Aeroporto de Guarulhos já pode receber Airbus A380, maior avião de passageiros do mundo! Primeiro voo da Emirates será em novembro

Denis Carvalho 27 · outubro · 2015

A novela finalmente acabou – e com final feliz! Após anos de espera, o Aeroporto de Guarulhos finalmente foi autorizado a receber voos com o Airbus A380, o maior avião de passageiros do mundo. A aprovação foi confirmada ao Melhores Destinos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e deve ser publicada nos próximos dias no Diário Oficial.

Além da liberação, já tem data para o primeiro voo comercial do gigante para o Brasil. No dia 14 de novembro, a Emirates fará um voo especial com o Airbus de Dubai a São Paulo, para comemorar o oitavo ano de operações no Brasil.

“O A380 é uma aeronave icônica que continua encantando nossos clientes e fãs de aviação e, por isso, decidimos trazer um voo para São Paulo para celebrar nosso 8º aniversário. Como a Emirates é uma parceira global da Fórmula 1, também fizemos com que este voo coincida com o Grande Prêmio do Brasil, que ocorrerá no dia 15 de novembro no Circuito de Interlagos”, afirma Stephane Perard, country manager da Emirates Airline para o Brasil.

A380 emirates

O voo será operado como EK 261, sairá de Dubai no dia 14 de novembro, às 10h15, e chegará em São Paulo às 19h30 do mesmo dia. O voo de retorno, EK 262, sairá de São Paulo a 1h25 da manhã seguinte, dia 15 de novembro, e chegará em Dubai às 21h25 do mesmo dia.

“Enquanto não temos planos de inserir o A380 na nossa rota para São Paulo, nossos clientes brasileiros podem experimentar voar com o A380 da Emirates por meio de nossas contínuas e convenientes conexões a partir de nosso hub, Dubai, para mais de 30 destinos da nossa malha aérea, incluindo Extremo Oriente, Austrália e Nova Zelândia. Estamos animados em trazer a aeronave para São Paulo e gostaríamos de agradecer às autoridades do Aeroporto Internacional de Guarulhos e à Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil pelo suporte e pela assistência, fazendo os arranjos necessários para que este voo ocorra”, acrescentou.

O A380 da Emirates é reconhecido por suas suítes First Class Private e seus Shower Spas, bem como pelo lounge disponível para passageiros da Primeira Classe e da Classe Executiva para socializar e relaxar. As três classes da aeronave contam com 14 suítes First Class Private , 76 assentos totalmente reclináveis na Classe Executiva e 401 assentos na Classe Econômica.

Liberação

Com a homologação do aeroporto de Guarulhos para receber o A380, foi dada a largada para que as companhias iniciem voos regulares com o avião de dois andares para o Brasil. A Emirates é forte candidata, por ser a maior operadora global do A380, com uma frota de 67 aeronaves em serviço e 73 encomendadas.

Outras companhias também já demonstraram interesse em voar com o Airbus para São Paulo.Em 2013 a Air France chegou a anunciar que faria voos com o A380 de São Paulo a Paris, mas o plano esbarrou na autorização do aeroporto. Lufthansa, que opera com o 747-8, segundo maior avião do mundo, também já demonstrou interesse.

Veja como é voar no A380 da Emirates nas classes econômicaexecutiva.

Publicado por

Denis Carvalho

Editor chefe

  • Fernando

    “Apesar da crise…”

    • Jonatas Elias

      A Emirates tem petróleo “na faixa”.

      • Fernando

        Já peguei dubai-hong kong em A380 com fileiras e mais fileiras na econômica vazias. Só isso explica.

      • Nem tanto assim. Se fosse a Etihad (de Abu Dhabi), você teria razão, mas as jazidas de petróleo dos Emirados Árabes são distribuídas desigualmente. O território de Dubai é pequeno, tem pouco petróleo e as jazidas que existem já estão se esgotando. Foi justamente por isso que eles diversificaram e investiram em comércio, turismo, imóveis, logística, serviços bancários, Informática e tudo mais pelo qual Dubai vem ficando famosa.

        • Jonatas Elias

          Grande Goytá, abraços. Valeu pela informação, mas disse isso apenas de forma irônica.

      • Tony Coelho

        Pq vc vem aqui falar tanta besteira Jonatas?

        • Jonatas Elias

          Senhor Pasquale, já ouviu falar em ironia?

          • Tony Coelho

            Iironia? Qual o código do aeroporto desse lugar? Teus A380 também voam pra lá?

          • Jonatas Elias

            Ironia: “Expressão ou gesto que dá a entender, em determinado contexto, o contrário ou algo diferente do que significa; Atitude de quem usa expressões ou gestos irônicos; Sarcasmo; Acontecimento ou resultado totalmente diferente do que eram as expectativas.”

          • Tony Coelho

            Onde fica isso? Qual o tamanho da pista? Alterna A380?

  • Guilherme

    Qual o Aeroporto de alternativa?

    • Paulo Teixeira

      Excelente pergunta !!

      • LLOS

        O de Natal. Hahahahahaha

    • Tony Coelho

      Se for por pista, alterna Galeão que tem a pista ainda maior que Guarulhos. Confins também suporta pouso e decolagem do A380.
      Já infraestrutura aeroportuária para receber essa quantidade de passageiros ao mesmo tempo, aí é outro assunto.

    • André Oliveira

      GIG. Já recebe o 748 e já está homologado pra receber o A380.

    • Jonatas Elias

      GIG, VCP, EZE.

      • Tony Coelho

        Natal e Ezeiza são muito longe para alternar.

        • Jonatas Elias

          EZE nem tanto viu, está a cerca de duas horas de GRU (@400 kts), o que não é nada absurdo em se tratando de um voo de 14 horas.

          • Depende da natureza da emergência. Depois de 14 ou 15 horas de voo, não é de se esperar que haja reserva de combustível para voar mais duas horas tranquilamente. Natal é longe para a rota da Emirates, mas não para a da Air France, se ela vier a colocar o A380 na rota CDG-GRU.

          • Jonatas Elias

            Obrigado!

      • Tony Coelho

        Ezeiza para alternar? Pq vc vem aqui falar tanta besteira Jonatas?

    • Que eu saiba, apenas o novo aeroporto de Natal poderia até então receber pousos e decolagens do A380. Logo, o aeroporto de alternativa ficará bem ali no Nordeste…

      • Marcelo Berto

        Pena que Brasília não é homologado. Aqui nem 748 está liberado.

        • Homologação vale para pousos programados e regulares. Estamos falando de alternar. Isso significa que terá havido alguma emergência. Nesse caso, ninguém poderá dizer ao piloto: “Sinto muito, mas o senhor não tem homoiogação para pousar aqui. Queira por gentileza cair e espatifar-se em outro lugar.” E aí há várias alternativas para o A380. Inclusive Brasília.

      • Márcio Sampaio

        O Galeão já está homologado desde dezembro de 2014.

    • Fabio

      GIG, que recebeu a homologação muito antes de GRU.

    • Patrick Ferreira

      GIG sem sombra de duvidas.

    • Galeão

    • Sami Zahra

      Claro que VCP

    • SP_Pedro

      GIG. Já está homologado.

    • Felipe Sousa

      GIG

    • Guest

      GIG

    • Guilherme Ricca

      o GIG é autorizado a receber.

    • Leandro Vale

      o de Feira de Santana – Bahia hahahahahha

    • Sylvio

      Viracopos, que foi construído inicialmente para vôos de carga. Era o único a receber o Concord em sua época áurea. Tem pista de sobra, está longe do centro da cidade e já conta com uma estrutura razoável.

      • Fernando

        Viracopos único a receber o ConcordE??? Levei até um susto com o que você escreveu. Você só pode estar de brincadeira, o Concorde era operado no galeão que possui a maior pista (excetuando a de testes Gavião Peixoto da Embraer) do Brasil de concreto e 4000m, teve as operações iniciadas em 1976 na rota Paris – Dakar – Rio e terminadas em 1982 etc etc… Além disso o GIG está oficialmente homologado para operar o A380 com dito pelos colegas acima.

        • Tony Coelho

          Viracopos nunca foi rota do Concorde. O Fernando está correto. Concorde só fazia Paris – Dakar – Rio e Paris – Nova York. Algum tempo depois o concorde passou a fazer também Paris – Washington.
          A British só fazia Londres – NY com o Concorde.

          • Na verdade, a rota para NY demorou a começar – só alguns anos depois da rota para o Rio, por causa de ecologistas e moradores de Long Island brigando na Justiça por causa do ruído. A BA inaugurou os voos no Concorde indo de Londres para Bahrain, no mesmo dia em que a AF inaugurou a rota para o Rio (aliás, no voo inaugural, os dois Concordes decolaram sincronizados de LHR e CDG, com transmissão ao vivo pela TV em tela dividida). A rota de Washington (Dulles) veio um pouco depois da do Rio, só para marcar presença em território americano enquanto não saía a permissão para operar no JFK. A rota para IAD era muito problemática porque com a “jet stream”, ficava no limite da autonomia de voo do Concorde e muitas vezes obrigava a um pouso de reabastecimento em Gander, no Canadá.

          • Tony Coelho

            Grande Goytá, você é minha memória, foi isso mesmo. Várias vezes calhou eu estar no GIG nas horas de chegada do Concorde. Lembro bem, quartas e domingos no meio da tarde. Se não me engano depois passou para 3 voos semanais.
            Uma dessas vezes estava no desembarque esperando alguém, me chamou atenção um cara que desembarcou portando só a raquete de tênis…

          • Quem tem bagagem é pobre… Lembro de ter lido que o Antônio e a Carmen Mayrink Veiga tinham um mega-apartamento na Avenue Foch (ou era na Avenue Montaigne?), no “seizième arrondissement” de Paris (tradução: a vizinhança do Arco do Triunfo, o lugar mais caro da cidade, onde uma mera kitchenette custa uns 2 milhões de euros). Eles viviam na ponte aérea do Rio para lá, e NUNCA levavam bagagem, porque usavam o guardarroupa que tinham em cada cidade… Pegar Concorde para eles era como pegar táxi para nós…

          • Tony Coelho

            Vc tem razão Goytá. Essa regra só se aplica aos ricos. Sabe qual a única vez que a alfândega do Rio me parou? Uma vez que cheguei de Miami sem bagagem, minha mulher tinha vindo em outro voo um pouco antes e a bagagem estava com ela. Era uma época de dólar barato – década de 1980, século passado – não acreditaram que eu não estava trazia nada e nem aproveitei cota de duty free.

    • Dependendo da posição do avião e da natureza da emergência, pode ser Viracopos, Galeão, Confins ou Brasília. Todos têm pista longa o suficiente para receber um A380 (e Viracopos e Galeão já o receberam em voos de demonstração). Pista de taxiagem, pátio e outros detalhes são outros quinhentos, mas para um pouso de emergência, todos esses dão. Isso para a Emirates, cuja rota chega aqui pelo litoral do Espírito Santo ou do Rio de Janeiro, mas se a Air France puser mesmo o A380 na rota Paris-São Paulo, pode acrescentar à lista Natal, Recife, Petrolina (que tem uma pista enorme e já recebe 747-400 cargueiros regularmente) e Salvador.

      • Tony Coelho

        Salve Goytá, só agora vi que você respondeu no MelhoresDestinos rsss. Achei que estávamos no Aviões e Músicas.

  • Leandro Ferreira

    Olha aí Denis, eu falei. Haha.
    E obrigado por publicar a matéria sugerida por este humilde leitor 🙂

    • Oi Leandro, estamos no pé da Anac há duas semanas e hoje teve a confirmação! Agora é esperar alguém pedir voos regulares! =)

  • Charles Barros

    Que venham os grandes da Lufthansa, Air France e Emirates! Agradeceremos pela possibilidade de bilhetes com preços baixos para outros destinos diferentes de Américas do Sul, Central e Norte.

    • Jonatas Elias

      Tu sonhou agora né?

      • Charles Barros

        O equipamento A380 transporta até 853 passageiros em classe econômica única. Logo os custos são menores. A realidade existe!

        • Jonatas Elias

          Nenhuma aérea cometeria essa loucura. Primeiro pela “mitologia” em torno da grandeza do A388, que comporta “palácios” na primeira classe. Segundo porque, no BR, não há rota com tal demanda.

          • Charles Barros

            Eu disse “até” pois esta é a capacidade máxima do equipamento – em momento algum afirmei que não poderia existir primeira classe. E tem um detalhe muito importante que o sr. não está levando em consideração: GRU é o principal HUB da América do Sul para Lufthansa, Air France e Emirates. Aeronaves como o A380 e B747-8 são colocadas em operação em rotas HUB a HUB. Não pense apenas em Brasil – pense em Brasil, Chile, Uruguai, Colômbia, Equador e por ai vai – daí vai entender que é possível justificar a demanda. Forte abraço!

          • Jonatas Elias

            Vamos por partes:
            (1) Eu entendi o seu “até”;
            (2) GRU é Hub apenas da Tam, Gol e Avianca (OceanAir). O Hub da LH é Frankfurt, da AF é Paris e da EK é Dubai (DXB). Exemplos de voos Hub-Hub: GRU-BSB (JJ), JFK-LAX (Delta), MIA-DFW (AA), EWR-ORD (UAL).
            (3) Não existe “Hub” da Sudamérica para a LH (oferece GIG-FRA, GRU-FRA, GRU-MUC, EZE-FRA, BOG-FRA), nem para a AF (oferece GRU-CDG, GIG-CDG, BSB-CDG, EZE-CDG, SCL-CDG, BOG-CDG) nem para a EK (GRU-DXB, EZE-GIG-DXB);
            (4) Talvez o Senhor não saiba, mas o A388 corre um grande risco de ser tornar um elefante branco. Ele deriva da aposta da Airbus em grandes voos concentrados em Hubs, com distribuição regional, quando estamos vendo uma preferência por voos diretos, em aeronaves mais econômicas. Por isso vemos o A388 em rotas de grande densidade (Norteamérica-Europa-Ásia).

          • Alan Rodrigo de Almeida

            Somando as rotas de São Paulo para a Flórida são 11 vôos diários. São 5 para Mia, 5 para MCO e 1 para FLL. É uma oferta de uns 3000 assentos todo santo dia.

  • Agora sim!
    Por uma feliz coincidência, estarei em Guarulhos no dia 14.
    Preparando a câmera para tentar algumas fotos.

    • Jonatas Elias

      Vou até chegar mais cedo em GRU p ver esta maravilha.

      • Victor

        Ja tive a oportunidade de ver um desses em Heathrow!! É muito bonito! Monumental!!

        • Leandro Ferreira

          Vi o A380 da Qatar Airways no aeroporto Charles de Gaulle em Paris. Impressionante.

          • Alberto

            Por falar em Qatar será que a empresa também não vai por o A380 deles para voar paro o Brasil/Argentina?

    • Nayara

      Vi o pouso desse gigante no aeroporto Malpensa em Milão! Fiquei admirada hahaha! E depois ainda teve o embarque para NY

  • Patrick Ferreira

    Muito lindo, tomara que mais empresas venham a operar com esse equipamento.

  • Rafael Gomes

    que perfeito *_*

  • Rafael Gomes

    o dificil é vim … 🙁

  • Geronimo

    É realmente lamentável que essa autorização venha em um período de instabilidade econômica em que as companhias tem reduzido ou cancelado voos para o Brasil, porque acredito que se a economia estivesse em alta como há pouco tempo atrás, poderíamos esperar vários voos de várias empresas muito em breve. Mas no fim a poeira vai baixar e vai dar tudo certo e sem dúvida isto acontecerá, em pouco tempo, creio eu.

  • Guilherme Barbieri

    Foi a aeronave mais estável e silenciosa que já peguei até agora. Fiz a rota LHR – LAX com a British Airways este mês.

  • R.F.

    Acredito que a Emirates é a única cia. aérea que seria capaz de sustentar um voo com o A380 para o Brasil. No mais, as outras companhias provalvemente cancelariam o voo com ele. Mas se tratando da aeronave, realmente me surpreendeu, nas 5 vezes que voei nele, todos os voos foram bem suaves, quase não sente a turbulência…

    • Tony Coelho

      Air France tem 2 voos por dia para GRU e mais dois para GIG. Se nossa demanda reduzir por conta do dólar e recessão podem optar por uma frequência diária com A380. Reduzem quantidade de assentos.

      • Jonatas Elias

        A British tb pode cancelar GIG-LHR e operar só em GRU, a Lufthansa cancela GIG-FRA ou GRU-MUC e jogar os pax para GRU-FRA no A388.

        • Eduardo Gonçalves

          Tá maluco? Você sabe o que isso representaria para o mercado carioca, encerrando voos diretos paras Londres e Frankfurt? Isso tudo é por ansiedade pra ver um A380 em São Paulo?

      • Alan Rodrigo de Almeida

        Air France tem muito passageiro partindo da França para o Rio. Não se esqueçam que Real fraco é sinônimo de Dólar e Euro ainda mais fortes.

        • Acontece que a maior parte do tráfego de estrangeiros para o Rio é de turistas. Com poucas exceções (por exemplo, fretamentos para lugares turísticos de altíssima demanda, como Cancún ou Tenerife – e o Rio nem chega aos pés do movimento deles), turista sozinho não sustenta rota aérea nenhuma. Quem sustenta é viajante frequente de negócios, e o grande centro de negócios no Brasil é São Paulo. Guarulhos também tem muito mais opções de conexão para outros países da América do Sul, o que também ajuda a alimentar a rota. Pode até haver voos especiais de A380 para o Galeão durante as Olimpíadas, mas se houver, será para atender a uma demanda temporária.

          • Alan Rodrigo de Almeida

            Se é turista ou viajante de negócios eu não sei. Mas os dois voos da Air France vivem lotados. Claro que São Paulo é o principal destino do Brasil mas não se esqueça que o Rio ainda é a capital nacional das indústrias de Óleo e gás, Seguros, Telecomunicações, entre outros. Também não estou defendendo a utilização do a380 nas rotas para o Rio. Apenas estou discordando do comentário que defende a extinção de vôos para o Rio para viabilizar o a380 em rotas para SP.

          • Alan, ninguém está em campanha para nada, nem fazendo plano nenhum para levar rotas regulares do A380 para São Paulo, muito menos conspirando para tirar voos do Rio para viabilizar esse “objetivo”, que só interessaria aos aficionados de aviação e ao ego de um ou outro bairrista idiota. Estamos simplesmente discutindo os cenários pelos quais seria mais viável a operação do A380 no Brasil, e um deles seria a consolidação dos voos. Isso acontece no mundo inteiro (por exemplo, a BA tinha três voos diários de 747 de Londres para Los Angeles e substituiu dois deles por um voo de A380), é inclusive um dos argumentos que a própria Airbus usa para vender o avião, e é um cenário bastante plausível na atual conjuntura econômica do Brasil. E nessa hipótese, se alguma cidade brasileira tivesse que receber menos voos, seria com certeza o Rio, pois São Paulo é um mercado muito maior e mais lucrativo para eles, tanto pelo seu próprio volume quanto pela quantidade de conexões disponíveis para alimentar o voo.

  • Jonatas Elias

    Pois é, como sempre o país do futuro sempre atrasado.

  • Oscar Luiz da Silva Neto

    Se para descer de um A321 leva 20 minutos, imagina um A380…

    • Fernando

      O Terminal 3 de GRU tem pontes de embarques pros 2 andares. E claro que o segundo deck esvazia mais rápido (onde ficam a business e a first).

      Não é a estrutura do novo terminal que preocupa e sim o demorado processo de imigração (pros estrangeiros, principalmente) que continua igual. Longas filas!

      • Jonatas Elias

        Verdade. Por mais que isso não dependa da empresa ou do aeroporto, pode acabar por os pax, sabendo da burocracia/fila, optarem por outros voos/horários, restando o cancelamento das operações do A388.

  • Antonio Silva

    Excelente notícia, mas não sei se daria certo um voo regular com esta aeronave !!!

    • Jonatas Elias

      Concordo.

  • Rebeca Freitas de Reus

    Ai que legal!! Pena que viajo no domingo e pelo Rio… só vou trocar para o AirBus lá em Dubai mesmo.

  • jose carlos

    Acredito que não existe demanda para isso. País em recessão, dolar alto, falta de segurança (para turistas estrangeiros), pessimo sistema de acesso aos aeroportos.
    Quanto ao custo de operacao, cabe citar que o numero de passageiros é elevado mas as despesas tambem são grandes, portanto, pouco se conseguirá em termos de reducao de tarifa, ainda mais que nem sempre o break even point será atingido

  • Luis

    Tantas burocracias da ANAC,demorou bastante pra liberar,realmente precisou tanto tempo pra analisar?E agora nenhuma cia interessa em operar A380 pra GRU como voo regular.

    • Elas também foram pegas de surpresa. As tabelas de horários delas são elaboradas com quase um ano de antecedência (se você entrar agora no site da Lufthansa, já vai encontrar a tabela de horários do verão de 2016 – meio do ano que vem no Hemisfério Norte). Elas só não vão colocar o A380 *imediatamente*, mas Emirates, Air France e Lufthansa já se interessaram no passado. Provavelmente teremos surpresas no ano que vem. Com a British Airways também é possível.

  • lvcivs

    “Foi dada a largada”?

    O aeroporto do Galeão tá pronto há um bom tempo para receber o A380, não?

    • Fernando

      Galeão depende de Guarulhos e vice-versa. Sem outro aeroporto homologado pra alternar na impossibilidade de pouso, acredito que era inviável.

    • R.F.

      Deve ser porque ao contrário do Galeão, Guarulhos irá receber um voo comercial com o A380… talvez.

  • jorge moraes

    Que papo é esse que a Emirates não tem planos de inserir o A380 na rota para SP? Todo mundo que acompanha notícias sobre aviação sabe que a EK vai sim colocá-lo nessa rota o mais breve possível. E se bobear a Air France coloca primeiro.

    • Tiago Torresani

      A Empresa não manifestou interesse no momento de coloca-lo na rota. O que é compreensível, visto a crise atual.

      • Os voos da Emirates continuam saindo lotados, inclusive porque ela se tornou a principal transportadora do Brasil para a China e o Japão (e muitas empresas brasileiras vão tentar vender para a China justamente por causa da recessão aqui). O voo de Guarulhos para Dubai também é alimentado por muitas conexões do resto da América do Sul (a Emirates está lançando um voo para o Panamá justamente por causa da extensa malha de conexões latinoamericanas que a Copa Airlines tem lá). A Emirates já demonstrou interesse de usar o A380 nessa rota no passado e consta que continuou insistindo – e certamente a pressão e o lobby dela contaram nessa decisão de agora da Anac. Pode apostar que além do caráter “promocional/comemorativo”, o que a Emirates quer mesmo com esse voo especial é testar na prática a operação real do A380 em Guarulhos. Lembre-se também que as companhias aéreas elaboram suas tabelas de horários e uso da frota com quase um ano de antecedência, de modo que não era mesmo de se esperar que no dia seguinte à liberação eles já pusessem o equipamento aqui.

  • Jonatas Elias

    Não é ansiedade não. Trata-se de apenas uma possibilidade, nem utópica nem impossível. BTW, o principal mercado é o de GRU. Veja que as aeronaves direcionadas para lá são melhores que as direcionadas para GIG.

    • Charles Barros

      Concordo!

  • DiMais

    pena que um ano atrasado, isso deveria ter ficado pronto na época da copa do mundo quando havia demanda suficiente.
    Air France já foi categórica em afirmar que não tem planos de trazer o A380 para o Brasil (quem sabe durante as olimpíadas no próximo ano ele volte, mas não vale muito a pena sonhar com esse gigante em nossos aeroportos).

    • Ela já pediu autorização para operar o A380 para São Paulo dois anos atrás, mas foi negada. A Air France tem quatro voos diários para o Brasil (dois para São Paulo, dois para o Rio), além de mais alguns voos semanais para Brasília. Se a recessão fizer cair muito a demanda, aí é que fará mais sentido ainda ela substituir dois ou três desses voos por um só num A380.

  • Considerando que a Qatar voa para cá com o 777-200LR, que é a versão de menor capacidade do 777, isso é extremamente improvável. A Qatar tem poucos A380 e os usa só nas rotas para os EUA e Europa.

  • Mas como já apontaram aqui, a própria recessão pode tornar o uso do A380 mais viável aqui. Deram o exemplo de a Lufthansa resolver cancelar o voo Frankfurt-Rio e o Munique-São Paulo e colocar todo mundo entre a Alemanha e o Brasil num só voo Frankfurt-São Paulo de A380. Acho bem possível. Faria bem mais sentido se a demanda cair muito.

  • Tony Coelho

    Eduardo, não leva a sério esse cara coitado.

    • Jonatas Elias

      Oras, por quê coitado?

    • Lucas Ribeiro

      Cara, você parece ser um babaca por perseguir o Jonatas.

      • Tony Coelho

        Prezado Lucas, não estou perseguindo ninguém. Se você reler acima em ordem cronológica verá que a primeira primeira patada partiu do próprio Jonatas…
        Quando se escreve publicamente uma besteira na rede num site como o MD com milhares de leitores deve-se pensar antes de escrever absurdos, concorda? O cara é um idiota, não tenho outra palavra. Sequer sabe o tamanho da frota de A380 da British e quais seus destinos. Se não tiver idéia lógica para expor melhor ficar calado e não pode se aproveitar da ignorância alheia, concorda?
        Vc acha que um A380 vindo de Dubai teria como alternar Ezeiza? Teria combustível para isso? Emirates só faz bate e volta GIG-EZE, não teria nem equipe para prosseguir o voo pois aquela que trouxe o avião desde Dubai já teria esgotado seu limite de horas de trabalho. Absurdo…
        Em todo caso o Eduardo diagnosticou bem, é ansiedade de ver um A380 em GRU rsss.

  • Carlos Oliveira

    CONFINS Tem pista mas não passageiros e o Rio este poderia operar de forma sazonal.

    • Carlos, preste atenção: o papo é sobre aeroportos para ALTERNAR, o que significa onde o A380 poderia pousar se, na hora do pouso, Guarulhos estivesse fechado por mau tempo ou qualquer outro motivo. Não estamos falando de destinos de rotas regulares.

  • Alan Rodrigo de Almeida

    Eu também não estou em campanha por nada. Até por que as decisões das empresas são técnicas e principalmente, financeiras. Mas eu posso discordar, certo? De fato continuo discordando de você. E o seu próprio exemplo serve para ilustrar o motivo. São Paulo tem um mercado enorme sim, mas ele não pode substituir a demanda dos outros destinos. A British substituiu dois vôos para Los Angeles por um vôo para Los Angeles. É óbvio que ela não poderia substituir os vôos por um que fosse para Nova York pois a demanda da rota é para Los Angeles (com certeza Nova York é um mercado maior que Los Angeles). Por que a Air France iria fazer isso no Brasil?

    • Alan, você editou seu comentário anterior. Antes, ele dizia exatamente o que eu falei e não era uma mera discordância. Em segundo lugar, é claro que a BA não poderia substituir um voo para Nova York por um voo para Los Angeles, mas poderia fazer isso com voos para San Francisco, San Diego ou Las Vegas, se a demanda caísse. Da mesma forma, Rio e SP são muito próximas de avião – é um voo de 35 minutos, o que não é nada para quem depois vai ter que voar 12 horas. Gasta-se muito menos tempo indo do Rio para Guarulhos numa conexão do que se gasta do centro de SP para lá na hora do rush, e o preço da conexão é diluído na passagem internacional. Aliás, antes de existir Guarulhos, a maioria dos paulistanos que viajavam ao exterior fazia isso para embarcar no Galeão.

      Mas depois que inauguraram Guarulhos, tudo mudou. Consolidação de voos em Guarulhos JÁ FOI FEITA várias vezes em diferentes épocas. A KLM, a própria BA, a Alitalia suspenderam os voos para o Rio por vários anos, concentraram as rotas em Guarulhos e só muito depois restabeleceram a rota. A Ethiopian cortou a escala no Rio e não voltou mais. A South African também não. Fora as que só operam em Guarulhos desde o início, mesmo: Turkish Airlines, Qatar Airways, Etihad, Swiss, Air China, Singapore Airlines, Aeroméxico, TAME, Boliviana…

      O Galeão tem tantos problemas de ocupação de voos que nas companhias que são fiéis usuárias dos dois aeroportos, é muito mais comum haver promoções de tarifas especiais de e para o Galeão que para Guarulhos. (Um amigo meu da Suíça veio aqui e achou uma promoção na Iberia para o Rio que era a metade do preço para Guarulhos.) Isso ocorre até em rotas domésticas mais longas, como Manaus ou Fortaleza. As duas exceções são a Air France, que tem uma oferta enorme de voos e assentos para o Rio (não sei exatamente por que só a França tem essa demanda toda), e a United, que botou o 787-9 na rota Houston-Rio (e o 787-8, menor, na rota Houston-SP) por causa das empresas de petróleo que exploram ou prestam serviços na Bacia de Campos, já que Houston é a base de muitas delas. Mas de Guarulhos a United ainda voa direto para Chicago, Washington e Newark, para as quais não voa do Rio.

      Não sabemos se vai haver mesmo essa consolidação. É apenas uma possibilidade. E se houver, não creio que ocorra antes das Olimpíadas, pois vão querer garantir slots até para voos extras. Mas depois, se a nossa economia não melhorar, tudo pode acontecer, e uma das possibilidades é essa. E se houver, pode ter certeza que vai ser Guarulhos e não o Galeão que vai ficar com a rota remanescente.

      • Alan Rodrigo de Almeida

        Procure aí uma opção de edição de comentário. Caso não encontre talvez deva usar a opção que existe pois meio que está fazendo uma acusação. Vê aí.

        • Existe e sei onde está. Não foi bem uma “acusação”, porque esse termo pressupõe que a outra pessoa fez uma coisa errada, e editar um comentário é um direito seu e de qualquer um que comente aqui. Você não teria feito nada de errado se tivesse feito isso – só não teria sido correto se você não assumisse que fez essa mudança, o que eu de fato pensei que você tinha feito.

          Porém, consultei no arquivo de mensagens recebidas do meu e-mail a notificação da sua mensagem anterior, conferi agora e constatei que me enganei – o texto é o mesmo. Portanto, quanto a isso, peço desculpas.

          Entretanto, continuo achando que não foi mera discordância: você disse que os comentários anteriores ao seu “defende[m] a extinção de vôos para o Rio para viabilizar o a380 em rotas para SP”. Isso, sim, é uma acusação. Há uma diferença muito grande entre *mencionar* uma possibilidade e *defendê-la* ativamente, como você afirmou que estaria sendo feito. “Defender” seria querer que essa possibilidade acontecesse e talvez trabalhar ativamente para tanto. Isso nunca aconteceu e você foi muito infeliz ao colocar as coisas dessa maneira.

          • Alan Rodrigo de Almeida

            Ok

  • Renan Gleyson

    Pousou sábado (14), alguem estava lá?