No ar o nosso guia de Buenos Aires

Camille Panzera 11/01/2013 às 11:15h 12

Buenos Aires é uma cidade que mora no coração dos brasileiros. Intensa e  cheia de atrações, a capital argentina é, muita vezes, o primeiro destino estrangeiro que temos a oportunidade de visitar. A proximidade com o Brasil e as ótimas promoções, facilitam muito a vida de quem gosta de viajar e quer conhecer um pouquinho mais desse país tão querido.

Sabendo da importância da cidade para nossos leitores, não poderíamos deixar de incluir Buenos Aires em nosso Guia de Destinos. Lá os viajantes de primeira viagem, ou aqueles mais experientes, poderão ler dicas, trocar conhecimento e contribuir com informações para quem planeja sua viagem. 

Visitamos Buenos Aires em Setembro de 2012 e mesmo não se tratando de um período de férias a cidade estava a pleno vapor. A crise tem afetado o país, é verdade, mas para quem gosta de viajar, nunca há tempo ruim. BsAs não para! Quem já esteve na capital chilena, sabe que comparações entre Buenos Aires e Santiago são inevitáveis: a cidade argentina é mais movimentada, mais caótica, mas ao mesmo tempo mais surpreendente e cheia de vida.

Dia e noite, a cidade dos hermanos é cheia de opções – não faltam ruas para caminhar, pontos turísticos para tirar fotos e restaurantes para comer bem. Ao conhecê-la pela primeira vez, dedique-se àqueles programas turísticos clássicos sem medo de ser feliz: ande pelo Caminito, pela Praça de Maio e pela 9 de Julho, assista a um show de tango, faça compras na Calle Florida e termine o dia curtindo o visual em Puerto Madero. Se houver oportunidade, assista um show do Teatro Colón e conheça o Jardim Japonês, um parque lindíssimo.

Viva e versátil, BsAs tem a capacidade de conquistar públicos de todas as idades. Uma das coisas mais gostosas do lugar, é que sempre há algo novo a ver e fazer, suas atrações não se esgotam! Com grande frequência há novas lojas e galerias para visitar,  restaurantes descolados para experimentar e mais conhecimento a absorver. Para muitos, é só mais uma cidade da América do Sul, para outros, é um destino que cativa e que constantemente se quer voltar.

Aos que já conhecem, ou ainda pretendem conhecer, preparamos diversos posts para ajudar a programar a viagem. Com nosso guia você poderá saber quando ircomo chegaronde ficartransportesonde comer em bons restaurantes e como alugar apartamento sem dificuldades. Na hora de se divertir, acompanhe as dicas sobre vida noturnacompraspontos turísticos e o que fazer. Para não quer perder nenhum detalhe, vale a pena conferir também as dicas sobre atrações próximasbairros de Buenos Aires, fotos e dicas sobre a cidade.

E você, já esteve em Buenos Aires? Conte pra gente como foi sua viagem!

12 comentários para “No ar o nosso guia de Buenos Aires

  1. Fernanda Garcia

    Oi, ficou faltando colocar o link da cidade de Buenos Aires no painel de navegação aqui da esquerda e também lá embaixo quando a gente entra na página do Guia de Destinos.

    Responder
    1. Camille Panzera Autor do post

      Oi, Fernanda. Esses links logo devem entrar no ar.
      Alguns são automáticos, mas não atualizam na mesma hora.

      Responder
  2. Fernanda Garcia

    PS.: no texto também está escrito "ande pelo Caminito, pela Praça de Maio e pela 8 de Julho", não seria 9 de Julho?

    Responder
  3. Cristiano Ali

    De 2 anos pra cá tenho ido constantemente para BA…..Em sua maioria 3 dias, finais de semana são mais do que suficientes para ficarmos lá..e dá tempo de conhecer tudo !!! Apesar de estarmos a somente 2 hs de SP…é outra cultura….os cafés….restaurantes….gosto muito de BA…com seus problemas ou não é uma otima pedida para quem quer sempre tirar uma folga quando possivel !! Aproveitem !!!

    Responder
  4. Fred Trivellato

    Apesar da proximidade do sul e sudeste brasileiro há muita diferença cultural e isso é muito legal. Os portenhos são especialistas em carnes, doce de leites e sorvetes. Quando fui, pesquisei bastante pela internet aonde conseguir o melhor câmbio, mas a melhor dica veio de um amigo que mora em BUE e estava passando uns tempos em minha cidade. Pra quem tem o orçamento apertado e alguma experiência de dar um rolê nas ruas das cidades, de trocar ideia, com bom senso vale a pena trocar os reais por pesos na calle Florida com pessoas que ficam falando "cambio" "cambio" "cambio" pra todo estrangeiro que aparece. Enquanto no banco um real valia 2,10 pesos, consegui na Calle Florida trocar meu real por 2,60 pesos. Como a grana tava apertada, ajudou bastante a curtir mais a viagem. Fui trocando a grana aos poucos, a cada 200 reais, sempre tomando cuidado com notas falsas, mas que nunca me apareceram.

    Responder
    1. Márcio Sampai

      Fred, a maior parte das pessoas não sabe reconhecer uma nota falsa… acho este tipo de câmbio temerário, por melhor que seja a cotação. Ainda no desembarque dos aeroportos, é entregue aos turistas um folheto com orientações sobre isso.

      A vantagem de BsAs sobre qualquer destino do exterior é a facilidade de usar reais para pagamento das compras, especialmente nas ruas Florida e Lavalle. O câmbio é insuperável! Outra opção (e que fiz com sucesso): sacar dinheiro da conta-corrente. O IOF é de apenas 0,38%, e a cotação do câmbio é melhor. No meu caso, saques acima do equivalente a 500 reais eram mais vantajosos.

      E deixo uma dica: o site http://www.dolarhoy.com mostra cotações online das principais casas de câmbio e bancos de Buenos Aires. Agora mesmo, vi que o cãmbio reais x peso no Multifinanzas está 2,55, contra 2,37 do Banco de la Nación.

      Responder
      1. RABUGENTO

        Uma pena a inflação estar comendo solta por lá. :(

        Estou precisando fazer umas compritchas mas desse jeito que está não compensa.

        Até a comida está muito cara.

        Restaurantes de Buenos aires tem aquele costume de ter dois cardápios. Um para os da terra e outro para os turistas. A diferença costuma ser de pelo menos 25%.

        Responder
  5. Márcio Sampai

    Fred, eu não acho um boa! O risco é enorme, pois a maioria não sabe reconhecer algumas falsificações. Além disso, existe um site (Dolar Hoy) que mostra cotações online nos bancos de câmbio. Agora mesmo, o Multifinanzas está com cotação 2,55 contra 2,37 do Banco de la Nación. Cá entre nós, é preferível "perder" 0,05 de cotação ou ter dor de cabeça com notas falsas?

    A grande vantagem de BsAs sobre qualquer destino no exterior é a possibilidade de utilizar reais nas compras, principalmente nas ruas Florida e Lavalle, e até mesmo no pagamento dos hotéis (eu reservei no booking.com e paguei em espécie). A cotação é insuperável! E para não andar com tantos reais, eu faço saque direto da conta-corrente, em caixas do sistema RedBank (tem em todos os bancos), pois o IOF é de 0,36% apenas, e o câmbio turismo é melhor que o paralelo.

    Responder
  6. Paula Cimini

    Já estive aqui como visitante, e moro aqui a quase 5 anos (me casei com um argentino). Ao contrário dos que muitos pensam, Buenos Aires não se pode conhecer em 3 dias, claro que se você quer ir em alguns lugares da rota turística, certamente poderá. Mas, o lindo disso aqui é que tem tanta coisa, tanta coisa que você pode morar aqui que sempre tem algo novo pra conhecer.

    A vantagem para os brasileiros (ou estangeiros de qualquer outro país), é que como hoje aqui nós não temos liberdade de comprar moeda estrangeira (somente com autorização de um orgão do governo que no Brasil acredito que seria a Receita Federal), igualmente só é autorizado para viagens, e nem sempre (ainda não sabemos o critério que utilizam). Antes permitiam 100 dolares /dia, mas conheço gente que permitiram 60. Bom, o que quero dizer é que tá lotado de gente querendo comprar moeda estrangeira aqui dos turistas, com essa burocracia o mercado negro está aproveitando, enquanto o dólar oficial no banco está 4,95, na rua voce compra por mais de 7 pesos. É uma loucura, no banco o real está a aproximadamente 2,55 aproximadamente e no mercado negro estão vendendo a 3,80. Então, se vem um brasileiro vendendo a 3 pesos cada real é uma maravilha.

    Venham sem medo, há muitas coisas ainda muito mais baratas que no Brasil, principalmente se voce quer comprar roupas e calçados.

    Responder
  7. Fred Trivellato

    Concordo com os argumentos dos colegas que defendem o cambio oficial e a dica do site http://www.dolarhoy.com foi excelente.

    Expus minha opinião para contrapor ao que exaustivamente li por todos blogs, que nas ruas as notas são falsas e é muito perigoso.

    Endosso o exposto pela Paula Cimini e ressalto, novamente, que a grana na calle Florida seria para aqueles que tem alguma pré-disposição a economizar, a diferença de valores é boa, sendo os dados que citei anteriormente referentes a setembro de 2012.

    Responder
  8. Júnior Izabel

    Me e permita discordar, Paula. Ir sem medo a Buenos Aires é ir despreparado para o que vai encontrar. Já viajei para alguns países e nunca me senti tão vulnerável a roubo quanto nessa cidade, um amigo meu foi roubado no café da manhã do hotel, levaram a bolsa com tudo dentro. Os taxisistas tentam dar golpes o tempo todo. Golpe da nota falsa de $100, golpe da voltinha, golpe da briga e tantos outros. Nada de policiais nas ruas. Os preços para refeição, um absurdo!! O humor do argentino não está nada legal, garçons atendem como se favor estivessem fazendo e ainda te forçam a dar os 10%, e insistem que o cliente pague em real ou dólar, o detalhe é que o troco será dado em peso. Os famosos outlets estão cobrando preços muito próximos das lojas no Brasil, esta proximidade nem sempre é pra menos! Os próprios argentinos estão atravessando o rio para conseguir preços melhores no Uruguai.

    A Cristina não só proibiu a compra de dólares, ela dificultou e muito a importação de produtos, ou seja, nada de comprar bons calcados e boas roupas. A grandes grifes, como louis vuitton , já fecharam as portas.

    Buenos Aires, não compensa mais viajar.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>