Como é voar na Air Koryo – segunda avaliação

Redação 27 · novembro · 2016

Você já imaginou viajar até a Coréia do Norte (também conhecido como um dos países mais inacessíveis no mundo)? O Melhores Destinos apresenta hoje a segunda avaliação de voo com a Air Koryo, companhia aérea estatal da Coréia do Norte.

Na primeira publicação da avaliação, publicada pelo Melhores Destinos em 2012, utilizamos o adjetivo de pior companhia aérea do mundo. Será que a qualidade continua assim tão ruim, mesmo após 4 anos? Confira o relato na íntegra, enviado pelo leitor Rodrigo Ramos Margon Vaz.

como-e-voar-air-koryo-01

E lembre-se, caso você também tenha tido a oportunidade de voar com a Air Koryo, deixe suas impressões e comentários ao final do post.

Boa leitura!


Introdução

Na verdade, não tive a oportunidade de escolher viajar pela Air Koryo. Para se visitar a Coréia do Norte, deve-se contratar um tour com tudo incluso, hospedagem, comida, entradas nas atrações, guias e, claro, passagens de ida e volta.

A única outra companhia que voa pra Pyongyang, capital do país, é a Air China. No meu caso, “dei a sorte” de minha operadora ter escolhido a companhia estatal da República Democrática Popular da Coréia…

Eu optei por sair do país de trem, via fronteira com a China, por isso só fiz um trecho com a Air Koryo.

Dados do voo:

Pequim – Pyongyang (Voo JS 222)

Compra

Como disse, não participei da compra de qualquer maneira, paguei pelo tour e o voo estava incluído. Não me foi dito o preço do voo em separado, mas tive curiosidade e procurei na internet, achei por cerca de R$ 1.400 na época, mas acho esse valor irreal, como a operadora de turismo fechou quase o avião todo, deve ter tido um preço bem melhor.

Check-in e embarque

Parti para o Aeroporto Internacional de Pequim e cheguei bem cedo, já que o voo era às 7:30 da manhã. Durante o check-in achei que a fila andou meio devagar, uma vez que todos estavam com pouca bagagem e os vistos de entrada no país já em mãos.

como-e-voar-airkoryo-0004

Havia uma fila pra classe executiva e nesta vi alguns senhores engravatados (nenhum deles me parecendo turistas) despachando enormes caixas, que lembravam aquelas de gêneros alimentícios, algo bem escasso na Coréia do Norte.

Aeronave

O avião que voei é de fabricação russa, um Tupolev 204-300. O avião estava bem limpo e fomos recebidos por quatro comissárias de bordo e um comissário chefe.

como-e-voar-airkoryo-0007

O avião parecia bem antigo, muito pelo layout, com poltronas grossas e com o banheiro sem qualquer cor, inteiro de aço. Na classe executiva a configuração era 2 x 2 e na econômica 3 x 3. Pelo o que observei ao passar pela executiva, além da cor das poltronas (rosa x azul), a diferença para com a econômica é que estas eram mais largas, mas não havia qualquer tela individual  e não me parecia que estas reclinavam totalmente.

como-e-voar-airkoryo-0019

Serviço

Como o voo era curto, de apenas 2 horas, não houve muita oportunidade de testar o serviço de bordo. Somente foi servido um lanche e pronto. Antes disso, os anúncios foram feitos em coreano, chinês e inglês (bem difícil de entender, por sinal).

As comissárias eram bem jovens, algo como 20 e poucos e destoavam do único comissário, que aparentava ter pouco mais de 50 e passava o tempo todo fiscalizando o serviço. Não houve distribuição de qualquer item de conforto ou fones de ouvido.

como-e-voar-airkoryo-0009

Algo inusitado que aconteceu foi que atrás do meu assento havia um vago e faltando cerca de meia hora pro fim do voo, uma das comissárias se sentou lá e começou a puxar papo com um australiano que estava ao lado. Perguntou coisas do tipo: “o que você espera da sua vista à Coreia do Norte?”, “O que pretende fazer lá?”, “Qual sua profissão?”, e disse também que era estudante e gostava de praticar inglês. Isso durou uns 15 minutos. Não foi além disso e depois até brincamos com a situação, bem banal em qualquer outro lugar, mas já em um país como a Coréia do Norte, no qual o governo controla tudo e as liberdades individuais são limitadíssimas, acabamos ficando com a pulga atrás da orelha.

Refeições

Cerca de 30 minutos após a decolagem começou o serviço de bordo, que consistia unicamente de um hambúrguer (de frango, acho), não havia qualquer outra opção de comida e para beber havia cerveja do Coréia do Norte, suco de maçã e água. Fiquei na opção da água mesmo.

como-e-voar-airkoryo-0013

O sanduíche estava bem frio, com pão massudo e esfarelando, e bem gorduroso, a ponto de molhar o papel.

Depois da refeição os comissários serviram café e chá aos passageiros.

Entretenimento

Apesar de haver a opção de mudar canais de áudio no braço das poltronas, como não distribuíram fones de ouvido, não sei dizer se havia algo sendo transmitido. O único “entretenimento” que houve foi a transmissão (nas telas situadas a cada três fileiras de poltronas) da gravação de um show com algumas mulheres cantando e tocando violino em um grande estádio da Coréia do Norte, tudo intercalado com imagens do ex-líder Kim Jong-il.

como-e-voar-airkoryo-0006

Esse show foi transmitido pelas duas horas do voo e com volume bem forte nos alto-falantes.

Incidentes

Antes de embarcar na aeronave já havíamos sido avisados por nossos guias que não se podia tirar fotos dentro do voo. Claro que todos tiraram, mas disfarçadamente, longe da tripulação. O passageiro à minha frente estava com uma câmera na mão e o comissário foi bem duro com ele, dizendo que era pra guardar a câmera e até pediu pra ver as fotos, por sorte ele não havia tirado alguma ainda.

Chegada

A chegada no aeroporto de Pyongyang é um capítulo à parte. Bem pequeno (havia um maior sendo construído ao lado), fomos avisados que lá também não se podia tirar fotos.

Todos os funcionários usavam uniformes militares. A conferência de passaportes foi bem rápida, com os oficiais usando aqueles computadores monocromáticos de trinta anos atrás. Após isso, pegamos as bagagens na única esteira que havia e todos os passageiros passam por uma fila na qual são perguntados sobre o que possuem de aparelhos eletrônicos. Eu tinha meu celular, uma câmera GoPro e um netbook , os quais declarei e separei pra averiguação.

Viram (manusearam) minha câmera e o celular e nada disseram, sobre o netbook, perguntaram se tinha algum filme, disse que não (o que era verdade) e me deixaram passar. Porém, outros passageiros do voo tiveram a mesma GoPro confiscada. Aí vale uma melhor explicação, eles colocam seus pertences em um armário e te entregam um ticket, pra você recuperar na sua saída do país. E uma coisa que estavam particularmente preocupados em achar eram os GPS. Como nosso grupo estava lá focado em correr a maratona de Pyongyang, havia vários levando frequencímetros com GPS e a maior parte ficou sem eles.

Conclusão

É difícil dar um parecer sobre a Air Koryo, muito pelo fato dela ser única, não pela qualidade dos serviços, mas por já ser uma antecipação da entrada no país mais fechado do mundo.

Em circunstâncias normais, eu jamais me aventuraria naquela considerada a “pior companhia aérea do mundo”, mas como a ideia desde início era imergir neste país tão peculiar, eu embarquei sem titubear e caso volte ao país, farei questão de voar novamente na Air Koryo. E sinceramente, fazendo uma análise fria, já voei em companhias aéreas bem piores (ou pelo menos tive experiências piores) que a Air Koryo.

Agradecemos ao Rodrigo por relatar sua experiência!

Alguém já voou ou pensa em voar com a Air Koryo? Comente e participe!

Publicado por

Redação

redacao

  • pedro freitas

    Eu nunca irei viajar para a Coréia do Norte, prefiro ir no máximo na África do Sul, país sujo…

  • Daniel Moura

    Muita coragem ir pra Coreia do Norte…

  • Pareceu muito suspeito o comportamento da comissária que começou a conversar com o passageiro australiano!

    • Antonio Silva

      Achei o mesmo, devia estar checando alguma informação com o rapaz e não sendo simpática !

    • Rodrigo, concordo. Aconteceu comigo quando estive lá. Resultado, um cartão de memória sumiu no hotel.

    • talvez dando encima dele pra depois fugir da coréia do norte, e a gente aqui pensando que ela poderia ser uma espiã do governo local!!

  • Leandro Alves

    Se o preco fosse bom, poderia ate ir, mas alem de ser muito caro, tem o perigo de ser barrado nos EUA pra sempre. Prefiro nao arriscar 🙂

    • Pedro

      É. ..bem lembrado…agora então. …já pensou não entrar mais nos EUA por causa de um país fuleiro desse aí? ???

  • Matheus Cunha

    Bem legal o relato e parabéns pelas fotos!

    Mas eu não sei se teria coragem de comer esse sanduíche!

  • Pedro

    Fiquei com dúvida se o computador que eles usavam no aeroporto era um TK-82.
    Deve ser legal, você assistir a série sobre o herói norte coreano.
    Todos os filmes dele começam com “meu nome é Jong, Kim Jong-il” e também quando ele pede um Martini, “batido e não mexido”.rs

  • PauloHCM

    Tipo qual??? Proibição de entrada até de Notebook com filmes que eles não aprovam???

  • Willian Borderes

    Qual agência você contratou, foi a Koryo Tour? Estou planejando uma viagem pra lá também.

  • Vitória Carolina

    Não entendi por que não confiscaram sua câmera

    • talvez fosse pequena ou eles não tenham visto ou ele tinha bolso, enfim aqueles loucos pensam que a pessoa seja um expião da CIA kk só doido

  • Leandro Godinho

    De país bizarro, já fui ao Turcomenistão. Quase apanhei de um soldado ainda na pista do aeroporto, antes de entrar, pq tirei uma foto. O cara tomou meu celular e ficou me dando esporro em klingon, apontando pras câmeras de segurança. Ficou maluco quando viu um vulto no fundo de uma foto que achou que era ele e me obrigou a apagar várias delas, até as que fiz no avião (o voo era da Turkish). A sorte é que tinha uma mulher com ele que era mais flexível, senão ia ficar sem o celular.

  • Cara, que experiência espetacular!
    Estive na coreia do norte em 2013, porém entrei por trem. Foi inesquecível.
    Quero voltar, desta vez via AirKoryo.

    • mas lá tem liberdade para andar de boa nas ruas ou puxar assunto com populares de lá como fazemos aqui ou você é monitorado de perto pelos ”agentes” do governo ai sair do hotel e voltar?

  • Pode crer que sim. Só visitando para saber o quanto de baboseira é escrito aqui no ocidente.

  • 1 – Sim, só entregam na saída;
    2 – Não, e não entregam folha alguma. Você recebe um papel recolhido na saída.