LAN recebe hoje primeiro Boeing 787 Dreamliner do continente americano

Denis Carvalho 1 · setembro · 2012

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A LAN Airlines se tornou a primeira companhia do continente americano (e uma das pioneiras no mundo) a receber o Boeing 787 Dreamliner – o mais moderno jato fabricado pela empresa e em muitos aspectos o avião mais avançado do mundo. Durante os próximos 10 anos, a companhia chilena receberá 32 Boeing 787, sendo os três primeiros ainda neste ano. A aquisição é resultado de um dos maiores investimentos da história da companhia: US$ 4,9 bilhões. Desse total, seis aeronaves foram adquiridas pelo sistema de leasing.

As primeiras cidades atendidas pelos 787 da LAN serão Santiago, Buenos Aires, Lima, Los Angeles, Madrid e Frankfurt. Estas rotas se somarão, de maneira paulatina, durante o primeiro ano de operação da aeronave, que começará a voar comercialmente nos próximos meses. Uma pena que a companhia chilena tenha optado por não usar nenhum desses primeiros 787 em uma rota entre o Chile e o Brasil. Nesse momento de fusão LAN e TAM teria um grande simbolismo e certamente não seria muito diferente de Santiago – Buenos Aires em termos de lucro.

Novidades

Entre as novidades do Boeing 787  estão os assentos da classe Premium Business – que serão full flat 100% horizontal e  incorporam um repouso para os pés, sistema de memória que grava a posição do assento que o usuário escolheu, além da massagem lombar, que aumentará ainda mais a sensação de descanso. Já a classe Econômica, conta com assentos ergométricos reclináveis, com repousa-cabeça com 4 ajustes. A configuração da cabine nos primeiros aviões Boeing 787 da LAN será de 217 assentos na classe Econômica (3-3-3) e 30 na Premium Business.

Na parte de entretenimento a bordo, os avanços vão desde os monitores de maior definição com tecnologia touch 100% de última geração (9 polegadas para a cabine Econômica e 15,4 polegadas para a Premium Business) e novas conexões compatíveis com Apple®, tablets, celulares, câmeras digitais ou memórias USB.

A aerodinâmica do Boeing 787 também é destaque, pois  permite reduzir o impacto em caso de turbulências. Além disso, a pressurização da cabine a uma menor altitude (6.000 pés ao invés de 8.000), terá como resultado a redução de sintomas que o passageiro possa sentir ao voar.

Novas janelas

A novidade mais aguardada, contudo, é o inovador sistema eletrônico de escurecimento das janelas (que são 40% maiores do que de outros modelos) e de iluminação dinâmica, que promete melhorar a ambientação na cabine. Desta forma, o sistema prepara o passageiro para as distintas etapas durante o voo (dia e noite) e para o horário em que estará pousando. Os espaços para bagagem de mão foram ampliados em 30%.

A cabine incorpora novas técnicas de umidificação do ar, diminuindo consideravelmente a fadiga e a secura, associadas a longas viagens. Segundo a Boeing, o passageiro terá uma viagem ainda mais prazerosa, graças à tecnologia dos motores da aeronave, que produzem menos ruídos.

 

Benefícios ao meio ambiente

Tecnologia de ponta faz do novo modelo um amigo do meio ambiente: garante redução de até 20% na emissão do CO2 e de 40% de ruídos, comparado a aviões similares. Sua estrutura, com 50% de material composto de fibra de carbono, o torna mais resistente à fadiga e corrosão, consequentemente, demanda em sua fabricação menor quantidade de dejetos e necessidade de reciclagem.

O motor Rolls Royce Trent 1000 inclui novas tecnologias em aerodinâmica, materiais e coberturas, para gerar menores emissões de CO2 e cumprir com os mais exigentes padrões da Boeing.

Diante de tudo isso, apenas um fato a lamentar: a LAN ter preferido enviar o 787 para os hermanos argentinos em vez de colocá-lo em alguma rota para o Brasil. Mas é certo que no futuro a companhia deve empregar o Dreamliner saindo também daqui ou – quem sabe – incorporar alguns jatos à frota da TAM, com a qual se fundiu neste ano para a criação da Latam.

 

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe