Avaliação da Air New Zealand

Monique Renne 17 · abril · 2017
Premium Economy
EZE - AUK
NZ 31
Boeing 787-9 Dreamliner
05/04/2017

Embarque

Previsto: 22:30h
Efetivo: 22:50h

Partida

Previsto: 23:15h
Efetivo: 23:50h

Chegada

Previsto: 03:45h
Efetivo: 03:20h

O Melhores Destinos embarcou rumo às grandiosas paisagens da Nova Zelândia e não poderíamos deixar de contar como foi a nossa experiência em voar com a Air New Zealand, a companhia aérea da “Terra Média”. Sim! A Air New Zealand leva ao país viajantes ávidos pelas paisagens que envolvem o universo Senhor dos Anéis e o imaginário de muitos amantes de paisagens.

Sabemos, no entanto, que o país não oferece apenas isso. E durante todo o mês de abril vocês poderão acompanhar a nossa equipe viajando por terras neozelandesas. Basta procurar pela #MDnaNovaZelândia no Instagram do Melhores Destinos. Breve o Guia da Nova Zelândia estará no ar, mas que tal já pensar nas próximas férias?

A Air New Zealand não opera voos direto do Brasil para a Nova Zelândia. O voo para Auckland, cidade localizada na Ilha Norte do país, parte de Aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires. Ainda que o voo não seja direto, a Air New Zealand oferece o trecho até a capital argentina a partir do Brasil por meio de companhias aéreas parceiras. No caso da nossa viagem, o trecho de Guarulhos para Buenos Aires foi realizado pela Aerolíneas Argentinas em Classe Econômica. Como esse primeiro trecho pode ser executado por outras companhias aéreas, essa avaliação será apenas da aeronave e serviço da Air New Zealand no trecho de Buenos Aires para Auckland, na qual voamos de Premium Economy.

Check-in

8,0

Check-in

Apesar do voo avaliado ser o de Buenos Aires para Auckland, o processo de check-in aconteceu todo no Aeroporto de Guarulhos. Cheguei às 16h50 e não havia ninguém na fila da Aerolíneas Argentinas, companhia aérea parceira com a qual eu realizaria o primeiro trecho. É preciso deixar claro que não há guichê de atendimento da Air New Zealand no Aeroporto de Guarulhos.


Fui chamada quase imediatamente pela atendente da companhia aérea. A bagagem, mesmo sendo um voo de companhia aérea parceira, já foi etiquetada até o destino final e ganhou o adesivo laranja de conexão. Não houve pesagem da bagagem de mão. No atendimento eu já recebi os dois cartões de embarque: para Buenos Aires e para Auckland. O portão de embarque já estava impresso no cartão e em menos de cinco minutos eu estava liberada para entrar na sala de embarque. O atendimento foi rápido e eficiente. Os trâmites de segurança foram muito rápidos e todos sem fila, tanto no raio-x quanto no controle de passaporte, onde fiz o controle eletrônico.

O primeiro embarque aconteceu em Guarulhos, No voo da Aerolíneas Argentinas. O embarque foi tranquilo e o avião começou a taxiar pontualmente às 19h, horário previsto para o voo. A pontualidade da Aerolíneas Argentinas me deixou tranquila. Eu estava bem preocupada com o curto tempo de conexão entre os voos que era de apenas 1h20.

Embarque em Buenos Aires

Pousamos às 21h40 no Aeroporto de Ezeiza e com a aeronave em solo parecia não haver problemas. Porém o tempo do avião parado na pista começou a aumentar e a cada minuto parecia mais fácil perder o voo para a Nova Zelândia. Permanecemos na pista por mais de meia hora, até que a aeronave parou e começou o desembarque. Apesar deste voo não ser o da Air New Zealand, é importante ficar atento ao tempo de conexão oferecido pelas companhias aéreas parceiras para não ser necessário correr tanto. Mais alguns minutos de atraso e eu teria perdido o voo.

Ao sair da aeronave precisei passar por um controle de passaporte e logo depois uma funcionária da Air New Zealand já conferia os nomes dos passageiros que chegavam para conexão. Fui encaminhada para um balcão da companhia aérea (dentro da sala de embarque para conferência de passaporte e também para receber um novo cartão de embarque. Vale lembrar que a bagagem seguiu direto para Auckland, por isso mantive o meu tíquete de bagagem.

Às 22h40 foi anunciado o embarque. Cheguei já quase na hora. Foi mesmo muito corrido! Os passageiros começaram a entrar na aeronave às 22:50. O embarque da Premium Economy foi prioritário, logo após a Business e os passageiros com prioridades especiais. A entrada do embarque foi em um corredor diferente da econômica, porém ao final todas as classes se encontravam e entravam juntas na aeronave.

Decolagem

Ao chegar à poltrona já encontrei um cobertor, o kit de amenidades, o fone de ouvido, o travesseiro e uma garrafa de água, além do menu de refeições do voo. A comissária de bordo passou oferecendo uma toalha para higiene das mãos enquanto os passageiros aguardavam a decolagem. O horário para o voo era 23h15. Às 23h35 a aeronave começou a taxiar e decolou às 23:50. A decolagem foi bem tranquila.

Cabine

9,0

O voo da Air New Zealand de Buenos Aires para Auckland é operado em um Boeing 787-9 Dreamliner. A configuração da cabine da Premium Economy nesse voo era de 2 x 3 x 2. Eu viajei no corredor da coluna central, com a poltrona do meio vazia. Na cabine há apenas três fileiras de poltronas, com um total de vinte e um assentos, o que permite à Premium Economy da Air New Zealand ser bem intimista e com serviço mais personalizado. A cabine é separada tanto da Classe Executiva quanto da Classe Econômica. As poltronas são todas forradas com couro e oferecem espaço de 104 cm entre as fileiras, contra 78 cm a 81 cm na econômica. A Premium Economy também se difere da Classe Econômica em relação ao ângulo de reclino da poltrona. São 22 cm na Premium contra 12 cm na Econômica. Um alívio para quem deseja descansar com mais conforto. O descanso para os pés é o maior diferencial da Premium Economy. O extensor permite esticar as pernas e, certamente, ajuda na hora do cochilo.

Na poltrona, um suporte ajustável para a cabeça ajuda a descansar e não tombar para o lado. Sempre bom! O assento é bem alto e em nenhuma posição os meus pés encostavam no chão (ok, eu tenho só 1,56 cm, mas costumo encostar os pés no chão das aeronaves, rs), somente no descanso regulável. O assento é bastante largo e me permitia até sentar com as pernas cruzadas. Infelizmente, para quem senta na poltrona do meio, as laterais totalmente fechadas podem prejudicar um pouco o conforto. Quem senta nas pontas tem uma das laterais livres e mais conforto. O ideal seria uma configuração 2 x 2 x 2.

Todos os assentos oferecem uma tomada de energia para carregar eletrônicos, luz de leitura, tela individual de 11″ e botões para ajuste da posição da poltrona.

Durante toda a noite as luzes da cabine permaneceram apagadas, apenas com uma luz leve no teto da aeronave. Foi ótimo para dormir a noite toda. O voo acontece inteiro à noite e vale destacar que a persiana das janelas tem controle automático com um botão e o vidro muda de acordo com o ajuste. Não há persiana.

O banheiro da aeronave é decorado com nuvens e toca música sempre que um passageiro entra e tranca a porta. Não havia nenhum produto especial além do sabão para as mãos, mas estava limpo em todas as vezes que usei.

Entretenimento

8,0

O sistema de entretenimento de bordo da Air New Zealand oferece aos passageiros diversas opções de filmes, músicas e informações do voo, além de outras opções mais exclusivas. Pela tela é possível, por exemplo, conhecer mais sobre os vinhos neozelandeses e até comprar algumas garrafas para serem entregues no hotel. Há informações turísticas sobre as principais regiões da Nova Zelândia e também sobre países que fazem parte da rota da companhia aérea. Na tela é possível ler dicas sobre como dirigir no país e até comprar produtos com a marca da companhia aérea. Para quem está viajando acompanhado, o sistema de entretimento permite comunicação por chat com outras telas e também a integração de programação, ou seja, ver o mesmo filme ao mesmo tempo que outro passageiro.

Em relação aos filmes e programas de TV, a oferta de títulos não é muito generosa (apesar de ter alguns lançamentos) e não há opções com legenda em português ou filmes dublados. Porém a oferta de filmes é suficiente para manter o passageiro entretido por todo voo. E, como não poderia deixar de ser, todos os filmes da saga O Senhor dos Anéis estão disponíveis.

A tela é touch screen, com 11″ e resolução excelente. Os comandos podem ser executados pela tela é também no controle remoto com fio localizado ao lado da poltrona. É permitido ainda conectar o aparelho pessoal pelo USB disponível abaixo da tela, assim como o fone de ouvido pessoal. Pode parecer um pouco fora de moda, mas senti falta das revistas de bordo. Não havia nenhuma disponível na minha poltrona.

Serviço de bordo

8,0

Refeições

Logo após a decolagem foi servida uma bebida aos passageiros da Economy Comfort, com opções como sucos e vinho branco. O pedido da primeira refeição foi feito com 40 minutos de voo. Escolhi a carne e ouvi, simpaticamente, um “nice choice”. A minha primeira opção de refeição estava disponível, porém ouvi que já não havia mais a opção de peixe para os últimos passageiros a fazerem o pedido.

O jantar começou a ser servido dez minutos depois, com a entrada e um pão escolhido entre três opções. A entrada, com camarões frescos, estava excelente! O serviço, entretanto, pecou ao passar com as bebidas direto por mim. Não entendi bem e achei que voltariam, mas não voltaram. Ao servirem uma segunda rodada de pão solicitei a bebida. Um Pinot Noir neozelandês para acompanhar a carne do jantar. O prato principal estava excepcional. Realmente uma boa surpresa para uma Premium Economy. A carne – com molho Malbec e chimichurri – estava muito saborosa, cheia de temperos e tudo parecia muito fresquinho e bem quente. Era como um prato de restaurante e não de avião. Até a batata, que poderia estar murcha, estava boa.

A entrada e a sobremesa também não decepcionaram. O mousse de maracujá estava saboroso e doce na medida certa para o meu paladar. Certamente uma das melhores refeições que já fiz em voos até hoje. Padrão Classe Executiva. Vale destacar os talheres de metal para cada prato (com a marca da companhia aérea) e o guardanapo de tecido. Durante o jantar as bebidas eram livres. Após a refeição foi oferecido ainda café e chá. Pedi um café com leite e achei que não tinha muito sabor. Percebi depois que tinham confundido o meu pedido e me entregaram um chá com leite.

Em nenhuma das etapas do jantar houve demora em retirar a comida e o serviço acompanhava o ritmo de cada passageiro.

Faltando duas horas para o pouso começou o serviço de café da manhã. Foi distribuída uma toalha para higienização das mãos e fiz a escolha pelos ovos mexidos. A todos foi servido um iogurte, uma porção de frutas e um croissant. O passageiro podia também escolher uma porção de granola. O café da manhã foi muito farto e não consegui terminar tudo. O ovo estava muito saboroso, mas a linguiça (na verdade um chorizo assado) nem tanto. Achei bem esquisita, na verdade. O croissant estava fresco, mas era doce (eu esperava algo salgado). Havia também disponíveis bebidas como suco, café e até um vinho frisante para começar o dia.

Kit de amenidades

O travesseiro oferecido na Economy Comfort é bem diferente da econômica. O tamanho é 4x maior e o enchimento é bem mais caprichado. A capa é de tecido e, no final das contas, se parece muito com um travesseiro de verdade.

O cobertor é mais robusto e quente que os comuns na econômica, além de ser maior. O kit de amenidades, que já estava disponível ao entrar na aeronave, é bem simples, mas funcional. Há máscara para cobrir os olhos, protetor auricular, hidratante labial, meia para os pés, escova e pasta de dentes, além de uma caneta (ótima para os desavisados que esquecem da hora de preencher o formulário de imigração e alfândega). Os itens são entregues dentro de um saco plástico, ou seja, nada de ficar com a bolsinha de amenities como lembrança. Acho que para a Premium Economy poderia haver esse cuidado a mais. Faria diferença, certamente. Além do kit, os passageiros da Premium Economy recebem um fone de ouvido de melhor qualidade que os comuns distribuídos na Classe Econômica.

Comissários e equipe de solo

8,0

A equipe de solo da Air New Zealand se destacou pela prontidão com que atendeu aos passageiros que chegaram no voo atrasado vindo de São Paulo. Logo depois do controle de passaporte em Buenos Aires já havia uma atendente da companhia aérea para identificar os passageiros e acelerar o processo de embarque. A atitude ajudou a não causar correria entre os passageiros que chegavam atrasados e perdidos.

A equipe de comissários de bordo que atendeu à Premium Economy era bem atenciosa. Pecou apenas na hora do jantar, quando esqueceu de servir a minha bebida. Nada que desabone o bom voo, especialmente porque, assim que solicitei a bebida, ela foi prontamente servida. Os pedidos de qual refeição seria a escolha de cada passageiro foram tirados com paciência e, logo após as refeições, os restos da refeição foram retirados com agilidade das mesinhas. Não houve nenhum grande destaque positivo ou negativo para equipe de bordo.

Programa de fidelidade

8,0

O programa de fidelidade da Air New Zealand é o Airpoints. A companhia aérea faz parte da Star Alliance e permite que o passageiro acumule milhas em diversas empresas aéreas parceiras, como: Air Canada, United, Avianca, TAP e Turkish Airlines. As milhas acumuladas na Air New Zealand são chamadas de Airpoints Dollas e podem ser trocadas também por outros benefícios além de passagens, como hotéis, upgrades e aluguel de carros. As milhas permitem também pagar pelo programa Koru, que inclui benefícios como acesso ao lounge, check-in prioritário e bagagem extra.

Nota final

8,1

Às 2h55 (horário de Auckland) foi anunciado o início do procedimento de pouso, com pedido para desligar eletrônicos, retornar poltronas para posição inicial e outras recomendações. Tocamos o solo pontualmente às 3h20 e fizemos um pouso tranquilo. O voo aconteceu sem turbulências ou contratempos e a aeronave é muito silenciosa, a ponto de chamar a atenção. Chegamos ao Aeroporto de Auckland com 25 minutos de antecedência, apesar do atraso na decolagem. A bagagem chegou sem problemas e tudo correu bem durante o voo.

A Premium Economy da Air New Zealand se mostrou uma ótima alternativa para quem deseja um serviço mais personalizado e também mais conforto durante o voo, porém não pode ou não quer pagar por uma passagem da Classe Executiva. Com certeza os diferenciais oferecidos, se comparados à Classe Econômica, são bastante significativos e permitem uma experiência de voo bem mais agradável. A poltrona é realmente muito mais espaçosa que a da Classe Econômica e a qualidade da refeição se assemelha à de uma Classe Executiva. Ela consegue cumprir o que promete e fica no meio termo entre as duas classes: Econômica e Executiva.

É claro que voar na Premium Economy permite ao passageiro chegar muito mais descansado na Nova Zelândia do que um voo na Classe Econômica, porém o fundamental é ter em mente que o importante mesmo é viajar. Por isso, seja na Premium Economy ou na Econômica, não deixe de ir à Nova Zelândia!

  • Adorei o relato! Que boa aparência teve a comida e que bom saber que um voo tão longo pode ser tranquilo (medo de voar tantas horas sobre o mar).

  • NYC_Man

    Sera que um A380 teria autonomia para voar desde a Austrália ate Sao Paulo sem parar?

    • Alan Rodrigo de Almeida

      A autonomia do A380 é de 8200 milhas náuticas (não tenho certeza se esse alcance é com peso máximo de decolagem). Uma rota imaginária (já que nunca existiu essa ligação) entre Guarulhos e Sydney teria algo em torno de 7200 milhas náuticas. Então me parece ser possível sim. Mas não te afirmo com 100% de certeza pois existem uma série de variáveis que também devem ser consideradas (ex: utilização de vetores existentes, correntes de ar, etc.)

      • Thomas Hisamura

        AKL-GRU acho bem possível (são 6.500 milhas náuticas)

    • Ricardo

      Um A-380 ao parecer teria autonomia, como já foi comentado aqui, mas pelas características da rota acho que o 787-9 seria o avião mais recomendado (autonomia 8.500 milhas naúticas), tanto que foi o avião escolhido pela Qantas para fazer o primeiro vôo direto regular Austrália (Perth)-Londres, que começa no ano que vem.

    • Fabio

      Teria sim. A Emirates opera a rota DXB-AKL, que eh 500 milhas mais longa que SYD-GRU , com o A380

  • Machado Oliveira

    Belo relato, só faltou assinar!
    Boas viagens!

    • Monique Renne

      Oi Machado! O review foi feito por mim. 🙂

      • Machado Oliveira

        Super!

  • Paulo Afonso

    Concordo com os comentários referente a excelente aparência da comida. Até enviei prá filha, companheira de viagem o link de como é viajar pela Air New Zealand, com a chamada “Deu até fome…” rs

  • Josemar Müller

    Ótimo relato e bom detalhamento do serviço. A Monique é sempre um fofa e hilária nos seus comentários.
    Estou seguindo a viagem pelo Stories.

    • Monique Renne

      Essa Nova Zelândia é linda demais, né? Kkkkk

      • Josemar Müller

        Suuuper…. Show!!! E com a sua vivência e o modo como vc descreve, é muito divertido! kkk

  • É no @melhoresdestinos

  • Marcio Cicero Durval Durval

    Boa tarde, Monique!
    Parabéns pelo Post, eu não conhecia essa rota e me interessou muito.

  • ARYSON FRANCA

    Monique, quantas horas de voo de EZE/AUK e AUK/EZE? E o preço da premium? Estou querendo ir á Sydnei em dezembro e essa
    rota pode ser interessante.

    • Monique Renne

      São 13h30 de voo. 🙂

  • Ótimo Review. Está aí um país que estou com muita vontade de conhecer. Aguardando o guia!

    Particularmente, acho o Dreamliner, o melhor avião em serviço no mundo!

    1 – Dreamliner
    2 – A380
    3 – 777

    Um avião que é ame ou odeie é o E195. No espaço azul é excelente, na econômica comum, uma lástima para mim. Tenho 1,86m.

  • Alda

    gostaria de voar dia 12 outubro new zelandia e depois voltando pela australia sideny e depois brasil voltando voltarei dia 4 de novembro por onde rio de janeiro ou buenos aires

  • Alda

    me ligue por favor quero comprar ate dia 31 de agosto quero ir a buenos aires ai saio para New zelandia ,australia voltando para o rio de janeiro

  • Alda

    telfone 021994172848 me ligar rapido

  • Marcelo Fercondiny

    Essa mala do melhores destinos é muito linda