Entendas as diferenças entre os aviões E-jets da Embraer e os turbo-helice ATR

Leonardo Marques 20 · julho · 2010

Até pouco tempo, praticamente só se voava no Brasil em aviões Boeing, Airbus e Fokker, mas nos últimos tempos dois aviões estão se tornando comuns nos aeroportos brasileiros, os jatos da brasileira Embraer e os turbo-helice da ATR (Avions de Transport Regional), uma empresa que surgiu da união de uma empresa francesa com outra italiana.

Tanto os ATR quanto os EMB ou E-jets são líderes mundiais nos seus segmentos. Os ATR são fortemente utilizados no Brasil pela Trip, que tem 28 ATR (entre os modelos 42 e 72) e mais algumas encomendas, enquanto os jatos da Embraer, apesar de serem fabricados no Brasil e um sucesso no mundo todo, nunca haviam sido utilizado no Brasil até 2008, quando Azul e Trip começaram a operar com eles nos modelos 175, 190 e 195. A Azul tem hoje 18 EMB (190/195), mas sua encomenda total é de um 81, portanto ela ainda vai receber muitos deles nos próximos meses. Já a Trip tem 6 EMB 175.

O que motivou esse post foi o anúncio que a Azul também irá utilizar aeronaves ATR 72 e que a TRIP irá utilizar modelos EMB-190.

Cada um deles tem uma aplicação distinta e são bem adequados para a realidade brasileira. Os ATR são mais indicados para pistas menores ou cidades com baixa demanda, além disso, como os ATR têm pouco mais da metade da velocidade de um jato (seja ele EMB, Boeing, ou Airbus), são melhores para voos de curta duração.

Em outras palavras, para atender as pequenas cidades brasileiras, os atuais aviões utilizados pela Azul não seriam a melhor opção, pois não poderiam pousar em certas pistas. Por outro lado, fazer voos longos nos ATR é muito demorado, menos confortável que nos EMB e os aviões tem baixa capacidade, em média 68 passageiros por aeronave.

O que fazer? Mesclar os dois tipos de aviões. Azul e Trip tiveram “a mesma idéia”, que parece fazer todo sentido.

Com esses dois tipos de aviões, a Azul poderá atender cidades menores, que hoje ela não atende com os jatos que possui. Já a Trip poderá atender melhor seus clientes em cidades mais distantes com os jatos de maior capacidade da EMB.

Os aviões da ATR podem transportar entre 48 e 68 passageiros, já o chamados E-jets levam entre 86 e 118 passageiros.

Autor

Leonardo Marques - Diretor do Melhores Destinos
  • Ferbrasilia

    Show de bola Leo.. Vc ja voou nos ATRs. Eu nunca voei e até bem pouco tempo imaginava que não seria uma boa, mas to começando a repensar. Pelo que li os ATRs são aviões muito seguros, embora menos confortáveis que os jatos.

    • Carlini do Linux

      São ótimos aviões. Fiz BH-Vitoria em um ATR da Trip, o tempo de vôo foi praticamente o mesmo de um 737 da Gol, já o de translado muito menor pois aqui em BH a trip opera no aeroporto da pampulha já as outras em Confins (fica uns 40 km de BH).

      Sem contar que, no caso da trip, o serviço de bordo é excelente.

    • Felipe

      Eles são com poltronas de couro super confortáveis, não tem essa "tremedeira" que muitos falam.

    • Afonso Henrique Caminote

      Também gostei mto

  • Diogo

    Agora eu entendo porque sofri tanto…rs

    Viajei Goiania-Rio pela TRIP num desses ATR…uma tortura…rs. Bom saber que nos trehcos mais longos a TRIP vai colocar alguns EMBs. Parabéns, Leo, bons esclarecimentos!

    • Felipe

      Como disse em outras postagens, você deve ter viajado em um modelo antigo de ATR, talvez o ATR 72 200 que a Azul aposentou

  • Henrique

    Ótimos posts! Parabéns pelo site, cada vez melhor! Da até gosto de clicar nos links patrocinados. 🙂

  • Alexandre

    Excelente post Leo!Parabéns!

  • Eu sou fã dos E-Jets e apesar de ter 1 passagem grátis da Azul, ainda não tive a oportunidade.

    Obrigado pelo Post.

  • Renan

    Boa!! Realmente fui pesquisar sobre estes aviões após ler a noticia de compra da Azul! Agora complementou minha pesquisa! 🙂

  • Daniel

    Eu gosto dessas curiosidades! Valeu pelo post!

  • Ótima explicação, Léo… show de bola, hehe.

  • Minha primeira experiência de vôo em um ATR foi no final do ano passado, voando pela AIRLINK.

    Não sou uma pessoa "dentro dos padrões". Meço 2,02 e peso apenas 140KG.

    Estou acostumado a precisar de vaselina para caber nos A319 da TAM ou um spray de WD-40 para me ajustar nos 737 da Gol. Também preciso de pé-de-cabra para sair da poltrona quando o avião pousa.

    Os ATR são aviões para poucos passageiros mas, com a distância que a Airlink configurou, eu me senti bem confortável nos 2 trechos que voei (cerca de 2~3h cada trecho).

    Fica a dica para a Azul: Não apertem mais BITs que os africanos!

    Site da Airlink: http://www.saairlink.co.za/

  • Victor

    Eu que nao queria ser comissários de ATR….deve ser cruel…rsrs

    • Felipe

      Por que cruel? Pode ter certeza que não é nem um pouco, o avião é praticamente um EMBRAER turbo-hélice

  • Pingback: Tweets that mention Entendas as diferenças entre os aviões E-jets da Embraer e os turbo-helice ATR -- Topsy.com()

  • Igor

    Tenho medo destes ATR's!

    Mas falando em cidades menos bem que a Trip e a Azul podiam enxergar os aeroportos do Sul Uruguaiana, Caxias do Sul, Santa Maria, Pelotas, Passo Fundo e Erechim hoje operados pela regional NHT que tem valores exorbitantes nestes trechos pequenos.

    • Diego Paiva

      Igor, com 40 aeronaves a Azul consegue colocar 8 em cada região do Brasil(se ela quiser), só fazendo voos regionais e atendendo mais que bem todas as cidades importantes do interior de cada Estado. Eles não estão pra brincadeira com essa estratégia de crescimento…

      Quando ela tiver com toda essa frota de E-jets + ATR que ela pretende, não terá pra ninguém (se ela manter o que está fazendo atualmente no mercado da aviação)!

    • Felipe

      Não precisa ter medo dos ATR's, são super seguros

  • Giovani

    Realmente você teve a "mãnha" nesse post Léo! Muita gente tem medo mesmo de viajar nos ATR por ser turbohélice e fazerem um pouco mais de barulho e "balançar" um pouco mais. Ano passado viajei num 72 de BH para o Rio e foi ótima a viagem. Voltei num 42 e foi super tranquilo também. E conheci o EMB 175 da Trip esse ano daqui de BH para Goiânia. Com certeza são melhores que os ATRs, mas os ATRs podem e vão ser muito úteis ainda para as cidades onde existem pouca demanda ou possuem aeroportos de menor porte.

  • RABUGENTO

    Quem sabe com esses ATR a AZUL venha a fazer a ligação Macaé/Campinas, já que a TRIP anunciou e desistiu…

  • Lycurgo Tostes

    Para quem tem receio de viajar em turbo-hélices, lembrem-se da longa e gloriosa (e sem acidentes) história dos electras da ponte aérea Rio-São Paulo que deixaram saudades. É verdade que os ATR são desconfortáveis, mas no caso da TRIP, o serviço de bordo e cordialidade das comissárias ajuda a equilibrar as diferenças para os jatos.

    • Felipe

      O ATR 72 600 da Azul não é nem um pouco desconfortável, pelo contrário é nível de avião EMBRAER

  • Elias

    Gostei muito de viajar no EMB-175 da Trip de Curitiba até Ji-Paraná (Rondônia). As poltronas duplas são mais confortáveis do que as tradicionais. O serviço de bordo foi bom também.

  • Jônathas Cotri

    Fiz viajem de Goiânia a Porto Seguro pela TRIP, com escalas no Rio de Janeiro e Vitória – Es, gostei de viajar nos ATRs – 42 e 72 e no EMB 175, ótimo serviço de Bordo e muita atenção da tripulação (educados) e não houve atraso e nem demora nas conexões. Parabéns TRIP…

  • Tiago

    Não vejo porque ter medo dos ATR. Apesar de mais barulhentos e de balançarem mais, estes são tão ou mais seguros que os jatos.

    Fazendo a manutenção correta das aeronaves, não tem perigo adicional por ser helice e não turbina.

  • Joe Silva

    E isto msm, alias achei teu post bastante inteligente cara!!

    • Leonardo Melhores De

      Que bom que gostaram, queria saber se o pessoal ia gostar para fazer outros parecidos depois.

      • Sandro

        Realmente excelente post!!!

        Tive a oportunidade de sobrevoar a Amazônia com um ATR… Estava chovendo muito!!! Comparo com uma volta de montanha russa… Porém sem saber onde ia terminar… rsrsrsrs..

        Abraço!!!

        PARABÉNS pelo site!!!

        • Felipe

          Provavelmente você foi em um modelo antigo de ATR

      • Post simples mas bem explicado, e a foto só fez melhorar o entendimento de todos.

        Parabéns mais uma vez Leonardo!

        • Felipe

          O modelo ATR 72 da foto não é igual ao novo modelo ATR 72 600

  • Fico na torcida de que o Embraer seja usado na rota da Trip de Porto Alegre para Foz do Iguaçu. São dois aeroportos grandes e o trajeto é longo. Fazer esse voo no ATR não é a melhor coisa do mundo.

    • Felipe

      Mas o vôo com um ATR é muito bom

  • Vanderson

    Ótimo post, é sempre bom conhecer um pouco mais sobre as aeronaves que "nos carregam".

  • jorge panayotis

    Amigos:faz uns 25 anos atras que eu ja voava os fokker 50 da Tam a partir de Sao paulo Congonhas(Guarulhos em construçáo)para cidades a mais de 500 km de distançia e aqueles nao eram nem a sonbra doas atuais ATR,vamos voltar a voar sem medo,viva a azul

  • Igor

    Espero Diego.Não aguento ir de Porto Alegre a Santa Maria 6 horas de ônibus mas pela NHT é inviavel se pagar 800 reais ida e volta.

  • Igor

    Viajei de Porto Alegre x Belo Horizonte direto pela Trip no 175 ótimo.Já fiz isso pela Azul na ida direto, na volta escala em Campinas, mesmo assim muito bom no 195.

  • sem querer ser chato mas a palavra é: traslado, sem o (N)que se não fica como serviço funeral(traNslado), transporte de falecido, enquanto estamos vivos é traslado mesmo, vlw

    • Leonardo Melhores De

      Cleiton, já pesquisei isso e vi que as duas formas podem ser utilizadas.

  • Denis Rocha

    Cara, minha primeira e única experiência com ATR foi Cuiabá-AltaFloresta pela Trip. Muito bom apesar do calor… vôo tranquilo, cordialidade a bordo… nada a reclamar… em outubro vou de novo pescar lá em cimão…e parabéns pelo post Leo

  • Val Medrosa

    Este tipo de avião (turbo hélice) pra quem tem medo de voar é recomendável? Apesar de ter muito medo, eu costumo ir de Gol ou Azul…

    Texto muito bom, bem exclarecedor! Obrigada.

  • Leonardo (Melhores D

    Val, você terá um pouco mais de medo nele 😉

  • Val Medrosa

    Aiiiiii… vc não imagina o quanto me ajudou!!!!!! rs rs rs Se sobreviver, conto como foi a viagem …

    • Leonardo (Melhores D

      Hehe, mas é verdade. Esses aviões são muito seguros, mas por serem um pouco menor e de Hélice costuma dar um pouco mais de mede. Mas é assim mesmo, todo mundo tem um pouco de medo de voar de avião. O medo só passa quando você pousa e vê que deu tudo certo.

  • Val Medrosa

    Enrolei tanto pra comprar que não encontrei mais as datas e preços que queria pela Trip… vou de Gol mesmo (turbinaaaaa), juro que me senti bem mais leve por não ter conseguido!!!!!

  • Sou Despachante Operacional de Vôo… e quero acrescentar o seguinte.

    No brasil.. as Duas maiores empresas, aos quais utilizam B737 e A319,20,21 para vôos Domésticos, acabam gastando muito mais em matéria de Combustível por Passageiro que as Empresas que se adequaram ao mercado nacional, que é o caso da TRIP e AZUL, que vem crescendo de vento em poupa!

    Ótimo Post Léo… Parabéns

  • Diego Gonçalv

    Eu sempre voei de GOL e de TAM e desta vez vou viajar de TRIP e confesso que estou com frio na barriga por ñ conhecer o avião.

    O que me dizem?

    Abç

    • Leonardo Marques

      Balança mais e faz mais barulho mas é seguro.

  • cleber

    cara nunca viajei de avião e fiz um pacote de goiania a porto seguro e vou de trip,,,agora com esse comentarios deu medo viu…o que fazer sera que compensa eu mudar o pacote para a tam

    • Felipe

      Como já falei outras vezes nesta página, o novo modelo ATR 72 600 é muito parecido com um avião de turbina, confortável, faz uma quantidade de barulho que qualquer avião faz e é seguro

  • Pedro

    Larga de Ser bab*** o negocio aqui é VIAGENS, AVIÇÕES E NÃO AULA DE PORTUGUES!

  • Bom dia!

    O EMB 175 também balança muito? Estou a ponto de comprar uma passagem da TRIP, em um voo nessa aeronave, mas como está em época de muitos ventos, fiquei com receio.

  • koala rodrigues

    olá por favor gostaria de saber bem simplificado a diferenca de um aviao a jato e de um turbo helice fico grato desde ja pois preciso explicar ao meu filho e nao sei by koala rodrigues ribeirao preto meu e-mail koalamotorsport@hotmail.com

    • Felipe

      O avião a jato não é tão maior, ele é mais rápido. Mas no geral o conforto é o mesmo, na nova geração o ATR 72 600 é pouco barulho no ar. A emoção é a mesma. Perfeita viajem de turbo hélice.

  • Guilherme

    Viajei pela Trip no trecho:

    Ida:
    PLU – VRG (Conexão) – ATR 42-300
    VRG – GRU (Conexão) – ATR 42-500
    GRU – Araçatuba (Escala) – ATR 42-500
    Araçatuba – ROO (Final) – ATR 42-500

    Volta:
    ROO – Araçatuba (Escala) – ATR 42-300
    Araçatuba – GRU (Conexão) – ATR 42-300
    GRU – Ipatinga (Escala) – ATR 42-300
    Ipatinga – Gov. Valadares (Conexão) – ATR 42-300
    Gov. Valadares – PLU (Final) – ATR 42-300 (rEFORMADA – Bancos reclináveis, novo estofamento e isolamento acustico).

    Resultado:
    Nunca Tinha Voado num ATR ,as acabei acostumando com o arrasto de barriga no ar já que ele voa com o nariz para cima.

    Para quem tem Até 1,75m o ATR 42-300 é na medida, já os 72-600 e 42-500, por causa da nova poltrona de couro, já fica mais apertadinho.

    Para pessoas maiores de 1,75, a Fila 1 é a mais disputada por causa do espaço.

    Sobre Barulho, é tranquilo, mas quem tem fobia de Hélice ou considera barulho um incômodo mortal, ao comprar passagem para um ATR, escolha os assentos no fundo da aeronave após as hélices.

    Percebi uma pequena diferença no ruído.

    Se você tiver mais de 1,75m, escolha lugares nas janelas, pois como o ATR é um pouco achatadinho, tem como esticar as pernas por baixo do banco da frente ao joga-las para a lateral.

    Pousos e decolagens:
    Pousos são tranquilos, porém em algumas pistas costuma dr uma balançadinha ao tocar no solo.
    Decolagens são mais emocionantes, Ao dar potência máxima às duas Hélices e ao pegar embalo, o avião estala todo principalmente a ATR 42-300 parecendo que vai desmontar, mas voa tranquilamente.

    UM ATR sempre tem alguma escala ou conexão. Raros são aqueles que ultrapassam 1h e 20 de tempo de voo, portanto, ao comprar passagem alterne os assentos no check-in.

    Fica a dica.

    • Eduardo

      Cara, fiz um vôo de ida com um ATR,
      sentido MEA-VCP, durou 1h e 30min,
      depois peguei um vôo até o CWB num EMB-190 ou 195 e era uma distância menor durou 1h, a velocidade de vôo era+- 680km/h.

      • Felipe

        Viajei no novo modelo de ATR 72. O ATR 72 600, ele é mais confortável que o ATR 72 400 usado pela Azul e pela TRIP, esse novo modelo é usado por essas mesmas empresas. Viajei pela Azul. O couro das poltronas é super confortável. O barulho é bem pouco, pega bastante altitude e velocidade. Amei a viajem.

  • Daniel

    Pra falar a verdade eu prefiro os jatos da azul..! Ja viajei nos atr 42 e 72 o voô neles não e muito agradavel balança muito e e muito barulho. Durante as decolagens e pousos da muita pressão nos ouvidos. Mas para voos curtos como de Ipatinga(MG)✈Gov.Valadares (MG) 25 min e muito bom.!

    • Felipe

      Viajei no novo modelo de ATR 72. O ATR 72 600, ele é mais confortável que o ATR 72 400 usado pela Azul e pela TRIP, esse novo modelo é usado por essas mesmas empresas. Viajei pela Azul. O couro das poltronas é super confortável. O barulho é bem pouco, pega bastante altitude e velocidade. Amei a viajem.

  • Felipe

    O ATR 72 600 não é esse da imagem. Acho que esse é o ATR 72 400. Mas com certeza não é o 600

  • Marina

    Quero ir de BH p Gov. Valadares (ida e volta) e gostaria de saber dimensões dos aviōes, qtos assentos tem, se durante a viagem consigo me levantar e ficar de pé pq tenho um pouco de claustrofobia. Queria sair do aeroporto da Pampulha em BH pela Azul. Volta idem.. Alguém pode me dar estas informações? Obg. Marina

  • Masterson

    Apenas uma observação: o correto é traslado, não translado, conforme li em um comentário.
    as duas palavras existem, servem para o mesmo fim, porem, para “passageiros” distintos (um em vida e outro em morte).