Como é voar na British Airways

Leonardo Marques 2 · maio · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A British Airways é uma das maiores companhias aéreas do mundo, ela tem umas das maiores frotas de 747 (conhecido como jumbo) e sua sede fica no aeroporto de Heathrow em Londres, o aeroporto com o maior número de voos internacionais do mundo. Apenas no terminal 5 desse aeroporto há espaço para 60 aviões e esse terminal é apenas da British.

Diante desses números não poderíamos publicar uma simples avalição da British. Você confere hoje a avaliação mais completa já publicada pelo Melhores Destinos. Ela foi feita pelo leitor Samuel Paiva que nos mandou mais de 30 fotos, todas ótimas e que estão disponíveis em alta resolução no final desse post.

Vamos ao texto:

Já voei quatro vezes pela British, era uma companhia que eu não cogitava muito, especialmente por não figurar nos sites de promoção e não oferecer as tarifas mais baratas pelo site, mas consultando meu agente de viagens sempre encontramos ótimas opções de preços frente às companhias tradicionais.

A British é uma companhia grande e muito tradicional, os voos que fiz com ela foram de São Paulo (GRU) a Londres (LHR) duas vezes, Londres (LHR) a Barcelona (BCN) e recentemente São Paulo a Londres e Londres a Nova York (JFK) – sobre estes dois últimos passarei minhas impressões abaixo.

BA 246 GRU-LHR – dia 29/03 16:15

Check-in

Primeiro fica aqui uma dica: na British você só consegue marcar assento quando é aberto o check-in online 24 horas antes do voo, mas as opções são poucas. Caso você faça questão de um bom lugar deve pagar US$ 30 no site e escolher o melhor assento ou chegar cedo ao check-in.

Eu paguei o assento pelo site e mesmo assim cheguei com 2h30 de antecedência.
Nas experiências anteriores, o check-in havia sido sempre bom e simpático, mas desta vez me surpreendi.

Uma funcionária muito simpática nos atendeu. Foi rápida, nos ofereceu a opção de um upgrade por US$ 200 para a classe ¨World Traveller Plus¨ que é uma econômica superior mas optei por não fazê-lo.

Malas despachadas, pontos no programa Executive Club creditados e bilhete na mão com muita simpatia e rapidez, ponto positivo para a British, que melhorou bastante em um quesito que já era bom!

Nota 10

Decolagem e pontualidade

O embarque em GRU foi tranquilo (depois de passar pelas filas para entrar na sala de embarque, coisa dos nossos aeroportos).
Fomos chamados para embarque e às 16 horas todos estavam acomodados, o avião iniciou os procedimentos de segurança e às 16h15 estávamos taxiando para a cabeceira 9. Dez minutos depois, o ¨jumbo¨ decolou rumo a Londres.
Subimos inicialmente a 34.000 pés e voamos calmamente sobre o céu do Brasil. 2h50 depois deixamos o Brasil entre Natal e Fortaleza e o voo subiu para 35.000 pés.
Uma pequena turbulência foi sentida ao cruzar a região da linha do equador já sobre o Atlântico e rumamos direto às ilhas Las Palmas, mas até lá resolvi descansar e nada de filmes ou caminhadas pelo avião, só um bom sono – afinal seria um voo de 11 horas no total.

Avião e Assentos

O equipamento utilizado pela British na rota GRU-LHR é o Boeing 747-400.
Não é um avião moderno, mas voar em um 747 é algo bastante agradável, o avião passa por turbulências com mais suavidade, o seu tamanho impressiona, o espaço interno para circulação é muito amplo e o silêncio também é um ponto forte.

O avião desta rota estava configurado com 14 assentos na primeira classe (first), 70 assentos na executiva (club world),30 assentos na econômica premium (world traveller plus) e 177 assentos na econômica (world traveler).

Viajei de classe econômica com configuração 3+4+3 e o espaço entre as poltronas é razoável, na média do mercado, mas os assentos são muito confortáveis, pois o apoio para cabeça tem uma regulagem mais firme. Quando você dorme e apóia a cabeça o mesmo fica firme e não se move como em outros tipos de regulagem, este item foi bem pensado e é superior.

Como desde o dia anterior o voo da British havia deixado de iniciar em Buenos Aires e a rota passou a ser exclusiva a partir de São Paulo, o voo estava um pouco mais vazio que os anteriores e pude deitar nos assentos laterais que estavam desocupados. Claro que isto é ruim para a companhia, mas foi bom para mim, com certeza um golpe de sorte.

Apesar de o avião não ser o mais moderno, estava limpo, bem cuidado com todos os itens funcionando, banheiros limpos e completos.

Nota 9

Entretenimento

Os aviões da British de longo curso oferecem tela de vídeo individual e uma programação muito ampla chamada highlife. As telas têm tamanho razoável e a luminosidade, volume e menu são controlados pelo toque na tela ou por um controle no braço do assento.

Os filmes, programas e musicas são ¨on demand¨, onde você escolhe a hora que quer começar, pausar ou parar de ver um filme ou ouvir uma música por exemplo. As opções eram lançamentos e uma biblioteca com filmes já lançados, tinha filmes dublados para o português ou outras línguas e as opções eram muitas.

Filmes, músicas com vários CDs disponíveis e programas de TV além, é claro, do tradicional moving map, onde você pode acompanhar as informações do voo, também estavam disponíveis.

A revista de bordo da british (High Life) e o catálogo do freeshop a bordo (High Life Shop) também estavam disponíveis.

Nota 10

Serviço de Bordo

Neste quesito me pareceu que um corte de custos foi aplicado em relação aos últimos voos. Falo isso porque anteriormente um amendoim era servido na classe econômica e o prato principal era maior, neste voo o amendoim era só até a classe econômica plus e o prato principal deu uma diminuída.

Economias à parte, uma bebida foi servida logo após a decolagem e cerca de uma hora depois o jantar foi servido. Eram oferecidas duas opções: frango ou carne. Um arroz com legumes, uma salada e sobremesa acompanhavam. A comida era boa e nem estava com gosto de comida de avião.
Logo após foi servido café ou chá e as luzes da cabine foram apagadas. Uma hora antes do pouso foi servido um café da manhã com opção de croissant com queijo ou ovos mexidos.

Durante todo o voo, bebidas e snacks ficavam à disposição dos passageiros na galley .
A língua que predominava no voo era o inglês (britânico), mas existem comissários que falam português e os avisos da cabine eram em inglês e em seguida uma comissária os repassava em português (a British mantém comissários baseados em São Paulo) .

Nota 9

Pouso e Terminal 5 Heathrow
Logo estaríamos próximo à Grã Bretanha, entrando pelo mar Céltico até iniciar procedimento de aproximação para Heathrow. Como de costume, o tempo estava frio e muito encoberto em Londres, o procedimento foi totalmente no automático interceptando a cabeceira pelo ILS.
O pouso foi muito suave e elogiado por boa parte dos passageiros e em seguida recebemos o agradecimento da comandante (isso mesmo da comandante) por escolher a British.

O desembarque em Londres no Terminal 5 (o maior e mais moderno da Inglaterra) que é exclusivo da British Airways foi tranquilo. A fila da imigração era aceitável e depois para retirar as malas e pegar o trem até o centro de Londres tudo foi muito tranquilo, limpo e organizado.
O Terminal 5 é um capitulo à parte e eleva a experiência de voar a um patamar superior, visto a qualidade, limpeza e organização de suas instalações.

BA 177 LHR-JFK – dia 02/04 13:00

Check-in
Muito prático, o Terminal 5 concentra todos os voos da British – e são muitos (veja foto do painel entre 12h e 15h) mas mesmo assim tudo muito organizado e calmo (veja fotos do teminal). O procedimento é o seguinte: você vai a uma máquina de ¨self check-in¨, emite o bilhete e se dirige a uma estação para despachar a bagagem. Caso algo dê errado, há um enorme balcão de atendimento.
É impressionante a capacidade de organização, limpeza, silêncio e praticidade de um aeroporto deste tamanho… Um dia chegaremos lá!
Passamos pelo procedimento de segurança que é bem rigoroso, mas nada que comprometa o embarque. Só é meio chato tirar sapato, jaqueta e tudo mais… mas são procedimentos, fazer o que?!!
O Terminal 5 é também um grande shopping enquanto você espera o voo: são várias lojas (incluindo uma filial da Harrods) e locais para se alimentar. Cerca de uma hora antes do embarque o painel indica seu portão e nos dirigimos a ele, esperando a chamada do voo.

Decolamos com 30 min de atraso devido à inspeções de segurança (o que foi dito pelo comandante).

Avião e assentos
O avião utilizado é um 747-400 exatamente igual ao utilizado na rota GRU-LHR. Estava limpo e tudo funcionava normalmente no avião e nos assentos.
A British usa o maior avião na rota para NY que é uma das mais movimentadas do Atlântico Norte, as outras companhias usam A-340, B 767, B 777 e até B 757.

Entretenimento
Igual ao utilizado na rota desde o Brasil com várias opções

Serviço de Bordo
Como este voo era diurno, logo após a decolagem tivemos um almoço servido e a opção era macarrão com frango e espinafre. Estava bom, mas o voo desde o Brasil estava com a comida melhor.
Uma hora antes de pousar em NY, foi servido um lanche de frango e um chocolate “kit kat” de sobremesa. Novamente, bebidas e snacks estavam disponíveis na galley
Neste caso obviamente a tripulação só falava inglês e, caso necessário, tinha comissários que falavam indiano, chinês, frances e espanhol. Esta é uma característica da British, sempre tem tripulantes que falam várias línguas.

Pontualidade, voo e chegada a NY
O voo saiu com 30 min de atraso, mas o mesmo foi reduzido em rota. O tempo total foi de 7h30 e praticamente durante as cinco horas de travessia do Atlântico ficamos com o cinto atado devido às turbulências por condições meteorológicas – pegamos vento de proa de 180 km/h!!

Avaliação Final

A British é uma companhia tradicional e não mantém as políticas de preços mais agressivas, porém oferece serviços com qualidade e aviões muito bons, limpos e bem mantidos (mesmo não sendo os mais modernos). É a maior operadora de Boeing 747 do mundo.
A companhia tem comissários muito bem treinados e preparados, tem regras rígidas de segurança e os procedimentos em voo são rigorosamente seguidos, o que passa uma sensação muito boa para os passageiros.
A utilização do Terminal 5 em Londres é um grande diferencial para a companhia, pois transforma em muito a experiência de voar já que oferece um conforto muito grande enquanto espera o voo ou no seu desembarque. No desembarque em LHR as esteiras de bagagem são enormes em um local calmo e bem sinalizado.
No embarque tudo funciona, é limpo e silencioso e oferece muita coisa para se fazer enquanto se espera pelo voo, os restaurantes são ótimos, as lojas têm toda variedade de gênero, de farmácia a loja de departamentos passando pelas tradicionais óticas e lojas de perfume… uma experiência à parte.
Vale a pena optar pela British pelas qualidades acima destacadas. Se ela oferecesse algumas promoções mais agressivas, mesmo que bem pontuais, tenho certeza de que mais gente poderia aproveitar todo o estilo britânico de voar nessa companhia que, com certeza, oferece serviços de muita qualidade e passa muita segurança para o passageiro.

Já voou pela British Airways? Tem alguma dica sobre a empresa? Deixe seu relato nos comentários a seguir. Se quiser fazer a avaliação de alguma empresa que ainda não foi descrita aqui no Melhores Destinos mande um e-mail para contato@melhoresdestinos.com.br. Veja aqui as mais de 20 avaliações já publicadas.

Autor

Leonardo Marques - Diretor do Melhores Destinos