Comer bem e barato em Paris é possível: veja as nossas sugestões para sua viagem

Gisela Cabral 1 · junho · 2016

O MD acaba de publicar o Guia de Paris totalmente renovado. E para celebrar a nova fase deste que foi um dos nossos primeiros Guias de Destinos – atualmente são 123 – elaboramos uma matéria muito útil em tempos de Euro nas alturas: onde comer bem e barato em Paris.

Um desafio nada fácil, afinal, a capital da França é uma das cidades que mais recebe visitantes no mundo, é famosa pela gastronomia, mas os preços dos bons restaurantes não “combinam” com o bolso do brasileiro neste momento. Por isso a probabilidade de cair em “armadilhas” quando não se tem muito para gastar acaba sendo grande.

comer-paris2
Paris é uma das cidades mais visitadas do mundo

Para fugir das famosas tourist traps, decidi fazer uma pesquisa antes de chegar à cidade. Li vários blogs aqui da Europa, conversei com alguns locais e fiz download de Apps diversos para selecionar os locais que seriam visitados. O resultado foi uma lista de estabelecimentos especializados em comida francesa e de várias outras partes do mundo. A principal lição aprendida desta vez é que para economizar em Paris é preciso variar o paladar!

Mas antes de partirmos para a lista de restaurantes, lanchonetes, boulangeries e afins, elaborei algumas dicas que podem ser de grande utilidade para os que desejam fugir um pouco das redes de fast food, comer bem, mas sem gastar “os tubos”.  

A gastronomia francesa é considerada uma das mais refinadas do mundo
A gastronomia francesa é considerada uma das mais refinadas do mundo

Opte pelo almoço

Se você é daqueles que não perdem a chance de ir a um restaurante, mas ainda assim deseja economizar, a dica é optar pelo almoço. Isso porque vários estabelecimentos parisienses oferecem a salvadora formule du jour ou o Le plat du jour (o prato do dia).

Nestes sistemas é possível experimentar um, dois ou mais pratos (entrada, prato principal, etc) a preços fixos, em geral, bem mais em conta. Além do mais, os pratos do dia acabam sendo preparados com ingredientes “da época” e as chances de provar algo bom são realmente grandes. A maioria desses restaurantes também exibem o cardápio em placas afixadas na porta, portanto, não deixe de conferi-las antes de entrar.

Cardápio
Cardápio na porta de restaurante parisiense

Horário de funcionamento 

Paris é uma das cidades mais cosmopolitas do mundo e lá você vai encontrar restaurantes/cafés/lanchonetes que servem comida ao longo de todo o dia, porém, nem todos os estabelecimentos seguem esta regra.

Só para citar um exemplo, a creperia que indicamos logo mais abaixo funciona do meio-dia às 15h, no almoço, e depois só abre para o jantar. Portanto, a dica para os que não fizeram reserva é informar-se do horário de funcionamento e tentar chegar o mais cedo possível.

Essa foi uma das táticas durante a minha estada na cidade e não tive problemas para encontrar mesa em nenhum dos restaurantes em que estive. Um fato curioso: estava almoçando em um desses locais quando um grupo de quatro pessoas solicitou uma mesa, exatamente 30 minutos antes de a cozinha fechar.

A garçonete, inicialmente, negou a mesa, alegando que as atividades estavam se encerrando. Após muita insistência de uma das pessoas do grupo, a atendente acabou acomodando-os em uma mesa, porém extremamente contrariada.

Calçada de restaurante no bairro Le Marais
Calçada de restaurante no bairro Le Marais, em Paris

Cardápio em francês

Minha primeira vez em Paris foi um pouco tensa, já que não falava nada de francês e por isso não entendia nada dos cardápios de restaurantes que não ofereciam uma cópia em inglês. Aprender algumas palavras e expressões, no entanto, fizeram toda a diferença nas outras vezes em que estive na cidade.

La Carte, por exemplo, nada mais é do que o cardápio. Já La Carte des Vins é o cardápio ou carta de vinhos. Abaixo, algumas outras palavras/expressões importantes:

Un Apéritif – bebidinha servida assim que a pessoa chega ao local;

Un amuse-bouche – espécie de snack geralmente comido em uma só mordida (alguns locais o oferecem como cortesia do chef);

Une entréeentrada/petisco;

Le plat principal – prato principal;

le dessert – sobremesa;

le fromage – queijos;

le café – cafezinho;

eau minérale – água mineral engarrafada;

carrafe d’eaugarrafa de água (água de torneira, própria para consumo);

Isso não quer dizer que você não encontre restaurantes com cardápio em inglês, além de atendentes que dominam vários idiomas. Porém não custa nada se preparar aprendendo algumas expressões, caso encontre pela frente estabelecimentos onde só se fala francês.

café de Paris vendendo baguetes na rua
café de Paris vendendo baguetes na rua

E tem algo de graça?

Em Paris e em outras cidades da Europa é seguro pedir água da torneira para matar a sede e a garrafinha ou o copo que vêm à mesa, em geral, não são cobrados. Então, mesmo que o garçom lhe ofereça água mineral ou água com gás, peça por tap water ou em francês: Une carrafe d’eau s’il vous plaît (Uma garrafa com água, por favor). Alguns estabelecimentos também não costumam cobrar pela cestinha de pães que acompanha a refeição.

Atendimento Parisiense

Eis aqui um tópico muito discutido mundo a fora. Isso porque Paris não tem uma fama lá muito boa quando o assunto é atendimento em restaurantes. Os garçons parisienses são taxados de rudes e sem paciência, além do mais, não costumam ser muito simpáticos com quem já chega falando em inglês.

Bem, estive em Paris mais de uma vez e nunca tive grandes problemas. Talvez por já começar a conversa com um sorriso e esboçar algumas palavras/frases em francês. “Bon jour monsieur. Je voudrais une croissant, S’il vous plaît?” Bom dia senhor, um croissant, por favor?

Porém, quando a conversa evoluía para um outro nível eu já partia para um “Pardon, Parlez-vous anglais?”. “Me desculpe, você fala inglês?”. E assim eu me viro desde a primeira vez em que estive na cidade, sem maiores percalços e ainda arrancando sorrisos de alguns atendentes.

Café de Paris - Le Marais
Café de Paris – Le Marais

E a Gorjeta?

A verdade é que não existem regras muito claras em relação à gorjetas na capital da França. Alguns restaurantes já cobram um percentual na própria conta, posteriormente repassado ao prestador de serviço.

Mas, de acordo com o site Fodor’s, é gentil deixar algo entre €1 e €3 em restaurantes informais ou 5% do valor total da conta em estabelecimentos mais refinados. Apesar disso, a decisão de deixar ou não a gorjeta é sempre do cliente.

Dica para quem deseja economizar muito: Supermercados e feiras livres!

Se você está viajando para Paris com a grana curta, também pode experimentar comidas prontas ou semi-prontas vendidas nos vários supermercados espalhados pela cidade, como é o caso do nosso “velho conhecido” Carrefour e outros como o Monoprix, Franprix, Casino e o Simply.

Ao optar pela comida pronta vendida nestes estabelecimentos – como saladas, sanduíches, frutas, sucos e refrigerantes, queijos, patês e etc – você pode aproveitar para fazer um piquenique em um dia de Sol ou, quem sabe, sentar-se em uma bela praça, aproveitando, assim, a hora do café da manhã ou do almoço para curtir a atmosfera da cidade.

Outra opção interessante são as feiras livres como a Marché Bastille, Saxe-Breteuil e a Marché Mouffetard. Excelentes, também, para quem alugou um apartamento de temporada em Paris e pretende cozinhar durante a estada. Nelas você vai encontrar legumes e vegetais frescos, queijos, carnes, peixes e mais uma série de alimentos vendidos diretamente, na maioria das vezes, pelo próprio produtor.

Supermercados são boas opções para os que desejam economizar, pois vendem comida pronta
Supermercados são boas opções para os que desejam economizar

Diferenças entre bistrô, brasserie, café e boulangerie

Conhecer as diferenças entre os estabelecimentos de Paris é um bom começo para aqueles que desejam economizar. Bistrôs, por exemplo, costumam ser informais, pequenos e comandados (ou não) por uma família. Nesses locais, que geralmente servem pratos típicos da gastronomia francesa, só abrem para o público em determinados períodos do dia (almoço e jantar, por exemplo).

Já os Cafés são ambientes informais, abertos de manhã até a noite, onde você pode tomar o seu café da manhã, uma xícara de café ou chá durante o dia, acompanhadas de maravilhas açucaradas (como o famoso Éclair de chocolate, por exemplo). Nos cafés também é possível fazer pequenas refeições em qualquer horário do dia (experimente o croque-monsieur!) e tomar alguns drinques.

Boulangeries nada mais são do que padarias que começam a vender o croissant e a baguete fresquinha desde as primeiras horas do dia. Croissants e baguetes simples custam €1, em média, mas se a baguete for mais “incrementada” custa em torno de €1,50. Lembrando que algumas boulangeries possuem área com mesas e cadeiras, onde você é atendido por um funcionário e pode fazer a refeição no próprio local.

Enquanto as Brasseries, de origem alsaciana, são estabelecimentos ideais para quem aprecia uma bebidinha alcoólica – principalmente a cerveja – mas deseja comer algo bem típico e, claro, gostoso. Em geral, as brasseries servem pratos ao longo de todo o dia.

comer-paris8Confira as nossas sugestões de Onde Comer Bem e Barato em Paris

Crêperie Brocéliande – minha primeira parada em Paris foi nesta pequena e aconchegante creperia que fica em uma das ruas de Montmartre, bem na hora do almoço. Na formule do dia era possível escolher um galette (crepe salgado), um crepe doce e uma bebida: jus d’Orange (suco de laranja) ou sidra (espumante feito de maçã).

Meu galette Campagnarde, com cebolas cristalizadas, bacon, batata, ovo e queijo estava divino. Que massa deliciosa! Já de sobremesa optei pelo crepe de banana com chocolate, sendo que toda a refeição saiu por €10. Dica do MD: chegue cedo ou faça uma reserva por telefone. A cozinha do local funciona do meio-dia às 15h e depois só volta a abrir para o jantar.

galette da creperia Broceliande
galette delicioso da creperia Brocéliande

Boco – entrada, prato principal e sobremesa servidos em potes! Esta foi a maneira que 10 chefs parisienses encontraram de oferecer uma série de delícias da culinária francesa, a qualquer hora do dia e a preços bem mais em conta.

Na noite em que estive no local, saboreei um mix de salada verde (€3.50), de entrada, um ensopado de carne com vinho, vegetais e ervas de Provence (o Daube Provençale), acompanhado de gnocchi de batatas (€9.60) e, de sobremesa, um delicioso creme de chocolate (€4.20). Lembrando que os preços dos pratos variam e reservas não são necessárias.

No Boco as comidas são servidas em potinhos
No Boco as comidas são servidas em potinhos

Boulangerie Coquelicot – a movimentada padaria de Montmartre – bem na saída da estação do Metrô Abbesses – está sempre cheia e depois de experimentar as delícias do local é possível entender o porquê.

Pães fresquinhos, croissants, tortas a preços que cabem no bolso e também menus de café da manhã que vão de €4,95 – bebida quente (chá, café ou chocolate), brioche e geléia – até €14,35 – bebida quente (chá, café ou chocolate), salada verde, cogumelos e tomate, linguiças assadas, bacon, pão, ovos e suco de laranja – um verdadeiro café da manhã dos campeões.

A Coquelicot abre todos os dias;

Boulangerie Paul – muita gente chama a rede de padarias Paul de “Starbucks parisiense”. Isso por conta da grande quantidade de lojas espalhadas pelos mais diversos bairros de Paris, além de estações de trem, aeroporto e etc.

Bem, a verdade é que a Paul é uma alternativa mais em conta para café da manhã e lanches ao longo dia. As lojas servem pães de todos os tipos, croissants, sanduíches no pão baguete, quiches, sucos, cafés, chocolate quente e vários doces deliciosos. Está com pressa? Então, você pode passar em uma das lojas, comprar a sua baguete e sair caminhando pelas ruas da cidade.

croissants com geleias do
croissants com geleias da Boulangerie Coquelicot

L’Ilot – se você é um apaixonado por frutos do mar não pode deixar de experimentar a comida do L’Ilot, que oferece uma grande variedade de peixes e mariscos frescos, vindos diretamente da costa francesa.

Os preços do local cabem no bolso e a dica para não gastar muito é dividir uma entrada (a partir de 5) e depois partir para outros pratos como a porção de ostras (a partir de 9,50) e pratos mais completos, como o de peixe defumado (24). Ah, lembrando que os vinhos da casa – que não faz reservas – também são imperdíveis! Confira aqui o cardápio completo (com preços).

Rue St. Anne – ao andar pela Rue St. Anne – no 2° Arrondissement – logo “senti” a atmosfera oriental e o meu faro para comidas gostosas começou a dar o alerta pelo aroma que vinha do Sapporo. Restaurante simples, informal, cozinha aberta com “vista” para as mesas, atendimento ágil e um cardápio cheio de pratos da culinária japonesa.

Um dos “carros-chefes” da casa são os bowls de ramen ou lamen, uma reconfortante sopa à base de macarrão que os japoneses adotaram da China (preços variando de €8,20 a €10). Mas no menu também há outros pratos igualmente deliciosos como o yakisoba (€10), o yakiniku don (€11) – carne grelhada super saborosa, servida com arroz – e menus fechados que variam de €10,90 a €13. O local não faz reservas.

Outro estabelecimento que costuma atrair muita gente na mesma rua é o restaurante Higuma, famoso pelos dumplings (massinhas com recheios diversos), gyozas (espécie de mini pastel oriental, recheado e frito), entre outros. Ah, lá você encontra menus completos com preços variando entre €11 e €13.50

Amarante – este charmoso bistrô parisiense tem um cardápio de dar água na boca e preços bem em conta para o horário do almoço (formule du jour). Todos os dias (menos às quartas e quintas-feiras), do meio-dia as 14h, é possível experimentar um menu francês completo – com entrada, prato principal e sobremesa – por €19. Aqui você confere o cardápio completo.

Riad Nejma – o restaurante marroquino que fica quase de frente para o Centro Georges Pompidou me surpreendeu bastante. E não só pela qualidade da comida, mas também pelos preços, ambiente/decoração e pelo excelente atendimento. No menu do jantar você vai encontrar uma série de pratos da culinária daquele país, mas quando estive lá não pensei muito, optei logo pelo tradicional cuscuz.

Os preços do Riad Nejma são um pouquinho mais elevados que os demais restaurantes citados neste texto, mas cada centavo vai valer a pena, garanto. Pedi um cuscuz de carneiro assado, que custou €25 e estava divino. Eu não fazia ideia, porém, de que o prato fosse tão bem servido, duas pessoas poderiam dividi-lo tranquilamente. Reservas são altamente recomendadas e mais uma dica: o restaurante é enorme e tem mesas para grupos!

Falafel no Marais – o falafel é um bolinho frito, preparado com grão de bico ou fava e que leva condimentos como alho, coentro, entre outros. Uma iguaria tão deliciosa que faz uma apaixonada por carnes como eu virar vegetariana por uma refeição. E se existe um lugar perfeito em Paris para experimentá-lo, com certeza, é o Marais, bairro conhecido como “território dos artistas”.

O estabelecimento mais famoso da área é o L’as Du Fallafel, na Rue des Rosiers. Lá você vai comer o tradicional sanduíche de falafel no pão pita, com um hummus maravilhoso, e vai pagar €6 + €2.50 da batata frita super crocante.

Mas caso você vá até o local no sábado – o L’as Du Fallafel fecha neste dia – a minha sugestão é o Mi Va Mi, que fica de frente para o L’as e serve o mesmo sanduíche e a batata frita por um preço tão decente quanto o do vizinho. Dica do MD: você pode sentar-se nas mesas da parte interna destes dois estabelecimentos ou comprar o seu sanduba e sair andando pelas ruas do Marais, curtindo a atmosfera do bairro.

Baguett’s Cafe – este café super charmosinho e relativamente novo fica bem perto do Museu do Louvre. Lá, além de um cardápio cheio de delícias para o café da manhã ou brunch, você vai encontrar um ambiente aconchegante e atendimento cordial.

Os pães servidos no local são simplesmente divinos, isso sem contar com as geléias caseiras! O menu de café da manhã com pão à vontade, geléias, manteiga e etc, sai a €5.50. Pelo mesmo valor também é servido um porridge com frutas, que nada mais é do que um mingau, geralmente feito com aveia e servido quente.

Já na opção Total Baguett’s estão inclusos pães à vontade, geléias, manteiga, um copo de suco natural e uma bebida quente como café ou chá. Lembrando que o local produz biscoitos e bolinhos de dar água na boca e também oferece ao cliente uma variedade de grãos de café (moídos antes do preparo da bebida).  

falafel do Mi-va-Mi, no marais
falafel do Mi-va-Mi, no marais

Rococo – neste restaurante moderninho, situado na badalada Rue du Faubourg Saint-Martin, você vai se deliciar com pequenas porções de hummus, azeitonas, falafel, além do carro-chefe da casa: kebabs muito gostosos – entre eles os recheados com porco, cordeiro e vitela, acompanhados de uma porção de fritas.

Os preços do Rococo são bem justos, os kebabs custam a partir de €9, as bebidas, em média, €5, e as sobremesas, em média, €6. Totalizando €19 por uma refeição (em média). Lembrando que o Rococo também tem um ambiente super moderno e aconchegante, perfeito para um almoço ou um jantar mais demorado.

Chez Hipolène – eis aqui a nossa sugestão para uma refeição gostosa, a preços que cabem no bolso do viajante: formule du jour (entrada + prato principal + sobremesa) a €14, tapas que custam entre €4 e €8 e sanduíches com recheios variados, de €5 a €7.

O Chez Hipolène é um bistrô simples, informal, todo decorado no estilo vintage. Lá pude saborear pratos saborosos, preparados com ingredientes frescos. A cada garfada, tive a sensação de estar experimentando algo bem caseiro e reconfortante, o que foi importante para o restante do meu dia de frio em Paris. Valeu a pena cada centavo!

E você, leitor do MD, tem alguma sugestão de restaurante bom e barato em Paris? Deixe a sua sugestão nos comentários!

Publicado por

Gisela Cabral

Editora de Destinos

  • critico poa

    Bem interessante, boas dicas, mas dá frio na espinha quando falam que 19 euros pra uma refeição é um preço muito bom, pra eles até pode ser, mas pro Brasileiro isso é em torno de R$70,00. (Não tá fácil…)

    C’est la vie ! hehehe

    • Gisela Cabral

      Não tá fácil mesmo, mas também coloquei umas comidinhas mais baratas…pra dar uma aliviada na barra!!! hehehe 🙂

  • Umberto

    Excelente texto e excelentes dicas Gisela. Muitas vezes Paris é bem complicada para comer. Eu tenho duas dicas bacanas, com preços legais, ambas em Montmartre:

    Le Paprika Restaurant – um húngaro excelente e barato
    Le Consulat, que tem talvez a melhor sopa de cebola da cidade

    • Gisela Cabral

      Valeu, Umberto!!!!! fiquei curiosa com esse restaurante húngaro…vai ter que ficar pra próxima! 🙂

  • Ricardo Alves

    Acabei de voltar de Paris, foi um pouco “tenso” comer lá…. impossível não converter para o Real…kkkk
    Fiz algumas das sugestões acima, pois pesquisei em blogs.

  • Heloisa Biagi

    Ótimo post! Só estive em Paris uma vez, então, talvez minhas observações não façam muito sentido, mas vamos lá:
    – Franceses não falam inglês: mito. Talvez nas regiões mais afastadas, mas no centro de Paris todo mundo fala inglês bem. Se tiver alguma dúvida quanto ao cardápio, pergunte ao garçom. E tradutor Google na mão, sempre
    – Gorjeta: eles não são muito acostumados com isso, então, se você der uns 2 euros a mais, vai ver garçom emocionado.
    – Ficar de olho no horário de abertura e fechamento dos restaurantes é essencial. Principalmente à noite. Os franceses jantam cedo, a maioria dos restaurantes fecha às 22:00
    – Domingo: Paris simplesmente FECHA. E o que fica aberto dificilmente é grande coisa. Melhor se garantir e comprar uns frios pra fazer um picnic
    – Cuidado com restaurantes muuuito famosos ou tops do Trip Advisor. Alguns deles são verdadeiras armadilhas de turistas, caros e sem qualidade. Pesquise bem e pergunte aos locais. Exceções: patisseries. Pode se jogar na Fauchon e na Pierre Hermé sem medo.

    • Gisela Cabral

      Pois é, Heloisa, já caí em várias armadilhas lá em Paris por seguir os comentários do tripadvisor! Armadilhas meeeesmo! Ahahaha
      São ótimas as suas dicas!!!! abs!!!!!

  • Jofre

    Bom dia, onde encontro o novo guia de Paris q vcs falam no início desta matéria?

  • eyelessspider

    outra opção são os restaurantes universitários. são bem baratos pra estudantes (uns 2 euros) e custam uns 6 euros pra convidados de fora. só não tenho certeza se não estudantes desacompanhados podem comer

  • André Ponzo

    KCF combo/menu para duas pessoas 16 Euros. kkkk

  • Gisela Cabral

    Já foi corrigido! 😉

  • Bruno Caporalini

    O único problema de priorizar almoço é quando Paris é seu primeiro destino na Europa, com 5 horas de fuso-horário…
    Eu comi muito kebab (8 a 10 euros, as vezes dividia com a namorada) e a cada dois ou 3 dias um McDonald’s… Quando comi fora, paguei na faixa de 25-30 Euros por pessoa, no jantar, fora da região mais turística.

  • Gabriela

    Mc Donalds hahahaha sempre muito barato e comível.

  • Não, Jofre, ele foi apenas atualizado =)

  • ThiagoR

    Pra quem quer comer bem barato, na Rue Mouffetard, situada no Quartier Latin, há o Au P’tit Grec. Crepes muito bem servidos e deliciosos, por um preço bem acessível. Foi meu jantar de algumas noites! Mas, é coisa pra mochileiro mesmo!

  • From Scratch

    ops, acabo de ver que duas pessoas já comentaram sobre essa mesma creperia! Au p’tit Grec! é realmente sensacional!!!! E o bairro é um dos mais charmosos de Paris. Quartier Latin ;D

  • Rose Piereck

    Adorei as dicas de Paris. Pena que não tinha os endereços com os nomes das ruas e arrondissement…

    • From Scratch

      Au P’tit Grec : 68, Rue Mouffetard – 5eme arrondissement – Metro linha 7, estaçao Place Monge

      Au Pied de Cochon : 6 Rue Coquilliere 1er arrondissement – Metro linha 1 Louvre Rivoli ou Chatelet linhas 1, 4, 7 , 11 e 14

  • Léo Ramalho

    Os ultimos corredores dos supermecados Auchan sao os mais tops para quem quer economizar de verdade. La vc encontra produtos de marcas nao tao famosas, vendidas no mesmo esquema dos supermecados Dia aqui do Brasil, aquele que nao perde tempo nem de tirar os produtos das caixas. Baguete de 1 metro a 0,40 euros, 1 kg de maionese a 2 euros, 10 fatias de Blanquet de peru a 1 euro e 1 litro de suco a 1 euro era tudo que eu precisava pra ficar sem fome e feliz!…hahaha

  • Aline Mazzini

    Olá, boa noite! Finalmente um blog com dicas de restaurantes com preços realmente bons, inclusive as deixadas pelos leitores. O que vejo nas pesquisas que tenho feito é que a maioria, blogs e leitores, gosta de falar de restaurantes (e hotéis também) caros. Ninguém fala dos lugares mais simples. Eu, particularmente, acho muito mais interessante ir a um restaurante onde os locais fazem suas refeições diárias e viver nem que por pouco tempo a realidade local, a ir a um restaurante frequentado principalmente por turistas. A experiência além de mais em conta, geralmente, é também mais real em relação a viver o dia a dia local. O problema é você descobrir quais são esses locais. De qualquer maneira gostaria de agradecer a todos pelas dicas.