Vulcão chileno entra em atividade novamente e ameaça aeroportos do Brasil

Denis Carvalho 13 · junho · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

O vulcão Puyehue voltou a atividade e não há previsão para que o espaço aéreo no sul do continente volte à normalidade. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a nuvem de cinzas já ameaça os aeroportos da região Sul do Brasil e os passageiros com decolagem ou pouso na área devem entrar em contato com suas empresas antes de seguir para o aeroporto. A mesma orientação deve ser seguida pelos passageiros com destino a aeroportos do Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai.

Hoje, as autoridades argentinas determinaram o fechamento dos aeroportos de Ezeiza e o Aeroparque Jorge Newbery, em Buenos Aires, por mais 30 horas. O Aeroporto de Montevidéu também está fechado.

Segundo a Infraero, até as 15 horas 35 voos internacionais (33% do total) haviam sido cancelados pela nuvem de cinzas no Brasil. O aeroporto mais afetado é o de Guarulhos, com 19 partidas (36,5%) suspensas. No aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, oito voos (30,8%) foram cancelados.

Após passar parcialmente pelo Rio Grande Sul, a previsão é que a nuvem se desloque para o oceano na noite de hoje. Amanhã (14/06), a nuvem deve se deslocar apenas sobre a Argentina e o Uruguai.

Austrália
A nuvem de cinzas não vem causando problemas apenas na América do Sul. Após percorrerem quase 10 mil quilômetros e atravessarem o Oceano Pacífico, elas chegaram à Nova Zelândia e ao sul da Austrália.

A companhia aérea Qantas cancelou nesta segunda-feira todos os pousos e decolagens da ilha australiana da Tasmânia e da Nova Zelândia. No aeroporto da cidade australiana de Melbourne, todos os voos foram suspensos pelo menos até meio-dia.

Com informações da Infraero, Anac e dos portais UOL, G1, IG e Folha de São Paulo

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe