Avaliação da Nepal Airlines

Wendell Oliveira 19 · abril · 2018
Econômica
KTM - BKK
RA 401
Airbus A320-200
28/02/2018

Embarque

Previsto: 11:00h
Efetivo: 11:00h

Partida

Previsto: 11:30h
Efetivo: 12:19h

Chegada

Previsto: 16:05h
Efetivo: 16:29h

Eleita uma das piores companhias aéreas do mundo, a Nepal Airlines é uma companhia estatal fundada em 1958, atualmente com uma frota de 12 aeronaves voando para 32 destinos domésticos e internacionais. Nenhum deles na Europa, já que a empresa faz parte da infame lista de companhias banidas de voar na União Europeia. A Nepal Airlines recentemente esteve envolvida em uma polêmica ao sacrificar dois bodes para resolver problemas técnicos em uma aeronave, além de possuir um extenso histórico de acidentes e escândalos de corrupção.

Encaramos essa aventura para trazer em primeira mão uma avaliação inédita para você, querido leitor! Aperte os cintos, faça sua oração e embarque com o MD em um surpreendente review!


O Nepal é um país fantástico, lar de uma cultura fascinante e também do Everest, a montanha mais alta do mundo. Justamente pelo relevo montanhoso do país, viajar por suas estradas não é uma tarefa muito confortável. Cruzei a fronteira por terra da Índia para o Nepal e sofri com a poeira, pistas esburacadas e até avalanches! Não queria passar pela mesma situação na hora de ir embora.

Comecei então a pesquisar passagens saindo da capital Kathmandu até Bangkok, na Tailândia, onde moro. Duas companhias possuem voos diretos: a Thai Airways e a Nepal Airlines. Também há a alternativa de voar com a AirAsia, fazendo uma longa conexão em Kuala Lumpur, na Malásia.

Me assustei com os preços praticados no site da Nepal Airlines, com passagens a partir dos U$600 para uma viagem de apenas 3h30 de duração! Mas nem sempre ir direto ao site da companhia é a melhor opção. Algumas agências online possuem promoções exclusivas oferecendo preços menores, e acabei encontrando o mesmo voo por U$199 – uma diferença e tanto!

Expectativas

Uma rápida pesquisa por “Nepal Airlines” no Google pode trazer resultados assustadores.

Minha expectativas não eram as melhores, mas ainda assim segui em frente com a compra. Afinal, o que de mal poderia acontecer, não é mesmo? 🙂

A maior parte da frota da Nepal Airlines é composta por pequenas aeronaves turboélices chinesas, como a Harbin Y-12 e Xian MA60, que fazem voos curtos domésticos e oferecem vistas estonteantes das montanhas do Himalaia. Já o meu voo utilizaria o Airbus A320-200 da companhia, adquirido em 2009 para voos internacionais. Curiosidade: O avião foi entregue em 2015 pela Airbus, carregado com 5 toneladas de doações para as vítimas do terremoto que assolou o Nepal naquele ano.

No dia da viagem seguimos para o Aeroporto Internacional de Kathmandu, considerado um dos piores aeroportos do mundo. Um título injusto, na minha opinião. Não é tão ruim. O único aeroporto internacional do país lembra uma simpática rodoviária de cidade do interior do Brasil e tem até macaquinhos dando boas-vindas nas imediações, subindo nas placas e aprontando altas confusões.

A exemplo da Índia, país vizinho, o Nepal também possui uma preocupação excessiva com a segurança aeroviária. Só é possível entrar no aeroporto portando documentos e comprovante de viagem, passando por scanners e uma minuciosa vistoria.

Check-in

8,0

Tive dificuldades de fazer o check-in online, já que o site da companhia não reconhecia meu número de reserva. Acabei fazendo no balcão mesmo. O check-in abriu com bastante antecedência e praticamente não houve fila nos três guichês disponíveis.

O processo foi simples e efetivo, o funcionário rapidamente emitiu meu cartão de embarque, recusando educadamente minha tentativa marota de conseguir um upgrade para a Classe Executiva (“If You Don’t Ask, You Don’t Get”).

Ficamos passando o tempo no saguão, que possui opções escassas de restaurantes e lojas de souvenir. Wi-fi grátis é inexistente. Finalmente deu a hora do embarque e passamos por mais uma vistoria de segurança. A companhia providenciou um ônibus para o curto trajeto até à aeronave.

Apesar da rapidez no embarque, tivemos um atraso de 50 minutos na decolagem.

Cabine

7,0

A aeronave era um Airbus A320-200 com configuração de assentos 3 x 3 e capacidade para 158 passageiros. Apesar de não ter visto grandes filas no check-in, o avião estava lotado.

Para uma aeronave que começou a operar em 2015, as condições poderiam estar melhores. Nada a reclamar em termos de limpeza, mas o desgaste do carpete e das mesinhas me pareceram um pouco precoces. Embora eu estivesse esperando algo do nível Snakes on a Plane, até que tudo estava superando minhas expectativas. Uma versão instrumental de Águas de Março tocava como fundo musical, deixando as coisas bem mais familiares.

O espaço entre os assentos estava dentro do padrão da maioria das companhias aéreas, não muito apertado mas nem tão generoso.

O passageiro do meu lado estava com o assento reclinado minutos antes da decolagem e levou diversas broncas dos comissários para ajustá-lo. Somente na terceira reclamação é que se deram conta de checar o assento, que estava quebrado! Sorrisos amarelos de ambas as partes, o voo decolou assim mesmo. Pelo menos alguém foi relaxando.

Entretenimento

6,5

A Nepal Airlines não possui sistema de entretenimento individual em suas aeronaves. No entanto, a bordo do Airbus A320-200 da companhia é possível desfrutar de telas retráteis no teto, que além de transmitirem as instruções de segurança, também passam esquetes repetitivas de programas de pegadinhas.

Por alguma razão eu ri mais alto do que devia assistindo algumas delas. Deve ter sido efeito da altitude 🙂

Além disso, também há à disposição a revista Shangri-la (mesmo nome da Classe Executiva da empresa, aliás), com matérias sobre o turismo no Nepal.

Apesar da disponibilidade incipiente de entretenimento a bordo, convenhamos: a vista da Cordilheira do Himalaia pela janela entretém o suficiente!

Serviço de bordo

7,0

Embora houvesse espaço para conectar fones de ouvido nas divisórias das poltronas, eles não foram distribuídos. Não sei se estavam disponíveis mediante solicitação, ou se simplesmente não havia. Algo semelhante aconteceu com os lençóis, que também não estavam nos assentos, mas vi alguns passageiros recebendo após pedirem aos comissários.

Vamos falar de coisa boa? Comida!

Só eu que fico animado ao ver o carrinho chegando?

O serviço de bordo começou 1h30 após a decolagem, o que eu particularmente achei tardio para um voo realizado na hora do almoço e com quase uma hora de atraso.

Nossas opções eram frango ou prato vegetariano. Pedimos um de cada.

A opção não-vegetariana consistia em frango ao curry com arroz e batata-doce. Uma salada de pepino e cenoura acompanhava, juntamente com um fino macarrão doce mergulhado em leite (!) e um pãozinho com manteiga. Não foi a melhor comida que já comi a bordo (nesse ponto a AirAsia é imbatível), mas não estava de se jogar fora. Até a estranha sobremesa caiu bem.

Para os vegetarianos havia os mesmos acompanhamentos, com a diferença do prato principal: queijo paneer, típico do subcontinente indiano, com arroz e lentilhas caprichadas no sal. Essa opção me pareceu bem mais harmoniosa, os sabores estavam muito mais apurados.

Para beber, foram oferecidos refrigerantes, sucos de laranja ou abacaxi, além de água, café e chá. Para a tristeza de alguns, a Nepal Airlines não serve álcool a bordo.

Comissários e equipe de solo

8,0

A equipe de solo foi muito competente em tudo, do atendimento no check-in até a condução à aeronave. Quem talvez não concorde muito com isso sejam os monges tibetanos que foram impedidos de tirar selfies em frente ao avião, para não atrasar o embarque.

Monges tibetanos selfistas levando bronca 🙂

A tripulação foi bem cortês com todos os passageiros. Em determinado momento, um turista chinês foi atingido na cabeça por uma bandeja enquanto levantava na hora do serviço de bordo. O comissário pediu desculpas repetidas vezes, sorrindo, dando leveza à situação.

O uniforme dos comissários, aliás, é um destaque à parte. Roupas tradicionais nepalesas de cores bem brilhantes.

Programa de fidelidade

5,0

A Nepal Airlines não possui programa de fidelidade, apesar de manter parceria com a Bhutan Airlines, permitindo o acúmulo de milhas no programa Tashi Miles.

O programa é elegível somente para cidadãos locais ou expatriados com visto de residência.

Nota final

6,9

Como diria o ditado, entre mortos e feridos salvaram-se todos.

Para um voo que passa sobre as maiores montanhas do planeta, fizemos uma viagem surpreendentemente tranquila e livre de turbulências. Chegamos com alguns minutos de atraso em Bangkok, em um pouso suave e sem imprevistos.

Apesar da má-fama, minha experiência com a Nepal Airlines foi boa. Preço razoável, profissionais atenciosos e um serviço com qualidade bem superior ao que poderíamos imaginar de um país tão pobre quanto o Nepal. Já fiz voos bem piores no Brasil.

Viajar com companhias desconhecidas ou com um ranking abaixo da média pode parecer uma grande aventura à primeira vista, mas não é tão arriscado assim. Diversos voos são operados todos os dias, sempre sujeitos à vistorias e regulamentações. Lembre-se, há um ser superior olhando por nós: a IATA.

Se eu voltaria a voar com a Nepal Airlines? Sem problemas! Mas dessa vez eu pediria o menu vegetariano. Sabe-se lá o que fizeram com os coitados dos bodes…

Autor

Wendell Oliveira - Editor - Ásia Viajante profissional, está no fuso horário da Tailândia procurando as passagens mais baratas — e vai te acordar de madrugada quando encontrar :)