Como fotografar melhor suas viagens

Monique Renne 23 · julho · 2013

O Manual dos Melhores Viajantes deste mês trata de um tema muito pedido por nossos leitores: como fotografar melhor suas viagens. Só mesmo quem já passou pela situação de perder todas as imagens após chegar de suas férias tem a real dimensão do quanto as imagens são importantes. Elas registram momentos, cidades, paisagens, situações, experiências e nos transportam a momentos que marcaram cada um de nossas viagens. Por isso vale a pena caprichar para conseguir as melhores imagens: desde a escolha da câmera certa até o enquadramento perfeito para guardar aquele momento especial. 

Para tratar desse assunto, escalamos uma especialista: a fotojornalista Monique Renne. Com a experiência de quem já encarou o ritmo frenético de um dos maiores jornais do país, o Correio Braziliense, ela é uma das editoras de destinos do MD e hoje revela alguns dos segredos para quem quer fotografar melhor em um post imperdível. Vale a pena ler e guardar nos favoritos essa verdadeira aula de fotografia! 

Quem nunca tentou “segurar” a Torre de Pisa, não registrou um belo beijo aos pés da Torre Eiffel ou não sentiu uma vontade incontrolável de pedir para tirar foto com o Mickey, que atire a primeira pedra! Estes e tantos outros clichês fotográficos turísticos são indispensáveis – e muito bem-vindos – a um completo registro de viagem. Mas que tal ir um pouco além? Redes sociais, celulares modernosos e máquinas fotográficas excelentes a preços acessíveis têm transformado – para melhor – os álbuns de viagem.

Pensando nos nossos leitores, que tanto amam viajar, o Melhores Destinos preparou um guia para ajudar na hora dos cliques. E a primeira dica é a mais valiosa: o melhor equipamento para uma boa foto é você! Não há câmera que substitua o que você viu, sentiu e teve vontade de guardar em uma fotografia. Não há câmera que dispare sozinha. É você quem decide o que trará no seu cartão de memória. Mas é claro que uma ajudinha técnica não faz mal a ninguém. Então vamos lá!

Escolhendo o equipamento

O momento de comprar a câmera é bem complicado e as possibilidades são quase infinitas. Preço, resolução e zoom são apenas os fatores básicos que pesam na escolha do equipamento. O que serve ao outro, talvez seja péssimo para você, por isso tenha em mente quais são as suas prioridades na hora viajar.

Tipos de câmera

Compacta – São as mais comuns e baratas, porém também as menos eficientes (salvo alguns modelos mais caros). Apresentam lentes fixas com baixa luminosidade e qualidade óptica inferior. Mesmo com muitos megapixels, estes modelos possuem sensores de registro menores, o que diminui muito a qualidade da imagem. O flash também costuma decepcionar. Quem nunca passou raiva tentando fotografar um grupo em ambiente fechado? Fora o fato de a máquina disparar a foto com muito atraso. A grande vantagem delas já está no nome: são compactas! Leves, elas cabem em qualquer bolso e não chamam a atenção. Além disso, não exigem conhecimentos técnicos de fotografia para ser operada: e só mirar e clicar. Ótimo para quem não quer preocupação.

Dica de compra: Procure modelos que tenham a composição óptica de boa qualidade, como lentes Carl Zeiss e Leica. Elas estão disponíveis em várias séries de câmeras. A luminosidade da lente também é importante na escolha (veja em zoom e lente). Grande angular é bem vinda, assim como um bom zoom óptico.

Superzoom – O grande atrativo destas câmeras é a possibilidade de zoom que ela oferece, com valores que ultrapassam 30 vezes, sempre em lentes fixas à câmera. São mais robustas, maiores e mais pesadas que os modelos compactos, porém mais leves que as DSRL (com lentes intercambiáveis). Outra grande vantagem é a possibilidade de explorar recursos manuais. Para quem gosta de “dirigir” a própria foto, esta câmera é excelente! Alguns pontos negativos das compactas aparecem também nas superzoom: sensor de registro pequeno, flash e lente com baixa luminosidade e lentidão no disparo são alguns deles.

Dica de compra: Como a câmera não oferece a possibilidade de troca da lente, fique atento ao zoom óptico escolhido. Não basta ser de 30x se a câmera não oferecer uma boa grande angular (abaixo de 24mm). Assim como não basta ter um zoom de 30x se a lente não tiver boa luminosidade.

– DSRL – Conhecidas pelo grande público como máquinas “profissionais”, elas são o sonho de consumo dos amantes de fotografia. São câmeras com bom sensor de imagem (muitas full frame – equivalente a 35mm), disparo em tempo real, controles manuais e lentes intercambiáveis. A desvantagem em relação às outras é muito clara: o preço. É preciso um bom investimento para montar um kit de qualidade. Assim como em todas as categorias de câmera, aqui existem as mais baratas (semiprofissionais) e as mais caras (profissionais). A relação qualidade x preço é diretamente proporcional. Quanto mais cara, melhor a câmera. Porém a escolha do equipamento não é a única preocupação: é preciso estar muito atento a qual lente escolher. É possível que você tenha uma câmera que é uma Ferrari com uma lente que é um fusquinha, ou o contrário! Lentes claras custam muito mais caro, porém são muito melhores. A vantagem? Você sempre poderá comprar lentes novas e diferentes. E haja bolsa para carregar todas elas! Esteja preparado também para o peso: quanto mais lentes, maior a carga. Por isso, priorize lentes versáteis.

Dica de compra: Lembre-se que a verba disponível deve dar para comprar a câmera, lentes, flash, baterias e cartão de memória. Investir em boas lentes é fundamental! A câmera não fará todo o trabalho sozinha.

Dicas gerais para escolher a câmera certa pra você

Zoom e lente

Viajar com apenas uma câmera torna a escolha ainda mais complicada. É preciso prever todas as situações pela qual você passará e assim escolher o equipamento ideal. Priorize câmeras que têm maior amplitude de zoom, o que pode variar de 5x a 30x e deve ser óptico (zoom digital é apenas um corte no arquivo original). Saber qual o zoom inicial também é importantíssimo! Aquela foto de todo o grupo pode não “caber” na câmera se ela não tiver uma grande angular. Procure lentes que tenham, pelo menos, o equivalente a 24 mm de grande angular. Ah! Não deixe de verificar a luminosidade (abertura) da lente. Valores como 5.6, 3.5 e 2.8 parecem grego pra você? É só decorar que quanto menor o número de abertura, mais clara é a lente (2.8 é uma boa lente, 5.6 nem tanto). Muitas vezes é melhor ter um zoom de 5x, porém uma abertura 2.8, do que um zoom de 30x com abertura 5.6.

Resolução – Megapixel

Seria demais dizer que a resolução não faz diferença. Porém ela não é o principal fator que determina a qualidade de uma câmera, como muitos acreditam. A lente e o sensor onde a imagem é registrada são muito mais importantes que os megapixels, mas todos costumam andar juntos. Um celular com mais megapixel que uma câmera compacta faz imagens piores, já que não possui um bom sensor para registro. Os megapixels farão diferença na hora ampliar a foto, mas não para a qualidade da imagem.

Bateria

Câmeras que usam pilhas são uma grande roubada. A carga é consumida muito rapidamente e muitas vezes deixa o turista na mão. Priorize câmeras que funcionem a base de bateria e tenha sempre uma extra na bolsa.

Dicas fotográficas

Passado o momento da escolha da câmera, é hora de investir nas fotos! Aqui daremos algumas dicas para tornar o seu álbum ainda melhor!

Modos automáticos

Comuns na maioria das câmeras compactas, os modos automáticos podem ser excelentes aliados. Saber o efeito que cada um deles proporciona torna a gama de opções da câmera muito maior. Não se restrinja apenas ao que o desenho mostra, a técnica de cada um pode ser aplicada a vários fins. Os principais são:

Modo retrato – Sabe aquele efeito desfocado no fundo? É isto que o modo retrato faz. Com o aumento da abertura da lente, ele foca o objeto principal e desfoca o fundo. Que tal usar este modo para fazer belos registros de esculturas?

Modo esporte – Aqui o efeito está na alta velocidade de disparo, por isso é possível “congelar” imagens que estão em movimento, como um jogador de futebol. O efeito pode ser usado pra tudo que está movimento, não apenas cenas de esporte.

Modo paisagem – Para grandes cenários, nada como o modo paisagem. Ele mantém toda a cena em foco. Isto vale para aquele grupo enorme de amigos ou mesmo uma bela cena de natureza.
Serra do Espírito Santo - Jalapão - Tocantins

Modo noturno – Aqui a intenção é captar o máximo possível de luz em ambientes mal iluminados, por isso a câmera efetuará o disparo com a velocidade mais baixa, ou seja, a foto estará sendo registrada durante mais tempo. Um tripé, ou qualquer apoio, será bem-vindo ou a foto poderá sair tremida. Use este modo para obter fotos de traços de luz, como de um carro.

MODO NOTURNO 01 E APOIO PARA FOTO

Modo macro – O símbolo da flor neste modo engana os mais desavisados. Use o modo macro para fotografar qualquer objeto pequeno. Aquele maravilhoso prato do almoço pode ganhar uma bela foto neste modo.

Enquadramento

Você busca insistentemente pelo centro do visor para enquadrar os objetos que fotografa? Já pensou em tentar novos ângulos? Uma boa técnica para não errar e ter imagens bem equilibradas é seguir a regra dos terços. É bem simples! Imagine um jogo da velha (muitas câmera já possuem este desenho no próprio visor), as interseções das linhas são pontos nobres da fotografia. Busque enquadrar os motivos mais importantes nestes pontos, assim como as principais linhas verticais e horizontais que marcam uma foto. Fotografar imaginando composições geométricas e linhas diagonais também é uma boa técnica para dar movimento à imagem, ou seja, fazer o olhar do expectador percorrer toda a foto.

Abusar de planos diferentes torna a imagem mais dinâmica. Ao invés de fotografar os seus companheiros de viagem um ao lado do outro, que tal dispor um em primeiro plano e outro ao fundo? Ao invés de todos juntos, experimente colocar cada um em uma parte da cena.

Para dar charme às imagens, busque objetos que possam servir de moldura para a foto. Portas, janelas e árvores podem ser belas margens para um retrato.

Flash e luz natural

Engana-se quem pensa que flash deve ser usado apenas em ambientes com pouca iluminação. Nada como uma luz extra ao meio-dia quando os olhos, nariz, boca e pescoço causam aquela sombra horrível no rosto. Ligue o flash e suavize todas as marcas. Para fotos contra luz ele também é bem vindo. Porém não esqueça que flashes têm uma distância máxima de alcance: aquele flash ligado durante um show ou espetáculo serve apenas para iluminar a careca do turista na fila da frente e gastar bateria da câmera. Para uma belo registro de silhueta, o truque é o contrário. Desligue o flash e busque um ponto contra a luz.

Aliás, desligar o flash é quase sempre uma boa opção. Fontes de luz natural são sempre mais interessantes. Atente o olhar para a entrada de luz por janelas, portas, teto, entre galhos e tantos outros pontos que permitem uma bela composição.

Paisagem

Cansado das mesmas fotos de paisagem? Acha que elas não representam a imensidão do que você viu? Busque referenciais para mostrar quão grandioso é aquele lugar. Um barco, uma pequena árvore, até um modelo vale para mostrar que somos muito pequenos perto de tanta grandiosidade!

Gastronomia

Aquele belo prato do almoço merece ser guardado não só na lembrança, mas também no cartão de memória da câmera? Abuse do modo macro (nas câmeras automáticas) e do zoom. Quase nunca o ângulo mais aberto é o mais interessante para fotos de gastronomia. Outra boa dica é desligar o flash! Ele “chapa” a imagem e tira toda a profundidade do prato. Procure fontes alternativas de luz, como uma janela ou mesmo a lanterna do telefone. A luz lateral sempre é mais bem vinda do que a frontal.

Repare nos desconhecidos

Muitas vezes aquele desconhecido que está passando na rua, sentado no banco da praça ou tomando um café, é um ótimo modelo para as fotos. Deixe a vergonha de lado e invista no retrato. Registrar os moradores é levar para casa a verdadeira faceta de uma cidade

Atente-se aos detalhes

Os grandes monumentos são fundamentais para um álbum, porém a vida também é feita de detalhes. Preste atenção às pequenas coisas da viagem. Artesanatos, objetos típicos, placas, grafites, portas, janelas… tudo vale para te lembrar de como era completo o seu destino.

Deixe a preguiça de lado

Fotografar exige mais do que apenas um apertar de dedo. Para uma boa foto você deve usar todo o corpo. Suba em muros, agache próximo a um lago para aproveitar o reflexo da paisagem, estique-se para tirar da foto aquele objeto que nada combina com a sua cena. A preguiça é o maior inimigo do bom fotógrafo.

Procure vistas inusitadas

Do alto é possível ver a real estrutura de uma cidade. Não perca a oportunidade de subir em prédios, torres e montanhas. Eles sempre trarão novos ângulos e vistas grandiosas. Quando entrar em novo ponto turístico, sempre dê aquela espiadinha na janela.

Escolha o melhor momento e a melhor luz

Nunca perca a chance de fazer uma foto que está acontecendo agora, talvez ela nunca mais se repita ou você não volte àquele lugar. Porém, se tiver tempo, tente vários momentos. Cada um será mágico e único. O nascer do sol, o azul do meio dia, o entardecer e o cair da noite trazem fotos muito diferentes de um mesmo lugar.
A MELHOR LUZ - ESPERA A HORA CERTA

Tenha um bom apoio

Se carregar um tripé não é uma boa (já que é um peso a mais) não deixe de buscar apoios improvisados para a câmera, especialmente para o registro de fotos noturnas. A chance de errar será muito menor e você poderá abusar da baixa velocidade.

Canyon do Sussuapara - Jalapão - Tocantins

Uso de celulares

Em muitas ocasiões os celulares substituem bem a câmera. Com as infinitas possibilidades de filtros eles dão ainda mais graça às fotos de viagem. Usar aplicativos com efeitos de iluminação e saturação é fundamental para um bom resultado. Porém não deixe de fazer a foto sempre no próprio aplicativo do telefone. Muitos apps de fotografia não salvam o arquivo na resolução máxima e demoram muito tempo entre o registro de duas imagens. Priorize o uso de filtros apenas na pós-produção, assim você não perderá o original e poderá aplicar quantos filtros quiser!

Tenha sempre um backup

Poucas coisas chateiam mais um turista do que perder todas as fotos de viagem. E isto pode acontecer por vários fatores: arquivos corrompidos, vírus, furto, perda do cartão de memória ou até afogá-lo no mar do Caribe (como já aconteceu comigo). Por isso, nunca deixe todas as suas fotos em um mesmo cartão de memória. Tente revezar vários cartões durante a viagem. Tablets e computadores também são bem vindos para fazer backup.

Não abandone suas fotos

Ao voltar de viagem, não deixe de editar as suas fotos. Selecione as melhores e dê a elas um tratamento especial. Pós-produção é sempre bem vinda. Faça os cortes necessários, ajuste a luz e a cor. Que tal depois disso fazer um photobook? O custo é baixo e você poderá ter um belo livro da sua viagem. Preparado para o seu próximo destino?

Agradecemos à Monique por esse post fantástico, que certamente vai ajudar a melhorar as fotos de muitos leitores! Quer saber mais sobre o assunto? Leia nosso post Dicas e truques para melhorar as fotos de suas viagens

A proposta do Manual dos Melhores Viajantes é construir um guia de viagens interativo e democrático, com a participação dos leitores do Melhores Destinos. Participe deixando nos comentários suas dicas, opiniões e estratégias que usa para planejar – e fotografar – a sua viagem.

Você pode ver os posts anteriores nos links abaixo:

Manual dos Melhores Viajantes – um guia do Melhores Destinos para planejar sua viagem passo a passo

Manual dos Melhores Viajantes #1 – Pacotes de viagem valem a pena?

Manual dos Melhores Viajantes #2 – Comprando passagens aéreas

Publicado por

Monique Renne

Editora de Destinos

  • Muito bom o post. Acho que a preguiça é realmente a maior inimiga do fotógrafo. Pensar um pouco na fotografia já faz a maior diferença.

  • Marcos Sobral

    Muito bom o post. Eu não acreditava, mas a câmera faz uma diferença enorme. Compramos recentemente uma Sony semi profissional HX200 por uns 500 reais na Best Buy. De cara notamos a diferença na qualidade das fotos. Podem comprar esta câmera que vale a pena.

    • Bárbara

      Geralmente as câmeras Sony são muito boas pois, possuem lentes Carl Zeiss e suas cores vivas lindíssimas. Tenho uma antiga que não me desfaço e gosto muito mais das imagens dela do que da Nikon, que comprei há pouco tempo. Recomendo a marca sem medo de errar.

    • felipe

      Comprei no começo do ano uma câmera semi profissional (ou profissional iniciante, se preferir haha) da Sony, a A-57, e não poderia estar mais feliz. A qualidade das fotos e a capacidade dela p/ compensar situações com luz baixa é excelente…

      concordo cntigo, a Sony tem mandado muito bem nessa área de fotografia, tanto digital quanto semi e até profissional

      • FELIPE

        Xará,

        Tenho uma A57 há 9 meses e venho sofrendo com imagens sem nitidez, mesmo com iluminação excelente. Já fiz de tudo e raramente sai alguma foto realmente nítida. Tem alguma ideia? Todos elogiam a A57 e realmente é uma câmera repleta de recursos, mas as imagens estão deixando a desejar, mesmo com lente prime f/1.8. Se tiver alguma informação, agradeço.

    • Marcos, possuo uma Sony HX100 (modelo anterior a sua HX200). Esta linha é excelente para quem está saindo das compactas e ainda não tem experiência e prática com as PRO. Além da linha HX recomendo as da linha NEX tb da Sony pois são mais compactas e com lentes cambiáveis. Abraço

  • Gostei muito do post! Vale a pena relembrar e aprender uns truques com quem entende! Valeu Monique!!!

  • Felipe Aguiar

    Amigos, apenas na hora de elencar as câmeras vocês esqueceram de citar as "Mirrorless", seus preços são um pouco elevados, mas elas possuem lentes intercambiáveis e qualidade de DSRL e praticamente sempre são bem mais compactas que estas. Exemplos são as Olympus Pen e a Sony Nex.

    Ou seja, dá para ter uma qualidade muito boa (acima das semi-profissionais citadas) com muito mais facilidade de carregar, o que é excelente pra qualquer viagem.

    Abraços.

    • Fred K. Chagas

      Felipe, dei umas mexidas numa SONY NEX no ano passado e a achei – entre outros atributos – bem veloz. MAS a falta de visor é um problemãoooo ao ar livre, com bastante luz… Não acha??

  • Excelente post!

    Amo fotografia e achei interessantíssimas as dicas.

    Obrigado.

  • Jé Silva

    Muito Legal!!! Show de bola…

  • InDougWeTrost

    "Se carregar um tripé não é uma boa (já que é um peso a mais)", que tal um mini tripé? Tenho estes dois: http://www.focalprice.com/DT001S/Mini_Tripod_Stanhttp://www.focalprice.com/DT026B/New_Flexible_Dig
    Este último um pouco maior (existem opções menores), mas como é flexível, não é tão incômodo para carregar. E a principal vantagem: http://www.rothervalleyoptics.co.uk/images/gorril

    • Cara vc comprou neste site e chegou tranquilo ?? to querendo comprar tb !

      • InDougWeTrost

        Já fiz várias compras neste site, e tb no dx.com, ambos muito bons, com frete gratuito.
        95% das compras chegaram sem problemas, e o SAC dos sites sempre foram bem atenciosos nos 5% (apesar de alguns problemas de interpretação, questão de idioma…)
        Nesse link tem um manual completão: http://club.dx.com/forums/forums.dx/threadid.4987

  • Daniel

    Não concordo que máquinas a pilha são roubada; às vezes será a única forma de energia disponível. Se você perder sua bateria específica da câmera e não estiver em uma cidade grande, vai ser difícil achar uma. Além disso, você pode não achar uma tomada onde possa ligar o carregador de bateria e ficará sem carga.
    Acho mais fácil ter uma que usa pilhas e usar pilhas recarregáveis decentes, como as Eneloop da Sanyo. Se você perder alguma das pilhas ou não conseguir recarregar, pode sempre ir na loja mais próxima e comprar alguma pilha barata que quebre o galho.

  • Alguem recomenda uma camera semi-profissional com bom custo beneficio?

    • Oi Romulo! Você quer pagar até quanto? Quer com ou sem lentes intercambiáveis? Abraços!

    • Paulo Victor

      Nikon p510 fantástica.

  • Camille Panzera

    Arrasou, Monique. Babei nas fotos!

  • Excelentes dicas Monique!! Favoritado, vou imprimir e levar comigo nas viagens até pegar o jeito
    🙂 um beijão para todos!!

  • mariana

    Boa Noite, estou indo viajar e quero comprar uma bela maquina para mim… Estou pensando em adquirir a NIkon D3200 e queria saber se a Monique apoia minha compra??? desde ja agradeço e parabenizo pelo post.
    Att Mariana

    • Eli Moreira

      Não sei a Monique, mas eu apoio! Hehe!

      Tenho uma D5000, que já é um modelo mais antigo e sou muito satisfeito com ela. Uma amiga minha tem uma D3100 e também gosta muito.

      Acho que você não vai se arrepender…

      • mariana

        obrigada pela atençao!!

    • Oi Mariana! A D3200 é uma câmera com lente intercambiável, por isso é preciso avaliar o preço das lentes. Se a grana estiver curta, compre uma lente versátil (com grande angular e boa tele), mesmo que seja escura. Porém invista mais um pouquinho em pelo menos uma lente mais clara, ela fará toda a diferença!

      • mariana

        MOnique vou compara a que ja vem com a lente de 18-55… qual seria uma lente versátil (com grande angular e boa tele)???
        grata Mariana

    • Felipe

      escolha uma entre Nikon D3200, Nikon D5100, Pentax K-30 e Sony A57. Todas ficam na mesma faixa de preço (entre 400 e 600 dólares), mas são todas muito boas, com destaque para a D5100 e a A57.

      Mas olha, comprando qualquer uma dessas é gol de placa na certa hahaha

      • Aurelio Jesus

        Caro amigos,.. a Nikon D5100 já foi descontinuada e substituida pela D5200.
        A D3100 descontinuada e substituida pela pela D3200 de 24.2 MP e já vem com kit de lente (zoom:18-55)
        Lembrando que " Mega Pixel não é tudo" mas faz diferença quando se é iniciante e se erra no enquadramento, necessitando de cortes.
        (aureliomjesus@globomail.com) Fotógrafo.

      • mariana

        grata!!!

        • aureliomjesus

          Dependendo do enquadramento temos na mesma foto uma ótima e uma péssima. Para melhorar fazemos cortes na foto que mandam pro lixo muitos megapixel,…é isso.

          • Seguro Essencial

            Esse e-mail vc disse que estava cancelado!

  • Fred K. Chagas

    Nota 10 o texto. Sucinto & objetivo. CURTI. Obrigado mais uma vez !

  • Eli Moreira

    Que post! Simples e ao mesmo tempo com muitas informações valiosas, escritas numa linguagem acessível. Parabéns, Monique!

    Quanto às DSLR, o "problema" é você querer sempre mais lentes! Nas minhas viagens, fico me segurando para não comprometer o orçamento por causa de lentes novas. Aproveito para perguntar: qual das "duas grandes marcas" – Nikon ou Canon – você prefere, Monique?f

    No mundo das bridges gosto muito da Nikon P510, mas atualmente a melhor pedida para quem não dispensa uma postagem imediata nas redes sociais – não é o meu caso – é a nova Samsung Galaxy Cam, que tem wi-fi e 3G (ou 4G, dependendo do modelo). Aí é só usar o chip do celular e postar fotos com qualidade infinitamente superior.

    • Oi Eli!
      Meu equipamento no trabalho é uma Nikon D4 e o meu pessoal é uma Canon 5D Mark III. A Nikon é mais resistente, porém as cores da Canon são insuperáveis. Para as compactas eu fico com as lentes Leica – tando da séria Lumix da Panasonic, quando as Leicas mesmo (nem todas custam uma fortuna). A Leica D-Lux 6 tem a lente claríssima (1.4), assim como a Lumix LX7. Já a Leica V-Lux 4 e a Lumix FZ 200 têm um bom zoom com lente relativamente clara (2.8). Elas custam entre 400 e 900 dólares. Seriam as minhas escolhas.

      • Bom saber Monique, tenho uma superzoom Panasonic Lumix FZ35 e essa semana comprei uma Panasonic Lumix ZS30. Espero que tenha acertado na escolha. São câmeras pra quem não sabe tirar foto né 🙂 tipo eu!

        • Boa, Leo! Entre lentes Leica e o resto do mundo, fique sempre com as Leicas! 🙂
          Acertou em cheio!

      • Renato Albuquerque

        FZ 200 é uma excelente câmera, os controles manuais deixam a liberdade em capturar belissimas imagens, tenho uma e recomendo.

  • Robson Dombrosky

    Parabéns Monique pelo post, bastante esclarecedor em diversos pontos importantes, também já abordei estes temas em alguns textos no meu blog. Uma coisa que sempre me chama atenção quando estou fotografando minhas viagens é a diferença do tempo que levo para dar cada click, comparando com a maioria das outras pessoas que vejo tirando fotos das mesmas atrações. É comum ver o pessoal chegar no lugar, apontar a câmera e clicar, tudo num piscar de olhos, sem qualquer chance de observar a cena, para extrair dali a melhor foto possível. Aí realmente não há full frame que dê jeito.

    • Fred K. Chagas

      Robson a grande diferença é a questão AMADOR x PROFISSIONAL. Me parece que vc é um fotógrafo profissional já que tem um site sobre isso . Se não o é, ao menos leva a arte da fotografia de um modo profissa. É como motoristas x pilotos. Se vc dirige, vc entra no seu carro, vira a chave e sai andando. Pilotos, em competição, têm uma equipe em volta e a preparação para "sair andando" leva dias. Coisa simpres. Sinceramente não vejo mistério nisso.

  • Gleison

    Prefiro câmeras com pilha em vez de baterias. Você sempre pode levar sobressalentes, além de poder comprar em qualquer esquina. Além disso, tem as pilhas recarregáveis.

  • Bárbara Sena

    Parabéns pelo post, muito legal e bem esclarecedor!

  • Matheus

    Caraca, quantas dicas, agora só não tira foto boa quem não quer!
    Boa Monique!!

    Acrescentaria mais uma dica: Tire fotos mas aproveite sua viagem, afinal nem tudo dá pra ser registrado em fotos. =)

  • Moacyr N. Silva

    Adorei,bastante esclarecedor inclusive como manusear o meu próprio equipamento.

  • Andreia

    Muito bom o post! Objetivo e cheio de dicas bacanas!!!!

  • Alexandre

    Excelentes dicas! Para aqueles que querem fazer backup eu sugiro carregar 1 ou 2 daqueles USB flash pequenos de 16 GB + um leitor externo de cartão de memória caso o PC do hotel só leia USB. Toda noite realizo meus backups e redistribuo as unidades flashes em diferentes locais. Além disso, tb sugiro reservar um tempinho para checar a qualidade das fotos pois caso elas n tenham saído como você quis, ainda há tempo de fazê-la melhor!

  • Marcia

    Gostei muito do post. Gostaria de ter apenas mais uma dica com relação às fotos de grupo, pois sempre tiro as fotos das viagens, das festas e da família. Conclusão: tenho pouquíssimas fotos minhas e geralmente de baixa qualidade!

    • Márcia, é muito ruim mesmo ser o fotógrafo oficial da turma. Eu passo pelo mesmo 🙂
      Minha sugestão é usar o temporizador de 10 segundos. Assim dá tempo de você correr e sair na foto também!

  • gustavo

    As melhores dicas que eu já recebi sobre fotografia:

    – Independente da câmera que vc tenha, aprenda a usá-la ANTES de sair de férias.
    – APAGUE as fotos fora de foco e repetidas.

  • joao

    Viajar SOZINHO ou EM CASAL —-Esse extensor, é òtimo pra quem viaja SOZINHO ou EM CASAL, porque não precisa pedir pra ninguém tirar sua foto, vc mesmo tira a distancia. Segue o link de onde comprei: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-494436114-

  • cool

  • Ronnie

    Eu tenho e indico a Sony RX-100. Ela é uma compacta com a qualidade muito próximo à algumas DSLR de entrada, com a vantagem de que cabe no seu bolso. O Único ponto negativo fica por conta do preço… mais cara que as DLSR de entrada…. na faixa de 650 a 720 dólares..

  • Show de post! Já está guardado para consultas durante a vida 🙂

  • Cecilia

    Escreve muito bem e coloca de forma simples os conceitos mais importantes para este tipo de foto, que até eu que sou fotógrafa gostei de revisar! Parabéns pelo excelente e útil post.

  • Parabéns a Monique pelas ótimas dicas e por tratar tudo de forma simples. E parabéns também ao Melhores Destinos que foi além das promoções. MUITO BOM!!! Cada vez mais fã!

  • Maria José Coelho

    Excelentes dicas. Adoro tirar fotos dos moradores, gostaria de saber se esse tipo de foto podem ser postadas, precisam ser autorizadas pela pessoa.?
    Maria José

    • Oi Maria José! Costumamos levar em consideração a seguinte regra: não sendo uma situação degradante e estando a pessoa fotografada em local aberto ao público, está tudo certo! Vale para fotografar e para publicar.

  • valter

    Boas dicas, só não concordo com o parágrafo final: editar, cortar, ajustes de cor…, não preciso enganar ninguém.

    • Oi Valter! Edição e tratamento fazem parte da fotografia desde os tempos do ampliador manual. Tratamentos de luz, contraste e cor são muito bem vindos, desde que dentro de padrão de normalidade. Manipulação e arte digital são outros quinhentos. Em jornal não podemos fazer grandes tratamento, ou estaríamos "enganando" o leitor.

  • Paulo Victor

    PESSOAL NIKON P510 É UMA BRILHANTE CÂMERA SEMI PROFISSIONAL.

    PESQUISEM SOBRE QUEM QUER UM ÓTIMO BENEFICIO CUSTO.

    PRECO MÉDIO 1200 COM NF.

  • Lílian Miranda

    Monique, parabéns! Adorei suas dicas, vai me ajudar muito nas próximas viagens. Sempre adorei fotos e nunca consegui fazer nem um " cursinho básico". Hoje tenho uma Nikon P500 e uma Panasonic Profissional que nem sei como funciona direito, vou aprender. Você sabe onde posso fazer um cursinho destes aqui em Brasília? Um grande abraço.

    • Olá Lílian!
      Acho que todos os cursos aqui em Brasília são muuuuuuuuuuuuuuuito básicos mesmo. Mas posso te indicar um. Passa o seu email pra mim.
      Bjo!

  • Bruno Castor

    Fantástico! Parabéns pelo guia. Muitas vezes perdemos o registro de grandes momentos pelo desconhecimento. O MD sempre um passo a frente.

  • alber

    Excelentes dicas básicas, porém eu DISCORDO que câmeras com uso de pilhas é uma roubada! Eu tenho uma semi profissionanl da Canon a pilhas que por sinal não foi barata, custo médio de 2.500 reais, eu escolhi usar pilhas porque eu poderia comprar pilhas recarregáveis e foi exatamente o que fiz! Uma carga de pilhas eu consigo tirar cerca de 800 fotos tranquilo, na maioria das vezes bem mais que isso! Pra se ter ideia eu carreguei as pilhas no final de maio e só as recarreguei na semana passada, quase 2 meses fotografando alguns lugares. Outra vantagem das pilhas é que se eu estiver em algum lugar e der um problema na bateria em qualquer mercadinho ou farmácia eu consigo pilhas alcalinas pra me socorrer, lógico que não vai durar 3 horas de uso, mas pra uma emergência eu consigo resolver o problema, ao contrário de câmeras com baterias que não vou poder comprar nenhuma bateria de emergência onde eu estiver pra não perder o momento da foto, vou ter que levar o carregador e usar tomada e esperar que elas estejam carregadas..aí se era emergência eu já perdi a oportunidade de registrar aquele momento. Faz dois anos que comprei pilhas recarregaveis e não me arrependo.

    • Oi Alber!
      Fotógrafo prevenido vale por 3! Kkkkk
      Já vi que você é um desses casos. Eu costumo andar com 3 baterias. Assim não tem erro! E olha que a minha bateria faz até 3000 cliques! Uma beleza 🙂

  • Giulean Matos

    Gostei demais!!! O texto muito claro tirou várias duvidas. Já tinha percebido o efeito do flash em algumas fotografias, mas agora com a dica da especialista fiquei mais tranquilo. Valeu…

  • Fernanda

    Monique, parabéns pelo post. Adorei as dicas.

    Que câmera você me indicaria até R$ 1500,00 (nesse valor incluindo tudo, lente etc) que fizesse disparo em tempo real e tivesse ajuste manual para o tempo de exposição da foto? Tenho uma compacta e esses recursos me fazem falta. Sou amadora, mas adoro boas fotografias.

    Obrigada

    • Oi Fernanda! Tudo bem?
      Eu gostaria de ter boas notícias pra você 🙂 mas preciso ser muito honesta… com o valor de 1500 reais é muito difícil comprar uma câmera reflex e mais as lentes. Sugiro a aquisição de uma boa câmera superzoom, com controles manuais, como as da série lumix da Panasonic.
      Bjo!!

  • Olá a todos. Muito boa a iniciativa de fazer esse post sobre fotografia de viagens. Meu nome é José Antonio Ramalho. Apresentei a quarta temporada do programa 50×1 da TV Record, na viagem de Volta ao Mundo em 80 dias. Fotografo viagens há mais de 20 anos e posso dar dicas para vocês através do meu twitter @joseramalho ou do meu facebook que é o meu nome.

  • Vander Souza

    Monique, parabéns pelo post, muito bom. Minha duvida é: como identificar a velocidade de disparo nas especificações da camera?

    • Olá Vander! Infelizmente muitas câmeras não apresentam este dado com exatidão nas especificações. O nome a ser procurado nos manuais e reviews é "Shutter Lag". É o famoso delay! As únicas que têm disparo em tempo real são as câmeras reflex.

  • Vanderson

    Aos mais experientes e entendidos, percebo que as cameras Nikkon e Cannon são as mais usadas pelos profissionais. A diferença é tão grande assim para as câmeras da Sony? Sony é usada somente pelos amadores ou é mais marketing mesmo?

    • Olá Vanderson!
      A sua observação é mesmo real. O mundo dos profissionais é dominado pelas câmeras Nikon e Canon (a briga é grande). Estive na Copa das Confederações e lá contávamos com dois stands para empréstimo de equipamento: Nikon e Canon. Ou seja, TODOS os fotógrafos que cobriam a copa estavam com um dos dois. As outras marcas não produzem equipamentos realmente profissionais, como câmeras com alta velocidade de disparo (as famosas metralhadoras) e lentes de alta performance. A exceção é a Leica, aí a conversa já outra….

  • Tenho preguiça de andar com máquinas grandes e que chamam a atenção, muitas vezes andamos por lugares não tão seguros nas cidades que não conhecemos e eu tenho medo de ficar na cara que sou um turista e atrair os olhares dos marginais que ficam pela área.
    Sendo assim, em minhas últimas viagens, quase 100% das fotos foram via Celular.

    • Andressa

      idem!!

  • Thailli

    Olá Monique, vou fazer intercâmbio e pretendo adquirir uma câmera para fotografar minhas viagens. Me interessei muito pelos modelos d3200 da Nikon e também pela Canon PowerShot SX500 IS, a grande dúvida está em versatilidade x qualidade de imagem, e também investir em uma câmera para o futuro, pois sou apaixonada por fotografia.

    Gostaria de saber sua opinião sobre essas duas câmeras, e qual sua recomendação.

    Muito obrigada

  • Igor Kardush

    Optamos por uma camera compacta com controles manuais, aqui chamada de superzoon. Porque queríamso aliar boa qualidade com portabilidade. Mas as maiores de todas as dicas são:
    1. Tenha uma bateria extra.
    2. Leve um tripé.
    Temos um modelo de tripé pequeno, encontrado por R$20 em qualquer loja. Ele ajuda em tudo. Fotos noturnas, fotos nossas sem a ajuda de outros turistas (que normalmente não sabem enquadrar). Fotos nossas nos enquadramentos mais estranhos, e até selfies segurando o tripé. Enquanto eu seguro o tripé (braço mais longo, ehhehe) minha mulher enquadra e programa os 10s.

    Outra dica, tendo o tripézinho, é: nossas melhores amigas são as lixeiras. Sim. Sempre há uma lixeira estrategicamente colocada perto dos pontos turisticos, e apoioar o tripezinho nela, dá a altura suficiente sempre com um bom enquadramento.

  • Susanne

    Olá, gostaria de uma dica.
    Estou começando a fazer viagens para conhecer novos lugares. Como são feitas em casal, eu e meu namorado, gostaria de saber o melhor modo de fotografar nós dois juntos e tb mostrar parte da paisagem por exemplo, famoso selfie. Melhor um bastão (apesar que acho feio mostrar parte do equipamento na foto), ou tripé?
    Uso camêra de celular, ou uma profissional?