Como é voar na classe executiva da South African Airways

Marcel Bruzadin 23 · fevereiro · 2016

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A avaliação de voo de hoje, enviada pelo João Rubens Nogueira, relata – de forma bem completa – como é voar em classe executiva com a South African Airways até a África do Sul, um dos destinos mais fantásticos do mundo. Além disso, essa avaliação conta com um bônus, o voo interno da Cidade do Cabo até Johanesburgo também em classe executiva com a South African.

Com mais de 80 anos de história, hoje a South African Airways (SAA) é a principal companhia aérea do continente africano e opera em 56 destinos em sua totalidade, além disso, desde 2006 a companhia também é membro da Star Alliance.

como-e-voar-executiva-south-african-report

Confira o relato de voo inédito sobre o voo da South African Airways de São Paulo até Johanesburgo em classe executiva e tire suas conclusões. Lembre-se, caso você tenha tido a oportunidade de voar nessa classe de voo com a companhia aérea, não esqueça de deixar suas impressões nos comentários ao final do post.

Boa leitura!

Introdução

Eu e meus pais sempre pensamos em ir para a África do Sul para conhecer este belo país, desde pequeno comentavam sobre essa viagem. Agora em 2016 essa oportunidade surgiu e acabamos indo. Escolhemos voar com a South African Airways, pois é a única que realiza voos diretos para o país partindo de São Paulo, através do Aeroporto Internacional de Guarulhos (em breve a TAM também fará essa rota).

Dados dos voos

Ida – Voo: SA 225
Rota: São Paulo (Guarulhos) – Johanesburgo (O.R Tambo)
Duração: 8:30
Aeronave: Airbus A340-300

Volta (voo interno): SA 306
Rota: Cidade do Cabo – Johanesburgo (O.R Tambo)
Duração:1:55
Aeronave: Airbus A320
Rota: Cidade do Cabo – Johanesburgo (O.R Tambo)

Volta – Voo: SA 222
Rota: Johanesburgo (O.R Tambo) – São Paulo (Guarulhos)
Duração: 9:45
Aeronave: Airbus A340-600

Compra

Após vários dias pesquisando e vendo preços absurdos, tanto em classe econômica quanto em classe executiva, estávamos decididos a comprar os 3 passageiros em econômica, mesmo sendo caro.

Certo dia recebi um e-mail da Multiplus com uma promoção dando 100% de bônus em compra de pontos. Como sei que a TAM continua parceira da South African Airways, mesmo após sua saída da Star Alliance e que sua tabela de resgate com pontos para a África do Sul é muito boa, logo tratei de tirar todas as minhas milhas do cartão de crédito e comprar o suficiente para formar 3 passagens de ida e volta em executiva com a South African Airways.

Sendo assim, o preço por pessoa (incluindo as taxas) ficou menor do que a econômica pagante, portanto, achei um excelente negócio. Além disso, consegui fazer open-jaw e realizar o voo de volta para o Brasil partindo de outra cidade, ou seja, cheguei por Johanesburgo e voltei por Cidade do Cabo. Dessa forma economizei um trecho interno e as malas foram etiquetadas até o destino final, uma comodidade e tanto. Com isso otimizei o uso das milhas e consegui ir de executiva no trecho interno também.

Check-in e embarque (Voo de ida)

Como de costume, cheguei cedo ao Aeroporto de Guarulhos, o check-in ainda não estava aberto, mas estava uma fila enorme esperando a abertura. Sentei para tomar um café e pouco tempo depois o check-in abriu e rapidamente estava com meu cartão de embarque em mãos. Passei pela segurança e fui aguardar na sala VIP da Star Alliance, a qual a South African dá acesso em Guarulhos.

Pouco antes do embarque fui para o devido portão de embarque, me apresentei e pedi para embarcar um pouco antes para tirar as fotos com a cabine vazia. Gentilmente o senhor do portão de embarque liberou minha entrada sem maiores problemas.

Com um pouco de atraso, decolamos rumo à África.

Avião

Logo que embarquei percebi que era o modelo antigo da aeronave, pelo fato da cor do estofamento ser azul escuro, e o layout 2-2-2. A poltrona é larga, bastante confortável e quando totalmente reclinada fica flatbed, ou seja, posição cama.

como-e-voar-south-african-2016-50

A desvantagem desse assento e configuração é que não há quase privacidade e para quem está nos assentos da ponta, quando precisa sair, é necessário pular o passageiro do lado. Isso para mim até que não foi um incomodo, pois minha mãe foi ao meu lado. Então quem viajar sozinho nesse layout, um dica é sentar-se nos assentos do meio, pois tem acesso livre ao corredor.

A South African oferece um pequeno colchonete para forrar a poltrona para dormir, achei isso muito bom, ponto positivo para eles.

como-e-voar-south-african-2016-26

Após explorar o assento, deu para perceber sinais de uso, mas nada que comprometesse o conforto.

Cada assento conta com tomada e USB individuais, mini abajur, porta trecos, porta sapatos, tela de entretenimento de bordo com controle, mini divisória entre assentos, mesa de refeições, porta copos e controle de posição da poltrona.

como-e-voar-south-african-2016-16

Já estavam no assento um travesseiro, amenity kit (elegante e completo) e fone de ouvidos. Em seguida nos ofereceram o colchonete e cobertor.

Não gostei de modo algum do travesseiro, extremamente pequeno, mas mesmo assim consegui dormir durante a viagem.

Serviço de bordo

Sem dúvida foi o ápice desse voo. Não tem como descrever a simpatia, educação e prestatividade do comissário que nos atendeu, nunca fui tão bem atendido por uma companhia aérea. O funcionário me chamava pelo nome, fazia de tudo e mais um pouco para nos agradar. Para vocês terem uma ideia, minha mãe não sabia o que escolher de entrada, ela queria saber sobre a sopa, ele tentou explicar, mas ela não entendeu. Ele foi até a galley, colocou um pouco de sopa num prato e trouxe para ela experimentar, simplesmente sensacional!

Quando pedi sobremesa ele me falou que pelo fato de ser um voo tarde ela não ia ser servida. Entendi e concordei, porém, 5 minutos depois ele voltou com uma bandeja com duas opções de sobremesas só para eu escolher, que eram do outro voo e acabei escolhendo o cheesecake. Achei incrível! O serviço de bordo nesse voo fez toda a diferença. Nota 1000 para o serviço da South African nesse voo.

Além disso, vale lembrar que ele tentou arriscar umas palavras de português com a gente.

Refeições

Considero que o serviço de bordo começa logo quando embarcamos, e quando nos é oferecido o welcome drink, neste caso, escolhi o suco de laranja.

como-e-voar-south-african-2016-23

Logo após a decolagem, quando a aeronave estabilizou, foram entregues o menu (em português) e a carta de vinhos. Foi servido o jantar e poucas horas depois o café da manhã.

como-e-voar-south-african-2016-19

Um tempo depois, passaram servindo bebidas e o aperitivo, que eram 3 canapés de comer rezando, maravilhosos. Após isso passaram anotando os pedidos, optei pelo salmão defumado de entrada que estava uma delícia e de prato principal a massa que estava boa, mas nada demais. As refeições são acompanhadas por uma seleção de pães quentes, escolhi o de alho e que estava maravilhoso.

como-e-voar-south-african-2016-09

Assim terminado o jantar, fiz a cama e fui dormir. Descansei por cerca de 5 horas e acordei um pouco antes de ser servido o café da manhã.

De café da manhã optei pelo prato de frios, estavam muito bons e frescos. Para acompanhar veio café com leite, suco de laranja, cereal, iogurte, manteiga e pães quentes, dessa vez optei pelo croissant.

como-e-voar-south-african-2016-32

Tanto o café, quanto o jantar, estavam super bem apresentados.

Entretenimento

Na minha opinião, essa é uma parte essencial de um voo longo. A televisão saía de debaixo do apoio de braço esquerdo. Mas era lento e não tinha muitas opções de filmes, mas não me atrapalhou muito pois apenas comi e logo depois dormi. Mas o sistema tinha músicas, câmeras e mapa da rota.

como-e-voar-south-african-2016-56

 

Chegada

Já no aeroporto O.R Tambo, em Johanesburgo, uma coisa bem interessante aconteceu na retirada de bagagens. Estava aguardando minhas malas e elas estavam demorando demais, achei estranho também que não tinha passado nenhuma bagagem com etiqueta de priority, ai uma hora olhei e tinha um local especifico para retirada de bagagens dos passageiros de executiva, elite SAA e Star Gold.

Tem funcionários que retiram suas bagagens e deixam no jeito para você pegar. Achei isso bem legal e interessante. Quando cheguei até lá, minhas malas já estavam preparadas.

Check-in e embarque (trecho interno)

O check-in foi realizado na área prioritária da South African no aeroporto da Cidade do Cabo e rapidamente estava com os cartões de embarque em mãos. Após isso me dirigi a sala VIP doméstica da SAA, esperei um pouco e logo já me dirigi ao portão de embarque. Neste caso, o acesso até a aeronave foi realizado de forma remota.

como-e-voar-south-african-2016-43

Avião

A aeronave que operou neste trecho, conforme detalhado no começo do post, era um Airbus A320 que aparentava ser super novo. O layout era 2-2 na business, com poltronas largas, confortáveis e ótimo espaço entre os assentos. Um ponto negativo dessa poltrona é que a reclinação era limitada.

como-e-voar-south-african-2016-01

Cada poltrona contava com sua própria tomada, o que achei excelente, meu telefone sempre fica sem bateria.

Serviço

As comissárias eram prestativas, mas nada além disso. Não ofereceram welcome drink, no entanto, não sei dizer se isso é comum da companhia ou foi especial desse voo. De qualquer forma, nada que comprometesse a qualidade do voo. Na hora de servir, tudo acontecia no modo “piloto automático”, os funcionários fazem como tem que ser, nada além disso.

Por se tratar de um voo curto, não foi oferecido amenitie kit nem fones de ouvido.

Refeições

Como o voo era cedo, foi oferecido somente o café da manhã. Optei por ovos mexidos e salsicha de carne bovina, estava muito bom. Tudo acompanhado de cereal com leite, iogurte, geleia, manteiga e pão quente.

como-e-voar-south-african-2016-54

O café foi servido de um modo estranho e que eu não aprovei de modo algum. Elas serviram a comida, sem bebida, nem ao menos água. Depois que terminamos de comer, as comissárias passavam oferecendo as bebidas. Totalmente sem sentido isso.

Entretenimento de bordo

Não há monitores individuais, apenas aquelas compartilhadas ou, se preferir, revistas da companhia.

Chegada

O pouso foi realizado até antes do previsto. Foi bom, pois tinha a conexão para São Paulo, consegui aproveitar um pouco mais do aeroporto de Johanesburgo.

Check-in e embarque (voo de volta)

Como o check-in do voo de volta ao Brasil já havia sido feito pela Cidade do Cabo, eu apenas desembarquei e fiz a imigração para seguir para a ala internacional do O.R Tambo. Por cerca de  2 horas fiz algumas compras no Duty Free e fiquei um pouco na sala VIP da SAA. Com certa antecedência, me dirigi até o portão de embarque do meu voo.

Para entrar na sessão de cadeiras que pertencem ao portão desse voo, é preciso passar por uma segunda inspeção de passaporte e passagem. O embarque foi bem organizado, foi separado por duas filas, a da econômica e a da executiva, Star Gold, Elite SAA e prioridades garantidas por lei.

Cada fila tem seu finger específico, ou seja, há dois ligando o terminal à aeronave.

Avião

A aeronave que operou neste voo de retorno ao Brasil foi um Airbus A340-600 nas pinturas da Star Alliance, gostei bastante desse avião.

como-e-voar-south-african-2016-52

Ele era relativamente novo, com poucos sinais de uso e na decolagem foi bem silencioso. A configuração é idêntica do voo da ida, vou tentar resumir e vou usar uma parte do relato da ida.

Serviço de bordo

O serviço por parte das comissárias foi bom, prestativo, mas nada demais. O da ida foi muito melhor, muito mais atencioso e pessoal. Conforme o voo ia passando, o atendimento da comissária decaía, mas nada preocupante, talvez devesse ser o cansaço. Ela não tentou falar português, mas também não vejo isso como obrigação, no entanto, diferente do voo de ida, ela não nos chamou pelo nome.

Refeições

Foi servido almoço, primeiramente, e um pouco antes do pouso uma refeição leve.

O serviço do almoço começou com o welcome drink no embarque. Logo que a aeronave estabilizou, as comissárias passaram entregando o cardápio (em português) e a carta de vinhos. Alguns instantes depois, começaram oferecendo o aperitivo (estavam divinos por sinal) e bebida.

Passado um tempo, decidimos o que íamos pedir e a comissária passou anotando os pedidos.

Optei pela salada de camarão de entrada (estava maravilhosa) e para o prato principal escolhi o tortelini, foi uma ótima escolha.

como-e-voar-south-african-2016-07

Dessa vez teve sobremesa e optei pelo sorvete de pistache, estava também muito bom. Depois passaram oferecendo alguns bombons.

Perto do pouso, foi servido o lanche. Optei pelo carpaccio, como os outros pratos, também estava delicioso.

De prato principal escolhi o camarão que estava sensacional. Para beber resolvi experimentar Ginger Ale e gostei bastante! Vou pedir mais vezes.

Todos os pratos estavam muito bem apresentados.

Entretenimento de bordo

O sistema desse voo aparentava ser mais completo, com muitas opções de filmes, músicas e outras coisas. Vale ressaltar também que a resposta ao toque também era bem mais rápida.

Como dormi apenas 1 hora neste voo, aproveitei bastante desse sistema. Assisti 2 filmes, que gostei bastante. Os filmes não têm opção de legenda e áudio em português, o que considero um ponto negativo. Acho que as companhias que voam para o Brasil deveriam ter opção de legenda em português.

Não testei o fone de ouvido deles, pois usei o meu que levo em todas as minhas viagens. Aparentemente parecia ser muito bom.

Chegada

Pousamos no horário previsto em Guarulhos. Desembarcamos no moderníssimo Terminal 3 pelo finger. Todos os processos de imigração, retirada de mala e alfândega foram feitos com muita rapidez e em menos de 30 minutos já estava no táxi indo para casa.

Conclusão

Adorei viajar com a South African Airways. Atendimento ótimo, um bom conforto nas poltronas e o serviço de bordo bom. Tem algumas falhas, como comentei neste relato, mas nada demais. Recomendo muito viajar com eles, na minha opinião, é o melhor jeito de chegar até a África!

Se um dia tiver que voltar para a África, uma das minhas primeiras opções com certeza será a South African.

Autor

Marcel Bruzadin - Marcel