Azul planeja comprar TAP e JetBlue e se tornar gigante, diz jornal

Denis Carvalho 28 · junho · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

O jornal Folha de S. Paulo, o maior do Brasil, traz hoje uma matéria bombástica. Segundo a publicação, o empresário David Neeleman, dono da Azul, está criando um fundo de investimento destinado à compra da companhia aérea portuguesa TAP e da americana JetBlue, que ele fundou. O projeto, no futuro, seria integrar as três empresas, formando uma gigante aérea nacional, com rotas para Europa, África e EUA, algo que o Brasil não tem desde o fim da Varig. Por razões estratégicas, o governo federal também deve participar do negócio como sócio via BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

A possibilidade da Azul comprar a TAP, que deve ser privatizada até o fim do ano, vem sendo comentada há algum tempo, inclusive com declarações de altos escalões do governo, mas até agora a operação não se havia falado de a Azul comprar também a JetBlue, companhia fundada por Neeleman mas de onde ele foi demitido.

O mais impressionante é que a matéria da Folha traz detalhes da operação. Segundo o jornal, o BNDES deverá ter cerca de 20% de participação no fundo, investindo inicialmente US$ 600 milhões. Os fundos privados que hoje são acionistas da Azul também devem entrar no negócio liderado por Neeleman. O empresário entrará com recursos próprios, adquirindo 5% de participação. O investimento total será inicialmente de US$ 3,2 bilhões, valor que deve dobrar.

Com esses  recursos a Azul planeja comprar a TAP e a JetBlue. A companhia portuguesa deverá custar US$ 1,5 bilhão (valor da dívida).
Avaliada em US$ 1,7 bilhão, a JetBlue terá de ser adquirida por meio de uma oferta hostil ao mercado – operação que, para ter sucesso, prevê desembolsos maiores para atrair os acionistas.

“Sempre penso sobre coisas que a gente pode fazer, mas, neste momento, estou focado na Azul”, disse Neeleman à Folha. “Não é verdade que eu vá comprar a TAP ou a JetBlue.” Mas, ainda segundo apurou a reportagem, pessoas da Azul analisaram os balanços da TAP na sede da companhia, em Lisboa. No governo, o negócio é considerado “líquido e certo”.

Gigante

Caso o plano avance, a Azul poderá comprar as duas companhias do fundo, tornando-se a maior empresa nacional, com voos internacionais, fazendo frente à Latam (fusão entre TAM e a Lan), sediada em Santiago do Chile. Segundo a Folha, Esse é um dos motivos que levaram o governo federal a estimular Neeleman a entrar no negócio junto com o BNDES. Inicialmente, o empresário não era favorável à compra da TAP. Mas mudou de ideia quando identificou a oportunidade estratégica da união entre as três aéreas. O governo aceitou a ideia.

A presidente Dilma Rousseff se comprometeu com o governo português a buscar uma saída para a TAP e também pretende fortalecer a aliança estratégica com a África.Além disso, ela aprova o “modelo Neeleman” de gestão, que quebrou o duopólio de TAM e Gol, ajudando a aviação regional.

Com a TAM integrada à uma companhia chilena e a Gol sem demonstrar apetite para avançar no mercado internacional de longo curso, o sonho de  Neeleman, compartilhado pelo governo federal, é transformar a Azul na empresa brasileira de bandeira, no espaço que já foi da Varig. A integração das operações de Azul, JetBlue e TAP permitiria ao Brasil ter ligações diretas com EUA, América Central, Europa e África.

A TAP é a empresa europeia com mais voos para a África, continente considerado estratégico para o Brasil. Também agrada ao governo brasileiro o fato de a TAP ter uma presença descentralizada dentro do Brasil, com voos para nove cidades, de Porto Alegre a Fortaleza. Já a JetBlue tem ampliado sua presença na América Central e em novembro passará a voar para Lima, no Peru.

Dentro desse plano, a Azul poderia levar passageiros de diversas cidades do Brasil para um ponto na América Central, como em Porto Rico, e dali fazer conexão com os voos da JetBlue para os EUA, modelo usado com sucesso pela Copa e agora copiado pela GOL.

A compra da JetBlue é um sonho antigo de Neeleman, que nunca digeriu o fato de ter sido demitido do comando da empresa que criou.
Ele perdeu o cargo após divergências com o conselho de administração sobre como lidar com os efeitos de uma forte tempestade que paralisou as operações da companhia, em 2007.

Impressiona, como dissemos, os detalhes revelados na reportagem. Além disso, a Folha é o maior jornal e um dos que tem maior credibilidade em todo o país e em momento algum os jornalistas colocam os fatos na condicional. Pode ser que o negócio nunca vingue, quem sabe até por ter vido à tona na hora errada, mas ainda assim é muito bom sonhar em termos uma companhia brasileira forte voando mundo à fora!

E você? O que achou da notícia? Deixe sua opinião nos comentários!

Dica do leitor Rodrigo Aguiar

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe