Como é voar pela Aerolíneas Argentinas

Leonardo Marques 26 · abril · 2011

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

A Aerolíneas Argentinas é a maior empresa aérea dos nossos vizinhos e voa a partir de grandes capitais brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis e Salvador. Criada em 1950 como empresa estatal, a companhia foi privatizada na década de 1990, mas após graves crises teve de ser salva em 2009 pelo governo argentino, que reassumiu sua gestão. Desde então, a Aerolíneas criou uma nova imagem corporativa e vem tentando se reerguer, inclusive com a renovação de sua frota. Como a empresa não costuma fazer boas promoções, ela não costuma aparecer com frequência aqui no Melhores Destinos. Ainda assim, trazemos a avaliação feita pelo leitor Paulo Vieira, que em janeiro fez dois voos pela companhia entre Buenos Aires e Montevidéu e relata sua experiência a seguir:

Sigo o Melhores Destinos há muito tempo e um dos posts que mais gosto é o das avaliações das companhias aéreas. Em janeiro deste ano, fiz uma viagem para Buenos Aires e depois segui para Montevidéu. O voo CNF – AEP foi pela Gol e o trecho AEP – MVD pela Aerolíneas Argentinas. A viagem foi marcada com bastante antecedência (cerca de seis meses) e desde lá vim pesquisando preços. Éramos três pessoas: eu, minha esposa e minha irmã. Conheci Buenos Aires no ano passado com minha esposa e na ocasião, programamos tantos passeios que não conseguimos fazer o tradicional passeios de Buque Bus que leva ao Uruguai na cidade de Colonia Del Sacramento. Combinamos então que no ano seguinte visitaríamos Montevidéo e passaríamos em Punta del Este. Como minha irmã decidiu viajar conosco e não conhecia Buenos Aires, decidimos então ficar quatro dias em Buenos Aires e cinco dias em Montevidéo. O voo Belo Horizonte (CNF) até Buenos Aires (AEP) foi feito pela GOL (onde junto milhas smiles a mais tempo com o objetivo de ir á Aruba) e o trecho de Buenos Aires (AEP) à Montevidéu (MVD) foi feito pela Aerolíneas Argentinas que vou descrever a seguir.

COMPRA DAS PASSAGENS
Foi feita com antecedência de cinco meses pelo site da própria Aerolíneas. Tudo muito tranquilo. Na época, ainda estávamos decidindo se ficaríamos em Montevidéu ou em Punta Del Este. Feito os cálculos, decidimos ficar em Montevidéu mesmo, pois pagando a estadia no hotele alugando um carro pelos cinco dias ainda ficaria mais barato do que se hospedar diretamente em Punta (lugarzinho caro no verão!). O mais interessante é que de início pensamos em fazer apenas o voo de ida de Buenos Aires a Montevidéu e de lá voltar para o Brasil, porém, as passagens de ida e volta ficaram mais baratas do que apenas a passagem de ida para a capital uruguaia. Só não imaginávamos o que nos aguardaria! Compramos então ida e volta de Buenos Aires e seguimos de lá para o Brasil.
Os voos da Aerolíneas foram os seguintes:

– Voo AR 1208 – Buenos Aires (AEP) até Montevidéo (MVD), 10/01 às 17:10
– Voo AR 1203 – Montevidéo (MVD) até Buenos Aires (AEP), 15/01 às 10:00

CHECK-IN
Período tenso. Durante nossa estadia em Buenos Aires, recebemos um e-mail da Aerolíneas alterando o horário do nosso voo a Montevidéu. Como estávamos em festa, curtindo o passeio e nosso espanhol é horroroso, nem percebemos a importância da mensagem; imaginamos que era apenas a confirmação do voo. Como eu estava com duas mulheres, já imagina o atraso normal para se chegar ao aeroporto. Além disso, nosso voo havia sido antecipado, então o nosso atraso dobrou. Mesmo assim, o check-in foi feito de forma rápida e os bilhetes emitidos. Esperaram ainda porque não havíamos preenchido os formulários de alfândega e enfim pegamos o voo. Tudo bem que TODOS os passageiros estavam apenas nos esperando para que o voo pudesse sair. Resumo: tanto o check-in da ida quanto o da volta foram rápidos e neste ponto foi tudo ok.

DESPACHO DAS BAGAGENS
Sem novidades! Ocorreu tudo tranquilamente. Estávamos dentro dos limites de peso para todas as bagagens, mesmo com as compras.

CHEGADA AO DESTINO
Na chegada à Montevidéu, tudo ok. O aeroporto de Carrasco é maravilhoso. Pequeno para um aeroporto internacional, mas muito organizado, limpo, com alguns sistemas de tecnologia e uma arquitetura muito bacana. Como estava vazio, pegamos as bagagens sem problemas e seguimos. Detalhe: os táxis no aeroporto de carrasco são Mercedes!

RETORNO
Aqui começou a tortura! O voo de volta atrasou muito. Estava previsto para as 10 horas. Atrasaram 60 minutos e depois mais 40 minutos. Nada se pode fazer nesta situação, então liguei o laptop e fui ver um filme…
Chegando a Buenos Aires, já estávamos com duas horas de atraso e precisaríamos seguir a Ezeiza (EZE) para o voo de volta ao Brasil, que sairia às 14 horas. A fila na alfândega era imensa. Recorremos aos funcionários do aeroporto que disseram não poder fazer nada. Solicitamos a presença de algum funcionário da Aerolíneas para que pudesse resolver o nosso problema e não apareceu ninguém. Haviam dois guichês para a passagem de argentinos e 03 guichês para a passagem de estrangeiros. A nossa sorte foi que, assim que o guichê dos argentinos finalizou, minha irmã chegou ao atendente, explicou a situação e ele foi muito atencioso (mesmo sendo argentino rsss) e nos deixou passar. Pegamos as bagagens, tomamos um táxi e seguimos para Ezeiza. Encontramos um engarrafamento no caminho, mas isso é assunto para outro post.

DURANTE O VOO
O voo entre AEP e MVD é muito rápido. A previsão da empresa é de 45 minutos mas na verdade durou cerca de 35. O avião que fez o trajeto de ida era um Boeing 737-700 jet e no trajeto de volta um Boeing 737-500 jet velho. Interessante que ambas as aeronaves possuíam um espaço para primeira classe, dividido por uma cortinazinha. Neste espaço, as cadeiras eram mais largas e confortáveis e com apenas quatro assentos por fileira. Os aviões da Gol (Boeing 737-800) que operam o trecho internacional GRU – EZE / AEP não possuem a primeira classe.

Foi servido assim que assentamos um suquinho (muito doce, por sinal), uma barra de cereal e uma bala de doce de leite (novidade!!!) além de um guardanapo. O espaço entre as cadeiras é normal, como os aviões da Gol. Como já imaginava isso, ao comprar as passagens escolhi aquele lugar próximo à saída de emergência, onde se tem mais espaço para as pernas. Havia uma revista da prória empresa para entretenimento e nada mais. Durante o voo não foi servido mais nada, até porque o tempo de viagem foi muito rápido.

CONCLUSÃO
Sem nenhuma novidade. Uma empresa comum. Achei tudo muito simples. Imagino que até pela distância do itinerário percorrido (apenas 35min, de voo). O único ponto em que a empresa pecou e muito conosco foi no caso do atraso do voo. Se não fosse o famoso “jeitinho brasileiro” possivelmente perderíamos o nosso voo em EZE para o Brasil e a Aerolíneas Argentinas não moveu uma pá para nos dar uma satisfação e tentar solucionar o nosso problema. Nem um funcionário ela enviou para nos ouvir. De qualquer forma, recomendo sempre que se chegue mais cedo ao check-in para diminuir qualquer possibilidade de transtorno em sua viagem, independente de qual companhia. Hoje, em trechos internacionais, não se pode levar na bagagem de mão produtos como desodorantes, sprays, etc. Vi muitas mulheres deixando seus produtos caros nos vasilhames do pessoal no departamento de embarque. Chegando cedo, tudo isso poderia ter sido despachado com antecedência.

 

Já voou pela Aerolíneas Argentinas? Tem alguma dica sobre a empresa? Deixe seu relato nos comentários a seguir. Se quiser fazer a avaliação de alguma empresa que ainda não foi descrita aqui no Melhores Destinos mande um e-mail para contato@melhoresdestinos.com.br.

Autor

Leonardo Marques - Diretor do Melhores Destinos