Senado aprova acordo de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos

João Goldmeier 7 · março · 2018

Não perca mais nenhuma promoção!

Promoções no e-mail

Faça como 1 milhão de brasileiros. Cadastre seu email e receba as melhores promoções de passagens!

Promoções no Whatsapp

Agora você pode receber promoções direto no Zap! Escolha se quer receber todas ou só as melhores!

O Senado aprovou hoje o acordo internacional Céus Abertos (“open skies”) sobre transporte transporte aéreo entre Brasil e Estados Unidos. Após a promulgação, o texto passa a valer e traz algumas mudanças para o setor aéreo.

O tratado prevê que as empresas de transporte aéreo de ambos os países possam executar transporte aéreo internacional para qualquer ponto do outro país. O acordo não permite, entretanto, que uma empresa aérea de um país opere voos domésticos no outro país (voo por cabotagem).

A abertura ou fechamento de novas rotas áreas entre Brasil e Estados Unidos passarão a ser livres, de acordo com a decisão das empresas, sem limite de voos semanais.

Na pratica este limite de voos e a liberdade tarifária já não era aplicado por nenhum dos lados em razão de um memorando de entendimento entre os dois países. A aprovação do tratado só vem solidificar a prática.

O CEO da Latam Airlines Brasil, Jerome Cadier comentou a aprovação: “Os Céus Abertos incentivarão o aumento das operações aéreas internacionais entre o nosso país e os Estados Unidos, proporcionando aos passageiros mais opções de viagem, destinos e conexões, além de melhores horários”.

Vale lembrar que a Latam tinha especial interesse na aprovação do acordo, sem o qual não tem como dar seguimento no acordo comercial que pretende fazer com a American Airlines.

Por outro lado, em recente entrevista para o Melhores Destinos, o presidente da Avianca Brasil, Frederico Pedreira, ponderou que “Há muitas limitações que as companhias aéreas no Brasil têm que as americanas não têm. Se você abrir hoje vai haver uma diferença de competitividade que não vai beneficiar o Brasil”.

De nossa parte torcemos para que o acordo traga maior competividade e melhores preços! E você, o que acha do acordo?

Autor

João Goldmeier - Editor