Aerolíneas Argentinas deixará de operar voos a Sydney em abril. Curitiba e Florianópolis estão nos planos

Denis Carvalho 14 · novembro · 2013

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

Já tratamos desse assunto neste post, mas agora é oficial. A Aerolíneas Argentinas anunciou que deixará de operar os voos de Buenos Aires a Sydney a partir do dia 12 de abril de 2014. Apesar da qualidade questionável dos voos e serviços prestados na rota – em especial quanto a atrasos e cancelamentos – a notícia é muito ruim para quem planeja uma viagem à Austrália e Nova Zelândia, já que a companhia argentina quase sempre oferecia os preços mais baixos e acabava forçando também a concorrência. Por outro lado, a companhia planeja novos voos para cidades brasileiras, como Curitiba e Florianópolis.

Com a decisão, a única companhia a operar voos da Oceania à América do Sul será a Qantas, que voa de Santiago a Sydney. Por outro lado, temos visto as grandes companhias árabes investindo com força na rota, com ótimas promoções de São Paulo a Melbourne ou Perth com a Etihad e Qatar Airways. 

A notícia é péssima para os argentinos, que deixarão de ter um voo direto à cidade australiana. É bom lembrar que até o ano passado eles tinham também a opção da Qantas, que acabou trocando seu hub em Buenos Aires para Santiago, de onde o acordo com a LAN permite uma distribuição excelente de passageiros para todos os países próximos.

A Aerolíneas informou que todos os bilhetes emitidos terão que ter a viagem concluída até 2 de abril. Quem já comprou viagens de ida ou volta após essa data deve solicitar o reembolso sem multa à companhia. Os passageiros que já estão em viagem pela Oceania com retorno após o dia 2 de abril se deram bem: a Aerolíneas vai reacomodá-los em voos da Etihad ou Emirates de volta ao Brasil!

 O fim da mais longa rota da Aerolíneas se deve a alguns fatores como a baixa rentabilidade dos voos e às restrições de peso no A340-200 para que pudesse cumprir a extensão do voo – 20% das poltronas precisam viajar vazias, além de restrições na carga transportada.Com um avião com mais de vinte anos de idade, a companhia não tem conseguido disputar mercado, mesmo com tarifas mais baixas.

Voos para o Brasil

A companhia afirmou que a decisão é parte de sua nova estratégia, que vai focar os voos na América do Sul, Estados Unidos e Europa, além de aumentar a malha doméstica em 22% no ano que vem.

Com relação ao Brasil, estão previstos novos voos a Florianópolis a partir de janeiro e a Curitiba em março. Resta saber se as rotas á capital catarinense serão mantidas após a temporada ou apenas operadas como charter.

Dica do leitor Diego Saraiva

Autor

Denis Carvalho - Editor chefe