Viagens de avião podem afetar sua saúde? Tire todas as suas dúvidas!

Denis Carvalho 4 · agosto · 2011

Viagens de avião muitas vezes são relacionadas a desconforto e até problemas de saúde, tanto pela posição incômoda e pouco espaço entre as poltronas, quanto pelo longo período na cabine da aeronave. Pensando nisso, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo publicou um manual excelente sobre o assunto.

Elaborado pela professora Dr.ª Vânia Elizabeth Ramos Melhado e alunos da Liga de Medicina Aeroespacial a cartilha “Doutor, Posso Viajar de Avião?” traz recomendações práticas aos passageiros, médicos e tripulantes sobre os cuidados a serem tomados antes e durante os voos, tendo em vista, principalmente, as doenças pré-existentes. Veja as principais dicas e tire suas dúvidas:

OTITE
Infecções ativas e cirurgias recentes são contra-indicações para o vôo. O uso de tubo de drenagem da orelha média na membrana timpânica não é contra-indicação ao vôo.

RINITE
Rinite alérgica é uma doença que causa coceira no nariz, espirros, excesso de secreção e obstrução nasal. Os sintomas são freqüentemente sazonais e são desencadeados por diversos fatores como polens, poeiras, alteração de temperatura ambiente e fumaça do cigarro.

Como evitar:
Devido à exposição aos fatores desencadeantes no pré-vôo e dentro do avião aconselha-se o uso profilático de anti-histamínicos e corticóides. Se em crise considerar adiar a viagem. Durante o vôo pode-se também umidificar a mucosa nasal com soro fisiológico e usar descongestionante nasal antes do pouso para evitar a dor causada pelo aumento da pressão dentro da orelha média.

SINUSITE
A sinusite aguda ou crônica é uma contra-indicação ao vôo por ser uma infecção e pelo risco de obstrução do seio nasal. Pode levar a complicações no momento do pouso ou se houver uma despressurização. No caso de voar nestas condições podem desenvolver-se enxaqueca severa, dor facial, orbital ou em sistema nervoso central, e sangramento nasal.

Como evitar: A terapia indicada deve ser com o uso de antibióticos de largo espectro, agentes de mucolíticos, descongestionantes orais, corticosteróides e uso temporário de descongestionantes nasais. A solução fisiológica também contribui para a limpeza e umidificação da mucosa nasal.

PNEUMONIAS
A passageiros com infecções pulmonares contagiosas (tuberculose e pneumonia) não é recomendável a viagem, pois pode ocorrer agravamento dos sintomas, complicações durante e depois do vôo e risco de disseminação da doença entre os outros passageiros. Para voar o viajante deve estar com melhora dos sintomas, sem febre e com função pulmonar adequada. Tratando-se de tuberculose, além da melhora clínica, deve-se ter o resultado do exame de bacilos no escarro negativo.

ASMA
A asma brônquica é a doença respiratória mais comum entre os viajantes, sendo incapacitante para vôo em casos graves, instáveis e de hospitalização recente. Os asmáticos sempre devem levar na bagagem de mão seus medicamentos, principalmente broncodilatadores (bombinhas). Em casos emergenciais, consultar seu médico para melhor orientação.

BRONQUITE CRÔNICA E ENFISEMA
Pessoas com bronquite crônica e enfisema pulmonar apresentam reduzida capacidade de oxigenar o sangue, o que piora durante o vôo. Por isso, esses viajantes devem buscar orientação médica especializada para realizar testes que verificam se há necessidade de suporte de oxigênio durante o vôo.

DOENÇAS CARDIOVASCULARES
Infarto não complicado: aguardar 2 a 3 semanas
Infarto complicado: aguardar 6 semanas.
Angina instável: não deve voar.
Insuficiência cardíaca grave e descompensada não deve voar. Se moderada, verificar com o medico se há necessidade de suporte de oxigênio.
Revascularização cardíaca: aguardar 2 semanas.
Taquicardia ventricular ou supraventricular não controlada: não voar.
-Marcapassose desfibriladores implantáveis: não há contra-indicações.

Recomendações:
Certificar-se que há medicação suficiente para toda a viagem e levá-la na bagagem de mão.
Fazer uma lista com os medicamentos, dosagens e horários que utiliza.
Ajustar os horários de utilização dos medicamentos de acordo com o fuso horário a ser atravessado.
Carregar um eletrocardiograma recente.
Avisar a empresa sobre necessidades especiais de alimentação, oxigênio ou cadeira de rodas.

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
Para evitar uma descompensação da pressão arterial são necessários alguns cuidados:
-estar com a pressão normal e estável;
-manter o uso e o horário das medicações;
-não ingerir bebida alcoólica e café antes e durante o vôo;
-solicitar dieta hipossódica com antecedência;
-chegar cedo ao local de embarque;
-em caso de medo de voar, procurar um médico antes;
-em caso de crise hipertensiva aguardar 3 a 4 dias para voar.

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL
O popular derrame ocorre quando não há suprimento sanguíneo adequado para uma porção do cérebro, sendo causado pela obstrução (isquêmico) ou ruptura de uma artéria (hemorrágico). Deve ser levado em consideração sempre o estado geral do passageiro e a extensão da doença.
-AVC isquêmico pequeno: aguardar 4 a 5 dias.
-AVC em progressão: aguardar 7 dias.
-AVC hemorrágico não operado: aguardar 7 dias.
-AVC hemorrágico operado: aguardar 14 dias.

Trombose Venosa Profunda – A imobilização por tempo prolongado somada a fatores predisponentes, pode causar ou contribuir para que ocorra um evento de trombose em vôos com duração maior que 4 horas.
Fatores de Risco
-Distúrbios da coagulação
-Doenças cardiovasculares
-Cirurgia ou trauma recentes
-História pessoal ou familiar de TVP
-Terapia de reposição hormonal
-Indivíduos alta estatura
-Indivíduosde baixaestatura(<1,6m)
-Câncer
-Gravidez
-Varizes
-Tabagismo
-Obesidade

Prevenção
-Utilizar roupas leves
-Mudar constantemente de posição no assento
-Executar pequenos exercícios (movimentar os tornozelos)
-Hidratação
-Evitar de bebidas alcoólicas, café e uso de remédios para dormir.
-Considerar uso de meia elástica.
-Se você estiver em algum dos grupos de risco, procure seu médico para aconselhamento terapêutico.

ANEMIAS
Independente da causa da anemia, níveis de hemoglobina abaixo de 8,5 mg/dl associados à diminuição da pressão de oxigênio durante o vôo, podem levar ao aparecimento de escotomas (pontos cegos na visão)e à perda de consciência. Na anemia crônica há uma maior tolerância a níveis mais baixos de hemoglobina.
Como evitar: Recomenda-se o uso de suporte de oxigênio para se evitar uma crise em portadores de anemia falciforme e no caso de hemoglobina < 8,5 mg/dL.

ENJÔO
As pessoas mais susceptíveis a terem enjôo durante o vôo são aquelas que já o apresentam quando andam de ônibus, carro e navio. Estas devem evitar a ingestão excessiva de líquidos, comida gordurosa, condimentos e refrigerantes, além de cuidar para sentar próximo à asa e à janela. Medicações contra enjôo podem ser usadas como prevenção.

PÓS-OPERATÓRIO TORÁCICO
-Pós-pneumectomia ou lobectomia pulmonar recente: a reserva pulmonar é mínima, principalmente na associação com história de tabagismo ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), sendo necessária uma avaliação pré-vôo, com realização de teste de simulação de hipóxia de altitude (baixo teor de oxigênio).
-Pneumotórax: é uma contra-indicação absoluta. Deve-se esperar de duas a três semanas após drenagem de tórax e confirmar a remissão pelo raio-X.

PÓS TRAUMA CRANIANO
Após trauma crânio-encefálico ou qualquer procedimento neurocirúrgico, pode ocorrer aumento da pressão intracraniana durante o vôo. Aguardar sete dias e confirmar a melhora do quadro compressivo intracraniano pela tomografia de crânio.

PÓS-OPERATÓRIO ABDOMINAL
-Após anestesia geral: não é contra-indicação, pois os efeitos são rapidamente reversíveis.
-Pós raquidural: pode causar dor de cabeça severa até 7 dias após a anestesia.
-Pós cirurgia abdominal: contra-indicado o vôo por uma a duas semanas porque, devido à expansão dos gases intestinais, pode ocorrer rompimento de suturas, sangramento e perfuração.
-Pós laparoscopia: o vôo pode ocorrer após 24 horas, desde que os sintomas de distensão estejam ausentes.

ABDOME
-Obstipados (intestino preso): por não acomodarem a expansão do gás gastrintestinal, aconselha-se evacuar antes da viagem.
-Flatulência: utilizar medicação para eliminação dos gases antes da viagem, para evitar dores abdominais excessivas.
-Colonostomia: não há contra-indicações. Apenas deve-se utilizar uma bolsa colonoscópica maior ou trocas freqüentes pelo aumento de saída de fezes pela distensão abdominal.

GESSO E FRATURAS
Por razões de segurança, algumas companhias aéreas exigem que passageiros com gesso em membro inferior, indo até acima do joelho, viajem de maca.Como alternativa, esses passageiros podem comprar um assento extra ou viajar em classe executiva ou primeira-classe. Fraturas instáveis ou não tratadas são contra-indicações de vôo.
Importante: Como uma pequena quantidade de ar fica presa no gesso, aqueles feitos entre 24-48 horas antes de vôo, devem ser bi-valvulados para evitar compressão, principalmente em vôos longos. Quando utilizada a tala pneumática, colocar uma menor quantidade de ar, para se evitar uma síndrome compartimental.

GRAVIDEZ
No caso de apresentar dores ou sangramento antes do embarque, a viagem deve ser evitada. Se há história de muitas gestações anteriores, incompetência ístmo-cervical, atividade uterina aumentada, ou partos anteriores prematuros, evitar viagens longas. O vôo não se relaciona ao aumento da incidência de rotura prematura de membranas ovulares ou descolamento prematuro de membranas. Em condições que comprometem a oxigenação da placenta deve ser avaliada a necessidade de suporte com oxigênio. A partir da 36ª semana, a gestante necessita de uma declaração do seu médico permitindo o vôo. Em gestações múltiplas, a declaração deve ser feita após a 32ª semana. A partir da 38ª semana, a gestante só pode embarcar acompanhada dos respectivos médicos responsáveis. Não há restrições no pós-parto para a mãe, mesmo de imediato. No entanto, deve-se adiar a viagem do recém-nascido para depois da primeira semana de vida, devido às várias transformações pelas quais o bebê passa e a fragilidade do mesmo nesse período.

Recomendações para o vôo de gestantes

Antes:
Evitar dieta produtora de gases nos dias anteriores à viagem.
Compensar anemias pré-existentes.
Durante:
Mantenha constantemente o cinto afivelado sobre a pelve, evitando choques na barriga, que são especialmente perigosos no terceiro trimestre de gestação.
Evite alimentos que produzam gases nos dias anteriores e durante o vôo, pois estes gases expandem-se, provocando desconforto abdominal.
Em vôos com duração maior que 4 horas recomenda-se exercícios leves com as pernas, para evitar a imobilidade prolongada.

CRIANÇAS
Os pais ou responsáveis devem portar os documentos necessários de identificação da criança, bem como informar-se sobre vacinas necessárias para o lugar de destino e sobre possíveis epidemias ou endemias.
No caso de um recém-nascido, é prudente que se espere pelo menos uma ou duas semanas de vida até a viagem. Isso ajuda a assegurar a ausência de problemas congênitos ou respiratórios que possam prejudicar a criança.

Recomendações durante o vôo
Crianças pequenas podem sentir dores de ouvido principalmente na fase do pouso. Para alívio desse sintoma recomenda-se que a criança mame no peito ou mamadeira, chupe chupeta ou mesmo beba água no copo. Já as crianças com congestão nasal podem beneficiar-se do uso de anti-histamínicos e descongestionantes tópicos administrados trinta minutos antes do pouso.

DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS
Pessoas com transtornos psiquiátricos cujo comportamento seja imprevisível, agressivo ou não seguro, não devem voar. Já aqueles com distúrbios psicóticos estáveis com uso de medicamentos e acompanhados por um conhecido podem voar.

MEDO DE VOAR
Aqueles com tendências claustrofóbicas e fobias em ambientes aéreos e aglomerados humanos devem procurar um médico antes do vôo a fim de realizar um tratamento cognitivo-comportamental ou até medicamentoso.A Síndrome do Pânico deve estar compensada antes do vôo devido aos diversos fatores estressantes envolvidos durante a viagem que podem desencadear uma crise.

JET LAG
É uma alteração do ciclo circadiano (relógio biológico) devido às diferenças de fuso horário. Caracteriza-se por cansaço, sonolência, dificuldade para dormir, irritabilidade, incompatibilidade entre a fome e os horários das refeições. Em viagens de longa permanência a adaptação ocorrerá. Já nas viagens de curta duração não há tempo para uma adaptação.
Como evitar: os efeitos podem ser minimizados ao se evitar ingestão de cafeína e álcool, e iniciar a adaptação ao novo horário, gradativamente, 3 a 4 dias antes da viagem. O uso de medicação para dormir pode ser utilizado sob orientação médica.

EPILEPSIA
A maioria dos epilépticos pode voar seguramente desde que estejam usando a medicação. Aqueles com crises freqüentes devem viajar acompanhados e estarem cientes de fatores desencadeantes como: fadiga, refeições demoradas, hipóxia e alteração do ciclo circadiano. Recomenda-se esperar 24-48h após a última crise antes de voar. A medicação anti-convulsivante deve estar na bagagem de mão e os horários mantidos. A ingestão de bebida alcoólica deve ser evitada.

CONDIÇÕES OFTALMOLÓGICAS
-GLAUCOMA: não é uma contra-indicação ao vôo desde que o passageiro continue com a medicação corretamente.
-CONJUNTIVITE: É uma contra-indicação ao vôo durante o período infectante.
-LENTES DE CONTATO: recomenda-se o uso de solução lubrificante para prevenir irritação ocular devido o ambiente seco do avião.
-LIMITAÇÕES VISUAIS: recomenda-se viajar acompanhado sempre que possível.

DOENÇAS DO VIAJANTE
As vacinas que devem estar atualizadas independentemente de viagens são: tétano, difteria, sarampo, caxumba, rubéola, poliomielite, Haemophillus influenzae B e hepatite B. É importante que o turista atente não só para as belezas naturais do destino, mas que também se informe sobre doenças endêmicas locais que podem ser prevenidas com vacinas como febre tifóide, meningite meningocócica, febre amarela, entre outras.
Quando as doenças locais são transmitidas por mosquitos é importante levar na bagagem repelentes, blusas, calças compridas e de cores claras e inseticidas com permetrina e outros piretróides.
É importante cuidados com a alimentação como preferir alimentos cozidos e secos preparados em locais de confiança, água engarrafada e refrigerantes. Evitar piscinas e praias com esgoto próximo.

DIARRÉIA
É um problema em potencial, principalmente para aqueles que visitam regiões endêmicas e com pouca higiene, as quais facilitam a transmissão de infecções. Apesar de auto-limitada, a reidratação oral é um método seguro e eficiente para prevenir a desidratação. A OMS recomenda intercalar um copo de água com um de soro. Drogas anti-motilidade podem ajudar a aliviar os sintomas.
Procurar assistência médica se …
-Apresentar febre alta, tremores piora progressiva dos episódios;
-Visualizar sangue ou muco nas fezes;
-Vômitos que impedem de tomar líquidos;
-Sintomas persistentes após uso de sintomáticos;
-Tiver outra doença, especialmente, se usa remédios para diabetes, hipertensão, diuréticos e imunossupressores.

Mais informações no site da Santa Casa de São Paulo. Se quiser baixar a cartilha original em formato PDF clique aqui.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe
  • Julia

    Esqueceram de falar sobre a radiação!

    • odair costa

      nao eh por nada nao, mas nao seria melhor vc complementar o post ao invez de criticar? coloque um adendo,explanando sobre os tais efeitos da radiacao,assim vc contribui melhor com o blog

    • Jones

      Radiação? Sério?

      A quantidade de radiação cósmica que você está exposto enquanto você está voando depende da sua altitude e latitude e da atividade solar. Para uma viagem típica em cias aereas comerciais, você pode receber de 2 a 5 mrem de radiação, menos da metade de radiação que você recebe de um raio-x no peito.

      Em fim radiação em voo é o menor de todos os riscos de voar.

      Não sei se é uma coisa minha mas vejo o mundo preocupado de mais com a radiação, seja nos scanners dos aeroportos americanos, celular e etc.

      Pra mim isto é muita neura ou eu sou o desleixado ?

  • odair costa

    excelente post se superou, parabens

    • Denis Carvalho

      Obrigado, Odair, mas o trabalho é todo da Santa Casa, apenas reproduzimos a excelente cartilha deles! =)

  • Igor

    Não falaram nada sobre cirurgias odontológicas, como por exemplo, a retirada de dentes 3º molar, mais conhecidos como dente queiro. Quanto tempo seria necessário ficar de repouso antes de fazer uma viagem de avião?

    • wesley

      Pacientes que passaram por cirurgia do 3o molar ou ciso como é mais conhecido, eu recomendo 3dias de repouso, não existindo alguma intercorrência, podera viajar. Em situações complicadas aguardar 7 dias.

  • Diogo

    Opa, bom post!

  • titobosco

    Muito bom o post! Mas meu chefe tem 83 anos, viaja 290 dias a/a de aviao e nao sofre de nenhuma das listagens acima! Recentemente o "garoto" fez SSA x LIS x CDG x LON x LIS x JFK x LAX x JFK x MIA x SSA. Sem nenhuma "indisposição".

  • Uma dúvida: Eu posso levar remédios para voos internacionais?

    • Jonathan

      Falo pela minha experiência, levando remédios de uso pessoal conhecidos como paracetamol, dipirona, etc nunca tive problemas. Se levar remédios mais complexos ou em grande quantidade tipo você toma 6 comprimidos do mesmo remédio por dia e vai ficar 30 dias viajando, são 180 comprimidos, é bom sempre ter a receita médica na mão, caso lhe perguntem.

  • Alexandre

    Excelente post!! Não recomendo a viagem com sinusite, ao aumentar a pressão do pouso, parece que o cérebro sairá por um buraco de agulha no meio da testa, uma sensação das mais apavorantes, aconteceu comigo em 2 voos, sorte que eu sempre levo um remedinho na bagagem de mão.

  • Rafael

    Senti uma vez essa enxaqueca severa e dor no sistema nervoso central da sinusite. Mas na realidade foi tão forte que pensei que fosse ter um AVC. Sentia cada centímetro da cabeça, até os nervos de cada dente, como se houvesse algo de errado com a pressão do avião. Isso durante a viagem, não lembro exatamente se já estávamos perdendo altitude para o pouso. Foi extremamente desconfortável.

  • wesley

    Excelente trabalho , porém deveria constar cirurgias odontológicas, já que possuem relação direta com o tema. O índice destas cirurgia é alto.

  • André Cri-Cri

    Pode sim, mas é sempre bom levar junto a receita dos remédios traduzida para o inglês ou para a língua do país de origem.

    • Pode levar remédios desde que esteja com a prescrição medica original e uma tradução juramentada – qualquer tradução não serve. Pode ser que nem te parem pra checar, mas se pararem e vc nao tiver a receita, a alfândega irá reter seus remédios.

  • Erick Andrade

    O unico problema que sinto as vezes.. é dor de ouvido.. por causa da pressao.. mas só isso…

  • Erick Andrade

    Ja aconteceu 1 vez comigo, pensei que meu cerebro iria explodir. kkkk

  • Eduardo

    Tb senti uma dor muito forte na cabeça quando começamos a perder altitude, era uma pressão muito grande! Parecia que o cérebro ia sair pelos ouvidos.

    • RUI

      ola vou falar do mesmo problema . pois as 2 ulyimas viajens que fiz me aconteceu igual parece que a cabeça vai rebentar o que voçe sabe sobre isso . sera que pode me ajudar ?

  • André

    Quanto aos vôos muito longos, de 14 horas, por exemplo, caso tenha problemas com insônia, seria o caso de tomar um medicamento para dormir? Uma amiga me disse que de São Paulo para Israel tomou Rivotril para dormir.

  • Igor

    Ótimo, agradeço a informação.

  • Micheli

    Tenho asma e ñ ando sem minha bombinha, em voo domestico ñ tive nenhum problema mais vou viajar mes q vem pra os EUA será tranquilo levar ou é bom levar uma receita médica traduzida?

  • Paula

    Excelente post. Parabéns!

  • Alessandra

    esqueceram de falar sobre labirintite,

  • Luzia Haruko

    Adoro o trabalho de vcs!!! Obg!

  • Denise

    Muito bom o post. Eu tenho rinite e aprendi na prática que tomar descongestionante antes do vôo impede que eu tenha dores no ouvido. Sofria demais!

  • Cris

    Excelente post, vou viajar pela segunda vez de avião e o voo durará 8hs, estava apreensiva sobre algumas questões mas depois destas dicas e comentários vou procurar meu médico pra aprofundar algumas questões.

  • Bento Marques

    Se alguém tiver tomando remédios para HIV, pode viajar e levar os remédios?

    • Denis Carvalho

      No caso de voos internacionais se forem em grande quantidade é bom levar a receita.

      • Claritta

        Tenho rinite alergica, e sempre uso um remedio de soluçao nasal ((NeoSoro – generico do sorine )) porque se nao usar meu nariz entope muito e fica muito ruim, da dor de cabeça.

        Vou viajar de aviao e passar 3 meses em outro país na europa, queria saber se posso levar meu companheiro NeoSoro rsrs … comigo na bagagem de mão? É preciso levar alguma receita traduzida para o idioma do país? e outra duvida, a receita tem que ser apresentada no aeroporto de da cidade natal e da cidade atual?

        Pode me explicar melhor esse lance de levar medicamento ao exterior…?

        obrigada

        atenciosamente Claritta

  • É sempre bom ter informações para ajudarmos a ver como melhorar nossa saúde.

  • Excelente essas informações, e necessária tbm.

    Há muitas pessoas desinformadas acerca desses assuntos.

    Parabéns, atitude louvável.

  • Roseane

    E no caso de labirintite???

  • Cinthia

    Obrigada pela dica Denise, tenho rinite e no último vôo que fiz tive uma dor muito forte no ouvido ao pousar… valeu!

  • Carla Ribeiro

    E para quem sofre de alta pressão intrcraniana? Tem alguma recomendação ou restrição quanto a viajar de avião? O vôo tem mais de 12 horas de duração.

    • Denis Martins

      Carla, é melhor consultar o seu médico para viajar mais tranquila

  • valeria ribeiro

    Pretendo viajar para Italia. Sou hipertensa,as vezes taquicardia.Costumo tomomar todos os dias Alprazolna pra dormir.Sou muito ansiosa.Na verdade estou morrendo de medo de viajar. O uqe vcs podem falar para me ajudarem ? O que pode acontecer

    ?

  • rita

    olá, tenho panico de voo, passo muitissimo mal lá em cima, teno labirintite, tomo remedio para enjoo mas não tem ajudado muito, tenho que viajar a trabalho e todo vez que isso ocorre tenho vontade de sumir, chorar, me agarrar a saia da minha mãe, não consigo nem durmir a noite pensando que tenho que vooar novamente, que medico devo consultar? na verdade gostaria de consultar um medico que me desse um atestado me proibindo de voar para preservar minha saude.

  • Denis Martins

    Não sou especialista, mas pode ser que esses sintomas sejam da fobia que você sente. Nesse caso creio que seria bom consultar um psicólogo. Mas o melhor a fazer é ir a um bom clínico geral, que poderá pedir exames e te encaminhar para onde for necessário. Quanto ao atestado, a menos que você seja servidora concursada, pode colocar seu emprego em risco, não?

  • Pedro

    Tenho sinusite e rinite cronicas, sempre sofro nos pousos… Por ser cronico, nunca tentei usar nada antes, gostei da dica…

  • Caroline

    Fiz uma cirurgia, coloquei silicone , teria algum problema de viajar de aviao após 20 dias de operação ? Estou no Brazil e vou pra New York.. Obrigado

  • Caroline, só seu médico pode responder essa pergunta com segurança!

  • Rafael

    Eu tenho labirintite e fiz uma viagem de avião. Tive uma complicação após o voo e piorei minha situação. Não aconselho de maneira nenhuma quem tem labirinte a voar de avião. Passa mal, sensação de desmaio a todo momento, falta de ar, fortes tonturas. Minha experiência foi terrível. Nunca mais voo de avião.

  • Rafael

    Eu tenho a mesma situação de você. Fiz uma viagem de avião e se agravou minha situação de labirintite.

  • Rafael

    Aconselho você tentar fazer uma viagem de menor escala para fazer o teste se suporta ou não avião. Eu fiz uma viagem e para mim foi terrível,porém minha situação e diferente visto que tenho labirintite.

  • Alexandre SP

    Eu tambem tenho passado apertado durante o inicio dos pousos, tenho sentido uma dor que parece que a cabeca vai explodir. Engracado que fui em dois medicos e ambos disseram que devia ser falha do piloto durante a despressurizacao e que eu nao tinha problemas. Este site respondeu a minha pergunta e me ajudou muito, pois nas proximas viagem vou me preparar antes. Ah e vou procurar um medico de verdade tambem. Obrigado!

  • Islandia Nunes

    como tenho medo de viajar de aviao tomo sempre um remedio pra dormir e nao sabia que fazia mal. queria saber o pq? e desde quando faço isso percebi q passo uma semana com inxaços nas perna seria os remedios p/ dormir?

  • Moisés

    Tenho esse tipo de sintoma, mas é quando o piloto desce muito rápido para pousar cinto a cabeça parece que vai explodir dores na face e no ouvido.

  • Rafael

    Viajei de avião há 1 ano e acabou com minha vida. Tenho tonturas, dores fortes de cabeça, vista embaçada, sensação de desmaio. Fui em todos médicos possíveis e nenhum descobriu até hoje. Tomei vários remédios desde de otorrino, neurologista, recomendou oculos, porém não tem nenhuma melhora. olhei a respeito de enxaqueca crônica. Recomendo para quer andar de avião. Ande bastante de elevador(sensãção do avião e 20 vezes pior a sensação do elevador, porém em movimento e ande em todos brinquedos de parquinho que gira sua cabeça. A altitude espande sua cabeça e a sensação simulada do avião piora os sintomas. Geralmente as pessoas so sentem enjoo, porém no meu caso estragou 1 ano da minha via até o momento. Gostaria de saber se alguém teve sintomas similares e se podem ajudar.

    • felipe

      Rafael,
      Voltei de uma trip e já faz uma semana que sinto tontura constante. Estou tomando remédio de labirintitie (nunca tive isso).
      Vc melhorou? Chegou a fazer exames?

  • HNM

    Um fator que desencadeia nas viagens prolongadas, é o sono inadequado. Esse problema afeta a resistência imunológica, facilitando a chegada de um refriado, gripe, herpes labial e etc.

  • Kelle sousa

    meu irmão tem 29 anos de idade é estar com hepatite B ele pode viajar de avião? o caso dele pode agravar?

  • Sui

    Prezados, bom dia!

    Faltou dizer também que em cirurgias com implantação de LIO (Lente Intra-Ocular) ou outras cirurgias em que há introdução de ar dentro da cavidade é necessário aguardar 7 dias.
    Outra coisa, viagens aéreas são contra-indicadas para neonatos abaixo de 7 dias de idade.
    Algumas companhias aéreas solicitam o preenchimento de MEDIF (Medical Form Information) para algumas das patologias, principalmente se será necessário uso de cadeira de rodas ou algo assim.

    Atenciosamente,

    Sui.

  • Marcia

    O que mais tenho medo de viajar de avião com meus filhos crianças é deles terem crise de vômito inesperada, aquelas que só passa se tomar soro na veia. Por isso, toda vez que vou viajar com eles entro em crise nervosa antes da viagem, não paro de pensar nisso. E se acontecer? muitas vezes um remédio tipo plasil ou dramim comprimido não segura no estomago, e criança com mais ou menos 3 vomitos já desidrata, e como ficar presa num avião por 3 hrs ou mais nesse caso? Como devemos agir se isso acontecer dentro do avião? pq tenho certeza que não existe um comissário médico, ou sequer, medicamentos para ser aplicado na veia no avião.

  • Arnaldo Junior

    Gostaria de saber doutor sobre o meu caso. Viajei de avião pela primeira vez e na volta senti uma dor de cabeça muito grande em cima da testa do lado esquerdo e depois em toda a cabeça quando aterrissou melhorou um pouco, tomei alguns remédios para parar a dor, hoje completa 3 dias e a dor continua do lado esquerdo da minha cabeça. Estou preocupado. Queria saber o que faço. Se é normal.

  • maria ines rossa

    meu filho teve tramatismo craniano hoje ele toma anticonvulsivo gostaria de saber se ha algum problema ou melhor se e prejudicial a saúde dele fazer viagem de avião nos temos viajado sempre para lugares perto não mais de 2horas de voo e uma amiga me falou que ele não pode mas que eu saiba ele nunca apresentou problema nenhum mas gostaria de saber mais vcs podem me ajudar?

  • marli loureiro

    Bom dia doutor meu marido tem 70 anos e esta com cancer dee pulmao ja trata ha 2 anos Gostaria de saber se podemsos viajar para ver os netos a duraçao do voo sao 10 horas No momento a doença esta sob controle Minha preocupaçao e a altitude Ja fizemos essa viagem mais de 10 vezes mas nao havia essa doença Por favor me oriente Obrigado

  • nataly

    Fiz uma viagem de vião a trabalho e estava com começo de rinite e sinusute…mas não sabia que estava grave até o avião pousar…meu Deus dor horrivel e insuportável na cabeça e dentro do ouvido…pensei que ia explodir meu cerébro!! Aconselho a não viajarem nestas condições. Hoje faz extamanete uma semana e fui ao médico pois as dores não passaram e a dor no ouvido só piorou…resultado…rinite atacada sinusite aguda..inflamação na garganta e a viagem de avião nestas condições ocasionaram um trauma no ouvido…quase fiquei surda…agora tratamento com um monte de remédios e não posso nem açoar o nariz para não forçar o ouvido que esta cicatrizando devido ter estourado alguma coisa lá dentro!! muito azar….

    • Beatriz

      Eu entendo perfeitamente todos que aqui relatam tonturas andando de avião ou até mesmo no dia a dia, sem acontecer nada que cause uma crise.Sofro do problema há TRÊS anos, já percorri vários médicos e todos são uns brincalhões porque falam que é ANSIEDADE. AONDE que ANSIEDADE causa tontura o tempo todo, todo dia? NUNCA. Me sinto péssima todos os dias por causa disso, falta de conversar com alguém que também tenha o problema porque só quem tem sabe como isso é horrível, eu preciso me mudar e para isso terei de pegar avião mas estou com medo que ataque uma crise, parece que tudo se mexe a sua volta, você perde o equilíbrio, não consegue fazer nada direito e tudo é perturbador. Coisas que antes te davam prazer hoje você tem que evitar para não passar mal. Não sei como estou conseguindo viver com isso, é muito difícil, um dos piores sintomas que já tive, alias, é o pior que alguém pode ter, na minha opinião. Um abraço a todos e não desistam de buscar ajuda!

  • Maria Irene Rosa

    Boa tarde Dr, é a primeira vez que estou participando deste site, fiz duas cirurgia de cabeça chamada Neuralgia Trigêmeos , uma em 2008 e outra a quase um ano depois da segunda cirurgia fique tonta parece que estou c/ labirintite, quero viajar para Uruguai ver um irmão doente, será que posso ir.? Aguardo sua resposta, adorei as respostas parabéns…

  • Gabriel

    Gostaria de tirar uma dúvida, eu recentemente viajei de avião e foz 2 escalas, na ultima escala eu nao dormi, estava praticamente 24h acordado e bebi bastante alcool antes do voo, e durante o pouso senti muita pressao na nuca e ouvidos , formigamento na ponta dos dedos da mao, e fiquei branco, depois do pouso melhhorei e dormi bem anoite, ai no outro dia aferi a pressao e estava 158/96 mmHg, bem alta, oq devo fazer?