Como é voar na companhia canadense Nolinor Aviation

Marcel Bruzadin 7 · julho · 2015

Com pouco mais de 20 anos no mercado, a Nolinor Aviation é uma companhia canadense, fundada em 1992 e especializada em voos em territórios inóspitos, principalmente em pistas de gelo. Mas que tipo de avaliação é essa de hoje? Com a ajuda do nosso experiente leitor Marco Brotto, vamos publicar uma experiência de voo muito interessante entre o trecho Winnipeg – Churchill, ambos destinos no Canadá.

Para quem nunca ouviu falar dele, Marco Brotto é também conhecido como “caçador de aurora boreal” e já realizou diversas viagens em territórios remotos do mundo em busca das melhores imagens desse magnífico fenômeno natural.

post-facebook-FR

 

Confira todos os detalhes do voo realizado por ele pela Nolinor e boa leitura!

Introdução

Fui para minha 12ª expedição em busca da Aurora Boreal e ao verdadeiro ártico atrás dos ursos polares em Churchill, uma pequena cidade situada na Baía de Hudson, no Canadá. Como devem imaginar, em um lugar tão isolado e inóspito, nossa expedição chegou a enfrentar -46° C, no entanto, avistamos belíssimos ursos polares e auroras boreais fantásticas.

como-e-voar-nolinor-aurora-boreal

Embora não tenha escolhido a companhia aérea para voar de Winnipeg – Churchill, pois já estava contemplado no pacote, sei que são poucas as empresas que voam até pequenas cidades do Canadá e que alguns trechos são operados somente pela Nolinor.

A Aeronave

O avião que voamos neste trecho é o bi-motor Convair 580. Apesar de antigo, o avião é muito confortável e extremamente seguro, no entanto, seu barulho é enorme.

como-e-voar-nolinor-aeronave3O embarque na aeronave foi feito pela aérea restrita do aeroporto de Winnipeg pois a área de Churchill, nosso destino, é super controlada. Além disso, é importante ressaltar que toda a nossa expedição foi controlada e autorizada pelo governo canadense.

O espaço das poltronas é realmente algo muito positivo, são largas e com bastante confortáveis.

como-e-voar-nolinor-poltronas

Check-in

O procedimento de check-in foi feito de forma extremamente rápida e eficiente. Como eu estava com uma mala só para lentes fotográficas e que não cabia na cabine da aeronave, fizeram o despacho com rapidez e toda segurança com tais equipamentos.

Serviço de bordo

O serviço de bordo da Nolinor é bastante simples, mas o suficiente, com refrigerantes, água, café e chá. Para comer, apenas batata frita e barras de cereais.

As informações de voo são muito bem explicadas e as comissárias muito simpáticas e prestativas.

Já sobre o entretenimento de bordo, não há muita variedade, somente uma revista com informações sobre a companhia e suas aeronaves.

como-e-voar-nolinor-revista-bordo

Conclusão

Eu gostei muito da viagem, e apesar da idade do avião foi tudo muito tranquilo, comissárias prestativas e avião bastante limpo.

É possível notar a manutenção e cuidado com todo o equipamento.

Realmente único problema é o limite de bagagem, mas normal em aeronaves menores.

Autor

Marcel Bruzadin - Marcel
  • Alan Rodrigo de Almeida

    Uma curiosidade que eu tenho: Por quê o código IATA de todos (ou quase todos) os aeroportos do canadá começam com Y.

  • Henry

    Muito legal a reportagem..
    Fui pesquisar sobre o Convair 580 e pelo que eu achei no google, este modelo parece ser o modelo 240 que foi repaginado e colocado turbo hélice..
    O modelo é jurássico mesmo.. dos anos 50… mas é bom saber que com manutenção sempre em dia, continua prestando bons e barulhentos serviços…rsrs

    • Oi Henry, obrigado pelo comentario. Uma volta no tempo literalmente.
      Bons e muito barulhentos rsrsrsrsrs abx

  • Rodrigo

    “Apesar de antigo, o avião é muito confortável e extremamente seguro”

    Sem querer ser chato mas já sendo, como saber se ele é extremamente seguro? Qualquer avião pode sê-lo ou não, dependendo das suas condições de manutenção e etc e a aparência por sí só não atesta isso.

    • Henry

      Rodrigo..
      Acredito que a segurança de um avião esteja diretamente ligada ao retrospecto de acidentes em que a causa tenha sido diretamente imputado ao avião e não a outros fatores, tais como falha do piloto, manutenção deficiente, problemas climáticos severos, apoio deficiente do sistema de controle aéreo etc..
      Quando eu li sobre o avião no google, tem até um relato sobre acidente com o aparelho por aparente pane seca.. este é um exemplo de acidente em que a falha não é do avião mas sim do piloto…
      Enfim.. acho que “avião seguro” seja isso: um aparelho que não costuma falhar..

      • Rodrigo

        Concordo mas essa qualidade é atribuível à maioria dos aparelhos que são usados na aviação comercial atualmente, não? Enfim, uma questão pequena para ser discutida mas tive vontade de expressar.

        • Henry

          Sim Rodrigo… hoje, em tese, com tantos software de projetos e simulações e materiais mais leves e fortes, é possível fazer aeronaves seguras…os sistemas são de tripla redundância…etc…etc…
          Mas..a ideia que o autor da reportagem quis nos passar, foi que, “apesar de antigo o avião é seguro”…

          • Isso mesmo, talvez devesse escrever que me passou segurança. Mas os históricos dessas aeronaves são excelentes.

    • jajunior

      Acho que o mais preciso seja “transmite sensação de segurança”.

  • Don Kalima

    Sensacional! Uma ótima (e rara) oportunidade para os amantes da aviação de voarem num clássico como o Convair. Em tempos, a aviação regional do Canadá é deveras interessante, ainda é possivel voar em várias rotas nos “Breguinhas” 737-200 inclusive alguns da versão Combi na North Air entre outras. Obrigado por compartilhar!

    • Os aeroportos nas regiões polares são uma visita aos museus , rsrssrrs Eu peguei um 737-200 meio carga meio passageiros rsrsrsrs excelente.

  • Antonio Silva

    Acho que a visita ao Ártico deve ter sido melhor do que pegar esse avião aí…rs

  • Salvatore Carrozzo

    Olá, pessoal do MD. Gostaria de dar uma dica. Sei que muitas pessoas não tem o dom da escrita, que escrever um relato é algo voluntário, fruto da paixão das pessoas, mas creio que vocês poderiam, no texto sobre como fazer um relato para o MD, ressaltar mais a parte do “coloque um molho, um toque pessoal. Conte suas impressões, divagações. Não tenha medo de ‘viajar na maionese'”. Acho que isso pode contribuir para textos mais saborosos. Espero que a dica seja útil. Abraços,