Brasil e Estados Unidos terão acordo de “céus abertos”

Leonardo Marques 9 · dezembro · 2010

O Brasil e os Estados Unidos estão formalizando um acordo de “céus abertos”. Na prática, esse tipo de acordo permite aumentar o número de voos entre os dois países.

Normalmente, o números de voos entre dois países é definido em acordos feito entre os mesmos. A regra é assim: as empresas americanas podem ter X voos semanais para o Brasil e as empresas brasileiras podem ter essa mesma quantidade de voos para os Estados Unidos.

O Brasil usa esse mesmo mecanismo com vários outros países. Esse tipo de acordo visa proteger as empresas aéreas dos países. Mas em alguns casos, dois países chegam a conclusão que podem remover esse tipo de barreira, isso é chamado de acordo de céus abertos.

A acordo entre o Brasil e os Estados Unidos prevê uma aumento gradual dos voos entre 2011 e 2014. Em outubro de 2015 entraria em vigor a liberação.

Além do acordo com os Estados Unidos o Brasil tenta fazer esse mesmo acordo com os países da América do Sul.

Para o passageiro, esse tipo de liberação normalmente significa redução de preços. Mas, ele também pode ter um impacto negativo para as companhias aéreas.

No curto prazo o que muda?
Já em 2011 as empresas devem lançar vários voos entre o Galeão e os Estados Unidos e também entre outras capitais brasileiras e os Estados Unidos. Guarulhos só terá novos voos para os Estados Unidos a partir de 2013.

Autor

Leonardo Marques - Diretor do Melhores Destinos
  • Leandro

    Bem que podia ter uns vôos saindo de Porto Alegre pra Nova Iorque, Miami ou Los Angeles.

  • Rodrigo

    Não entendi, o número de vôo depende? Se USA fizer 10 vôos por dia para cá o BRA também teria esse número de viagens correspondente ou vice-versa?

    • Leonardo (Melhores D

      Rodrigo, é isso mesmo. Eles fecham o acordo determinando o número de voos e aí as empresas podem concorrer para ter direito a esses horários. Hoje as empresas americanas usam todos os seus horários para o Brasil e as brasileiras não.
      Com a Argentina, a situação é inversa, as empresas brasileiras usam todos os seus horários e as argentinas não.

  • André Cri-Cri

    O que vai valer mesmo é a lei da oferta e da procura. Não adianta querer vôos do tipo Poa-Lax que não haverá demanda. O mercado não é besta.

  • Rodrigo

    A lei do mais forte?

  • Edster

    Acho que POA já chega perto da demanda ideal para um vôo POA-JFK talvez, o problema é o comprimento atual da pista. Para 2015 porém a extensão para 3200m já deve estar pronta. Tem muita gente voando, e se o mercado se mantiver aquecido, pode ter certeza que muitas capitais terão voos diretos para os EUA.

  • Deveria sim é sair voos direto de Navegantes/SC que é um aeroporto internacional bem como Florianópolis!

  • Danilo

    Posso estare enganado, mas mais voo, não significa mais voos VAZIOS? Isso não seria um tiro no pé?

  • Flávio

    Concordo com o Leandro. Bem que poderiam ter voos diretos.

    Pelo menos um Porto Alegre-Miami ou New York.

    • Ricardo

      O tamanho da pista de Porto Alegre acho que acaba restringindo este tipo de opreação direta.

      • Miriam

        E o Salgado Filho já está pedindo água, teria que aumentar a pista e o a eroporto também 🙁

  • Marcos Fonseca

    Mesmo havendo concorrencia e disputas de preços para possiveis preços baixos, será que isso compensaria para nois Brasileiros ?

  • André Collier

    Com isso as empresas brasileiras e o Brasil se beneficiariam na época da Copa ? Ou não?

    Porque nessa época é fato que a demanda para o brasil vai ser maior..

  • emanuel messias

    vai ser interessante ver as gigantes AA,Delta,contintal,united.com mil avioes em media, concorrer com as brasileiras que tem a maior delas a TAM 130 avioes.Esses genios de plantão conseguem convencer qualquer um,acenando um preço baixo,só no começo é claro,quando elas quebrarem as empresas brasileiras,elas, as estrangeiras cobram o preço que quiser,pelas passagens.nagocio da china.

  • Cleise

    TEMOS QUE TER URGENTE VOOS DIRETOS SALVADOR ORLANDO,SALVADOR MIAMI E SSA NEW YORK.

    • André Cri-Cri

      cleise,

      Você tem algum estudo de viabilidade destas rotas?

  • Boa notícia, tomara que a concorrência melhore as tarifas.