai do lado, que está dormindo. A passageira do meu lado me aconselha a chamar a comissária. Fiz isto, ela pede para o pai, dizendo que eu reclamei. O pai não faz nada. A criança continua… após vários minutos chamo a comissária de novo, dizendo que não tem condições de viajar assim, detalhe a criança entendeu o pedido e não deu bola, passou a chutar mais forte ainda. A aeromoça faz um escândalo em voo, falando em espanhol, como se um brasileiro não conseguisse entender, coisas do tipo “não tem filhos…, como se eu fosse a culpada. Todos no avião começam a me olhar e falar de mim, como se fosse uma bruxa malvada. Começo a chorar. A mãe da crianca, que estava há fileiras do filho, resolve aparecer, chega para mim, me xinga e oferece para que eu troque de lugar com ela. Aceito. A aeromoça sumiu. Sento na poltrona da mãe com outros 2 passageiros me olhando como se eu fosse a última pessoa da terra. Escuto coisas do tipo “é brasileira”. Detalhe, comprei esta passagem na hora, no aeroporto, paguei um valor absurdo (antes que falem, compra barato e depois vem aqui no MD reclamar), voltei de emergência ao Brasil por motivo de doença da minha mãe, fiz um seguro onde havia cobertura para este imprevisto, a agência de viagem que fez o seguro me deixou na mão (após ser processada por mim, fui ressarcida), dormi no aeroporto 1 noite em virtude da espera pela seguradora, ou seja, vários fatos realmente muito ruins e, no final, este voo para “fechar” com chave de ouro.

    • Ane

      Não ter filhos também é direito e não defeito como destes a entender. Não ter que lidar com esses inconvenientes é opção de cada um. O filho (seu ônus e bônus) é dos pais mas a corujisse de muitos os faz achar que todos têm que aguentar o que quer que seja do seu pimpolho. E não. Não são todos os pais que estão se preocupando com os incômodos causados por seus filhos. Se o motivo for algo que esteja incomodando também a criança (como dor ou desconforto), pode ser. Mas se o incômodo for apenas para os passageiros a maioria dos pais acha que é dever dos demais tolerar.

  • Flávio Machado

    Juro que não consigo entender porque as pessoas precisam ficar feito postes na frente da esteira, impedindo a passagem dos outros passageiros se bastaria ficar a 1 metro de distância e só se aproximar quando a bagagem estiver a caminho, pegar sua bagagem e voltar a ficar distante até que a próxima bagagem chegue ou se retirar, quando já pegou todas. Claro, carrinho atrás da linha de 1 metro.
    Eu já presenciei, com profunda desolação, uma família inteira (6 pessoas) embarreirando o acesso a um bom trecho da esteira só para cada um pegar uma mala, além dos carrinhos entre elas para facilitar colocar a bagagem. E para piorar, a mais velha da família (parecia ser a mãe) quase derrubou uma senhora de uns 60 e poucos anos quando esta se abaixou para pegar a bagagem, só porque a sua estava chegando. E o filho dela, de uns 25 anos, ao lado da idosa nem a ajudou nem se desculpou pela atitude da mãe mal-educada.

    Para matar de vergonha esta família (se tivessem alguma vergonha), do outro lado da mesma esteira um senhor de mais de 60 anos ajudava uma adolescente a retirar a bagagem, pois ela estava com dificuldades de alcançar a alça devido à baixa estatura. Durante o processo ele chegou a deixar a própria bagagem passar pois, sabiamente, sabia que era só esperar mais um pouco e ela voltava. deu um passo para trás para que outros pudessem ter acesso à esteira. Tudo sem desespero e sem stress.

  • Alexandre

    A companhia aérea deveria ser mais rigorosa com a bagagem de mão. Gente entra com vários volumes, de vários tamanhos e o resultado é que alguém vai ficar sem espaço. E os folgados têm a cara de pau de se fazerem de desentendidos. Azar de quem chegou depois. Uma coisa tão simples de se resolver. É só a companhia cumprir o que ela própria determina.

  • André Luis

    Bom, algumas situações complicadas:

    – é comum nos momentos da aterrissagem aqueles objetos soltos (carteiras, celulares, revistas, etc) saírem rolando por baixo das poltronas, até aí tudo bem, o problema é que algumas pessoas encontram esses objetos e não devolvem (pura sacanagem);

    – o desodorante em dia é essencial: uma vez, sentou uma criatura que não usava desodorante (acho que nunca usou), pense no “perfume” fragrância cêcê durante algumas horas de voo (uhhh.. crêdo!!);

    – outra coisa complicada são os “benditos gases indomáveis”: gente, quanta falta de bom senso! O pior, é quando a própria comissária solta uma bomba dessa no seu rosto, “nossa”…;

    – essa história de usar celular durante a decolagem e aterrissagem – um rapaz ao meu lado nunca desligava o tal do celular, enquanto o comissário solicitava que celulares ou outros equipamentos eletrônicos ficassem desligados, o tal do rapaz nada… Perguntei se ele havia entendido o recado, e ele me respondeu: “… não tem problema nenhum, posso usar o tanto que eu quiser….” , faz o quê com uma criatura dessa???;

    – outra situação comum: vc chega primeiro e guarda suas coisas no compartimento de cima, aí, outro cidadão chega pega suas coisas e joga (literalmente joga) em outros compartimentos para dar espaço aos deles…. Veja a educação!!!;

    – pessoal, em longos voos, principalmente à noite evitem ficar em pé o tempo todo conversando. Lembre-se: seus vizinhos não querem participar das conversas;

    – o que mais irrita é quando no desembarque as pessoas saem te atropelando no corredor (calma gente!!!).

  • Alberto

    Fiquei indignado numa viagem voltando de NY, juntei todas as moedas pra viajarmos um pouco mais confortável e quando entrei no avião todo o compartimento acima de nossas poltronas já estavam cheios, eu sempre respeito o limite de bagagem de mão, porque os outros não?

  • Beth

    Texto muito bom , seria ótimo se todos observassem essas regras. Analisando , acho que sou uma boa passageira pois me preocupo com tudo que foi dito.

  • Mila

    Pior foi o que aconteceu comigo, voo Porto Alegre – Buenos Aires, 3 amigas minhas na frente e eu sentada ao lado de um casal de idosos, de repente começa aquela “inhaca”( cheiro insuportável).. é …estavam “peidando” ao meu lado… mas era simplesmente insuportável.. primeiro virei o rosto para o lado da janela ( para ver se conseguia respirar melhor), prendia a respiração, colocava lenço no nariz, mas quando enfim o “fedor” chegou na janela e não consegui mais suportar, pedi para a minha amiga da frente levantar discretamente e ver se tinha algum lugar vago no avião.. pior que estava lotado… mas o pior de tudo isso, foi a idosa ao meu lado me olhar com cara feia e ficar passando a mão no nariz( e ela ainda achava que era minha culpa)… sinceramente, só passou quando o marido dela levantou e foi ao banheiro. Mas aquele fedor ainda ficou pairando no ar por um bom tempo… rsrsrs

  • dricci

    Nossa estas regrinhas deveriam estar impressas e pregadas em todas as poltronas de todos aviões do mundo, recentemente voando de Madrid pra SP pela Ibéria, num vôo noturno, atrás de mim tinha um casal com duas meninas 4/5 anos, que pareciam duas “capetinhas” brigavam entre sí, chutavam os bancos (minha vizinha reclamou várias vezes, sem êxito) isso até alta madrugada. Depois conversando com os pais vi que o problema era falta de educação mesmo.

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    Brasileiro é muito folgado e, deveras, desprovido de inteligência (modo elegante de chamar de burro). Explico: pegos muitos voos em ATR´s da Azul e desço em Viracopos, em posições remotas. Para um ATR-72 basta um ônibus. O avião nem estaciona direito e estão todos em pé, o que não adianta nada, pois o ônibus vai esperar TODOS descerem para sair. O povo levanta rápido, quer sair correndo e depois ficam em pé dentro do ônibus aguardando os demais passageiros descerem. É o cumulo da estupidez. Ai, eu desço por último da aeronave, com calma e, quando entro no ônibus, o mesmo está cheio e, consequentemente, fico na porta do mesmo. Os apressadinhos ficam para trás. Resultado: na hora do desembarque do ônibus, eu, que desci por último, sou o primeiro a descer.

    • É bem isso mesmo Moacyr, eu também faço questão de ser um dos últimos à descer da aeronave após o pouso, povo imbecil, parece que quer tirar o pai ou a mãe da forca.

  • Paulo

    Tenho preguiça de gente que não sabe que tem banheiro dos dois lados da aeronave justamente para que cada um use o banheiro mais próximo. Já comprei assento “conforto” da Tam e joguei dinheiro fora porque o povo ficava trançando no espaço que seria o “conforto” para passar entre os corredores e ir no banheiro do outro lado. Teve uma mulher que me acordou para poder passar onde não deveria. E as comissárias da Tam nada fazem para explicar aos passageiros sem noção como se comportar e garantir o conforto de quem paguou pelo espaço adicional.

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    Outro detalhe: bagagens de mão.

    Há uns dois meses fotografei um passageiro, num voo da Azul, com três malas de mão. Malas mesmo, não eram simples bolsas de notebook.

    Chamei a atenção da atendente na hora do embarque e elea me respondeu que não podia fazer nada. Mandei uma reclamação no face da Azul e eles me responderam que era responsabilidade do pessoal de solo.

    Sem contar que as malas tem de ter, no máximo, 25 cm de altura para entrar no bagageiro. Ai aparacerem uns “containers” com 40 cm de altura e o cara reclama com a aeromoça que não cabe, que resolve despachar a bagagem. Ai o passageiro acha ruim e não aceita.

    Ai fica difícil.

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    Outra, que aconteceu comigo:

    Peguei um voo para Goiânia e, ao meu lado, estava uma determinada dupla sertaneja, com seus respectivos fones de ouvido.

    O comissário pediu para desligarem os fones. Nada. Pediu mais uma, nada.

    Resultado: ou o senhor desliga ou então a polícia federal retira o senhor da aeronave. Finalmente desligaram.

    Porém, ficaram o voo inteiro reclamando que o comissário foi grosso e iriam reclamar com a cia aérea.

    Para termos direitos, temos de cumprir com nossos deveres.

    Chega por hoje.

  • Ernesto Lippmann

    Excelente post, Monique ! Parabéns. Deveria ser impresso e colocado nas cadeiras das empresas, junto com o safety card.
    Alguns pontos que acho interessantes:
    Crianças, e bebes são bem vindos! Mas devem ser educadas pelos pais. Um dos piores momentos foi num voo até a França, com o pimpolho chutando a cadeira da frente, a minha! Tentei falar com a mae que fez cara de paisagem. Ai, parti para a ignorância, fiz uma careta com um olhar assassino para o petiz, que rapidamente parou com arte. Brinquedos, e ipdad, sem problemas, mas no modo silencioso. Já tive que pedir para desligarem barulhinho do sapinho do IPAD,pois queria dormir.
    Outro ponto importante, não discutir religião ou politica a bordo, com seu companheiro. Uma vez tive um voo curto ao lado de um pastor que insistia em salvar a minha alma. Ainda bem que o voo era curto…
    Não tirar fotos a bordo que identifiquem outros passageiros, especialmente se for para um Fly report do MD. Eles podem não gostar e até processar o blog.
    Ah, e uma “maldade” que vi uma vez quando viajei a trabalho com um colega. A senhora simples do lado morria de medo de viajar de avião, e estava com um rosário. Meu colega, começou a fazer brincadeira falando comigo a viagem interira, como se houvesse um problema no avião. começando quando o trem de pouso foi recolhido, e disse “nossa o que estourou ai em baixo”. A cara de pavor da pobre senhora foi indescritiviel….Mas, certamente eu não aprovo esta atitude.

  • Ernesto Lippmann

    Em tempo. Não se trata de etiqueta, mas quero deixar o aviso para todos os leitores do MD. Viajei pelas Aerolineas para Buenos, e havia alguém sentado no meu lugar. O voo estava lotado. Falei com a comissária, que me passou para a bussines. Mas, o final da história foi triste, tinha deixado minha mochila destrancada, e com sono, esqueci de leva-la para o compartimento de bagagens próximo de onde estava. Como fui dos últimos a sair, tive uma surpresa desagradável. Algum passageiro furtou meu laptop, o que só percebi depois no Hotel. Fica o alerta. Bagagem de mão, sempre deve ser trancada com cadeado, principalmente se estiver longe do seu assento! Aprendam com as burices dos outros!

    • Everton Basílio

      Sim, acontecem muitos furtos dentro das aeronaves. Desde que um amigo me alertou para isso sempre fico no colo com minha bolsa com documentos e dinheiro e se levo algo nos Bins, é no cadeado o tempo todo, sempre prefiro colocar no compartimento oposto ao da minha cadeira, para poder observar caso durante o voo alguém abra…

  • Jeferson Cristhopher

    Certa vez indo para Paris uma mulher sentou ao meu lado, aparentemente com medo de voar, e não parava de comer salgadinho durante boa parte do voo. O barulho do pacote estava me incomodando muito, e foi ai que pedi educadamente para que fizesse mais silêncio. Bom ai só piorou, pois depois de servido o jantar ela colocou o lixo embaixo da poltrona, que veio parar em meus pés. Chamei um comissário, e troquei de lugar.

    Falando em Europa, vou viajar para Frankfurt na próxima semana. Alguém sabe se há relato do voo da TAM SP-Frankfurt aqui no MD?

  • Ju

    Voei em um voo da Azul semana passada e a cia permite a ida de cachorros com os donos. Só que duas pessoas resolveram levar seus “amiguinhos” e os cachorros ficaram o voo inteiro latindo um para o outro. Nada agradável né? Um cachorro latindo no voo já é insuportável. Dois então, nem comento.

  • FabioPalmeiras

    Um cara ficava levantando de 30 em 30 minutos (brasileiro) pra pegar sua mala no compartimento superior e retirar objetos de dentro. Fez isso durante as 9 horas de voo. Fez isso inclusive na hora das comissárias servirem a refeição. Impedia as pessoas de irem ao banheiro. Um terror. Fora uma senhora que viajava em pé, fazendo alongamentos e encarando as pessoas ao redor.
    Muito bem lembrada questão do desodorante. Use um SEM PERFUME! Existem muitos no mercado. Nada pior do que um desodorante com perfume intragável, misturado ao suor, durante horas do seu lado. E, por favor, não passe perfume, nem que seja Francês de 200 dólares. As pessoas vão comer e dormir, na maioria das vezes. Vc não está indo ao Shopping ou a um barzinho.

  • Leandro Silva

    Excelente post! Realmente abrange todos os infortúnios que podem ser evitados facilmente em uma viagem. Parabéns!

  • Marcelo

    as historias nos comentários estão ótimas !!!!

  • Mônica

    Outra coisa:
    Se você, por ventura, não conseguiu assento próximo à pessoa com quem está viajando (pode até conversar com alguém para tentar, amigavelmente, uma troca de assentos), mas nunca, NUNCA mesmo, passe o vôo inteiro em pé no corredor para conversar com alguém.

    Já passamos por isso daí. Meu marido no corredor tendo que aguentar um cara em pé o vôo inteiro para conversar com o parceiro. Além de atrapalhar quem estava próximo (até porque, ele apoiava as nádegas nos outros assentos para ficar mais confortável para ele), atrapalhava quem precisava transitar pelos corredores. Os comissários frequentemente pediam para que ele se sentasse, mas ou ele não ia, ou retornava pouco tempo depois.

    Extremamente desagradável.

    • Andréa

      Quero compartilhar um mico que eu paguei na volta do meu primeiro voo internacional rsrsrs o titulo da minha historia é ” a ganancia” rsrsr.
      Voltava eu de Orlando USA e na ganancia de trazer todos os quilos a mim por direito e mais um pouco, comprei uma fronha e a entupi de roupas, entrei na fila para embarcar com meu suposto “travesseiro” rsrsrs e minha bolça com meus documentos e etc. O rapaz da cia me disse que eu só poderia embarcar com apenas uma bagagem de mão ou a bolsa ou o “travesseiro” naquela altura do campeonato eu não poderia me livrar de nenhum dos dois rsrsrsrs e nem argumentos eu tinha para dar com meu inglês limitadíssimo ( zero), para minha felicidade fui socorrida por uma amiga que ainda estava despachando suas malas, mais imagina a cena, ela abrindo sua mala na fila de embarque do aeroporto e eu esvaziando uma fronha cheia de roupas rsrsrsrsrs enquanto eles tentavam se conter para não rirem da minha cara, que sirva de lição a alguém, serviu para mim rsrsrsrsr

  • mariostefa

    Sorte sua que não era epoca de Natal, se não ela levava o Papai Noel tocando sininho.kkkk

  • nandre
  • Eduardo Pimenta

    Uma vez voltando de Navegantes, viajei ao lado de um casal com uma criança de colo,com uns 6meses de vida…na fileira da frente outro casal combina criança de uns 2 anos. Além do barulho, simplesmente o casal do lado decidiu trocar a fralda do bebê ao meu lado! Pelo menos não era o número 2! Um tempo depois a criança da frente vomitou tudo, e ficou aquele cheiro de cheetos de queijo! Um show de horror! Acabei viajando na galley, junto do pessoal do voo, batendo papo!

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    Gente, se acalmem. Pelo que entendi, a Carol se referiu a pais que simplesmente largam seus filhos jogados dentro do avião. Quem nunca foi num restaurante e encontrou crianças correndo para lá e para cá, importunando os outros clientes, enquanto seus pais não estavam nem ai?

    Crianças podem e devem viajar. Porém, quem pariu Mateus que o embale: cuide de suas crianças que os outros passageiros saberão entender.

    Agora, capeta dentro de avião é dose.

    • Deni

      Maravilha de resposta. Há casos de dor de ouvido e coisas desse gênero, mas há pais que não tem educação, limite e respeito e por isso seus filhos agirão da mesma maneira. Ah! Tenho filho e neta.

    • Daniela Demetrio

      Gente, em Maio do ano passado (2014) peguei um vôo de Madrid a Sao Paulo (na minha viagem de férias graças a super Promo-Erro da Iberia divulgada pelo MD) e tinha uma criança com idade entre 1 ano e meio e 2 anos. Nunca me esquecerei seu nome: “Lorenzo”. Esse moleque foi o terror. Todas as pessoas do vôo se incomodaram com ele e com seus pais que nada faziam para calar a boca do menino. Foram cerca de 11 horas de viagem. 11 horas inteiras de choro, ele gritava, ele berrava e os pais só faziam cara de paisagem! Ele não parava! Eu não vi uma vez sequer o pai ou a mãe se levantar para tentar acalmar o pestinha, ou ao menos dar um brinquedo para entretê-lo. Mas foi uma baixaria chegando em São Paulo, pois as pessoas estavam de saco cheio de ter um vôo tão cansativo e barulhento por conta de uma criança. Os passageiros começaram a gritar “cala a boca””chega logo que eu quero descer desse vôo” “não aguento mais”…Eu me senti até constrangida por aqueles pais, mas eles pelo visto, nem se incomodaram…Na minha opinião, os pais deveriam sim dar um sedativo para as crianças pequenas em vôos longos. E isso não é preconceito é uma opinião pessoal formada a partir de uma experiência, péssima, mas não deixa de ser experiência.

  • José Eduardo

    Olha sobre a questão da tolerância,acho que os europeus tem bem menos tolerância que nós brasileiros,não somente num voo.

    Numa viagem de ônibus entre Bruxelas e Amsterdam,uma moça me pediu,(mas com gentileza),que abaixasse o volume do fone de ouvido do meu mp3,aqui nunca me pediram isso RS RS!! Mas claro que acatei! Num albergue em Paris,reclamaram quando eu acendi a luz mesmo por pouco tempo,num quarto coletivo. Ou seja: Tolerância Zero!!

    Mas mais absurdo foi soltarem um pum,num voo da Vueling entre Amsterdam e Valencia RS RS!!

  • Gisele

    Tenho percebido que cada vez mais os passageiros estão utilizado o compartimento de bagagem de mão para guardar a casa inteira, que levam consigo na viagem! Assim evitam o tempo do despacho e posteriormente a espera na esteira. O problema é que com isso, na hora do desembarque, demora-se muito para conseguir sair da aeronave devido à demora destas pessoas em retirarem de lá todos seus pertences. Malas gigantes e pesadas! Nunca vi nenhum comissário restringir a entrada destas coisas todas. Me parece uma indelicadeza enorme com os demais passageiros.

  • Pettersen Carla

    No ano passado em um voo da AA, MIA/GIG, com todos os passageiros a bordo, uma criatura brasileira disse ter perdido o passaporte, e o voo atrasou quase 1 hora. O comandante perguntou se alguém tinha achado, e pediu que olhassem em seus pertences…., eu comentei com meu marido que não achava isso correto, pois para ela entrar no avião foi necessário mostrar o passaporte, e, alem do mais, ela estava viajando de retorno ao pais dela, o que não teria problema. Resumo: Depois desse estardalhaço todo, e de atrasar o voo, ela com a maior cara de pau disse que tinha achado o passaporte, e que estava na bolsa da irma dela. Eu não achei essa atitude da AA correta, ja que ela achava que teria perdido o passaporte, e que a cia desse a opaco a ela ficar para procurar o passaporte, ou seguir viagem, afinal ninguém tem nada com isso.

  • Fernando

    Já atropelei tudo e todos por simplesmente ter errado o …. aeroporto. E ainda perdi o vôo, correria para cancelar hotel, passeios, carro e o pior, aguentar a gozação…. lição mais que aprendida.

  • Thiago

    1 – se você estiver com bolsa, mochila ou sacola, por favor, não saia andando no corredor apertado do avião balançando… Elas batem na cabeça do passageiro

    2 – quando colocar algo em cima, no bagageiro, cuidado com quem está embaixo.

    3 – se esta fedendo… tome banho antes

    4 – utilize a sua poltrona e não deixe o seu cotovelo na poltrona do lado

    5 – coloque suas pernas dentro do seu espaço e não aproveite o espaço do outro

    6 – se for utilizar equipamentos de tecnologia sem proteção de privacidade saiba que eu vou olhar…

  • Alessandra

    Tenho uma dúvida.
    Li que não podemos portar desodorantes e pasta dental (acho que da Anac).
    Isso realmente ocorre?

  • Elaine Martins

    Guia completo. Boa viagem!

  • Visitante

    Indo para Salvador, o casal ao meu lado tirava espinhas do rosto um do outro. Podem imaginar quase duas horas de tal espetáculo???

  • Carlos F

    Um procedimento padrão que adotei em viagens internacionais é, assim que desembarco, procuro um relógio para acertar o horário local. Uma vez o comandante errou o fuso horário… acreditei no que ele tinha dito e quase perdi a conexão!

  • aharon michaan

    A melhor coisa em voo longo eh pedir ao seu medico perscriçao medica p poder comprar remédio para dormir.
    Aee n tem q sofrer com passageiro ao lado, nem com a comida q eh bem fraquinha nos voos.
    Tem que tomar após o voo decolar (peloamordedeus! N despenca antes pois ja aconteceu dos passageiros serem solicitados de se retirar por “falhas tecnicas” etc)
    Saiba como tomar as pilulas corretamente.
    Ja aconteceu de toma-las apos a refeiçao e os efeitos demoraram a chegar..
    Ah…
    E de forma alguma n ingira com alcool. A n ser q você queira ficar babando ao longo do percurso
    #ficaadica

    • Salvatore Carrozzo

      Rivotril. As vezes eu apago antes da decolagem e so acordo depois do pouso. Delicia

  • Carolina

    Já passei por uma situação muito desagradável onde um passageiro embriagado, na primeira hora de um voo de 12 hs, empurrava meu assento pois estava de pé em cima do dele, agachado e apoiando no meu assento. Quando a aeromoça veio ele disse que não estava fazendo nada, e quando ela ia embora, ele empurrava minha cadeira e encostava na minha cabeça. Não havia lugar extra no voo e, com a confusão, a tripulacão da KLM acabou obrigando-o a viajar na cadeira da aeromoça, na cozinha, e disse que chamaria a polícia caso ele permanecesse incomodando.

  • Bianca Pedrini

    Comida de casa nem sempre é bem vindo, alguns aeroportos nem mesmo permitem agua comprada fora da área de embarque, principalmente em voo internacional. Se não me engano, precisa ser industrializado e fechado.

    • Mônica

      Verdade. Já tive a bagagem de mão revistada ao tentar ingressar na área de embarque porque foi detectado um suquinho de caixinha pelo monitor. Resultado: a funcionária não parou apenas no suco, revistou cada centímetro da mochila, expondo todos os meus pertences aos outros passageiros que passavam pelo detector de metais. E no final, ainda fiquei sem o suco. hahaha
      Lição aprendida. rs

  • Jacqueline

    Sempre há coisas acontecendo com quem viaja. Os contratempos não são poucos. A pior foi, sem dúvida, quando nosso voo retornou de Porto Alegre para Campinas por não ter podido aterrissar. No outro dia, embarcamos no mesmo avião e quando chegamos a nossos lugares, havia um casalzinho com a maior desfaçatez que disse que nós sentássemos em seus lugares porque eles estavam formando uma galera naquela área do avião. Perguntei se os lugares eram na janela e não eram. Disse que não, mas minha amiga concordou e foi indo para as poltronas. A comissária foi levando e eu com cara furiosa. Não aceitaria se estivesse sozinha ou com alguém que me apoiasse. Acho que deveriam por um mínimo de educação, ter nos perguntado se aceitaríamos trocar. Tremenda falta de educação e também descaso da comissária.

  • Gifone

    Parabéns pelo post!!!! Interessantíssimo

  • Marco Pacheco

    Já passei por muita coisa voando mundo afora. A mais tragicômica foi quando peguei um vôo de Veneza para Paris e tinha apenas 40 min para fazer a conexão para o vôo em direção ao Rio de Janeiro. Tudo combinado com a Air France, uma pessoa estava me esperando no desembarque com um carrinho e me acompanhou todo o trajeto e procedimentos. A funcionária passou pelo R-X e eu fui atrás e apitou tudo. Tirei tudo que não podia e, eu desesperado em não perder o vôo! Até com o lenço de papel eles implicaram! Quando consigo passar pelo R-X, depois de uns longos minutos, enquanto calçava os sapatos, me aparece o esquadrão anti-bombas! Falando em francês, os caras com fuzil apontado pra mim e passando um detector de metais (eu acho) e eu quase me borrando! Até eu entender que era para pegar a mochila e abrí-la custou um bocado! Depois de verificado que não era nada demais começaram a falr em inglês!! Putz, teria facilitado um bocado se fizessem isso logo de cara, de preferência sem apontar armas para mim! Justificaram que o HD que eu havia comprado, e estava ainda lacrado na mochila, parecia uma bomba caseira quando passou no R-X.

    Depois disso consegui embarcar, mas o vôo demorou mais 3h para partir. Na ocasião, por conta do 11 de setembro, todo o mundo era neurótico. Na aLemanha, alguém esqueceu uma bolsa, outro alguém gritou bomba e o aeroporto foi fechado. Era só uma bolsa! E, por conta da conexão segura que a Air France garantia, o vôo para o Brasil só saíria quando todos os demais vôos tivessem chegado!

    Eram 11 brasileiros em intercâmbio e não paravam de falar. Teve dado momento que chamei a comissária para interceder, pois estava atrapalhando muito a conversa alta deles.

  • Marco Pacheco

    Com relação ao incômodo causado pelas crianças nos vôos longos, o que posso dizer é que antes de ser pai, também me incomodava um pouco, mas sempre fui tolerante e usava protetores auriculares ou escutava uma boa música com fones intra-auricular para reduzir o barulho externo.

    Hoje sou pai e esperei minha filha completar 1 ano antes de viajar de avião. Segui inúmeras dicas de horário de vôo e as segui, achando que iriam funcionar comigo também. Escolhi vôos noturnos para que minha filha logo pegasse no sono. Levei mamadeiras para ajudar a aliviar a pressão na decolagem e na aterrisagem. Levei tablet com galinha pintadinha e com fones de ouvido, juro que fiz de tudo!

    Na ida saindo do Rio para Panamá, tudo correu como o esperado. Minha filha mamou e dormiu. Era só complicado na hora das refeições, pois minha esposa tinha que fazer certo contorcionismo com a neném no colo. Mas, com o vôo vazio, ocupar o 3o assento não foi problema.

    Ficamos no Panamá, já pensando em evitar conexões sem sair do aeroporto e no desgaste que isso causaria na neném, pois seria nosso primeiro vôo com ela (fizemos um de 15 min em MG num monomotor, mas nem considera). No Panamá fomos a shoppings e ficamos num bom hotel.

    Emendamos para um vôo com destino à Havana, Cuba. O vôo era vespertino. Uma comissária da Copa, muito da sem noção foi extremamente dedicada com minha filha. Ficou brincando com ela, pegou no colo, deu papel para minha filha picar (com 1 anos e 2 meses ela adorava isso). A comissária ainda me chamou de gordo e deu um tapão na mão de um rapaz que estava num beijo mais caliente com, supostamente, sua namorada. Enfim, o vôo foi vazio e super divertido para todos.

    Em Havana fomos à Cayo Largo e tudo foi bem tranquilo, tanto ida quanto a volta.

    O retorno de Havana para o Panamá City tbm foi tranquilo. Nosso arsenal deu conta de acalmar a nenéme sempre ficamos na esperança de que ela fosse dormir no vôo para o Brasil.

    Aí veio a merda! O vôo lotado, nenhum assento vizinho livre e minha filha super acordada e, com o sono e a pressão, chorava. Uma criança no banco de trás chorava 3 vezes mais alto e não deixava minha filha dormir e acabava fazendo-a chorar junto. Passei um tempo com ela no colo em pé no avião, pois é a forma mais confortável para ela. Mas não dá para ficar assim muito tempo!

    Ela acabou indo para o colo da mãe! Mas vejam só: eu tenho 1,93m, a mãe tem quase 1,80m, e a filha, hoje com 2 anos e 1 semana, tem 92 cm (não lembro quanto tinha na época da viagem, mas ela sempre foi muito alta para a idade). A conclusão, é que era muito difícil mantê-la no colo nas posições que ela encontrava para dormir sem incomodar ninguém. Para nossa sorte, a passageira da janela era uma cubana super-hiper compreensiva e colocou os pés da minha filha sobre o colo, o que permitiu um sono mais tranquilo e duradouro. Durante as refeições se oferecia para segurar a neném para minha esposa comer (não aceitamos isso e a neném vinha para meu colo).

    Ahh e já ía esquecendo: o garotinho que chorava sem parar acabou vencido pelo sono até uns 30 minutos antes da aterrisagem, quando chorava desesperadamente com dores no ouvido.

    Filhotinha já passou por 6 trechos de avião. Este mês tem Rio-Uberlandia, em Maio tem Rio-Colombia e Rio-Pernambuco e em julho tem Rio-Genebra. Completou 2 anos na 1a semana de janeiro e entende praticamente tudo o que falamos com ela, mas também desenvolveu mais a personalidade e as vontades. Torcer para que tudo dê certo dessa vez também!

  • Erika Veroneze

    Simplesmente excelente! Esse texto deveria ser publicado em todos os cantos possíveis, urgente! Todas são situações extremamente desagradáveis e fáceis de serem evitadas com o bom senso das pessoas… as partes de levantar logo após a aterrisagem e da confusão para retirar a bagagem pra mim são as piores! Uma bateção de carrinho no pé e um desespero quando a mala passa, parece que o mundo irá acabar ou que irão furtar e levarão a sua mala para outro planeta… mais paciência, você irá pegá-la!

  • Mariana

    Ótimo artigo! São dicas de educação doméstica básica mas que muita gente se esquece ( ou até mesmo não sabe ).
    Meu maior problema é com criança barulhenta de pais mal educados (sim, porque a criança fazer barulho é chato, mas esperado, mas o pai que não faz o possível pra reduzir o transtorno alheio é falta de educação).

    Então dica para os pais que serve para qualquer lugar público: levou tablet para a criança jogar ou ver desenho? Leva fone.
    E ensina a criança que tem que falar mais baixo. Neném chorar faz parte, doeu ouvidinho, incomodou..é difícil mas a gente entende..mas 5 horas de voo ouvindo Peppa? Ninguém merece!rsrs

  • Gabriele

    No meu último regresso de Orlando tinha uma família com 2 crianças. A bebê chorou simplesmente a noite inteira, e a mãe fez um escândalo homérico na hora do jantar pois haviam acabado os pratos com carne e “a filha dela não gosta de massa, então ela tinha que comer carne”. Foi um pesadelo. Fui com minha filha de 1 ano e 9 meses que dormiu a viagem toda, eu não preguei o olho por causa do choro da criança da frente. O pai nem olhava pro lado, a mãe tb fazia pouco caso… Complicado! Mas discordo com a ideia de proibir criança menor de 2 anos de fazer viagem internacional. Todo mundo tem direito de viajar. É preciso mais atenção de alguns pais e tolerância de outras pessoas.

  • Claudia Baum Boeira

    Voo AA – POA – MIA. No bar dentro da sala de embarque, observo passageiro que aguarda este voo, desceu de CWB – POA, para prosseguir para MIA, bebendo muuuuito whisky. Já estava visivelmente embriagado. Passageiro bebaço embarca no voo. Após horas de viagem (sobre Manaus) noto pelo acompanhamento do voo que a aeronave está “baixando” muito. Enquanto isto, na última fila de poltronas, a tripulação está alvoroçada. Passageiro no oxigênio. Advinha se não é o bebaço. Pergunto para uma das aeromoças qual era o problema. Ela diz que o passageiro está com suspeita de AVC, ataque cardíaco, etc… eu falo, com o intuito de ajudar, que o passageiro bebeu muito no aeroporto. A cara dela muda da preocupação para o alívio… pergunta se eu tenho certeza, eu confirmo…. outra passageira que tinha ouvido a conversa também confirma que viu o passageiro bebendo muito. A aeromoça dá a entender que irá proceder de outra forma (talvez de acordo com alguma cláusula do manual de procedimentos passageiro + álcool)… a tripulação troca idéia sobre o passageiro, piloto ou co-piloto vem verificar o estado da criatura com uma cara de poucos amigos, o avião começa a ganhar altitude… passageiro começa a “melhorar do ataque cardíaco”. A brincadeira do passageiro ia custar caro, pois eles realmente iriam descer em Manaus. A aeromoça não notou que o passageiro estava embriagado por ele já ter subido assim na aeronave, no voo, ela disse que ele não havia tomado uma gota de álcool.

  • Carlos Zani

    Não concordo apenas com: “entre sem pressa na aeronave pois sua vaga está garantida”.

    Antes pensava assim e sempre esperava a fila acabar para entrar. Até um dia, voltando de Miami, o funcionário informou para os últimos que estavam entrando (eu incluído), que todas malas de mão deveriam ser obrigatoriamente despachadas por não caberem mais. Pensem no medo de ter que despachar sua mala de mão com todos seus objetos de valor!!

    Hoje eu sempre entro o quanto antes, para garantir o espaço para minha bagagem de mão…

    • Mônica

      Credo! Não sabia nem que essa era uma possibilidade!

      • Paulo

        Eu voltei de miami com o mesmo problema! Tive que despachar uma bagagem de mão com alguns eletronicos, tentei argumentar que haviam coisas de valor e a americana que me atendeu se sentiu ofendida dizendo que a cia não furta nada. Mas meu medo era na chegada ao Brasil. Viajei tenso, e cheguei mais tenso ainda! No final deu tudo certo.

      • Helio

        Sim, é, principalmente em aviões menores.
        Ou em voos de Miami… 😉

  • Wagner Brito

    Fiz uma viagem nacional há uns 4 meses no trecho CGB-GYN-CNF-REC e conexão rumo a NAT para férias. De CGB até REC tive o desprazer de ter à minha frente uma dupla de “patricinhas” (sim, uso esse termo pois elas só conversavam sobre marcas, celulares, o carro que os seus namorados babacas possuem e blábláblá). Não obstante o assunto ser desagradável, elas proferiam as palavras e expressões em alto e bom tom, sendo possível ouvir as sandices nas 7 fileiras anteriores e posteriores à qual eu me encontrava encontra e ainda riam alto. RIAM ALTO. No início fiquei constrangido mas tive que pedir, discretamente, à comissária que chamasse a atenção das “crianças”. Ou seja, a viagem foi das 3h30 (CGB) às 17h (REC), contando com o tempo nas escalas. Sorte que entre CNF-REC elas se conteram.

  • Bebel

    Sobre levar objetos cortantes, em uma recente viagem que fiz á Colômbia, esqueci de tirar um estilete da bolsa e ele passou de boa no detector….na ida e na volta. Nada apitou e sequer foi detectado…

  • Bruno Bastos

    Geralmente eu durmo fácil no avião, então não me envolvi em nenhuma
    situação embaraçosa. Apenas mudei um hábito que eu tinha, que era de
    levar livros pra ler durante voos noturnos. Por duas vezes eu deixei de
    ler porque o passageiro do lado me pedia pra desligar a luz, a fim de
    não atrapalhar o sono. Então passei a baixar livros no celular, dá pra
    ler igual e não incomoda ninguém.

    E dentre as coisas que eu mais
    odeio é chegar no avião e encontrar lixo ou resto de embalagem de comida
    no bolsão da cadeira ou imprensado entre a bandeja e o encosto.

  • Jacqueline

    Em Londres, em 2011, chegamos no aeroporto ás 3 da madrugada sem ter dormido um segundo e ficamos esperando, após fazer o check-in, na sala de embarque na primeira fila. Uma cochilada e eu falei para minha amiga> “Será que já não está na hora?” Ela levantou e olhou em volta. Não havia mais ninguém. Correu para olhar o quadro e ver o portão de embarque. E desandamos a correr. Por sorte, o Heathrow tem esteiras e elas estavam rolando. Corremos sobre as esteiras e quando já estávamos alcançando o portão apareceu outra atrás de nós igualmente atrasada. Ela nos passou e nós erramos o corredor e saímos no nariz do avião. Tivemos que voltar e entrar no corredor seguinte. Resultado: pisamos no avião e a porta foi fechada.

  • Rafael

    Duas observações. A primeira, no que diz respeito ao check-in: você não é o único passageiro da aeronave, e provavelmente não deve gostar de filas. A não ser que seja o primeiro da fila do check-in, é recomendável que já esteja com TODOS os documentos separados (passaporte ou identidade e número da reserva ou do bilhete eletrônico impressos). É terrivelmente maçante para quem aguarda na fila quando cada um que se apresenta ao balcão perde um, dois, três minutos até que o processo finalmente se inicie.

    O documento de identificação sempre será cobrado. Logo, tê-lo em mãos é muito mais eficiente do que perder tempo procurando em algum esconderijo dentro da bolsa ou mala. Por outro lado, ter o número da reserva impresso ajuda e muito, principalmente quando as cias conseguem não encontrar a sua reserva apenas pelo nome (e não é raro).

    Quanto a retirada das bagagens: talvez pode até não ser visualmente bonito, mas acho muito útil que sua mala tenha algum adereço que a torne facilmente identificável, mesmo a distância. Isto se ela já não for, por natureza da cor ou modelo, um chamariz. Isto porque uma das coisas que torna extremamente comum aquele conglomerado de pessoas ao redor das esteiras é justamente o fato de que muitos tem a real necessidade de verificar quase de lupa se a mala que passa a sua frente é sua.

    Entretanto, esta razão não é motivo para que não só as pessoas, mas também seus carrinhos tenham que ficar ali. Não é preciso ficar colado à esteira´para ver que uma mala que pode ser a sua está chegando. Vá até ela e verifique. Se for, ótimo, retire-a e leve ao carrinho. Se não for, tenha o cuidado de não jogá-la tal qual fazem os funcionários dos aeroportos, e retorne até que sua bagagem finalmente chegue,

  • HumbertoCruz

    Boa dicas, vocês deveriam disponibilizar essas informações em .pdf para aqueles que viajam pouco e mesmo para aqueles que viajam muito mas não observam certas regras.

  • Daniel

    Esqueceu do seguinte:

    “Se não houver controle remoto, toque a tela. Touch screen não é máquina de datilografar: toque levemente na tela, evite digitar ou teclar na tela pois isso certamente incomoda o passageiro da frente”

    “Evite usar o assento dianteiro para se equilibrar ao levantar do seu assento ou sentar em seu assento. Isto incomoda (e muito) quem está na poltrona da frente. Use os apoios de braço para se levantar ou sentar.”

    “Se for viajar em grupo, evite conversar em pé no corredor durante o vôo. Isto é um incômodo para quem não está no seu grupo, e ficar em pé caminhando pelos corredores da aeronave deve ser evitado para sua própria segurança”

    “Se estiver em estado GASOSO, solte suas bufas no banheiro !”

  • Karla

    Uma vez, a passageira do banco da frente começou a procurar desesperadamente por algo, isso mesmo antes do avião decolar, como vi que ela estava aflita, me ofereci para ajudá-la. Ela me falou que havia perdido o passaporte. Perguntei se não estava com a amiga ao lado e ela disse que não, pq estaria? Em questão de tempo, todo mundo, que já estava sentado, começou a ajudar a procurar… Todo mundo em pé, olhando embaixo das poltronas, compartimentos de bagagem, tripulação anunciando o ocorrido e etc… Autorizaram a passageira a sair do avião e fazer o caminho do “finger” para ver se estava pelo caminho… Isso começou a atrasar muito a partida do voo, aí uma outra passageira começou a reclamar do atraso e da confusão formada no voo e acabou sendo expulsa do avião, chamaram até um policial para retirá-la do avião. Conclusão, também tiveram que retirar a bagagem da passageira expulsa e o voo atrasou mais ainda pra sair, porque demoraram a achar a bagagem no porão… Por fim, a passageira que tinha perdido o passaporte, e que iniciou toda a confusão, já conformada com a perda, fala para amiga ao lado: ” Como assim estava na sua bolsa???” Ela ia ficar quieta, mas como eu ouvi o comentário, me meti na conversa e falei: ” Ahhh, achou o passaporte? E estava aonde? Com a sua amiga o tempo todo”… Isso pq foi a primeira coisa que eu falei para ela fazer, olhar no lugar menos provável… No total, o voo atrasou 02 horas para decolar.

  • Fernando Tenorio

    Monique,

    Excelente e útil artigo. Copiei e mandei para o e-mail de vários amigos.
    Vou postar o link lá no Fórum “Minhas dicas de Las Vegas”.
    Um abraço,

    Fernando

    • Monique Renne

      Obrigada, Fernando! A galera do Fórum de Las Vegas é animadíssima 🙂

    • Monique Renne

      Obrigada, Fernando! Essa galera do Fórum de Vegas é muito animada 🙂

  • Luis Paulo

    Marmanjo de bermuda e chinelo pode? Não deve ser fácil para as mulheres terem suas pernas roçadas pelas pernas peludas de um grandão (que já pediu a sua latinha de cerveja, como se estivesse na praia!). Pernas à mostra, somente para elas. Grato!

  • Paula

    Minhas piores experiências: ronco muito alto do passageiro ao lado; mal hálito; crianças inquietas chutando minha poltrona e cantando alto. Portanto, para mim, as regras top 5 a serem seguidas são: faça silêncio; mantenha a higiene pessoal e distraia as crianças. Meu pior mico: derrubei suco – copo quase cheio – na calça do meu namorado que viaja ao meu lado. Terrível. Pior conduta de uma companhia aérea já vivenciada por mim + mancada minha por não ter em mãos um remédio para náuseas: durante uma viagem pela companhia Azul comecei a passar muito mal (nunca tinha passado mal em viagens antes). Tentei procurar aquele saquinho que, geralmente, fica no bolsão a frente da poltrona e nada. Comecei a acionar os comissários (várias vezes) pelo botão no teto e nada. Eu não tinha a mínima condição de me dirigir ao sanitário. De repente, me lembrei de que – não sei por que raios – tinha uma sacola plástica vazia em minha bolsa. Foi o que me salvou, porque em seguida cheguei ao vômito. Lição: 1 – mesmo sem o costume de passar mal em viagens, tenha uma remédio para náuseas; 2 – uma sacola plástica na bolsa pode te livrar de muito constrangimento.

  • JOHN

    Falando de bêbados, em um voo Nova Iorque-Londres um senhor americano (com cara de empreiteiro/empresario) andava pelo corredor bebendo e incomodando as comissárias. Quando estas passaram com o carrinho ele de repente baixou as calças e fez coco encima do carrinho. Gritaria geral!!!! Chegando a Heathrow, os policiais entraram no avião e o bêbado ficou preso. Os passageiros ingleses a bordo apenas reclamaram que o jantar nunca foi servido!!!!!

    • Jean

      HAHAHAHAHAHA
      Isso não pode ser verdade…
      Que situação hein…

  • Curica

    Imaginem um voo de Porto Alegre à Brasília (09/12/14) com uma cadela latindo desesperadamente a viagem inteira, bem na poltrona da frente da minha. Ela não queria ficar na casinha, tava agitada e a dona até largou de mão por não conseguir dar um jeito. Foi simplesmente a pior viagem da minha vida, voo lotado e aquele latido irritante, agonizante. Pobre cadela, pobres passageiros. Já fico agoniada só de lembrar..

  • Ingrid

    Ida de GIG a EZE pela Emirates , outubro de 2014, entro no avião, o assento era janela. Logo ao sentar sinto um cheiro horrível de queijo podre. Tive vontade de vomitar na hora! Juro!! Procurando o “motivo” daquilo tudo, eu olho na fresta da janela, pior cena de viagem da vida…Uma meia amarela, furada no dedão de uma argentina que parecia não tomar banho a vários dias.. Era como aquela meia do personagem da turma da Mônica, o Cascão, quase consegui ver as moscas voando! em volta!!!rsrs
    Ainda bem que a fileira da frente no corredor estava vazia!! Nunca agradeci tanto por um voo não estar cheio!rsrsr

  • Augusto

    Já em relação aos gases, bem… kkkkkkkkkkk

  • Thales LA

    Já viajei em um que tinha um casal com uma criança que chorou as 2,5 horas de duração do voo. Detalhe: de madrugada.

    Outra vez eu viajei ao lado de um cara gordo que roncava mais alto que um trator subindo uma ladeira. Eu até tinha protetores auriculares (sempre tenho), mas nem isso adiantou. O cara era uma máquina de roncar. Eu o matei mentalmente de 50 formas diferentes.

  • Pedro

    Certa vez, meu tênis estava sujo de coco de cachorro. Só descobri que o fedor estava vindo do meu pé depois que o rapaz da poltrona do lado mudou de lugar.

    • Thirza Reis

      Nossa!!!!! Imagino como vc tentou limpar isso no banheiro super apertado do avião… coitado!

  • Monique Renne

    Junior, eu mesma já embarquei duas vezes só com a ocorrência policial. E foi sugestão da própria atendente da companhia aérea quando eu percebi que tinha esquecido a identidade. Corri pra delegacia do aeroporto e deu tudo certo!

  • Domingos Vargas

    Num vôo de BH para Guarulhos no ano passado uma passageira que estava na fileira ao meu lado teve um momento manicure: Sacou o removedor, esmalte e ficou ali quase 01 hora se embelezando…

  • Cecilia

    E a artimanha usada por dupas de passageiros para que a poltrona do meio fique desocupada? Reservam a janela e o corredor para que ninguém se disponha a reservar a do meio. Certa vez,, por falta de opção, tive que reservar uma poltrona central. Sentei entre um casal que estava acompanhado de toda a fileira da frente, ou seja, quase era uma excursão de família. Bem na minha frente estava sentada uma criança, com quem o casal interagia o tempo inteiro. E o casal ficou extremamente irritado com a intrusa, sentada bem no meio da família. Mas como não tomavam nenhuma iniciativa, me ofereci para trocar de lugar com a esposa que estava no corredor, que aceitou a sugestão, mas fazendo questão de demonstrar a sua insatifação com a minha presença, e agindo como se aquilo fosse a minha obrigação. Para não me aborrecer ainda mais, preferi não discutir…

    • Lorena

      Ah, eu faço isso quando nao pego os assentos especiais. Mas nao é pra ser espertinha, eu nao abro mao de sentar na janela e meu marido não cabe no meio, porque é muito alto.

  • AndreaP

    Essa é a coisa que mais ferve no meu cérebro! Qual a lógica de ficar grudado na esteira, impedindo a visualização e a coleta das malas. Pelamor!!! Eu sempre fico repetindo isso comigo quando estou nessa situação “o que custa cada um dar um passo pra trás e deixar a área livre? é tão mais inteligente e rápido!”

  • Salvatore Carrozzo

    Tb na entendo esse desespero para levantar logo. Ai ficam uns 5 minutos em pé, mofando. Adoro ir no corredor, mas eh un saco, pois no final tenho de levantar para dar passagem aos apressadinhos

  • Salvatore Carrozzo

    No banheiro há trocador

    • Caroline Ramos

      Vc já viu o tamanho do trocador? Banheiro de avião quase não cabe a gente sozinho, imagine a gente e mais um bebê. Nunca troquei meu filho na poltrona, mas que o banheiro é super apertado, isso é. Ainda mais q temos q levar as coisas do bebê, fica super complicado.

      • E o trocador é menor que, tipo, o próprio assento?

        E no trocador também tem outros passageiros a 10 cm de você?

        • Salvatore Carrozzo

          pois eh, bem observado, peterson.

        • *APLAUSOS DO CORINGA (DO BATMAN) PRA VC PETERSON*

          TRAGAM UM OSCAR PARA ESTE HOMEM!

      • Salvatore Carrozzo

        caroline, tenho 1,87m de altura e peso 108 quilos. Sei bem o tamanho de um banheiro de classe economica, acredite.

      • AndreaP

        “nobody said it was easy no one ever said it would be so hard”
        🙂

  • Moi Moura

    Um alerta, que já aconteceu comigo: se usarem a habilitação como documento de identidade no check-in, a carteira deve estar válida. Se tiver vencida, não deixam embarcar. Já perdi um vôo por causa disso, pois não estava com outro documento além da CNH.

  • Pedro

    Na primeira vez que andei de avião foi com a WebJet, para o RS. Eu estava dormindo,e quando avisaram sobre o pouso, tirei o cinto e fechei os olhos, mas bem na hora que estávamos pousando eu percebi que estava sem cinto, e quando o avião tocou o chão e abriu o reverso, eu dei de cara com a bandeja da frente, com força. Dica: NÃO esqueçam de colocar cinto para o pouso….

  • Salvatore Carrozzo

    Eu aviso ao passageiro de trás quando vou reclinar a poltrona.

  • Patricia

    Me lembrou um vídeo que o Jimmy Kimmel fez com base em uma pesquisa do Expedia, “The seven most annoying people on the plane”: http://youtu.be/ObgpFydLOcw

  • Salvatore Carrozzo

    Oxe, mas a luz individual ilumina apenas a cadeira de quem a acende

    • Bruno Bastos

      Eu também acho isso, mas cada cabeça uma sentença, já vi gente reclamando por bem menos.

  • Salvatore Carrozzo

    Comentário sem pé nem cabeça

  • Regis

    Certa vez num vôo do RJ para SP no momento que o avião estava na cabeceira da pista para decolar e puxou a potência máxima, subiu um cheiro de merda… isso mesmo, é feio falar, mas o cara do meu lado havia soltado uma “bufa”… e nem se desculpou…. quando o avião estava subindo, novamente….. e eu “p” da vida…
    A viagem correu td bem…. quando estava chegando na hora de pousar o piloto disse “tripulação preparar para pousar”, adivinha o que aconteceu?
    Subiu novamente aquele cheiro….
    Foi muito desagradável.

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    C é corredor e B é banheiro.

  • MOACYR LOPES DOS SANTOS

    Já troquei meu lugar, inclusive em janelas, para deixar casais juntos.

    Gentileza não custa nada e faz bem a alma.

    O Brasileiro está se imbecilizando cada vez mais.

  • Alana

    Ótimas dicas!! Passei por uma situação conatrangedora num vôo nacional Rio-Salvador. Uma passageira utilizou um banner que continha uma apresentacao profissional minha para alcança e puxar sua bagagem se mão do bagageiro. Fiquei revoltada! Ela nem pediu desculpas pela extrema falta de educação!

  • Meu, que tortura! Fiquei com pena de você e dos outros pobres mortais nesse voo. Mas cara, enquanto esse tipinho de gente não for confrontada à altura (é infelizmente certas vezes, a gente tem de descer ao nível de pessoas assim para que elas se toquem que estão totalmente erradas), eles continuam deitando e rolando em cima de pessoas educadas. Eu sou muito educado, mas não admito esse tipo de coisa num ambiente como um avião. Reclamo em voz alta, falo mesmo, e não tenho vergonha, pois estarei reclamando para o bem de todo mundo, já eles. Eles contribuem única e exclusivamente para acabar com a paciência da coletividade.

  • Ivana Celia

    No dia 11/01/2015 viajei de Recife para São Paulo, e confesso que passei por uma situação que para mim foi constrangedora.
    Sempre viajo na janela porque não levanto durante o voo. Ao meu lado veio dois rapazes “namorados” no meu pensamento eu vim pedindo a Deus que eles não demonstrassem o amor que um sentia pelo outro,o que fiz era um voo noturno tomei dois comprimidos pra dormir assim que a aeronave levantou voo.
    Não sei o que faria se eles resolvessem demonstrar em publico os seus sentimentos. Seria o correto pedir a troca de poltrona (mas quem iria topar),o que eu ia falar pra ele por ser uma situação constrangedora pra mim.

  • Claudia Baum Boeira

    nunca ri tanto… mil desculpas, deve ter sido horrível, mas seu post tá de morrer de rir.

  • Anderson

    Em Washington e Chicago, a cortesia é ficar na direita se for ficar parado nas esteiras e escadas rolantes largas e deixar os que querem subir ou andar passar pela esquerda.

    • Ediane Caroline Drehmer Fritze

      Essa regra vale no mundo inteiro! ah, no Japão é ao contrário.

  • edilson

    Como vc soube que era o senhor – int.

    • KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • LMBPS

    Bela matéria! Mas se as pessoas seguissem SEMPRE a regra de ouro: “faça aos outros o que você deseja que façam a você”, matérias assim não seriam necessárias…

  • Vinicius Carneiro

    Comece entendendo que dois rapazes ou um rapaz e uma moça têm os mesmos direitos. Independente do tipo de casal, é deselegante namorar durante o voo e também é deselegante ficar olhando o namoro de quem está sendo deselegante. Se o incomodo tornar-se muito grande, diga algo como “rapazes, estou muito cansada e vocês estão me atrapalhando um pouco para dormir. Poderiam, por favor, fazer silêncio e deixar para namorar chegando lá?”

  • Andre Lopes

    E o uso do celular durante a decolagem para tirar fotos, da vontade de dizer por favor se não quiser respeitar as regras de segurança compre um jato e caia só, rsrs

  • Edgard M Elias

    livro no celular não, cara … vai de e-reader (com tela retroiluminada) que é muito mais esquema! tenho um Kobo e minha namorada tem um Kindle… é excelente pra essas situações!

  • swordfish2

    E pessoas que tem filhos respeitam nada ou quase nada quem não tem.

  • Cidadão

    Justifica na cabeça deles já que existem limites para a bagagem de mão. E tem gente que gosta de ficar em fila mesmo

  • Debora

    Era o passageiro que “deveria” trocar de lugar

  • Raquel Frosi

    Peça licença ao passeiro de trás ao reclinar sua poltrona. Já cometi a gafe de virar a bebida de um vizinho por não tido esta delicadeza.

    • Silvana

      Muito legal todas as dicas. Viajo pouco e a maioria das viagens que faço é pra fazer provas, mas mesmo assim já aprendi várias “coisas”. Você se conhece, você sabe o que mais te irrita o que mais te incomoda então tente se prevenir, é claro que nem sempre depende só de você. Eu levo remédio pra enxaqueca, enjoo, dependendo do horário levo antialérgico que me faz dormi, tampões para ouvido, algo pra comer(tiro da embalagem e levo em um saco pra não fazer barulho na hora de abrir) e mesmo não tendo filhos sempre levo um livro infantil de historia ou livro para colorir caso alguma criança que já tenha mais idade esteja chorando e os pais não tenham levado nada para distrai-la.. É minha obrigação??claro que não, sempre resolve??algumas vezes sim, na hora que as crianças choram muito você pode notar(salvo pais omissos que nem ligam) a maioria está tão incomodada quanto você com o choro dos filhos e nada ajuda os olhares de recriminação que recebem dos outros passageiros. Já deixei crianças colocar os pés no meu colo pra dormir melhor, troquei de lugar com casais, porque fiz isso??? indo fazer uma prova no outro dia de manhã , prefiro ser solidária pra ter tranquilidade e sempre tento me colocar no lugar do outro.Agora não tenho sangue de barata, reclamo dos peidões, dos que se acham cantores(colocam fone e cantam alto)dos folgados, dos sem educação, comem e jogam o lixo no chão, como assim??

  • Ana Balderramas

    HAHAHAHAHAHAHAAHHAH!! Será?

  • Cidadão

    Todas as gafes citadas nesse texto são direito delas, ou problema psicológico delas. Esse texto do MD é justamente para que esse direito delas não atrapalhe o direito dos outros. Se a pessoa quiser ficar na fila antes do tempo, tudo bem, mas se a chamada para embarque for por grupos, a pessoa tem que sair da fila se o grupo dela não foi chamado. O que nem sempre acontece.

  • Mauricio

    Bem, acho que é questão de ter boa vontade Carlos. Tenho 1,87m e não fico puxando o encosto quando preciso me levantar se eventualmente estou na janela. Não puxo mesmo! Peço licença com muita educação a todos da fileira e nem quero saber se a pessoa vai fazer cara feia ou não.

  • Pura verdade! =)

  • 98% dos brasileiros são pobres e voam de Econômica, é lógico que se a demanda para as Classes tops fosse alta, existiria um guia também para isto 🙂

    • CGalo

      Alex, já viajo há mais de 60 anos, as poltronas de hoje são um atentado à saúde para baixos, médios ou altos seres humanos. Nos antigos Constelattion e DC 8 viajava-se com um mínimo de dignidade, essa questão é de saúde, tem que ser revista, mesmo que se aumente um pouco as tarifas da econômica, não chego a ser pobre e acho um absurdo a diferença de preços econômica a executiva(este ano faço 2 viagens nessa classe). A econômica poderia pelo menos ter o espaço de um ônibus executivo Rio/São Paulo. Boa noite, Carlos

  • E o trocador é menor que, tipo, o próprio assento?

    E no trocador também tem outros passageiros a 10 cm de você?

    by Peterson Silva

  • E o trocador é menor que, tipo, o próprio assento?

    E no trocador também tem outros passageiros a 10 cm de você?

    by Peterson Silva

  • “Na verdade, minha esposa estava apenas checando se seria necessário trocar a fralda…”

    Eu SEI qual que é esse tipo de checagem… Abrindo a fralda e espalhando odores pela cabine. pff.. rs.

  • Isso é mal de brasileiro… Brasileiro não pode ver uma fila que não sabe nem pra o que é mas tá lá entrando e ficando em pé… Pode ser fila para o pelotão de fuzilamento dobrando um quarteirão, mas se um brasileiro ver, ele entra e vai até o fim…

    • AndreaP

      Eu acho que na cabeça das pessoas deve ser : “se tem fila, tem coisa boa lá na frente!!” ahahaha

  • AndreaP

    Levou uma mijada in english! 🙂

  • Guest

    Eu acho que na cabeça das pessoas deve ser : “se tem fila, tem coisa boa lá na frente!” ahahaha

  • Vinicios Ribeiro

    Creio que eles é que deveriam ser retirados da poltrona, levados para outros assentos, pois é impensável viajar ao lado de uma pessoa com mente tão limitada e preconceituosa. Substitua negro por gay, no video abaixo: https://www.youtube.com/watch?v=6yVMik5Mfwk

  • Concordo com você.

  • viviane

    num mundo de pessoas educadas, essas dicas seriam totalmente desnecessárias… prova-se que a educação que o brasil está recebendo em casa nao supre o mínimo para a convivênia social.

  • Edilene

    Não querendo ser a sabichona,rsrsr…e já sendo, confesso que se todas estas especificações fossem um teste eu teria passado. Pois desde minha primeira viagem fiz pelo que pude notar tudo a risca. Só não posso deixar de dizer, algo que fiquei deveras envergonhada, em uma viagem que fiz a Fortaleza, como os voos para esta região são de madrugada, eu não fumo, mais gosto muito de café, e quando os comissários passaram a servir o lanche, eu pedi uma segunda dose de café; a comissária nitidamente fez como se não me ouvisse; eu viajo sempre na companhia de minha irmã, e ate minha irmã que estava sentada no corredor, tbem repetiu a comissária meu pedido, ela novamente fez que não ouviu…kkk…e quando passou pegando o lixo do lanche o meu ela não pegou. E mais uma vez minha irmã e uma moça que estava na mesma fileira que a nossa, disse: esta comissária cismou com vc nitidamente.

  • Helio Rodak

    PORQUE AS COMPANHIAS NÃO LANÇAM ESTA ETIQUETA EM SEUS LIVROS DE BORDO OU REVISTAS. O espaço da sua poltrona é seu, mas o do vizinho é dele. OUTRO , NA SAÍDA QUE ESTA NA FRENTE SAI PRIMEIRO, É LOGICO. MAS TEM MUITOS MAL EDUCADOS, QUE SE PARECEM CULTOS, MAS EDUCAÇÃO UM ZERO A ESQUERDA.