Avaliação da Iberia

Bruna Scirea 16 · abril · 2018
Econômica
GRU - MAD
IB 6824
A330-300
03/04/2018

Embarque

Previsto: 14:05h
Efetivo: 14:00h

Partida

Previsto: 15:05h
Efetivo: 15:18h

Chegada

Previsto: 06:10h
Efetivo: 06:00h

No início de abril embarquei para a Espanha em um voo da Iberia, saindo de Guarulhos para Madri. Conto aqui como foi a experiência de voar pela primeira vez na classe econômica da companhia espanhola.

Sobre a Iberia

A Iberia é uma empresa espanhola de aviação que atua há mais de 80 anos no mercado. Em janeiro de 2011 ela se fundiu com a British Airlines, formando um dos maiores grupos de aviação da Europa e do mundo. A Iberia também é membro da aliança Oneworld, que conta com empresas como a Latam, American Airlines, Qantas, Qatar, entre outras.

No Brasil, Iberia opera voos diretos partindo do Rio de Janeiro e São Paulo para Madrid. E ainda oferece outros 10 destinos em código compartido com a LATAM: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Salvador e Vitória.

Resumo do review

Iberia Voo IB-6824
São Paulo (GRU) – Madri (MAD)
Terça-feira, 3 de abril de 2018
Partida: 15:18
Chegada: 6:00
Duração: 9h40
Aeronave: Airbus A330-300
Assento:  31A (classe econômica)
Destaques positivos: embarque rápido e pontualidade
Pontos a melhorar: serviço de bordo e entretenimento

Check-in

9,0

Por morar no sul do Brasil, minhas viagens nunca se iniciam em São Paulo. Desta vez, eu estava em Florianópolis. E parti para Guarulhos em um voo da Latam, companhia parceira da Iberia. O embarque em Floripa foi tranquilo. Apesar da fila, o atendimento foi rápido e sem maiores complicações. Após despachar minha mala até o destino final (que era Barcelona, com conexão em Madri), fui para área de embarque.

Em Guarulhos, a coisa toda andou ainda mais rápido. Iniciaram o embarque antes do horário previsto. Isso fez com que a fila se diluísse e ninguém precisasse esperar em pé por muito tempo.

E assim, estávamos posicionados para decolar antes mesmo do horário impresso no bilhete. No entanto, acabamos partindo atrasados devido a uma tempestade em São Paulo. Nada sério, pouco tempo depois a decolagem já havia sido autorizada. E partimos – não sem um pouco turbulência já logo no início.

Cabine

6,5

Sempre prefiro estar entre os últimos a embarcar. Quando ingressei no avião, a aeronave já estava tomada de gente, como vocês poderão ver nas fotos.

A configuração da cabine econômica deste voo da Iberia é 2-4-2. As cores são bastante sóbrias, o que dá certa elegância e modernidade para o ambiente. As paredes estão em tom gelo, as poltronas forradas com um tecido cinza, com pontos vermelhos, e o encosto para cabeça e o braço que separam as poltronas estão em couro vermelho escuro. Achei bem bonito.

No entanto, há alguns pontos que tornam a cabine uma das menos confortáveis entre aquelas em que já voei para fora do país (comparando, principalmente, com a Latam e com a Avianca Brasil). Primeiro: o espaço para as pernas parece ser menor do que a média. Costumo conseguir cruzar as pernas ao longo dos voos para me acomodar (e dormir) mais de lado. Desta vez, não consegui. Não puder conferir o exato espaço com fita métrica, mas – dado que, tendo 29 anos, não devo ter crescido nos últimos meses -, acho que o espaço é mesmo mais apertado. Depois de voar, fui checar no site SeatGuru e pude constatar que o espaço entre as poltronas realmente é menor.

Também me chamou atenção o fato de não ter uma saída de ar-condicionado individual para cada passageiro. Lá pelas tantas, rolou uma turbulência e me bateu um calorão. Fui direto em busca do ar para dar uma aliviada, porém ele não estava lá – ah, esqueci de contar antes: minha poltrona era a 31A. E já que falamos de temperatura, o ar na cabine estava bem menos gelado do que costuma ser. Para mim, foi ótimo. Sempre passo frio. Mas imagino que os mais calorentos tenham sofrido um pouco.

A iluminação da cabine também é diferente. À noite ficou bem escuro. Parecia não haver a possibilidade de deixar somente uma luzinha bem sutil – para que aqueles que fossem de dormir pudessem descansar no escurinho e os que, eventualmente, precisarem ir ao banheiro também tivessem um trajeto minimamente iluminado. Pela manhã, antes de ser servido o café da manhã, foi acionada um outro tipo de iluminação, que não chega a ser a total, como aquela de quando embarcamos no avião. Mas é clara o suficiente para acordar qualquer um.

No mais, os banheiros entre as cabines da classe econômica são bem espaçosos. Os outros são apertados, como são os banheiros de avião. Tudo normal, não fosse um deles estar interditado, com uma folha de papel colada na porta com fita adesiva: “FORA DE FUNCIONAMENTO”. Mais um ponto negativo.

Enfim, não é que eu tenha feito milhares de viagens internacionais. Mas, comparando com as últimas realizadas, posso dizer que esta foi uma das cabines menos confortáveis para se viajar. Nada foi terrível, mas considerando que são quase 10h de voo… dá tempo suficiente para encontrar os pontos negativos e se incomodar com eles.

Entretenimento

7,0

Superbacana que alguns dos filmes indicados ao Oscar estavam no catálogo oferecido pela Iberia. Sem sono, devido ao horário do voo (decolando por volta das 15h de Guarulhos), acabei me atualizando: assisti A Forma da Água, A Mulher Fantástica e mais alguns trechinhos de outros filmes.

No entanto, depois de fuçar bastante, percebi que não são tantos os filmes disponíveis. E nem todos estão com legenda em português. Alguns não têm legenda nem em inglês. Aí as opções acabam ficando bem reduzidas. Fora isso, há séries e documentários que podem ser assistidos, além de opções indicadas para crianças.

Na tela de entretenimento, ainda é possível ver a localização e mais informações sobre o voo, conferir o que é possível comprar a bordo (perfumes, jóias, relógios) e também acessar os jogos – só que jogar pode ser cansativo, já que não há controle e tudo terá de ser feito na tela touch screen. A tela não se move para cima ou para baixo, então não é possível ajustar uma posição melhor quando o passageiro da frente reclina o encosto da poltrona dele (onde está a tela do passageiro de trás).

No mais, percorrer as diversas abas sistema de entretenimento é como navegar em um site antigo, que demanda de tempo e um pouco de paciência. Há de se clicar em muitas coisas até chegar onde se quer. Para acessar configurações básicas, como as de volume, luz sobre o assento, pausar o filme ou chamar algum comissário, é preciso puxar para cima uma barra escondida. Mas é preciso fazer isso várias vezes, já que a barra some e desaparece do nada antes mesmo de você ter concluído o comando. Mas beleza. Funciona. Só é preciso que se respire fundo algumas vezes.

Internet

Já que o voo ofertava internet, resolvi testar. Já com os dois pés atrás, peguei o menor pacote, de 4MB, por 4,95 dólares. A companhia indicava ser “perfeito para aplicativos de mensagens”.

Bem, assim que conectei, tentei mandar uma mensagem por Whatsapp. E descobri que não poderia usar a internet para mandar mensagens por esse aplicativo. Fui para o próximo: o Messenger, do Facebook. Rolou! Consegui mandar duas mensagens, receber mais duas e foi isso. Nunca mais consegui acessar nada ou enviar qualquer coisa. A diversão de mais de R$ 16 durou menos de 5 minutos. Não valeu nada a pena, mas deixo aqui os prints de tela que fiz quando estava conectando, com algumas opções de pacotes e preços:

Serviço de bordo

6,0

Assim que embarcamos, os comissários de bordo passaram distribuindo fones de ouvido. Após a decolagem, foi a vez da distribuição de jornais, Mas, infelizmente, não foi possível nem ver que jornais eram, de tão rápido que passaram oferecendo. Eu até queria um, mas antes mesmo de abrir a boca para aceitar, a aeromoça já havia passado a adiante. Enfim. Fui ver um filminho.

A primeira refeição foi servida cerca de duas horas após a partida, às 16h45. Só deu tempo de ouvir um “carne ou pasta”, sem qualquer brecha para se perguntar do que era a pasta ou com que acompanhamento vinha a carne. Na pressa, pedi a massa.

Detalho para vocês como foi essa janta: de entradinha, veio um pão, mais um pacotinho de torradas, manteiga e um queijinho processado (polenguinho). Na bandeja também estava uma saladinha bem gostosa de tomates, cenoura, vagem, pimentão, azeitonas e duas bolotinhas de mussarela de búfula – tudo bem temperado com azeite de oliva. A tal da massa era canelone de frango, com dois molhos em cima, um marrom e outro branco, de sabores não identificados. Tava ok, nada além de ok. De sobremesa, um bolinho. Destaque positivo para os talheres em metal.

Após uma comissária passar com as comidas, a outra veio com as bebidas. Nunca tinha pegado o atendimento separado, desse jeito. Pedi um vinho tinto. Depois passaram oferecendo café e chá.

À meia-noite no horário brasileiro (por volta das 5h no horário da Espanha), serviram o café da manhã. E olha, eu que sou totalmente gulosa, deixei quase tudo de lado. Comecei experimentando a saladinha de frutas, mas o mamão estava passado e deu vontade de comer somente os pedaços de melão. Migrei para a caixinha onde estava o pão. Mas ao abrir vi um pão gelado, recheado de peito de peru e queijo, embalado em um saco. Apertei um pouco e vi que estava borrachudo. Abandonei. Aí fui para o bolinho, que era de cenoura e estava delicinha. O chocolate eu guardei para mais tarde. Quando a próxima aeromoça veio com as bebidas, pedi uma água e um chá – mas havia sucos e café também.

Fiquei bem decepcionada com o café da manhã. Esperava um iogurte, um omelete, quem sabe até um pão que não precisava nem ser quentinho, mas que pelo menos não viesse duro e gelado. Também trocaria o chocolate por uma torradinha com geleia. Mas….., né? Talvez seja tudo uma questão de gosto – e um pouco de chatice, da minha parte. Ou não…

Já o kit de amenidades virou lenda no voo da Iberia. Nada foi oferecido – nem meias, tapa-olho, escova, pasta de dente, ou tampões de ouvido. Fui até as proximidades dos banheiros para ver se por acaso havia algo por lá, mas não encontrei nada.

Comissários e equipe de solo

6,0

Vamos falar do atendimento dos comissários. Como disse antes, percebi que a coisa seria “corrida” assim que passaram distribuindo os jornais: não pude nem sequer me manifestar, pois quando fui abrir a boca a aeromoça já estava passando lá pela terceira fila atrás de mim. Tudo bem…

O próximo contato foi no jantar. “Carne ou massa?”, perguntava ela, enquanto alcançava a bandeja ao passageiro da frente, já de olho no carrinho, de onde retiraria a próxima refeição. Tinha um voo inteiro pela frente, e eu não entendi a pressa. Talvez eu tenha estranhado o distanciamento que eles preservaram em relação aos passageiros. É claro que eu não acho que eles estão ali para nos “servir”, ou que devem fingir simpatia e ser cuidadosos a todo o momento. Maaaaaas… não custa nada um pouco de calma, principalmente durante um voo longo. Essa rapidez toda me gerou uma certa ansiedade.

No voo da volta, ainda aconteceu de a tela de entretenimento da passageira ao meu lado não estar funcionando. Chamamos a comissária. Ela veio, explicamos, ela pediu um minuto. Beleza. Aí passou umas duas horas e nada. Passaram servindo a janta e aproveitamos para avisar novamente que a tela não estava funcionando, estava toda preta. Nada aconteceu! Faltando uma hora para chegarmos de volta ao Brasil, acionamos o botão para chamá-los novamente – desta vez só de implicância, já que não dava mais tempo de se entreter muito. E aí resolveram o problema, sem qualquer constrangimento, ou pedido de desculpa. Achei chato.

Programa de fidelidade

8,0

O programa de fidelidade da companhia é o Iberia Plus, que conta com algumas particularidades interessantes. Por exemplo: ele permite que você envie milha para sua conta no Executive Club da British Airways (e vice-versa), sem custo. Isso pode ser muito útil para reunir o saldo em uma só conta. O número de Avios (como são chamadas as milhas no programa) obtidos com voos depende da distância e da classe do bilhete, variando de 0,25 a 1. Numa tarifa mais cara, a viagem de ida e volta vai render 10.384 Avios. Numa intermediária, metade desse valor. Na tarifa promocional mais barata, apenas 2.596 Avios, uma merreca – saiba mais

Outro ponto que chama atenção é que o programa cobra as emissões de acordo com a distância do voo, fazendo com que voos curtos, mesmo nas parceiras, fiquem bem acessíveis. A partir de de 4.500 avios já se pode voar entre Miami e Nassau, nas Bahamas.

O site do programa não é muito amigável e dá erro com frequência, mas os persistentes têm oportunidades únicas como voos em executiva entre o Brasil (Rio ou São Paulo) e Madri por apenas 42.500, o menor valor de qualquer programa de fidelidade. Por fim, vale lembrar que o Santander transfere pontos pro Iberia Plus (transferência mínima de 15.000 pontos), o que pode ser uma forma de inteirar suas milhas no programa visando uma emissão. A Livelo também transfere, mas com um deságio, já que 2 pontos Livelo somam 1 ponto no Iberia Plus.

E, se você quiser, pode creditar as milhas do voo para qualquer outro programa da aliança Oneworld, como na Multiplus/Latam Fidelidade, que foi a minha opção. Afinal, já é difícil juntar milhas aqui no Brasil, imagina ficar pulverizando por aí… Mas fique atento, pois a maioria das tarifas da Iberia pontuam apenas 25% ou 50% da distância voada (saiba mais clicando aqui).

Nota final

7,0

É difícil comparar as experiências em diferentes companhias aéreas. Tendo a achar os voos acabam sendo sempre muito parecidos. Só que desta vez não foi.

Os pormenores fizeram diferença na conta final. Apesar da pontualidade e da agilidade no embarque, pontos altíssimos, a Iberia caiu na minha avaliação na maior parte dos outros quesitos. Começando pelo espaço da poltrona, menor do que a média – um pouco desconfortável até mesmo para mim e meu 1,67 de altura. Somam-se ainda o serviço de bordo corrido, o sistema de entretenimento enxuto e nem tanto democrático (por vezes faltam legendas/áudios em português e outras línguas), a falta de agilidade em resolver problemas como o não funcionamento da tela de entretenimento e um banheiro interditado. E eu nem citei o desaparecimento do kit amenidades, o pão gelado…

Viajar para a Europa não é das coisas mais baratas. E quando nos dispomos a pagar o que deve ser pago, esperamos minimamente que o valor investido seja honrado com uma boa experiência. Ainda mais quando embarcamos em um voo longo, em que os detalhes ficam ainda mais evidentes. Quem aí concorda?

Bem, essa é minha avaliação. Se você já esteve em um voo da Iberia e teve uma experiência semelhante ou diferente da minha, compartilhe nos comentários!