Caminhos de Pedra: um roteiro pela história da colonização italiana em Bento Gonçalves

Bruna Scirea 21 · junho · 2018

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Bastam poucos minutos na região de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, para perceber o sotaque carregado de seus moradores, em sua imensa maioria descendentes de imigrantes italianos. Os vestígios do passado também estão nos nomes das ruas, nas placas dos estabelecimentos (que levam o sobrenome das famílias) e, como não poderia deixar de ser, no turismo. A imigração italiana do fim do século 19 é tema presente neste canto do país!

Não deixe de ler também nosso post sobre tudo o que você precisa saber para a sua viagem ao Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves. E mais: saiba como é passear no Maria Fumaça, o famoso trem da Serra Gaúcha.

E dos tantos roteiros que exploram a temática, há um que figura entre os mais procurados: o Caminhos de Pedra. Na rota rural de cerca de 12 km, original da época da imigração, o visitante encontra restaurantes variados (e deliciosos!), prédios históricos e atrações para todas as idades. São mais de 20 locais a serem visitados – em boa parte deles o atendimento é feito pelos proprietários, famílias descente dos imigrantes italianos -, além de outros tantos pontos de observação, onde possivelmente vai te dar vontade de parar o carro para tirar uma foto!

Caminhos de Pedra

O Caminhos de Pedra é uma rota turística rural de 12 km, distante cerca de 15 minutos de Bento Gonçalves, ao longo da qual o visitante encontra atrações voltadas ao resgate do patrimônio cultural dos imigrantes italianos que chegaram ao Rio Grande do Sul em 1875.

A motivação que deu início à transformação da região no turístico Caminhos de Pedra foi a preservação de dezenas de casas históricas, feitas de pedras e madeira. Hoje, no entanto, mais do que um acervo arquitetônico importante, o Caminhos oferece ao turista um mergulho ao folclore, à arte e também à peculiar rotina de algumas das primeiras famílias italianas que chegaram na Serra Gaúcha.

Quer receber as promoções de passagens do Melhores Destinos no seu Whatsapp? Clique aqui e se cadastre! É grátis!

Quanto tempo ficar 

Você provavelmente não irá conseguir visitar todos os estabelecimentos em um único dia – mas reservar dois dias para este passeio talvez seja um pouco demais. Boa parte das atividades do roteiro abrem às 9h e fecham por volta das 17h. Então, planejamento: faça um bom roteiro começando bem cedo pela manhã e terminando no fim da tarde, com uma bela pausa para o almoço – que tomará um certo tempo, já que é sempre uma fartura de comida (veja no fim do post opções de restaurantes e hospedagens).

Como visitar o Caminhos de Pedra

São várias as agências de turismo que oferecem passeios pelo Caminhos de Pedra. Em geral, são duas as opções: de meio dia ou de dia inteiro, com valores médios de R$ 100 e R$ 200 por pessoa, respectivamente. Nos roteiros, estão inclusos o transporte desde o hotel, com motorista e guia. Em geral, nas atrações é preciso pagar o ingresso separadamente (valores que vão desde R$ 2 a R$ 50). Em alguns casos, no roteiro de um dia o almoço está incluso.

Agora, se você estiver de carro, não tenha dúvida: monte o seu roteiro, pegue a estrada e aproveite o percurso com calma, curtindo a paisagem e a calmaria longe da cidade. O caminho fica a cerca de 15 minutos de carro do centro de Bento Gonçalves – no lado oposto ao do Vale dos Vinhedos (como se pode ver no mapa). Assim você visita o que quer, almoça quando e onde quiser – e não se preocupe com a falta de guia, a história será contada pelas próprias famílias que recebem os turistas em cada atração.

O Caminho de Pedras fica em uma área rural entre Bento Gonçalves, Pinto Bandeira e Farroupilha

A rua principal do roteiro é toda asfaltada e as que não têm asfalto são bem conservadas. Além disso, todas as atrações costumam ter bastantes vagas de estacionamento.

E estando de carro, se o tempo não for muito corrido, aproveite para ir um pouco além do Caminhos de Pedra, na estrada em direção a Pinto Bandeira, região famosa pela produção de espumantes. Lá, visite as vinícolas Cave Geisse e Don Giovanni e, se conseguir incluir no roteiro, almoce no imperdível Champenoise Bistrô.

O que ver no Caminhos de Pedra

O percurso reúne bons restaurantes, relembra atividades praticadas pelos moradores da região, proporciona um passeio por uma criação de ovelhas, uma casa de massas, um moinho de fabricação de erva mate, plantação de tomates, além de vinícolas, um pequeno parque de diversões… enfim, tem atrações para toda a família. E também um bocado de história, impressa em placas dispostas na frente de algumas casas e estabelecimentos antigos. Confira as principais atrações do Caminhos de Pedra:

Casa da Ovelha

A Casa da Ovelha é uma das atrações mais indicadas para famílias com crianças. No pequeno sítio, o visitante pode acompanhar a amamentação dos filhotes de ovelha, o treinamento com falcões, a tosquia (tosa), além do pastoreio. As atividades ocorrem a cada meia hora, das 9h até as 17h. Não é necessário agendar o passeio – mas, se você tiver pouco tempo, confira a programação antecipadamente (imagem abaixo) para estar no local quando estiverem sendo realizadas as atividades do seu interesse. Os bichos são fofos e o passeio é bem agradável, mas a parte ruim é que as entradas custam R$ 50 para adulto, R$ 25 para adultos acima de 60 anos e crianças entre 6 a 10 anos. Crianças de 0 a 5 não pagam. Apesar do ingresso caro, o lugar está sempre cheio.

Especialmente para o público infantil, há pelo menos outras duas atrações: o Caminho da Aventura Parque, onde é possível fazer rapel e arvorismo, e o Parque Casa na Árvore, com trilhas, labirintos e construções nas árvores.

Casa do Tomate

Na Casa do Tomate, o turista vai ser recebido com a história do Caminhos de Pedra. Com ajuda de um mural com fotos, que replica a imagem do percurso de 12 km, um funcionário da casa resumirá um pouco do passado e dos costumes dos imigrantes que se fixaram nesta região – e também contará como se deu a criação do roteiro Caminhos de Pedra.

Logo após, é hora de ir para a casa onde estão expostos todos os produtos feitos à base de tomate. E são muitos mesmo: molhos, sucos, geleias, versões desidratadas e a gasosa, um refrigerante sem conservantes que costumava ser produzido pelos imigrantes. Há ainda uma grandiosa estufa, que concentra a produção dos tomates. É cobrada uma taxa de R$ 2 por visitante.

No mesmo terreno, está situado o restaurante Del Pomodoro (fotos acima), que serve uma sequência de pratos, entre eles polenta, costelinha de porco, massas e outras delícias da gastronomia local.

Casa da Erva-Mate

No moinho construído em 1884 funciona a Casa da Erva-Mate, onde é feita a demonstração do processo de produção artesanal da erva – o único ingrediente do chimarrão, bebida típica dos gaúchos. Do outro lado da rua, está localizado no porão da residência da família Ferrari, onde está o varejo. É ali que os visitantes acompanham o ritual de preparação do chimarrão e podem até prová-lo. Nesta loja, são vendidos diversos artigos relacionados à cultura do mate e também ao tradicionalismo gaúcho. A visita dura cerca de meia hora e é cobrada uma taxa de R$ 5 por pessoa.

Porão de Pedra e Casa da Tecelagem

A produção artesanal de tecidos, praticada pelos antigos moradores da região do Caminhos de Pedra, foi resgatada pela artesã Justina Foresti. Aos visitantes que chegam à Casa da Tecelagem, a artista mostra parte do processo e também expõe diversos peças manualmente produzidas por ela e suas filhas. São roupas, cachecóis, tapetes e toalhas que podem ser adquiridos no local. Não é cobrada taxa de visitação.

Casa das Cucas Vitiaceri

Que tal uma pausa para um café ou suco, acompanhado de um belo pedaço de cuca? Na Casa Vitiaceri, a iguaria é feita com as mais diversas frutas. O visitante ainda pode experimentar outros doces e salgados, os sucos produzidos artesanalmente e adquirir produtos, como os vinhos e espumantes. Nos dias de temperaturas agradáveis, a casa oferece piqueniques, com edredons colocados sobre a grama. Na vindima (época de colheita da uva), é possível fazer uma rápida visita às parreiras e colher as uvas.

Ladrilhos São Pedro

O simpático morador do Caminhos de Pedra Sérgio Vieceli abre as portas de uma antiga casa de madeira para mostrar aos visitantes a sua produção artesanal de ladrilhos hidráulicos, muito utilizados nos pisos de igrejas e residências antes de serem substituídos pela cerâmica industrial.

No espaço, o turista pode compreender como funciona o processo de confecção das peças, admirar muitos dos coloridos trabalhos realizados por Sérgio, além de adquirir os ladrilhos ou produtos fabricados a partir dele, como vasos para plantas e suportes para panelas. É cobrada uma taxa de visitação de R$ 5 por pessoa, que pode ser revertida na compra dos ladrilhos.

Casa das Massas

A casa de 1910 foi desmontada e reconstruída, abrindo novamente as portas em 2005. O piso superior é onde estão expostas ferramentas utilizadas pelos antigos artesãos locais que trabalhavam com madeira. No andar inferior, tem lugar uma fábrica de massas caseiras, onde é possível encontrar tortéi, capeletti e biscoitos típicos italianos.

Vinícolas

É claro que não faltaria a produção de vinhos neste roteiro. Entre as vinícolas com sede no Caminhos de Pedra, estão a Salvati & Sirena, a Cantina Strapazzon (que foi cenário de algumas cenas de O Quatrilho) e a Casa Fontanari.

Casa Fontanari

Para almoçar sem pressa

Coisa que está garantida em qualquer roteiro por Bento Gonçalves é a boa gastronomia! No Caminhos de Pedra são várias as opções, que vão desde galeterias até restaurantes um pouco mais sofisticados, a la carte e até mesmo com o conceito slow food. Veja algumas das opções mais procuradas:

Onde ficar no Caminhos de Pedra

Existem boas opções de hospedagem no Caminhos de Pedra, para aqueles que pretendem curtir o roteiro com mais calma e mesmo dormir uma noite tranquila em meio à natureza. Entre eles estão a Pousada Cantelli e a Pousada Casa Barp, ambas casas de pedra com interior simples e aconchegante.

________________________________

Fica quase impossível esgotar em apenas um post todas as atrações de um roteiro como o do Caminhos de Pedra. Aqui, no entanto, está a reunião das informações mais importantes para que, a partir delas, você possa planejar o seu próprio passeio pela região.

Se já visitou o Caminhos de Pedra e tem alguma outra sugestão, ou se não conhece ainda o roteiro e ficou com dúvidas, escreva para a gente nos comentários abaixo!

Autor

Bruna Scirea - Editora