Como é voar com a American Airlines

Marcel Bruzadin 10 · setembro · 2015

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Hoje selecionamos uma avaliação de voo extremamente recente para apresentar à vocês, feita pelo leitor José Otávio Martins, que voou com a American Airlines do Rio de Janeiro até Nova York na semana passada. Escolhemos publicar essa avaliação hoje justamente por conta das inúmeras passagens aéreas compradas com a companhia na promoção que o Melhores Destinos divulgou no dia 20/08, com tarifas muito baratas para diversos destinos pelo mundo, incluindo os Estados Unidos, claro.

como-e-voar-american-airlines-report

Por se tratar de uma avaliação recente, com certeza esta será uma boa referência para aqueles que estão de viagem marcada para os Estados Unidos com a companhia americana.

Confira o relato na íntegra e veja como estão os serviços da AA para os voos partindo do Brasil até a América do Norte.

Boa leitura!

Introdução

No meio do ano comecei a programar uma viagem para incrível cidade de Nova York nos Estados Unidos e estava procurando passagens para a data do feriado de 7 de setembro. Depois de consultar o Melhores Destinos e os sites das companhias aéreas, encontrei uma opção num preço bom com a American Airlines. Em um primeiro momento hesitei em comprar. Como leitor do MD, leio diversos relatos pavorosos da AA e a vejo no fundo do ranking das companhias aéreas, no entanto topei o desafio e comprei por conta do baixo preço.

Até então, achei que voaria nas aeronaves sucateadas das quais li na internet, mas logo depois descobri que a American Airlines trocaria o equipamento que faz a rota Rio de Janeiro (GIG) – Nova York (JFK) por um Boeing 777-200. Vi também que na rota de volta, com escala em Miami, também era operada com 777-200, logo pensei: “não pode ser tão ruim assim”.

E assim lá fui eu!

Voos (classe econômica):

  • Rio e Janeiro (GIG) X Nova York (JFK) – AA 974
  • Data: 03/09 – 21h00
  • Nova York LGA X Miami – AA 1103
  • Data: 08/09 – 9h59
  • Miami X Rio de Janeiro – AA 905
  • Data: 08/09 – 23h59

Compra  (Nota: 10)

A compra dos bilhetes foram realizadas pelo site da AA, que é muito fácil e intuitivo, me filiei ao AAdvantage para somar as milhas e emiti o bilhete. No site e pelo app mobile da AA você pode trocar os assentos do voo a qualquer momento, o que foi vantajoso para mim pois não estava viajando sozinho e consegui lugares juntos.

como-e-voar-american-airlines-website

Dica: Fique de olho nos assentos caso não consiga bons lugares logo na compra. 

Check-in e embarque (Nota: 6)

Cheguei ao Aeroporto do Rio de Janeiro (Galeão) na noite da minha viagem, caminhei pelo terminal todo e fui vendo as filas de check-in dos outros voos: todas vazias ou pequenas. Quando finalmente cheguei ao check-in da American Airlines me deparei com uma fila gigantesca.

Não consegui fazer o check-in online por um erro no preenchimento das informações dos passageiros na hora da compra, então não tive opção e enfrentei a fila.

Os bilhetes inicialmente são emitidos em máquinas de auto-atendimento e em seguida você entra na fila para despachar as malas. Depois da espera fomos atendido por um funcionário muito simpático da AA, o que me surpreendeu pois ao ler as avaliações parecia que eu me depararia com ogros.

Bagagens despachadas, seguimos para o portão de embarque.

O embarque foi bem tumultuado, não havia uma fila bem formada e o embarque dos grupos 1, 2 e 3 aconteceu tudo junto, foi uma bagunça! Porém o voo saiu pontualmente às 21 horas, o que também me surpreendeu.

como-e-voar-american-airlines-embarque2

No voo de volta até Miami, o check-in – realizado no Aeroporto La Guardia – também foi em terminais de auto-atendimento, porém, sem nenhuma fila.

O embarque de volta de Miami para o Brasil foi bem mais organizado, um grupo de cada vez e com fila organizada.

Aeronave (Nota: 9)

Adentramos no novo 777-200, e quando digo “novo” é novo mesmo, o avião estava impecável! Havia a classe executiva “espinha de peixe”, e o restante do  avião era dividido em duas partes, na configuração 3-3-3 (na qual fiquei) e outra 3-4-3.

como-e-voar-american-airlines-aeronave-interior

Os assentos são confortáveis, reclinam bem e têm encosto para cabeça articulado. As televisões individuais são touch screen e muito boas. Importante ressaltar que havia tomada individual em todos os assentos.

Um detalhe que me incomodou, mas não sei se foi só comigo: não havia suporte para os pés em baixo do banco a sua frente, então seus pés ficam soltos, sem apoio.

como-e-voar-american-airlines-poltronas

O avião de volta também foi um 777-200, porém, muito mais vazio. Tão vazio que consegui uma fileira de 4 só pra mim e consegui viajar deitado. Quase uma classe executiva né?

Serviço (Nota: 9)

Depois de acomodado, pensei que logo deveriam vir os comissários mal-educados e grossos. Queimei minha língua. A tripulação era toda muito simpática, amigável e atenciosa. Composta por americanos e brasileiros, incluindo falantes de espanhol. Foram distribuídos os fones de ouvido (que depois foram recolhidos) e iniciaram os serviços de jantar.

A gentileza da tripulação me impressionou tanto que gostaria de destacar um ocorrido. Durante o voo eu me senti muito mal, tive enjoo e não conseguia dormir direito depois de comer o jantar. No momento que um dos comissários percebeu meu mal estar, ele e mais outra comissária passaram o voo quase todo me dando algum tipo de assistência, perguntando se eu estava bem, se precisava de algo e até mesmo foram à classe executiva ver se havia assentos livres para que eu pudesse repousar melhor. Sim, isso aconteceu, mas infelizmente não tinha assentos disponíveis. Enfim, fui muito bem atendido, superou muito minhas expectativas.

No voo da volta havia um comissário, mais velho, muito grosso com os passageiros, ainda mais os que não falavam inglês. Ele não me atendeu, mas a grosseria era percebida de longe. O restante da tripulação era excelente.

Refeições (Nota: 8 – mesmo eu passando mal)

Como mencionei acima, eu passei mal no voo de ida depois de comer o jantar. Não vou jogar pedras na AA, até porque acho que fui o único do avião que me senti mal depois de comer, mas acredito que possa ter sido algum molho ou tempero que não me caiu bem.

De qualquer forma foram oferecidas duas opções: frango e massa. Escolhi frango na ida e por precaução escolhi massa na volta.

como-e-voar-american-airlines-almoco

Todas as refeições são servidas com salada, sobremesa, um pão ou biscoito salgado, uma garrafa d’água e bebida entre sucos, refrigerantes, vinhos, cervejas e etc.

No fundo do avião fica disponível mais garrafas d’água, além de biscoitos doces e salgados durante todo o voo.

O café da manhã é composto por frutas, biscoitos doces e salgados, que podem ser consumidos com água, café, chá, chocolate quente, sucos e etc.

Entretenimento (Nota: 10)

Gostei muito do entretenimento da American Airlines. Havia uma diversidade grande de filmes, alguns que mal haviam estreado no Brasil, séries de TV, jogos e até alguns canais americanos ao vivo. Todos com opções de áudio em vários idiomas, incluindo português. 

como-e-voar-american-airlines-monitor

Incidentes

Tirando o meu mal estar, que foi resolvido com o apoio da equipe da AA e dois saches de sal de fruta, tudo ocorreu perfeitamente. Sem atrasos, sem cancelamentos, tudo OK.

Conclusão

Foi uma surpresa muito positiva voar com a American Airlines. Nunca tinha voado e gostei bastante. Além de oferecer voos non-stop saindo das principais capitais brasileiras para os destinos norte-americanos, é uma companhia que vem mostrando uma boa postura. Percebi funcionários bem treinados e de uma forma geral, sem atraso nos voos e aeronaves muito boas. Já voei com diversas companhias europeias e americanas, portanto, posso dizer que tive uma ótima experiência com a AA.

Ainda há muito que melhorar, pois sei que os voos que não saem do Rio de Janeiro ou São Paulo não são operados em aviões novos, mas acredito que a companhia está no caminho certo.

Autor

Marcel Bruzadin - Marcel