Latam e Avianca Brasil não vão cobrar por bagagens nos primeiros meses

Denis Carvalho 6 · março · 2017

As companhias Latam e Avianca divulgaram que não pretendem cobrar pelo despacho de bagagens pelos próximos meses. A partir do dia 14 de março, as companhias não serão mais obrigadas a oferecer a franquia gratuita, mas as duas empresas querem estender o prazo para que os clientes possam se adaptar ‘as novas regras e para fazer mais estudos sobre as tarifas.

A Latam reafirmou que espera uma queda nos preços das passagens com as novas regras. Segundo a companhia, nos próximos três anos a expectativa é de uma redução de até 20% nos preços para quem viajar sem despachar malas.

“A experiência internacional mostra que os preços das passagens caíram e mais pessoas passaram a usar o transporte aéreo onde a bagagem despachada é cobrada à parte. Com o novo jeito de voar, a Latam e suas filiais projetam reduzir em até 20% as tarifas mais baratas disponíveis para seus voos domésticos até 2020, consolidando sua importância para o desenvolvimento do turismo na região e contribuindo para o crescimento do tráfego aéreo. Nossa meta é aumentar em 50% nossos passageiros transportados até 2020”, afirma Cláudia Sender, CEO da Latam Airlines Brasil.

Segundo a companhia, a decisão de não cobrar pela bagagem nos primeiros meses tem como objetivo ajudar o cliente a se adaptar à nova dinâmica e garantir uma “excelente implementação do novo processo”: “Queremos dar tempo ao cliente para que se acostume com nossos novos procedimentos antes de iniciar a cobrança da primeira mala em voos domésticos”, comenta Adriana Gomes, Diretora de Marketing da LATAM Airlines Brasil.

Ainda este ano, em data a ser comunicada posteriormente, a LATAM iniciará a cobrança também da primeira mala em voos domésticos.

Mudanças confirmadas a partir de 14 de março na Latam:

1) Bagagem de mão: para viagens realizadas a partir de 14 de março, há aumento no peso da bagagem permitida a bordo das aeronaves em todos os voos, passando de 5 para 10 quilos por passageiro (exceto Premium Business e Premium Economy, que mantém a franquia de 16 quilos). As regras relacionadas às dimensões da bagagem de mão seguem inalteradas: no máximo 55 cm x 35 cm x 25 cm (altura x largura x espessura).

2) Bagagem despachada: nos primeiros meses, os clientes que emitirem bilhetes a partir do dia 14 de março terão direito a despachar um volume de até 23 quilos em voos dentro do Brasil e de/para a América do Sul. Para os demais voos internacionais, os clientes poderão despachar até dois volumes de 23 quilos cada. Já os clientes nas cabines Premium Business e Premium Economy poderão transportar até três volumes de 23 quilos. As regras relacionadas às dimensões da bagagem despachada seguem inalteradas, onde largura + altura + comprimento somados devem ter até 158 centímetros.

3) Excesso de bagagem: há alteração no pagamento do excedente de bagagem a partir do dia 14 de março, seja pelo call center, site ou pessoalmente no aeroporto. A cobrança será mais simples e feita por meio de taxas fixas por peça, por faixa de peso e/ou por tamanho excedente. Os valores variam de acordo com o tipo de voo: doméstico, América do Sul ou internacional.

Confira como ficará a cobrança pela bagagem nos voos da Latam:

A companhia ainda divulgou os benefícios dos clientes do programa Latam Fidelidade

Bagagens na Avianca Brasil

A Avianca Brasil ainda não divulgou oficialmente sua posição com relação à franquia de bagagem, mas o presidente da companhia, Frederico Pedreira, informou ao Melhores Destinos que a cobrança não deve ser iniciada na próxima semana:

“A Avianca vai respeitar a legislação, mas no momento não vai cobrar a bagagem. Nós precisamos de um pouco mais de tempo para deixar o serviço mais atrativo e customizar o tarifário”, afirmou Pedreira ao MD, durante o voo inaugural da rota de São Paulo a Foz do Iguaçu

O presidente destacou que o adiamento da cobrança pretende também evitar a confusão entre passageiros que compraram passagens antes ou depois de a regra mudar.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no fim de semana, Pedreira, afirmou que a ideia é criar diferentes grupos tarifários: um mais barato, destinado aos clientes “mais sensíveis a preço” e que viajam apenas com bagagem de mão, e outro que inclui o despacho de bagagem.

“Os passageiros sem bagagem (despachada) não têm que pagar pelos que levam. Claramente, teremos uma classe tarifária mais barata para esse cliente”, diz. Segundo o presidente da Avianca Brasil, os planos ainda vislumbram que os usuários Premium possam comprar passagens sem direito a franquia e usar os benefícios dessa categoria para despachar malas.

Quanto à comparação com os atuais preços dos bilhetes aéreos, Pedreira diz que a categoria que não despacha malas terá tarifas mais atrativas. Segundo o executivo, o fato de os passageiros optarem por não despacharem malas implica em menos peso nas aeronaves e, consequentemente, custos mais baixos, uma vez que o consumo de combustível será menor.

“Menos custo vai permitir fazer tarifas mais atrativas. Nosso objetivo é fazer com que o setor aéreo retome como um todo”, afirma. Pedreira ainda avalia que os estudos da Avianca Brasil a respeito dos grupos tarifários deverá levar, ao menos, três meses.

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe
  • Gustavo

    E acabaram com a mala de 32kg (70 libras). Nem comprando uma passagem em business vc consegue viajar com uma mala apenas pesando 32kg. Bela porcaria que a LATÃO implementou. Duvido a passagem em business se tornará mais barata pq a franquia de bagagem diminuiu.

    • Guaip

      Isso praticamente todas vão implementar. 32kg era um asterisco de exceção para brasileiros em todas as cias aéreas do mundo.

      • Gustavo

        Não estou falando de classe econômica, classe econômica tem que ser 23kg mesmo. Mas em classe executiva, o padrão em viagens internacionais é 70lb (32kg). E a LATÃO colocou 3 malas de 23kg. Ora, seria muito melhor 2 de 32kg, tanto para o cliente quanto para a cia.

      • Fabio

        Nao na business e nem para membros elite dos programas de fidelidade. Nesses casos o peso permitido sempre foi de 70 pounds

  • José Eduardo

    Corrijam-me se eu estiver errado, mas segundo aquela tabelinha da LATAM, a primeira bagagem de até 23Kg para a América do Sul e as duas primeiras de até 23Kg para a Europa permanecerão gratuitas ad aeternum?

    • Isso mesmo

      • José Eduardo

        Até pra mim, que acho as alterações da ANAC estapafúrdias e prejudiciais ao consumidor, essa posição da LATAM parece digna de elogios.
        Veremos.

        • Guaip

          Semi, né? Pelo visto os preços não vão baixar.
          Antes uma passagem de R$ 200,00 que te dava direito a uma mala, agora vai continuar custando R$ 200,00 com uma “mala grátis” (como assim, grátis? esses 200 já não continham o preço da mala?).
          Depois desse período, será que a passagem passa a ser R$ 150,00? duvido.

          • José Eduardo

            É que o estrago parecia que seria tão maior (principalmente depois do presidente da GOL anunciar que as passagens não cairiam e que cobraria por toda e qualquer bagagem) que qualquer alento tá valendo né.
            Mas, no geral, o consumidor se deu mal, sem dúvidas.

          • Augusto

            O consumidor se dá mal quando ele quer! Se dá mal quando ele não compara os preços, quando ele sucumbi a empresas espertalhonas, quando ele não reage as mudanças de mercado. A lei do mercado vai continuar existindo e quem oferecer preços melhores vai levar a melhor.

            Muita gente ta tratando essas mudanças tarifárias da mesma forma que tratam os lanches servidos nos aviões. Se vão me servir biscoitinho, suco ou refri eu não to nem aí. Rsrs Quero é preço baixo, tarifa justa de cancelamento/alteração de voo, tecnologia durante o voo, programa de milhagem vantajoso. Isso sim faz a diferença (na minha opinião)

          • José Eduardo

            Me alegra ver que, mesmo num mercado monopolizado (ou no máximo dividido entre 2 ou 3 empresas com subsídios governamentais), com parte do setor já informando que o preço não vai cair e sem nenhuma perspectiva real de abertura de capital, ainda há pessoas realmente brasileiras, que não desistem nunca de acreditar. Parabéns.

          • Augusto

            Obrigado… e veja bem: mesmo no meio de toda a monopolização ainda conseguimos ‘bagatelas’. Esse ano mesmo inclusive já consegui ótimos preços, dentro e fora de promoções, algumas até emergenciais. Não acho que as companhias aéreas sejam anjos protetores que nos abençoam com bilhetes misericordiosos mas também não são demônios. Kkkk

          • Bruno

            Eu acho que vão falar que “iamos aumentar o preço de 200 pra 250, mas vai continuar 200”. Mas eu tb espero que baixem os preços pra quem viaja com pouca mala…

          • Guaip

            Exatamente!

  • Nilton Mondego

    Vamos aos debates ! rs

  • Márcio Sampaio

    A Latam não vai cobrar por enquanto, mas já vai faturar uma boa grana com excesso de bagagem nos voos partindo dos EUA, se realmente fiscalizar isso. Como diminuiu a franquia de 32 para 23kg por peça, se um descuidado trouxer 2 malas com 32kg cada (o que hoje é permitido) passará a pagar 200 dólares só de excesso (100 por peça). Nem quem tem status alto no Multiplus escapa, pois seu “bônus” é maior quantidade de peças, não de peso.

    • Tarcísio Medeiros

      O contrato é válido para o que você contratou. A TAM não pode mudar pra quem comprou com a regra antiga. E eles mostram o que você pode trazer de bagagem, agora se a pessoa não lê, a culpa não vai ser da empresa…

      • Márcio Sampaio

        Concordo, Tarcísio. Por isso escrevi “descuidado”, por não atentar para sua franquia contratada.

  • brunofinotti

    E no caso de passagens ja adquiridas para data posterior ao dia 14? Comprei passagens para o México para o dia 28/03 e na minha reserva constam duas malas de 32kg, isso se mantém inalterado?

    • Guaip

      14/3 é a data de emissão. a principio, tu ta de boa.

      • brunofinotti

        Obrigado Guiap! Em todo caso liguei na central pra confirmar e Se mantém as duas de 32kg e 8kg para bagagem de mão

        • Guaip

          Eu tenho uma passagem para os EUA para maio também, e já fiquei cabreiro. Mas pra falar a verdade, acho que nunca uma mala minha pesou mais que esses 23kg, mesmo com várias compras nos eua. Afinal, ainda são 4 malas para 2 pessoas. É muita coisa.

          • brunofinotti

            Ah isso é verdade! Mas pra mim que viajo sozinho , geralmente vou com uma de uns 25kg e volto no limite das duas de 32 kkk

          • Guaip

            Reforçar essas rodinhas aí!

  • osni

    queria saber se caso compre uma passagem voo domestico dia 20 marco 2017 para voar em dezembro 2017 a latam falou que seria grátis alguns meses vou ter que pagar ou so será pago as passagem emitidas após esta carência pela latam

    • Tarcísio Medeiros

      Vale de acordo com o contrato no dia da compra. Se você comprar e lá disser que você tem direito a tal peso, você terá esse direito pois o contrato é fechado naquele dia.

    • Cassiano

      Se vc puder, compra até dia 13 que você garante as regras contratuais atuais. Como disse o Tarcísio, vale de acordo com o dia da compra, não o dia da viagem.

  • PêEsse

    Um exemplo para demonstrar que a demonização das malas de 32kg não é correta. Eu viajo com duas crianças. Para mim é melhor ter um só volume, ainda que maior e mais pesado (acima de 23 mas abaixo de 32kg), do que dois volumes de 23kg (totalizando 46kg). Isso porque, com crianças, é melhor estar só com uma mão ocupada do que com duas. As aéreas, que até agora trabalharam com 32kg e não morreram, poderiam deixar a critério do consumidor escolher DOIS volumes de 23kg (como parece que será daqui por diante) ou UM VOLUME APENAS de 32kg. Lidar com mais volumes expõe mais a empresa a erros, já que aumenta as chances de danos, extravios etc.

    • Guaip

      32kg é só Brasil, a gente tem que esquecer isso. Foi um “plus” que nós tivemos por anos, uma exceção comparada com o resto do mundo. Uma das poucas vantagens que tínhamos, mas no fim das contas, isso prejudicava operadoras de fora que atuavam aqui (tendo que adequar sua capacidade apenas para nós), então no fim das contas, pode ser que as coisas melhorem a longo prazo.

      • Claudio Meyer

        Até concordo contigo, de fato esse foi um plus porém, se vc pensar bem, é mais vantajoso para a empresa transportar apenas um volume um pouco mais pesado do que dois mais leves que, somados, ficam mais pesados que somente aquele volume único… Vamos ver quem vai pensar um pouco mais e oferecer tal vantagem…

      • Marcos Antonio

        Numa dessa inclusive já vi os agentes de despacho putos da vida no JFK por exemplo, quando pegavam as malas e colavam a etiqueta HEAVY, coisa que só brasileiro despachavam!!! Indignados com tanto peso!! hahaha

      • marcosvalenca

        Não acho que o argumento “os outros países fazem assim” deva ser imperioso e definitivo. Podia ser um diferencial para atrair clientes estrangeiros. Champanhe, só na França e eles cobram bem caro por ela. Disney resorts, só nos Parques Disney e as diárias espelham a superioridade. O capitalismo brasileiro não funciona como o capitalismo normal dos países de primeiro mundo. Nem sempre o que é uma regra natural lá, funciona aqui. Vide o preço de nossas contas telefônicas, acesso à Internet, energia elétrica etc. etc. etc.

        • Jorge Soirefmann

          Pois é, aqui as nossas “agências de regulagem de preços” (ou coisa parecida) parece que só funcionam num sentido, beneficiar as empresas e cobrar mais do usuário. Nossas tarifas de celular são das mais caras do mundo, TV a cabo, idem. Água, com toda a abundância de fontes na maior parte do país, muito cara, energia elétrica, idem, gasolina então …

      • Fabio

        Nao eh um plus do Brasil. Qualquer passageiro viajando em classe executiva ou possuindo status elite nos programas de fidelidade tem esse direito no mundo todo.
        A Latam cortou os 70 pounds ateh nesses casos.

    • José Eduardo

      Não tenho certeza, mas acho que há recomendações de organizações de saúde indicando certa insalubridade para funcionários das aéreas manusearem malas de 32kg. Alguém confirma?

      • claudio@trezub.com.br

        Caro José Eduardo e demais: as normas (internacionais e do Brasil) de saúde e segurança do trabalho definem como limite máximo de peso a ser levantado/carregado por um ser humano os 23 kg; cargas maiores são potencialmente capazes de causar lesões articulares e musculares, e mesmo causar ou agravar doenças. Pesos maiores que 23 kg devem ser levantados e/ou carregados por no mínimo 2 pessoas, ou com auxílio de roldanas, máquinas, etc.
        Significa que nós, enquanto “usuários” da franquia de 32 kg, estamos também nos expondo a risco de lesões quando levantamos tais malinhas… imagine o trabalhador nos terminais!

        • José Eduardo

          Valeu, Claduio! Sabia que existia alguma limitação sobre o tema.

      • Fabio

        Existem inumeras profissoes no mundo onde a pessoa precisa carregar mais de 32kg. Descarregar um caminhao com sacas de arroz ou cimento eh apenas um exemplo.

        • Jorge Soirefmann

          Um saco de cimento pesa 50 Kg, mesmo peso de um saco de fertilizantes.

  • Diogo Marxx Ramirez

    Com as antigas franquias nunca teríamos uma low cost por aqui. Vamos ver se agora vai.

    • Claudio Meyer

      Nunca será… O problema das “low coast” não é a questão das bagagens mas sim dos altíssimos impostos cobrados pelo governo… Por isso mesmo é que as verdadeiras empresas de baixo custo simplesmente não veem para o Brasil.

    • José Eduardo

      O nosso problema é de capital fechado e atividade subsidiada.
      A bagagem é só a ponta do iceberg.

      • Benício Monte

        Capitalismo dos Amigos! Esse é Brasil.

    • Fabio

      E vamos continuar sem ter.

  • Josi

    Eu tenho uma passagem já comprada de um vôo doméstico com data para o dia 19 de março…Visto que estou voltando da europa e tenho duas malas, a segunda já entraria no valor dessa tabela ou o fato de ter comprado a passagem antes do dia 14 de março me submete a pagar de acordo com regolamento antigo? Obrigada.

    • marcosvalenca

      Você será regida pela regra antiga pois comprou o bilhete (fechou o contrato) antes de 14/mar/2017.

  • Italo Silveira

    Mente pra mim, é o que eu gosto, quanto mais você me ilude mais eu te adoro… Foi bom enquanto durou.

  • Daniel

    Olá. Fiquei com uma duvida. Fui comprar passagem na Avianca para os EUA. Nas regras tarifárias dizia 2 malas de 23 kg. Eles não são obrigados a dar 2 de 32 kg para passagens compradas até 14/3?

  • Sandro Bueno

    Eu me faço essa pergunta todos os dias.

  • Idário Sidney Martins

    E para aqueles que compraram passagens antes das alterações , e pagaram tickets contemplando malas de 23 kgs , como é que fica ??? . pagaram mais caros pelas passagens , e vão ter que pagar pela bagagens despachadas .

    • Tarcísio Medeiros

      Quem comprou antes da nova regra não precisa pagar em nenhuma cia. O contrato já foi feito, nenhuma cia pode alterar se a compra já foi feita…

  • Emmanuel Kalispera

    Os mesmos que acreditavam que a corrupção ia acabar.

  • Christiano Silveira

    Pois é mais uma vez o consumidor se f. Como sempre o governo sempre complicando para a gente!

  • Luciano Brito

    Vou passar a viajar com 3 calças e alguns casacos na mão! Redução de peso não mala despachada! Hahahaha

  • Marcus Vinicius Cavalcanti Soa

    As agencias reguladoras, são meros cabides de emprego para politicos que foram derrotados em seus pleitos eleitorais ou de seus apadrinhados.Jamais defendem interesses de consumidores, mas, estão sempre do lado das empresas.JÁ TRAMITA NO SENADO fEDERAL UM PROJETO DE LEI QUE SUSPENDE ESSAS MODIFICAÇÕES, ASSIM COMO A OAB PROMOVEU PROCEDIMENTO JUDICIAL VISANDO ANULAR ESSA PORTARIA,POIS,SEGUNDO A NOSSA LEI MAIOR, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, NINGUEM A ESTÁ OBRIGADO A FAZER OU DEIXAR DE FAZER QUALQUER COISA, SE NÃO EM VIRTUDE DA LEI, E, PORTARIA OU NORMA ADMINISTRATIVA DE AGENCIAS REGULADORAS NÃO SÃO LEIS. PORTANTO, QUEM SE SENTIR PREJUDICADO DEVERÁ PROCURAR A DEFESA DE SEUS DIREITOS, USANDO A VIA JUDICIAL

  • Tarcísio Medeiros

    Deve ser os mesmos que achavam que as low costs europeias não iriam durar ou que iriam aumentar os preços quando ficassem maiores. -OHWAIT

    Até pq não é tão somente baratear passagem, mas sim permitir a longo prazo a entrada de low costs, como já há no México, na Colômbia e recentemente tá pra iniciar as operações na Argentina

    • Jorge Soirefmann

      Tem muita gente iludida com as “low cost”. Esquecem de computar o preço do despacho de bagagem, do transfer para um aeroporto alternativo a 100 km de distância, etc., etc.

  • José Eduardo

    Talvez quem ainda não leu as declarações do presidente da GOL, responsável pelo maior naco do mercado nacional, que já disse taxativamente: “NÃO HAVERÁ REDUÇÃO DE TARIFAS”.
    O Brasil não é pra amadores.

    • Tarcísio Medeiros

      “O cliente que não quer ou não precisa despachar suas malas, não pagará mais por esse serviço, como acontece hoje”. Não haver garantia não significa que não irá cair. Interpretação de texto passou longe dos teus estudos. Até porque a Avianca e LATAM já anunciaram que nos primeiros meses não vão cobrar, logo se os preços delas estiverem mais baixos ou iguais, o consumidor vai com elas já que não precisa pagar pela bagagem. Se a passagem estiver mais cara, logo se estará pagando pela bagagem indiretamente.

      Assim como o próprio cara da Gol destacou a flexibilização dos preços das passagens em 2001, e se fosse pela opinião de vocês, as empresas colocariam o preço mais alto possível, e apesar do preço não estar barato, está mais do que o fixo naquela época…

      • José Eduardo

        Dá até preguiça de tentar debater com o cara que já levou em outro post mais ou menos um “é injusto eu pagar a mesma tarifa que você, que tem visivelmente mais peso que eu”.
        Mas se o cara não desiste e a vergonha não o inibe, vamos lá.
        Parece-me não ser questão de interpretação, mas sim de decodificação (sabe diferenciar?) a exegese da seguinte frase:
        “O executivo disse, porém, que não há projeção de redução de preço por parte da Gol. ‘(O consumidor) não vai comparar meu preço antes e depois da regra. Vai comparar o meu preço com o do meu competidor (no dia em que quiser viajar).” (in Estadão, 28/02/17).

        Mas cara, fique tranquilo, acreditar em qualquer medida estapafúrdia imposta por entes governamentais não é exclusividade sua, nem tampouco as pessoas que tem um mínimo de noção e já percebem que as novas medidas serão péssimas para todos terão alguma vantagem.

        Estamos no mesmo barco e ainda não há cobrança adicional por ilusão, ingenuidade ou alienação.
        Infelizmente.

        • Tarcísio Medeiros

          José: “Levar”? As empresas a depender da legislação podem precificar da maneira que quiserem. Se a legislação permitir que elas cobrem pelo peso da pessoa, eu pago, assim como pago menos por ser estudante, e não vejo nenhum “não-estudante” reclamando que isso aumenta o preço pra eles. Só que eu não seria uma dessas pessoas que se acham na obrigação que as outras pessoas paguem pelo prejuízo que as próprias causam, como são as pessoas que estão revoltadas porque não poderão mais viajar de 2 malas de 32kg que não é possível pra praticamente nenhum país.

          E que bom que você sabe diferenciar interpretação de decodificação e sabe o usar o termo “exegese”, palmas pra você, já tá tirou 10 do mestrado…

          Aliás, hoje mesmo a Azul já confirmou que não despachar bagagem poderá valer desconto e que deve criar 3 tarifas e que a intermediária com a bagagem deve manter o preço atual. Mas desconfiemos do governo, das empresas, de tudo, porque reclamar antes do acontecimento é o certo…

  • Renato Matos

    Só se colocar chumbo numa mala de 115 cm pra dar 10 kg.

  • Renato Matos

    Se pelo menos essas mudanças começarem a chamar atenção para vinda das low cost vai valer a pena.

    • Se não liberarem capital estrangeiro nas empresas aéreas, não vai vir nenhuma low cost.

      • Benício Monte

        Exatamente, jamais. Capitalismo dos Amigos. O pior de todos.

  • Ze Binsk

    Ficaram algumas dúvidas:
    1. Quanto custará a 3ª mala nos voos domésticos e nos voos internacionais?
    2. Se o excesso for tanto de peso quanto de tamanho, serão somados os valores dos dois excessos?
    3. Carrinho de bebê vai ser transportado como cortesia como era até hoje?

  • Eduardo

    Mais um Golpe

    • Lara Monteiro

      É verdade!. Vamos continuar a pagar essas tarifas altíssimas e ainda somar nessa continha, o valor da bagagem despachada. Mas k negocio da China hein! Afff

  • Olá Marcos, a questão que eu vejo não é nem se a low cost é boa ou não para minha viagem, mas sim do impacto que ela causa no mercado. Lembra da saudosa Webjet? Quando foi comprada pela GOL, muitos disseram que ela já ia tarde, porque era “horrível”, “sem lanches”, “sem conforto”, etc, etc. Até tinham razão, mas que falta fazem até hoje aquelas promoções malucar com passagens de volta por R$ 9! Mesmo que não seja o seu perfil voar em uma low cost, é muito salutar que haja companhias vendendo passagens a preços baixos e forçando as demais empresas a baixar seus valores ou melhorar seus serviços para justificar o preço mais alto.

  • A. Santos

    Sem contar que agora vai haver menos causas na justiça por extravio de mala, se você pensar que a companhia repassava os custos de indenizações para o valor de passagens.

  • Benício Monte

    Amigo, se você gosta de conforto e pode pagar por isso, parabéns. Mas já pensou se vc fosse obrigado a comer no Outback, Applebee’s e em mais dois restaurantes que cobram 100 reais por kg e dissessem pra vc que é barato. E todo mundo só tivesse essa escolha? Você acharia legal? A melhor coisa do capitalismo real, concreto, é o poder de escolha do consumidor. E isso não ocorre no Brasil, pq não temos mais que 4 empresas aéreas grandes, e dessas, 2 tomam a fatia quase completa do mercado. Que poder de compra é esse, pra mim, zero?

  • Bruno

    Se essa diária for 30% do valor do preço da outra, eu pago. Pq eu nao quero uma sensação de lar, e sim um lugar pra dormir.

  • Fabio

    Quando ele aceitou o emprego jah sabia o que o esperava. Se nao sabia, pelo menos deveria saber.

  • Fabio

    Mais uma razao para permanecer fiel as cias Star Alliance, que continuam a oferecer 2X32 para quem eh Star Gold

  • Lorena Lagos

    Uma duvida, comprando hoje entro na regra antiga, crianças (acima de 2 anos) elas tambem tem direito a 2 malas de 23kg ? ou seja vamos em 3 seriam 6 malas de 23 kg?

  • FabioH

    As pessoas tem necessidades diferentes meu caro.

  • luiz paulo alencar

    Concordo com o Gustavo plenamente e é uma burrice enorme, mesmo sendo em qualquer das classes da LATAM.

    Eu viajo apenas com uma mala e normalmente volto dos EUA e Europa com 32 kg em uma viagem de 10 a 15 dias nos EUA e entre 15 a 25 dias pela Europa e ainda levo uma mochila OU sacola grande.

    Agora preciso usar 2 malas carregando 16 kg (em cada uma) .

    Resumo da ópera:

    1 – Imagine todos os passageiros na mesma situação no mesmo vôo, o peso final no vôo será o mesmo , mas o espaço ocupado será dobrado.

    2 – terei que carregar e empurrar 2 malas pelo aeroporto ao invés de uma ou alugar um carrinho (nos eua custa 5 dolares) .

    3- ainda tenho que alugar um carro maior e mais caro para ocupar 4 malas quando eu viajar com mais uma pessoa comigo. Não se pode botar mala no banco traseiro do carro pois pode ocorrer uma multa nos Eua.

    4 – Imagine a situação com uma familia indo para Disney com mais 2 filhos ? Nem uma minivan vai dar conta.

    5 – Não adianta como disseram em abaixar a tarifa se vc vai pagar de qualquer maneira excesso de peso , no final da viagem vai sair bem mais caro (pelo menos uns 20%).

    Chutando uma tarifa de econômica por US$ 600,00 para Orlando, NY, Miami, Las Vegas, pelo que entendi haverá 20% de desconto na passagem (duuuuvido) e irá para US$ 480,00, e para variar terá o excesso de bagagem nas 2 malas de 23 kg e terá que pagar US$ 100,00 cada. Resultado 480 + 200 = US$ 680,00 . qual a vantagem ? Pense numa tarifa de vôo de US$ 500,00 e a situação piora mais fazendo as contas , vai ficar 400 + 200 = US$ 600,00. Chore quando você fizer as contas num vôo para Europa.

    Quem viaja para o exterior somente com uma mala de mão por 15 dias ? Você vai dizer que é desprendido de bens materiais ou não usa cueca, meias e só tem 3 blusas e um tênis. Você nem passa pela fiscalização pois irão te botar no vôo de volta.

    Li a reportagem da PRESIDENTA DA TAM que foi feita uma pesquisa que 40% dos passageiros NÃO CARREGAM tanta bagagem. No meu entendimento deve ter sido feito uma pesquisa nos vôos de ponte aérea as entre 7 a 10 hs da manhã e entre 20 e 22 hs do mesmo dia pois é o horário que normalmente as pessoas que transitam a trabalho OU em vôos em que as pessoas que viajam por 3 dias pelo nosso Brasil NO VERÃO, pois não necessita de bagagem de inverno.

    Sou do Rio e uma viagem CURTA pro Nordeste com uma mala de 23 kg é possível, mas pode até dar um pequeno excesso , então joga pra bagagem de mão esse excesso.

    Queria ver uma pesquisa SÉRIA de vôos internacionais (America do sul, do norte, Central, Europa, Oceania, Asia ) com período acima de 15 dias até 1 mês de como isso ficaria ?

    Não existe BOM SENSO, o mais certo seria PELO MENOS 1 mala de 32 kg e outra de 23 kg caso necessitasse ou uma de 32 kg com um desconto na passagem.

    Em todos vôos internacionais (EUA) que fiz NORMALMENTE (supondo 300 passageiros no avião uns 250 usam 1 mala de 32 kg NA IDA, MAS na VOLTA, é pouco provável uma apenas.

    Fui no Black Friday para Miami em 2016 de Premiun Business e no meu checkin de volta no aeroporto o atendente da Latam me perguntou se era SÓ UMA MALA que eu estava carregando e eu disse que sim e ele riu. Eu perguntei o motivo da pergunta e ele me disse que eu era um caso isolado e tive que rir.

    Não dá para circular pela Europa com 2 malas de 23 kg por mais que vc ande de trem, ônibus e metrô. Com uma mochila nas costas e uma mala já é complicado e eu sou grande, imagine pessoas mais baixas ?

    6 – quando você chegar em sua casa e começar a fazer as contas do total com a viagem você vai descobrir o quanto que você gastou a mais com a DIMINUIÇÃO DA TARIFA e entrou pelo cano fisicamente e economicamente com as consequencias do desconto.

    • Ricardo

      Na boa, mas se para uma viagem curta para o Nordeste você precisa de uma mala de 23 kgs e ainda pode dar excesso, você tem algum problema.
      O mundo inteiro consegue viajar com uma mala de 23 kgs, mas o brasileiro reclama mesmo viajando com o dobro…

  • Ricardo

    Achei ótima a medida da Latam, na verdade esperava algo muito mais drástico. Vai continuar a mamata de duas malas para fora da América do Sul, só que agora de 23 kgs. Acredito que seja só uma transição e que mais adiante vão ajustar isso, deixando apenas uma mala de 23 kgs, como ocorre no mundo inteiro.
    Certamente vai ter muambeiro e contrabandista chorando, afinal brasileiro quer levar vantagem em tudo, como diria nosso Canhotinha de Ouro…

  • Ricardo

    Sim, isso vai mudar. Se a mala tiver 24 kgs já podem cobrar excesso, mesmo você tendo direito a outra. É o padrão internacional.

  • Jorge Soirefmann

    Hoje, caso você não seja dos primeiros a embarcar, já é muito difícil achar espaço nos bagageiros acima dos assentos. Como é muito complicado, além de verificar cartão de embarque, documento, imagina ainda parar a fila para pesar a mala de mão, verificar dimensões …, vai ser um tumulto acomodar bagagem de mão. Cobrar US$ 90 parra despachar uma mala de 23 kg é simplesmente um assalto ! Um casal com 2 filhos, p. ex., com 4 malas, pagar US$ 360 (cerca de R$ 1150) é para desanimar qualquer um de viajar.

    • Ricardo

      Oi Jorge! Você leu bem o texto? Um casal com 2 filhos e 4 malas não vai pagar para despachar a bagagem. E para fora da América do Sul ainda vai ter direito a 8 malas.

      • Jorge Soirefmann

        Ricardo, não vai pagar por enquanto, e depois?

  • luiz paulo alencar

    Concordo com o Gustavo plenamente e é uma burrice enorme, mesmo sendo em qualquer das classes da LATAM.

    Eu viajo apenas com uma mala e normalmente volto dos EUA e Europa com 32 kg em uma viagem de 10 a 15 dias nos EUA e entre 15 a 25 dias pela Europa e ainda levo uma mochila OU sacola grande.

    Agora preciso usar 2 malas carregando 16 kg (em cada uma) .

    Resumo da ópera:

    1 – Imagine todos os passageiros na mesma situação no mesmo vôo, o peso final no vôo será o mesmo , mas o espaço ocupado será dobrado.

    2 – terei que carregar e empurrar 2 malas pelo aeroporto ao invés de uma ou alugar um carrinho (nos eua custa 5 dolares) .

    3- ainda tenho que alugar um carro maior e mais caro para ocupar 4 malas quando eu viajar com mais uma pessoa comigo. Não se pode botar mala no banco traseiro do carro pois pode ocorrer uma multa nos Eua.

    4 – Imagine a situação com uma familia indo para Disney com mais 2 filhos ? Nem uma minivan vai dar conta.

    5 – Não adianta como disseram em abaixar a tarifa se vc vai pagar de qualquer maneira excesso de peso , no final da viagem vai sair bem mais caro (pelo menos uns 20%).

    Chutando uma tarifa de econômica por US$ 600,00 para Orlando, NY, Miami, Las Vegas, pelo que entendi haverá 20% de desconto na passagem (duuuuvido) e irá para US$ 480,00, e para variar terá o excesso de bagagem nas 2 malas de 23 kg e terá que pagar US$ 100,00 cada. Resultado 480 + 200 = US$ 680,00 . qual a vantagem ? Pense numa tarifa de vôo de US$ 500,00 e a situação piora mais fazendo as contas , vai ficar 400 + 200 = US$ 600,00. Chore quando você fizer as contas num vôo para Europa.

    Quem viaja para o exterior somente com uma mala de mão por 15 dias ? Você vai dizer que é desprendido de bens materiais ou não usa cueca, meias e só tem 3 blusas e um tênis. Você nem passa pela fiscalização pois irão te botar no vôo de volta.

    Li a reportagem da PRESIDENTA DA TAM que foi feita uma pesquisa que 40% dos passageiros NÃO CARREGAM tanta bagagem. No meu entendimento deve ter sido feito uma pesquisa nos vôos de ponte aérea as entre 7 a 10 hs da manhã e entre 20 e 22 hs do mesmo dia pois é o horário que normalmente as pessoas que transitam a trabalho OU em vôos em que as pessoas que viajam por 3 dias pelo nosso Brasil NO VERÃO, pois não necessita de bagagem de inverno.

    Sou do Rio e uma viagem CURTA pro Nordeste com uma mala de 23 kg é possível, mas pode até dar um pequeno excesso , então joga pra bagagem de mão esse excesso.

    Queria ver uma pesquisa SÉRIA de vôos internacionais (America do sul, do norte, Central, Europa, Oceania, Asia ) com período acima de 15 dias até 1 mês de como isso ficaria ?

    Não existe BOM SENSO, o mais certo seria PELO MENOS 1 mala de 32 kg e outra de 23 kg caso necessitasse ou uma de 32 kg com um desconto na passagem.

    Em todos vôos internacionais (EUA) que fiz NORMALMENTE (supondo 300 passageiros no avião uns 250 usam 1 mala de 32 kg NA IDA, MAS na VOLTA, é pouco provável uma apenas.

    Fui no Black Friday para Miami em 2016 de Premiun Business e no meu checkin de volta no aeroporto o atendente da Latam me perguntou se era SÓ UMA MALA que eu estava carregando e eu disse que sim e ele riu. Eu perguntei o motivo da pergunta e ele me disse que eu era um caso isolado e tive que rir.

    Não dá para circular pela Europa com 2 malas de 23 kg por mais que vc ande de trem, ônibus e metrô. Com uma mochila nas costas e uma mala já é complicado e eu sou grande, imagine pessoas mais baixas ?

    6 – quando você chegar em sua casa e começar a fazer as contas do total com a viagem você vai descobrir o quanto que você gastou a mais com a DIMINUIÇÃO DA TARIFA e entrou pelo cano fisicamente e economicamente com as consequencias do desconto.

  • luiz paulo alencar

    Ontem dia 6/3 estava vendo vôos RIO DE JANEIRO- MIAMI pela LATAM com pontos de premium business para os meses de maio, junho, setembro, outubro e novembro e estava 65.000 pontos e agora dia 7/3 a meia noite e 10 minutos TODOS os meses estão por 88.000 pontos o trecho MAIS BARATO.

    Eu ainda tento entender essa medida de baratear as passagens ??? Quem acreditou nisso ?

  • Tarcísio Medeiros

    Ela se entitular é uma coisa, mas ser é outra, né… Até pq não somente nos preços que a GOL não se enquadraria nas low costs, seja em serviço de bordo (que ainda tem um snack), fazer check in gratuito no aeroporto, uso de aeroportos centrais, poder reclinar a cadeira (Juro que não entendo o motivo de em low costs não poder reclinar a cadeira nem pagando….), enfim, todo um universo pra Gol não ser uma low cost… A que parecia um pouco ser era a Webjet com preços mais baixos e uniformes

  • Jorge Soirefmann

    Quando a pessoa tem tempo de sobra, viaja sozinho, é jovem, sem maiores compromissos, dá para fazer umas “indiadas”, parar em albergue, etc. Agora, viajando com crianças pequenas quero ver viajar com uma mochilinha, ou quando a pessoa é idosa, com deficiência, etc. Você tem que olhar o quadro todo, não generalizar a partir de uma realidade individual. A grande maioria dos passageiros brasileiros viaja com bagagem, e muitos, não é o meu caso, não dispensam as “comprinhas”, o que não condeno, se é possível comprar 3 pares de tênis os de jeans nos EUA pelo preço de um aqui, por não …

  • Jorge Soirefmann

    De novo, Tarciso, você parece querer ver a realidade em função do seu umbigo. Você é que é a exceção, a minha lógica é igual a da grande maioria que se expressa neste debate, então talvez você deva fazer uma autocrítica, talvez verifique que a sua lógica vai mais ao encontro dos interesses das empresas aéreas e de encontro (contra) os interesses do consumidor, pelo menos assim pensa a esmagadora maioria.